PERDA DE HABITAT Urso polar faminto luta para ficar em pé enquanto procura desesperadamente por comida

De acordo com o WWF, devido à perda contínua e potencial de seu habitat e do gelo marinho, resultante das mudanças climáticas, os ursos polares tem encontrado dificuldade em achar alimento

Foto: Mediadrumimages/Joel Shutter

Fotografias fortes e comoventes tiradas pelo fotógrafo britânico-brasileiro, Joe Shutter, 30, mostram um urso polar magro e fraco lutando para ficar de pé enquanto busca por alimento. As imagens foram feitas na Groenlândia enquanto o fotografo fazia uma expedição pelo país.

Eles mostram o imenso urso polar extremamente magro lutando para se levantar enquanto sua estrutura esquelética se projecta através de sua pele flácida.

A criatura luta para conseguir andar e parece desanimada e exausta quando aponta o focinho manchado de lama em direcção à câmara.

Shutter disse: “Eu visitei a Groenlândia ano passado e tivemos a sorte de ver cinco ursos polares”.

Foto: Mediadrumimages/Joel Shutter

“Este ano, vimos apenas um – e ele estava em um estado deplorável. Não é garantido que você veja ursos polares, é claro, mas o que vimos era dolorosamente fino e cheirava a terra – não havia gelo ou neve ao seu redor.

“O capitão do barco em que eu estava – que visita esta parte da Groenlândia há mais de 30 anos – disse que o urso estava com problemas sérios, porque parecia fraco demais para sobreviver no inverno. Foi muito comovente, muito emocionante ver a cena tão próxima, assistir um urso em tão mau estado”.

Os ursos polares passam a maior parte de sua vida no gelo marinho do Oceano Árctico e uma população já estabelecida habita o norte da Groenlândia há gerações.

Geralmente, os ursos polares comuns têm uma espessa camada de gordura corporal e uma camada abundante de pelo repelente à água que os isola do ar frio e da água.

Foto: Mediadrumimages/Joel Shutter

Sobrevivendo principalmente de uma dieta de focas, que tem um alto teor de gordura, os ursos podem se sustentar por longos períodos sem comer.

De acordo com o WWF, devido à perda contínua e potencial de seu habitat de gelo marinho resultante das mudanças climáticas, os ursos polares foram listados como espécies ameaçadas nos EUA sob a Lei de Espécies Ameaçadas de Extinção, em maio de 2008.

Os cientistas dividiram a população total de ursos polares em 19 unidades ou sub-populações.

Desses, os dados mais recentes do Grupo de Especialistas em Ursos Polares da IUCN mostram que uma subpopulação está em declínio (mar de Beaufort do sul) e que existe um alto risco estimado de declínio futuro devido às mudanças climáticas e à falta de dados.

Foto: Mediadrumimages/Joel Shutter

“Acho que todos estamos cientes dos perigos que enfrentamos”, continuou Shutter.

“As questões da poluição por plásticos e da remissão do gelo marinho – são assuntos preocupantes e de grande impacto no planeta, estamos vendo seus efeitos ao vivo. Pode ter sido apenas um urso velho cuja hora havia chegado, mas o animal parecia não ter energia mais – não como os ursos brincalhões que vi no ano passado”.

“Acho que isso é o que mais impressiona na Groenlândia. É um lugar alucinante, simplesmente único. Mas é épico e frágil, você tem uma noção real do que está em jogo. Todos devemos fazer a nossa parte para proteger nossos ambientes de maior risco”, concluiu o fotógrafo.

Fonte: Anda

ESTUPIDEZ HUMANA Caçadores de troféu posam para foto ao lado de urso polar morto

Foto: Daily Mail/Reprodução

Fotos de caçadores de troféus com os corpos de ursos polares mortos estão sendo usadas para anunciar excursões de caça que custam milhares de dólares, com “altas taxas de sucesso e boa qualidade de troféu” prometidas.

Em viagens de caça organizadas com o propósito de matar uma espécie específica para adicionar à sua “colecção”, os caçadores sedentos de sangue perseguem a enorme presa seu habitat natural, que se torna um alvo fácil.

Muitas vezes, os caçadores de troféus removem as partes do corpo do animal derrotado, às vezes transportando-os ilegalmente para o Reino Unido ou EUA para serem preservados e exibidos em suas casas.

Foto: Daily Mail/Reprodução

Especialistas revelam que em torno de 5 mil animais foram mortos “por desporto” no círculo polar árctico nos últimos anos.

Desde 1995, houve 17 tentativas de importar “troféus” de ursos polares para o Reino Unido, relata o The Mirror.

Acredita-se que um aumento no número de empresas especializadas em caça que oferecem viagens para a região do Círculo Polar Árctico directamente acima do Canadá para clientes no Reino Unido, nos EUA e na China tenha levado ao aumento da tendência preocupante.

Foto: Daily Mail/Reprodução

Eduardo Gonçalves, fundador da Campanha de Proibição da Caça ao Troféu, disse ao The Mirror: “É bem sabido que os ursos polares estão em sério risco de extinção devido à mudança climática”.

“Se quisermos vê-los sobreviver, precisamos parar com esse massacre sem sentido.”

“O governo deve proibir imediatamente a importação de todos os troféus de caça”.

Foto: Daily Mail/Reprodução

Segundo informações do Daily Mail existem vários sites que oferecem a “oportunidade única” de caçar as criaturas majestosas.

Um operador de caça, que declara ter trabalhado com caça polar por 30 anos, explica que usa “sistemas de cotas” implantados pela população inuíte local para atender às necessidades de caça daqueles que estão dispostos a pagar.

O preço publicado para um americano matar um urso polar durante uma excursão de 12 dias é listado como £ 845 (cerca de 1000 dólares) – adicional ao preço da caça listada em £ 36.000 (cerca de 44 mil dólares).

Foto: Daily Mail/Reprodução

O site anuncia a caça como sendo feita com “tendas de parede aquecidas e acampamentos avançados” e oferece um “guia de ursos polares inuit acompanhado de uma equipe de cães durante toda a caçada”.

Foto: Daily Mail/Reprodução

Um taxidermista para o “troféu” do cliente, no caso o urso assassinado, também é recomendado pelo site que escreve: ”o couro do ‘seu’ urso polar, assim como o crânio e osso de baculum serão enviados congelados para um recomendado taxidermista canadense para serem polidos e limpos adequadamente”.

Foto: Daily Mail/Reprodução

Os ursos polares são classificados como “vulneráveis” pela World Wildlife Foundation, que acredita que existam entre 22 mil e 31 mil indivíduos da espécie restantes na natureza.

Fonte: ANDA

Urso polar “mais triste do mundo” ganha nova casa

Pizza vivia fechado num aquário em Grandview, China, em péssimas condições. Um Parque de Vida Selvagem no Reino Unido ofereceu-se para o receber

Conhecido como o urso polar “mais triste do mundo” devido às condições em que vive num aquário apertado num centro comercial chinês, Pizza vai ganhar uma nova casa num parque de vida selvagem no Reino Unido.

A Animals Asia, uma associação que luta para acabar com a crueldade contra os animais no continente asiático, chegou a angariar mais de meio milhão de assinaturas para fechar o aquário onde Pizza estava fechado, em Guangzhou, no sul da China. Como forma de sensibilizar as pessoas a associação publicou várias fotografias de Pizza e o caso do urso “mais triste” correu o mundo.

Agora, o Parque de Vida Selvagem de Yorkshire fez uma oferta para retirar Pizza do aquário Grandview.

O diretor da Animals Asia, Dave Neale, disse ao The Guardian que “a boa noticia para o Grandview é que agora eles têm a chance de corrigir o seu erro. Graças à incrível oferta do Parque de Vida Selvagem de Yorkshire pode haver um final feliz.”

Segundo o jornal chinês People’s Daily, Pizza vivia num aquário muito apertado, apenas com uma piscina rasa e constantemente a ser surpreendido com visitantes a baterem no vidro para chamar a sua atenção.

No parque em Yorkshire, o urso vai viver num habitat especialmente criado para ursos polares, com uma extensa propriedade e dois lagos. “Pizza vai ter condições incríveis e fará parte de uma comunidade com outros ursos”, acrescentou a Animals Asia.

De acordo com a associação a oferta para receber Pizza obriga o Grandview a não substitui-lo por outro animal. Além disso, nenhum pagamento foi oferecido por Pizza.

Fonte: DN(Contem um vídeo)

Help Protect Polar Bears From Climate Change

ar isn’t just an arctic icon — it’s a critical component of the arctic ecosystem. But as climate change is melting their hunting ground, many are starving and forced to swim extreme distances between ice floes. Two-thirds of the world’s polar bears could be lost in as few as 35 years. If we do nothing to change the path we’re on, they could be wiped out.

The best way to protect them is to limit carbon pollution and stop climate change, through policies like the EPA’s Clean Power Plan. But Congress has made attacking the plan a top priority — despite overwhelming public support for climate action.

Take Action: Help protect polar bears. Tell Congress to let the EPA do its job, and to support strong climate standards.

Assinar aqui: http://therainforestsite.greatergood.com/clickToGive/trs/petition/EDF-ProtectPolarBears?origin=ETE_060315_EDF-ProtectPolarBears_f&utm_source=email&utm_medium=envirota&utm_campaign=EDF-ProtectPolarBears&utm_term=20150603&utm_content=_f