QUANDO UM TOURO É UM ANIMAL SELVAGEM NA IMAGINAÇÃO DOS AFICIONADOS…

Recebi este comentário no Blog, cujo conteúdo não será muito diferente de muitos outros que costumo receber, à excepção da linguagem utilizada. Depois de ser bombardeada por uma enxurrada de ordinarices, ler este comentário do António, na sua ingenuidade de aficionado (que acha que não é) pareceu-me estar no paraíso.

Destaco-o aqui, por esse motivo, mas também para poder levar mais longe o que tenho para dizer ao António Estrela.

TOURO.jpg
Eis o belo e poderoso “animal selvagem” que, se não fossem as touradas, o António Estrela nunca teria oportunidade de ver… assim…

ANTONIO ESTRELA comentou o post A CRUELDADE ESCONDIDA DA TAUROMAQUIA às 22:49, 25/09/2017 :

Eu não gosto de touradas, mas sou grato a quem as vê. Pois sem elas não teria podido ver um belo anial, como o touro. Um animal selvagem poderoso. Que desde sempre foi venerado em lutas iguais. pelo homem. Só haveria chocas, ou simplesmente hambúrgueres . Vale a pena lutar por uns centímetros a mais nas gaiolas das galinhas ou pela melhoria dos transportmes de gado. Mas o que me choca realmente, é o conceito de biodiversidade dos limousines, dos charoleses, dos BBB ou dos bois da raça zebuína com cupim enorme.

***

António Estrela,

Vamos lá esmiuçar o seu comentário. Começa por dizer esta coisa espantosa:

«Eu não gosto de touradas, mas sou grato a quem as vê».

Isto significa tão-só que o senhor GOSTA de touradas, mas não sabe, e é cúmplice dos sádicos e psicopatas, mas também não sabe.

«Pois sem elas não teria podido ver um belo animal, como o touro. Um animal selvagem poderoso».

Isto significa tão-só que o senhor GOSTA de touradas, mas não sabe, e é cúmplice dos sádicos e psicopatas, mas também não sabe.

«Pois sem elas não teria podido ver um belo animal, como o touro. Um animal selvagem poderoso».

Pois digo-lhe que se NÃO HOUVESSE touradas, o senhor PODERIA VER o belo animal, que é um Touro, nos prados, a pastar tranquilamente, como é da sua natureza. E JAMAIS, em tempo algum, veria um ANIMAL SELVAGEM chamado Touro, porque os Touros não são animais selvagens. São herbívoros, de natureza mansa e extremamente pacífica. Mas para saber isto é preciso estudar BIOLOGIA. Portanto, sugiro-lhe que nunca se meta a falar do que não sabe.

«Que desde sempre (o touro) foi venerado em lutas iguais, pelo homem».

Desde sempre o Touro foi venerado como um deus, por exemplo, no antigo Egipto. O Touro, na cultura micénica, foi venerado, NÃO para lutas, mas para acrobacias, sem sangue, sem sofrimento, sem tortura. JAMAIS o homem o venerou em LUTAS IGUAIS. À medida que a humanidade foi avançando, em vez de se avançar também no respeito a ter pelos magníficos animais que são os Touros, regrediu-se irracionalmente, e o animal homem-predador começou a utilizá-los, a explorá-los para LUTAS COMPLETAMENTE DESIGUAIS, onde os Touros vão para as arenas completamente desfeitos, quase cegos, já bastamente mortificados, e os homens-predadores, armados de bandarilhas e espadas, mais não fazem do que demonstrarem a sua DESCOMUNAL COBARDIA diante de um animal MAGNÍFICO, sim, mas completamente arrasado, indefeso, inocente e inofensivo.

«Só haveria chocas, ou simplesmente hambúrgueres».

Só haveria chocas, ou simplesmente hambúrgueres nas alucinações de quem apenas consegue ver carne de cadáveres para se alimentar, quando na Natureza existe tudo o que é necessário à alimentação do homem, sem necessidade de recorrer à morte dos animais que connosco partilham o Planeta, não para que o homem os coma ou os explore para tortura ou trabalhos forçados, mas porque foram criados para servirem unicamente a Natureza.

Isto de chocas e hambúrgueres está desactualizadíssimo. Tente actualizar-se, António Estrela. Até porque chocas sem Touros não existiriam. E vice-versa.

Por fim, o senhor diz isto:

«Vale a pena lutar por uns centímetros a mais nas gaiolas das galinhas ou pela melhoria dos transportes de gado. Mas o que me choca realmente, é o conceito de biodiversidade dos limousines, dos charoleses, dos BBB ou dos bois da raça zebuína com cupim enorme».

Não se trata de lutar por uns centímetros a mais nas gaiolas das galinhas ou pela melhoria dos transportes de animais.

Trata-se de retirar as galinhas das gaiolas, e de acabar com o transporte de gado vivo. O conceito de que os animais nasceram para servir o homem está ultrapassadíssimo. Deu-se um passo gigantesco a este respeito. Mas há os que ficaram para trás e ainda estão no século XXI antes de Cristo.

Quanto ao que o choca realmente não me surpreende. Gosta de touradas, e de ver os magníficos Touros estraçalhados nas arenas, mas o mais chocante, para si é a diversidade das raças bovinas.

A mim também me ofende bastante a manipulação genética.

Porém, a tortura de magníficos bovinos, mansos, indefesos e inofensivos, para divertir um punhado de sádicos e satisfazer os maus instintos de psicopatas; o martírio de seres vivos, que só investem se forem atacados pela besta humana, esmaga-me a alma.

Por conseguinta, da próxima vez que queira comentar sobre esta matéria, senhor António Estrela, venha munido de Saber. Dê uma vista de olhos, por este Blog. Estão aqui todas as informações necessárias, provas científicas, depoimentos de cientistas, desmistificações, enfim, tudo o que é preciso saber para sair do obscurantismo em que a tauromaquia tem mergulhado os seus aficionados.

É que já estou farta de estar sempre a repetir a mesma coisa.

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

RAZÕES DA CADA VEZ MAIOR PUTREFACÇÃO DA TAUROMAQUIA, EM PORTUGAL

A tauromaquia, em Portugal, está cada vez mais putrefacta. E estas são as razões.

Os Psicopatas Tauromáquicos, não conseguem provar cientificamente, incluindo com publicação numa revista cientifica, as alegações sobre o touro.
Os Psicopatas Tauromáquicos, não são capazes de provar, com documentação, a alegação que a tauromaquia se subsidia a si própria. Não são capazes de provar, com documentação, que não recebem anualmente, milhões de € de subsídios, do Estado, da União Europeia e das Camaras Municipais.

Eles sabem, que os milhões de € de subsídios que anualmente recebem, numa questão de tempo, vão acabar. E sem eles, a tauromaquia será abolida. Pois são esses milhões de € que permitem a sua existência, em Portugal.

Os Psicopatas Tauromáquicos, não são capazes se realizar uma sondagem séria, e completamente imparcial, por todo o continente e ilhas. Pois sabem muito bem, qual seria o resultado.

As praças de touros, estão cada vez mais as moscas. E nem com entradas de borla, e com convites, elas enchem.

Cada vez mais pessoas, por não quererem ser vistas como Psicopatas, se afastam da tauromaquia, e passam a lutar contra a tauromaquia.

Cada vez mais pessoas, se recusam a ser coniventes, com os Psicopatas, os Sociopatas que torturam, física e psicologicamente o touro e o cavalo, na arena de uma praça da touros, e se afastam da tauromaquia.

Ontem, virão o seu projecto derrotado, o que aumentou, ainda mais o estado de putrefacção da tauromaquia.

O desespero dos Psicopatas Tauromáquicos é cada vez mais crescente e evidente.

Em suma. A ABOLIÇÃO da tauromaquia, em Portugal, está cada vez mais perto!

Mário Amorim

OUTRA DAS FALÁCIAS DOS PSICOPATAS TAUROMÁQUICOS

Os Psicopatas Tauromáquicos afirmam que o touro é bem tratado durante quatro anos.
Eles querem fazer das pessoas parvas. Essa é a verdade.

O touro, em bebé, vê o seu corpo ser cravado com ferros em brasa. Os psicopatas tauromáquicos afirmam que são anestesiados, e que eles não sentem.
Nós, quando somos operados, ou quando vamos ao dentista tirar um dente, antes, somos anestesiados. Depois de passar o efeito da anestesia, sentimos dor. E com os pequenos touros bebé, é a mesma coisa. Depois de lhes passar o efeito da anestesia, sentem a dor dos queimados, sobre a pele.
Nós, se somos operados, ou vamos tirar um dente, fazemo-lo, porque tem de ser.
Enquanto que o pequeno touro bebé, é obrigado a ser torturado, com ferros em brasa sobre o corpo.

Depois, ainda touro bebé, é picado, e muitas vezes morto, por Psicopatas, a pé, ou a cavalo, com farpas, ferros, e muitas vezes é-lhe cravada uma espada, no treino de jovens que querem matar touros, nos países com touros de morte, ou em Barrancos.

Mais tarde, os Psicopatas dos campinos, picam-nos, com grandes pontas, de ferros.

Por tanto; seus Psicopatas, não nos façam de parvos!

Nós vamos vencer.
Vamos abolir a tauromaquia de Portugal.
E o touro e o cavalo, aí sim, serão bem tratados, desde que nascem, até que que morram.
Livres, em paz e sossego, no campo, na Natureza!

Mário Amorim

É ISTO QUE NÃO ENTRA NA CABEÇA DOS PSICOPATAS TAUROMÁQUICOS!

Quando se afirma que o touro não sofre, não sente dor quando leva com aquelas farpas, com aqueles ferros; que o touro gosta de ser toureado; que o touro nasceu para ser toureado, e que o touro vai extinguir-se com o fim da tauromaquia, não basta fazer-se estas afirmações. Isso não seja. É necessário, acompanhar estas afirmações, por dados científicos, cientificamente provados e que tenham sido publicados, numa publicação cientifica.
E é isto que não entra na cabeça dos Psicopatas Tauromáquicos.

Liderados por um muito conhecido ganadeiro que se diz veterinário, HAHAHAHA HAHAHAHA repetem estas alegações vezes sem conta. Mas quando lhes é perguntado, pelas provas cientificas, cientificamente provadas, incluindo a publicação numa revista cientifica, que sustentem estas afirmações, os psicopatas tauromáquicos, ficam deveras atrapalhados. E como ficam deveras atrapalhados, qual é a atitude que lhes resta? – A linguagem rasca, baixa!
Aliás, a linguagem rasca, baixa, dos psicopatas tauromáquicos, mais não é do que o reflexo de não terem argumentos sérios e válidos.
Ou seja; ao terem essa linguagem, estão a reconhecer que é o único caminho que têm.
E ao falarem de forma rasca, baixa, para nós, anti-tourada, julgam que saem por cima.
Mas estão redondamente enganados. Não saem por cima. Mostram é como são!

É por causa de tudo isto, que ter um dialogo, educado, e sério, com a maioria dos Psicopatas Tauromáquicos, é de todo impossível. E essa foi uma das razões que me fez abandonar o Facebook em 2013. Estava farto de ver tanta baixeza, tanto insulto. Tornou-se demais para mim!

Mário Amorim

PENSAMENTO DE UM COBARDE TAUROMÁQUICO

Dizem que sou cobarde.
Quero ver então, se o sou, ou não.

Quando enfrento o touro?
– Só enfrento o touro depois de ele já se encontrar com os chifres embolados, e bastante desgastado, física e psicologicamente.
– Não sou capaz de o enfrentar, quando ele está com os chifres intactos, e está bem, física e psicologamente. Em suma; não sou capaz de o enfrentar de igual para igual.
Tenho de o enfrentar a cavalo, e cravar-lhe farpas e ferros no lombo, ou a pé, onde também lhe irei espetar uma farpa no lombo.

Se eu fosse um homem, ou mulher, a sério, enfrentá-lo-ia sempre pé, e apenas com as minhas mãos, sem mais nada, para o enfrentar em pé de igualdade, e com o touro, com todas as suas faculdades físicas e psicológicas intactas, e no seu território, a natureza, o campo.

Então, pergunto-me; sou ou não cobarde?
– Sim, sou cobarde. Sem duvida alguma, que sou cobarde.
Tenho de ser honesto e sério, para comigo mesmo/a e reconhecer que o sou.

É desta forma que um psicopata tauromáquico pensa.
Guarda para ele/ela. Não o admite a ninguém. Fica guardado a sete chaves, dentro de si!

Mário Amorim

MORTE DE TOUROS E TOUREIROS NAS ARENAS DEMONSTRA COMO ESTA PRÁTICA É CRUEL E IRRACIONAL

No meu caso, como sou pelo touro, sempre pelo touro, não fico triste, não fico contente, e nem com pena, sempre que um Psicopata tauromáquico fica ferido ou morre. Fico é indiferente.

O touro defende-se de quem é cruel com ele.
O touro, é obrigado a estar na arena de uma praça de touros.
E o Psicopata tauromáquico, enfrenta o touro, porque quer.
Por tanto; se fica ferido ou morre, foi bem feito. Foi o resultado da sua crueldade para com o touro!

Mário Amorim


Eu nem fico contente, nem triste, com a morte de um toureiro na arena. Não comemoro, mas também não choro. É-me indiferente. Quem ataca touros habilita-se a ser agredido, porque é dos animais, quer sejam humanos ou não humanos, defenderem-se instintivamente, quando são atacados.

Um toureiro ataca o Touro porque é sádico, psicopata. O Touro investe sobre o toureiro porque tem o direito de se defender do ataque do seu carrasco.

Por isso, lamentar que morte? A do Touro, obviamente, que não foi para arena por sua livre e espontânea vontade, e porque o Touro não é carrasco, nem cobarde, nem cruel.

MORTE DE TOUREIRO.jpg

Num artigo intitulado «Mortes e feridos nas Praças de Touros» o professor açoriano Teófilo Braga aborda este tema, a propósito da morte do toureiro basco Iván Fandiño, de trinta e seis anos, no passado dia 17 de Junho, no sudoeste de França.

Refere o autor que Fandiño «matava touros, para divertimento de seres pouco humanos, desde os 14 anos de idade. O toureiro foi atingido pelo corno de um touro quando já estava no chão durante uma tourada em Aire-sur-l’Adour».

«De acordo com a agência de notícias EFE, no século XX, morreram 138 profissionais da tauromaquia devido a sofrimentos sofridos nas arenas.

A morte de toureiros não impressiona muito os adeptos da tauromaquia, pois para estes não há bela sem senão, isto é, não há beleza na tauromaquia se aqueles não colocarem em risco as suas vidas.

Os opositores das touradas não reagem de forma uniforme. Com efeito, se há alguns que se regozijam com as mortes, há outros que lamentam o facto e usam-no como um dos argumentos para combater as touradas.

Em relação ao número de mortes, Fernando Alvarez, doutor em biologia pela Universidade de Tulane (E.U.A.), autor do livro “La Verdade Sobre los Toros” não nega que não haja risco, mas considera-o muito baixo, pois os toureiros estão muito bem informados acerca dos handicaps físicos do touro, em termos de visão, que “não vê ou só vê um vulto entre meio metro e um metro de distância e que ataca sobretudo o que está mais perto e em movimento”.

O mesmo autor refere que os toureiros não têm qualquer razão para se vangloriarem dos seus pretensos feitos já que, segundo as estatísticas, muito maior risco correm as pessoas que trabalham nas minas, nos transportes e na construção civil”.

Não me incluo nos que ficam contentes quando alguém fica ferido ou morre numa tourada porque o que desejo é que não haja derramamento de sangue, nem abuso de animais, nem mortes nas praças ou nos matadouros, “às escondidas”, depois das touradas. Teófilo Braga (Correio dos Açores, 31305, 15 de agosto de 2017, p.8).

De acordo com a agência de notícias EFE, no século XX, morreram 138 profissionais da tauromaquia devido a sofrimentos sofridos nas arenas.

A morte de toureiros não impressiona muito os adeptos da tauromaquia, pois para estes não há bela sem senão, isto é, não há beleza na tauromaquia se aqueles não colocarem em risco as suas vidas.

Os opositores das touradas não reagem de forma uniforme. Com efeito, se há alguns que se regozijam com as mortes, há outros que lamentam o facto e usam-no como um dos argumentos para combater as touradas.

Em relação ao número de mortes, Fernando Alvarez, doutor em biologia pela Universidade de Tulane (E.U.A.), autor do livro “La Verdade Sobre los Toros” não nega que não haja risco, mas considera-o muito baixo, pois os toureiros estão muito bem informados acerca dos handicaps físicos do touro, em termos de visão, que “não vê ou só vê um vulto entre meio metro e um metro de distância e que ataca sobretudo o que está mais perto e em movimento”.

O mesmo autor refere que os toureiros não têm qualquer razão para se vangloriarem dos seus pretensos feitos já que, segundo as estatísticas, muito maior risco correm as pessoas que trabalham nas minas, nos transportes e na construção civil”.

Não me incluo nos que ficam contentes quando alguém fica ferido ou morre numa tourada porque o que desejo é que não haja derramamento de sangue, nem abuso de animais, nem mortes nas praças ou nos matadouros, “às escondidas”, depois das touradas» conclui Teófilo Braga.

(in Correio dos Açores, 31305, 15 de Agosto de 2017, p.8)

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1760480257299893&set=a.166480236699911.42193.100000138080317&type=3&theater

Fonte: Arco de Almedina

VIANA DO CASTELO, NÃO TEVE, MAIS UMA VEZ, UM ESPECTÁCULO, MAFIOSO, CRUEL, ASSASSINO E PSICOPATA, CHAMADO TOURADA!

Resultado de imagem para viana do castelo

Ontem, em Viana do Castelo, voltou-se a não realizar um espectáculo mafioso, cruel, assassino e psicopata.

Estou muito feliz, por não ter avido tourada, em Viana do Castelo.

Só é pena, que pelo país fora, muitos outros tribunais, não façam o mesmo.

Assim que outros tribunais, deixarem de permitir, que os mafiosos da tauromaquia, façam o que querem, a tauromaquia será abolida de Portugal.

Está mais do que na hora, de os tribunais, e não apenas o de Braga, pararem os Psicopatas tauromáquicos.

Virá o dia, em que, se eles quiserem touradas, será entre eles, nas praças de touros, a espetar farpas e ferros, uns aos outros!

Viva Viana do Castelo!
Viva o Touro e o Cavalo!
Abolição da tauromaquia em Portugal!

Mário Amorim