HEROÍNA Activista é sentenciada a 15 dias de prisão por libertar urso de armadilha em Nova Jersey (erros de português corrigidos)

“Esses animais são inocentes e eu tomei a decisão moral de deixar o urso ir embora”

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2019/03/catherine-1024x470.jpg
“Esses animais são inocentes e eu tomei a decisão moral de deixar o urso ir embora”

Uma activista dos direitos animais foi sentenciada a 15 dias de prisão por libertar um filhote de urso de uma armadilha nas imediações do condomínio Great Gorge Village, em Vernon, Nova Jersey, nos Estados Unidos. “Esses animais são inocentes e eu tomei a decisão moral de deixar o urso ir embora para que ele pudesse retornar para a sua mãe. Era a coisa certa a se fazer”, disse Catherine McCartney em um comunicado divulgado pelo NJ.com.

A ativista declarou que vai recorrer da sentença entregue na última terça-feira. Catherine e Mark Nagelhout receberam três intimações depois que libertaram o filhote de urso. Os dois se declararam culpados de impedirem a captura legal de animais selvagens. No entanto, a activista fez a ressalva de que o condomínio não tem lixeiras à prova de ursos, o que faz com que eles se aproximem quando estão com fome.

A advogada do Bear Group, grupo do qual Catherine McCartney faz parte, disse que a sentença é injusta considerando a natureza da acção. “Esse filhote de urso estava chorando e acho que muitas pessoas compassivas teriam feito a mesma coisa”, declarou. Nos Estados Unidos, as armadilhas para ursos funcionam como uma espécie de “mordedura” e têm cerca de um metro de diâmetro.

Fonte: ANDA

Anúncios

Heroína Garota de 2 anos ‘foge’ de casa e é protegida por sua cachorra

Vera Cook, avó de Sophia, com a cachorra Poppy. (Foto: Reprodução / ABC)
Vera Cook, avó de Sophia, com a cachorra Poppy.

No dia 22, uma menina de dois anos desapareceu na Austrália e deixou sua família desesperada. Por sorte, Sophia não estava sozinha porque contou com a companhia de sua cachorra Poppy.

O sumiço aconteceu por volta das 7 e meia da noite e as duas foram encontradas juntas às 2 e 15 da madrugada.

Poppy latiu para alertar onde elas estavam e o sargento Graeme Carter afirma que a cachorra teve um papel fundamental para que a polícia localizasse a garota.

Vera Cook, avó da menina, acredita que Sophia não sobreviveria se não estivesse com a cachorra, porque ela manteve a garota aquecida.

Poppy, que é da raça pastor australiano, está sendo considerada uma verdadeira heroína.

Fonte: ANDA