Miguel Sousa Tavares arrasado nas redes sociais devido às suas declarações na TVI, sobre o regresso das touradas

Sinceramente!
Ouvir este sujeito é uma violência para quem não é como ele!
Recordo-me dos textos carregados de insultos que ele escreveu há uns anos atrás no facebook, para quem não pensa como ele. É um típico tauricida, este sujeito!

Mário Amorim


Na passada segunda-feira, na TVI (Jornal das 8, do qual é editor) Miguel Sousa Tavares considerou uma «incoerência total» o retomar de todas as actividades culturais, à excepção da tortura de Touros (vulgo tauromaquia), logo no dia em que, cerca de uma centena de torturadores de touros (não lhes chamem artistas porque insultam e espezinham os verdadeiros artistas) se manifestaram em frente ao campo pequeno, contra a não abertura às bárbaras práticas tauromáquicas, de que aquele recinto é a catedral, em Lisboa, antes do início do primeiro de dois espectáculos do projecto Deixem o Pimba em Paz, de Bruno Nogueira e Manuela Azevedo.

Cultura Tortura.png

E o Miguelito, que também é caçador, saiu-se com esta: «Eu não entendo como é que hoje e amanhã vai haver um concerto para duas mil e tal pessoas e não pode haver uma tourada. É um espectáculo igual. Como é que, mantendo as distâncias, pode haver um concerto e não pode haver um espectáculo que é uma tourada que se passa na arena? Não consigo perceber» acrescentando que «só há uma justificação: a perseguição às touradas continua». 

Pois continua, Miguelito, primeiro porque as touradas não são um espectáculo, mas tão-só uma prática bárbara e medieval. A ser um “espectáculo” será simplesmente um “espectáculo macabro”, que não faz parte da civilização humana. Segundo, porque enquanto esta nódoa negra manchar o bom nome de Portugal, no mundo, haverá vozes que se levantarão contra as touradas, que são coisa de um passado que já passou há muito.

Por causa destas suas declarações, Miguel Sousa Tavares foi arrasado nas redes sociais, pois as suas pobres e tristes palavras, desadequadas na boca de um intelectualnão foram bem aceites por quem as ouviu. E o resultado foi este:

Mas o Miguel Sousa Tavares ainda está na TV porquê…?; Ontem Miguel Sousa Tavares voltou com a lengalenga das touradas serem cultura. Isto a propósito do espectáculo no Campo Pequeno do Bruno Nogueira. Tudo o que proporcionar, sofrimento e sangue não engrandece um país, simplesmente amesquinha os mais fracos. Que besta quadrada!; Eu não suporto o Miguel Sousa Tavares, o homem acabou de dizer que não percebe o porquê de abrirem o campo pequeno para concertos e para touradas não; O Miguel Sousa Tavares calado era poeta. Ele diz que é contraditório serem permitidos concertos e não serem permitidas touradas. Eu também acho contraditório existir uma lei que condena os maus-tratos a animais e ainda existirem touradas; Miguel Sousa Tavares, por favor não comparares um concerto a uma tourada, porque não são coisas comparáveis. Entendo a lógica da distância social e tal, mas não touradas não é cultura; Nós no meio de uma reabertura por causa da pandemia e o que Miguel Sousa Tavares tem a dizer em primeiro lugar é que há uma perseguição às touradas.

Também Nuno Markl se juntou às vozes do protesto, e no seu Instagram arrasou o Miguelito, que é muito boa pessoa, mas tem um monumental defeito, tal como todas as boas pessoas têm os seus defeitos, mas não tão monumentais. E o maior defeito dele é achar que torturar seres vivos é arte cultura e um “espectáculo” IGUAL ao do Bruno Nogueira, sim, porque o Bruno Nogueira fartou-se de espetar bandarilhas em Touros e o sangue escorreu pelo chão do campo pequeno.

Nuno Markl achou que, mantendo as distâncias era óptimo, logo a começar pela distância entre o toureiro e o touro… Pediu «calma» a Miguel Sousa Tavares, e acrescentou que «de certeza [ou não] que o sangue já volta a correr. Mas, depois destes meses, não é egoísta querer que uma tradição [tradição, não, costume bárbaro] que é só para alguns se sobreponha a uma arte que é para todos?».

Enfim, enquanto, em Portugal, não se entender que as touradas não fazem parte do rol dos espectáculos civilizados; e os toureiros, forcados e afins não são artistas, mas tão-só torturadores/carrascos de Touros, as vozes dos que pugnam por uma sociedade mais humana, mais culta e mais civilizada far-se-ão ouvir por aí…

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Ainda a confrontação, na TVI, entre Civilização (José Pacheco Pereira) e Obscurantismo (Miguel Sousa Tavares) a propósito de touradas…

Uma douta intervenção do Dr. Vasco Reis, Médico-Veterinário, num comentário no Facebook, a propósito da aludida confrontação entre Civilização e Obscurantismo.

Touros.jpg
E pensar que os Touros são bovinos mansos, porque herbívoros, que se os deixarem em paz, pastam tranquilamente nos prados, como cordeirinhos…

Origem da imagem:

https://olhares.sapo.pt/touros-no-pasto-foto3442125.html

***

E pensar que é a isto que os reduzem, para satisfazer o “gosto” dos miguéis sousas tavares do mundinho tauromáquico…

Touro monsaraz.jpeg
Massacre ilegal de Touro em Monsaraz, com crianças envolvidas, algo permitido pelas autoridades e governantes portugueses.

Vasco Reis Bravo ao José Pacheco Pereira pela sua argumentação tão correcta, corajosa e com muito sentido de ética. Creio que se deve reconhecimento a este digno cidadão abolicionista e agradecimento à sua tomada de posição pública, manifestando-se e argumentando contra a praga tauromáquica. Toda a solidariedade é importante para aqueles que o fazem!

É bom que se conheça o que o Miguel Sousa Tavares diz acerca de touros e de touradas, uma série de erros e de falácias, que os defensores da tauromaquia impingem como de costume e que não têm qualquer reconhecimento científico e nenhum sentido de ética. É democraticamente inaceitável a opinião que defende sobre a liberdade de se permitir a crueldade intrínseca da tourada, montra de maltrato animal, que antes, durante e após este “tradicional” evento representa de sofrimento psicológico e físico. Uma ideia vergonhosa de democracia para se continuar com a barbárie!

Talvez, o comentador em questão, que define o touro como animal de luta, sempre ao ataque, pudesse imaginar-se na situação do animal e viesse a mudar de mentalidade, se tivesse capacidade para tal. Pois, o animal é criado e habituado a um ser humano (pastor) ameaçador e tal, até com varapaus de comprimento imponente; apartado e transportado em pânico e em cubículo claustrofobizante; “preparado” para a lide com requintes e de maneira a perder força e capacidade; empurrado para a arena vindo da escuridão e ofuscado pelo sol; assustado pelo alarido; provocado pelos “artistas” a pé e a cavalo; esgotado; cravado de arpões, que tão cruelmente como foram espetados, assim são retirados. Seguem-se horas e dias depois deste “calvário” a sofrer acidose, febre e dores provocadas pelos ferimentos das bandarilhas, confinado e novamente transportado em pânico, até que uma morte sofrida lhe ponha termo a tanto sofrimento.

E porquê tudo isto? Para que haja negócio e porque gente como o aficionado Miguel Sousa Tavares adora esta luta, aliás (para ele “bailado”), que acha tão bela e tão valorosa e que importa manter esta tradição, que não considera cruel. A iniciativa deste frente a frente por parte da estação televisiva foi importante e contribui para conhecimento de argumentação pró tourada (que é indefensável) e de argumentação contra a tourada! (que é irrefutável)! Que malvadez para touros e cavalos, que prejuízo civilizacional para a sociedade e que desprestígio para Portugal.

Fonte: Arco de Almedina

Debate sobre touradas na TVI: José Pacheco Pereira (em nome da civilização) vs. Miguel Sousa Tavares (em nome da barbárie)

Pacheco Pereira 100. Miguel Sousa Tavares ZERO.

Não sei como Pacheco Pereira aguentou tanta ignorância, sem se alterar. A pobreza “argumentativa” de Miguel Sousa Tavares assentou, toda ela, na gigantesca ignorância que caracteriza a tauromaquia.

Isto não foi bem um debate. Foi uma confrontação entre a inteligência, a modernidade civilizacional e a humanidade, vs. a palurdice, o obscurantismo, a crueldade…

Eis a verdade científica para a falácia do Touro dito “bravo”, que na realidade NÃO existe na Natureza:

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/98835.html?thread=1885459#t1885459

Do que gostei mais foi quando o Miguel disse que um Touro “bravo” já investiu contra ele, e Pacheco Pereira disse que (o Touro) fez muito bem. Brilhante. E fez bem porquê? Porque todos os animais não-humanos, incluindo os Bovinos, família à qual os Touros pertencem, farejam, à distância, um troglodita-predador, e, instintivamente, investem para se defenderem.

Fonte: Arco de Almedina

UMA SÓ MOSCA BASTA PARA INCOMODAR UMA MANADA DE ELEFANTES

Ontem(Segunda feira), decidi ouvir, no Jornal da Noite da TVI, o que Miguel Sousa Tavares tinha a dizer sobre o IVA das touradas e sobre a corajosa atitude da actual Ministra da Cultura, que considera que evoluir faz parte da Civilização (este é um recado para a Manuela Moura Guedes).

Os trogloditas acham que existe uma perseguição à tauromaquia.

O termo não é perseguição, é acção, acção em prol da evolução.

E já não é sem tempo! Basta de tanta incultura!

SOUSA TAVARES.png

Na sua intervenção, Miguel Sousa Tavares começou por dizer: «Se calhar aquilo que a Ministra entende por civilização e civismo não é o mesmo que eu entendo».

Não é com toda a certeza. Nem pouco mais ou menos.

Sugiro a leitura deste texto, bastante actual, escrito em 2009, embora não seja acessível a mentes fechadas, para que se possa aferir o conceito hodierno de Cultura e Civilização:

CULTURA E CIVILIZAÇÃO

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/22410.html

Na sua intervenção, no Jornal da Noite na TVI, a alturas tantas, Miguel Sousa Tavares disse que «o PAN mete mais medo do que um Touro selvagem, na arena», disse que «o PAN aterroriza a Assembleia da República. AH! Grande André Silva!

Bem, que o PAN (sempre o disse eu) é a mosca que incomoda o elefante, na Assembleia da República, é uma verdade incontestável.

Meterá medo, sim, porque as ideias inovadoras, que conduzem à evolução das sociedades, sempre assustaram as mentes medíocres.

Porém, que meta mais medo do que um Touro selvagem na arena!!!

Selvagem???

Como se os Touros fossem animais selvagens, por natureza! Como se os Touros não fossem bovinos, animais ruminantes, pacíficos, que gostam de pastar tranquilamente nos prados. E que, por ventura, se tornarão “selvagens”, em situação de legítima defesa, quando atacados por animais-humanos selváticos, tal como acontece a qualquer um de nós. Quem já não foi de meigo a selvagem diante do ataque de um animal-homem selvático? Eu já.

Estarreceu-me ouvir o Miguel dizer que nós, que pugnamos pela abolição das touradas, temos medo de que as crianças ao verem torturar touros na RTP, fiquem a gostar de touradas, como se as crianças fossem muito parvas, elas, que gostam de animais e ainda não têm as mentes deformadas, ficam horrorizadas com tais cenas sangrentas e brutais. E dizer que elas vêem coisas muito mais horríveis, por exemplo, nos videojogos, absolutamente impróprios para crianças, (e esta parte é verdade), comparando bonecos animados, que são esborrachados e mortos sem dó nem piedade, com touros vivos, que são torturados e sangrados ao vivo, é de uma falta de clarividência descomunal.

Mas o que não dizem os aficionados de selvajaria tauromáquica para defender o indefensável!

Para concluir, recomendo também a consulta do seguinte texto, para aferir o conceito de incultura, aquela da qual faz parte a tauromaquia:

TODA A VERDADE SOBRE AS TOURADAS

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/toda-a-verdade-sobre-as-touradas-840355?utm_source=posts&utm_content=1541517313

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Caça: Proposta do PAN e Bloco é “fruto de prepotência e ignorância total”

Enfim.
Este tipo, de mentalidade horrenda, mais uma vez mostra o quão é vazio de sentimentos, como a empatia, e a compaixão.

Todas as pessoas que gostam e defendem a caça, e a tauromaquia, como este tipo, são pessoas que não têm nada no coração. O carácter delas é execrável.

Em cada pessoa que gosta e que defende a caça e a tauromaquia, como este senhor, existe um monstro da pior espécie!

Ninguém, de bom coração, de um coração com empatia e compaixão, defende a caça e a tauromaquia!

***

Miguel Sousa Tavares analisou a proposta do PAN e do Bloco de Esquerda sobre caça, que o Parlamento discutirá amanhã(hoje).

https://static.noticiasaominuto.com/stockimages/1370x587/naom_578d2ce6e12e0.jpg?1494274526

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), juntamente com o Bloco de Esquerda, quer reduzir o número de dias de caça e acabar com o uso de matilhas de cães. Propostas que vão ser discutidas esta terça-feira no Parlamento, no debate sobre a alteração do regime jurídico daquela atividade.

Sendo Miguel Sousa Tavares um conhecido amante de caça, o tema foi discutido esta segunda-feira na SIC. Assumindo-se um “caçador com prazer e com a consciência muito sossegada“, o comentador considerou a proposta dos partidos “fruto apenas de prepotência e ignorância total”.

Trata-se de uma proposta de quem “desconhece completamente aquilo de que se está a falar“, vinda de quem quer “proibir a caça, passo a passo”.

Ora, segundo Miguel Sousa Tavares, acabar com uso de matilhas de cães é fazer com que desapareçam as raças. “É preciso que as pessoas entendam que só há cães de caça porque há caçadores. Um cão de caça dá muito trabalho a criar, custa muito dinheiro para manter, e é um cão que nasceu para aquilo”, explicou o escritor.

Desaparecendo os cães matilheiros, prosseguiu, “sobram os javalis, que já temos uma praga em Portugal. E o javali destrói todos os outros animais, é omnívoro“, argumentou Sousa Tavares, lembrando que a caça “é fundamental ao equilíbrio das espécies”.

“Qualquer pessoa que perceba o mínimo de natureza, sabe que quando uma espécie é predominante, vão extinguir-se outras”, realçou. Sousa Tavares desmitificou ainda o caso das coelhos e rolas bravas, espécies que pouco se encontram no seu habitat.

“Diz o PAN que não existem coelhos porque os caçadores caçaram demais. Mentira, eu caçei um coelho nos últimos dois anos. Não há coelhos porque há uma epidemia que os está a matar. Em vez de se investir para saber qual é a doença dos coelhos, acham que o mais simples é proibir”, referiu.

Quanto às rolas bravas, o problema, explicou, é que “importaram rolas turcas que não se podem caçar, é uma ave que não tem nada a ver connosco. Como são maiores, comem as sementeiras que se fazem para as rolas bravas”.

Acho perfeitamente legitimo que as pessoas sejam contra a caça, como eu sou a favor. O que eu não acho legitimo é que se leve ao Parlamento uma proposta que é fruto de um preconceito e de uma profunda ignorância sobre aquilo que se está a legislar“, rematou o comentador.

Fonte: Observador