Ciudad de México pone fin a los espectáculos con delfines por unanimidad

AnimaNaturalis celebra la aprobación de la propuesta del Partido Verde Ecologista de México (PVEM) de poner fin definitivo a los delfinarios y todo espectáculo con mamíferos marinos. El punto de acuerdo es que este tipo de espectáculos afecta el bienestar de los animales por la condición de confinamiento en que ellos se encuentran al ser meramente objetos expuestos al público.

Ciudad de México pone fin a los espectáculos con delfines por unanimidad

AnimaNaturalis celebra la aprobación de la propuesta del Partido Verde Ecologista de México (PVEM) de poner fin definitivo a los delfinarios y todo espectáculo con mamíferos marinos. El punto de acuerdo es que este tipo de espectáculos afecta el bienestar de los animales por la condición de confinamiento en que ellos se encuentran al ser meramente objetos expuestos al público.

Activistas de AnimaNaturalis acompañaron a los diputados de la ALDF para apoyar el gran paso de esta reforma, que fue aprobada por 40 votos contra cero abstenciones y ningún votos en contra, con el gran apoyo del Partido Verde Ecologista de México (PVEM) y Partido de la Revolución Democrática (PRD). 26 diputados no asistieron a la votación.

El Partido Verde presentó ante la Asamblea Legislativa del Distrito Federal (ALDF), una reforma a la Ley de Establecimientos Mercantiles encaminada a la prohibición de delfinarios en la Ciudad de México.

Los puntos fundamentales que hacen esta Ley, según el PVEM, son los siguientes:

  • Se prohibirá la utilización de delfines para celebrar espectáculos públicos o privados, incluyendo los espectáculos a domicilio o itinerantes.
  • Se impondrán multas que irían de mil 500 hasta cuatro mil unidades de medida lo que sumaría desde 113 mil hasta los 300 mil 960 pesos, a quienes insistan en seguir utilizando a los delfines de cualquier forma.

Esta reforma pretende prohibir la utilización de mamíferos marinos de cualquier especie, no sólo en su utilización para espectáculos públicos o privados sino también en actividades tales como la exhibición, manejo, adiestramiento, entretenimiento, terapia e incluso la investigación científica.

Un caso en particular que resaltan tanto el partido como AnimaNaturalis es el delfinario que opera en el parque de diversiones Six Flags, el cual no cuenta con los permisos necesarios para su existencia. Asimismo, la prohibición aplicaría para todos los delfinarios en la Ciudad de México.

Prohibir los delfinarios en nuestra ciudad significaría una gran avance en materia de educación y legislación respecto a los derechos de los animales”, dijo la Dra. Leonora Esquivel, fundadora de AnimaNaturalis Internacional. “Por fin nuestro país está actuando como una nación de este siglo, rechazando los espectáculos que causan inmenso sufrimiento a los animales“. La comunidad defensora de los animales espera que los legisladores den su voto a favor de una reforma fundamental en una ciudad que se dice de vanguardia.

¿Qué va a suceder con los animales?

Con base en el ARTÍCULO SEGUNDO TRANSITORIO DEL DICTÁMEN, los establecimientos dedicados a la celebración de espectáculos con cualquier especie de mamíferos marinos, contarán con un plazo mínimo de 3 meses hasta seis meses después de la entrada en vigor del presente Decreto para evaluar a los ejemplares y resguardarlos con base a la normatividad vigente que para tales efectos determine la Secretaría del Medio Ambiente y Recursos Naturales, o bien trasladarlos a santuarios que tengan manejo de mamíferos marinos, previo estudio de la reubicación de ejemplares, en cuyo caso se deberá evaluar el hábitat de destino y las condiciones de los ejemplares, en los términos señalados en la normatividad federal vigente.

En el caso específico del parque Six Flags, toda vez que son aproximadamente 3 mamíferos marinos, un delfín (Tursiops truncatus) y dos lobos marinos (Otaris byronia y Zalophus californianus) y al tener permiso por SEMARNAT estos cetáceos pueden tener el siguiente destino:
Ser trasladados por Dolphin Discovery a cualquiera de sus supuestos hábitats (artificiales, piscinas que tienen). Dicho traslado con base a la normatividad aplicable de la NOM-135-SEMARNAT-204 y NOM-EM-136-ECOL-2002, que indica que los contenedores o cajas de transporte para mamíferos acuáticos deberán estar acompañados del aviso de traslado enviado a SEMARNAT.

Con este traslado pueden los mamíferos marinos seguir sus actividades en otro delfinario. No hay motivo o causa para que sean asesinados.

De no tener espacio Dolphin Discovery para mantenerlos, SEMARNAT podrá intervenir para que sean trasladados a santuarios que manejen este tipo de cetáceos, como lo hizo la PROFEPA en 2014 en el entonces delfinario Atlantis, al decomisar 5 lobos marinos y 3 delfines, con base en el Programa Nacional de Inspección a Delfinarios.

Otro dato importante es que National Aquarium en Baltimore, Estados Unidos, que cuenta con más de 10 mil especies marinas comenzará a liberar delfines, esperando poder trasladarlos a todos a un santuario junto al mar, para finales de 2020.

También encontramos otros santuarios, áreas marinas protegidas y otras zonas seguras designadas para las ballenas en los océanos y mares del mundo, como el Santuario Ballenero Austral, el IWC santuario en el Océano Índico, la región de Baja California de México y otros santuarios nacionales, así como un santuario de mamíferos marinos de la República Dominicana, que garantiza de conservación para las Ballenas Jorobadas en el Caribe.

En México aún existen unos 27 centros de espectáculos marinos que mantienen en cautiverio a casi 350 delfines.

Fonte: ANDA

CONTEÚDO ANDA Japão autoriza caça de duas novas espécies de golfinhos em massacre anual

O documentário de 2009 “The Cove”, de Louie Psihoyos, mostrou a brutalidade da caça de golfinhos em Taiji,  no Japão, ao divulgar imagens vívidas e detalhadas dos assassinatos de golfinhos em uma entrada isolada de uma pequena cidade na prefeitura de Wakayama

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/ok.jpg

Agora, em mais uma notícia chocante, as autoridades japonesas autorizaram os caçadores de golfinhos a matar duas espécies adicionais na próxima temporada, que começa em setembro.

Recentemente, ocorreu uma consulta pública sobre a ideia de permitir a morte de duas espécies pouco conhecidas dos mamíferos, na lista de pequenas baleias para as quais o Japão possui cotas de caça anuais nas suas águas.

Esta longa lista inclui 10 espécies, incluindo golfinhos roazes e baleias-piloto. O pedido para incluir mais espécies, sem dúvida, é dos pescadores que perseguem os animais para consumo ou para a venda para uma vida em cativeiro em zoológicos e aquários.

O problema não está restrito a Taiji, pois há uma série de outras caçadas de baleias e golfinhos realizadas em águas japonesas. Os golfinhos e as pequenas baleias são mortos de formas terríveis nessas caças, inclusive por arpões, e perseguidos por embarcações que encurralam os animais.

Em Taiji, alguns golfinhos também são vendidos para um triste destino em cativeiro. O alto preço atribuído aos animais sustenta essa caça cruel (US$ 10 mil ou mais por golfinho, mas mais de US$ 150 mil quando eles são domesticados e adestrados em instalações como o Museu da Baleia de Taiji), de acordo com a Humane Society.

Além do tremendo estresse causado aos animais encurralados, eles são confinados e mortos na frente dos outros. Cada golfinho é contido e uma haste de metal perfura sua cabeça para cortar a medula espinhal.

Com a inclusão de duas espécies na lista de mortes, o museu sinalizou sua ansiedade em adquirir novas espécies para explorá-las.

O golfinho de dentes ásperos, geralmente encontrado em águas mais aquecidas, foi anteriormente caçado no Japão até 1981. A baleia com cabeça de melão (uma espécie de golfinho que pode crescer ter 2,75 metros de comprimento) também vive em águas mais quentes e profundas. Ambos são altamente sociais e é comum encontrá-los com outras espécies.

De acordo com estatísticas oficiais divulgadas pelo governo japonês, os caçadores de Taiji mataram mais de 11 mil golfinhos e baleias entre 2005 e 2014 e capturaram cerca de mil animais para a indústria de aquários durante o mesmo período. A caça de Taiji geralmente ocorre anualmente de setembro a março.

O governo dos EUA já proibiu as importações de golfinhos vivos capturados durante a matança e a prática é condenada mundialmente. O Museu da Baleia de Taiji está entre os vários aquários do Japão que mostram interesse em continuar comprando os golfinhos vivos.

Infelizmente, o massacre perdura, impulsionado pelos lucros obtidos pela indústria que promove o cativeiro dos animais. Agora, a indústria da pesca japonesa está preparada para estender sua crueldade a duas novas espécies.

Tóquio sediará os Jogos Olímpicos de Verão em 2020 e isso pode ser um bom começo para a eliminação das caçadas. Elas representam uma crueldade desprezível que envergonha todo o mundo.

Fonte: ANDA

CONTEÚDO ANDA Cientistas obrigam golfinhos a ingerir LSD em experimento financiado pela NASA

Cientistas já ministraram a droga alucinógena LSD a golfinhos sob a justificativa de “tentar se comunicar com eles”

Financiado pela NASA, o Communication Research Institute, informalmente conhecido como The Dolphin House, realizou pesquisas sobre como se comunicar com os animais durante a década de 1960.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/sc-e1497541526937.jpg

Para agravar ainda mais esse cenário perturbador, eles também usaram uma variedade de técnicas para ensinar o idioma inglês aos golfinhos.

John Lilly, um neurocientista que liderou a pesquisa cruel, torturou três golfinhos, sendo que um deles foi mantido em um tanque de isolamento com um ser humano durante três meses, de acordo com a reportagem do Independent.

Após a administração do LSD, os golfinhos abusados se tornaram 70% mais vocais.

Em uma declaração que desconsidera completamente o sofrimento dos animais, Lilly escreveu que “o importante com o LSD no golfinho é que o que vemos não possui sentido na esfera verbal”.

“Estamos fora do que você pode chamar de troca racional de ideias complexas porque ainda não desenvolvemos a comunicação dessa maneira específica”, completou.

Quando o financiamento para o experimento acabou em 1966, o golfinho mantido em isolamento foi transferido para uma instalação em Miami, onde cometeu suicídio.

Este é mais um caso trágico que mostra a barbaridade dos testes em animais. Enquanto pesquisadores insistirem em perpetuar essa crueldade, ao invés de adotarem outros métodos, os animais só conhecerão o sofrimento e a morte.

Fonte: ANDA

 

Aprueban prohibir los delfinarios en México… ¡En 2067 o más tarde!

Hasta que mueran los que están por nacer entrará en vigor la prohibición de los delfinarios.

Aprueban prohibir los delfinarios en México... ¡En 2067 o más tarde!

Ciudad de México. La tarde del martes 25 de abril, la Cámara de Diputados aprobó la reforma al artículo 60 bis de la Ley General de Vida Silvestre. Con 242 votos a favor y 190 en contra, los diputados aprobaron la reforma impulsada por el Partido Verde. Ahora dicha reforma ha sido turnada al Senado para su revisión.

Cambios a Ley General de Vida Silvestre:

La prohibición supone la cancelación de operación de delfinarios y la reproducción en cautiverio de mamíferos. Aunque intereses ocultos lograron que se realizaran algunas modificaciones a la reforma inicial.

Esta iniciativa da margen a que la última generación de mamíferos marinos en cautiverio se reproduzca una vez más antes de prohibirlo definitivamente. Asimismo, quedan excluidos los ejemplares que pertenezcan al Gobierno Federal, a los Estatales y las Instituciones de Educación Superior acreditadas, así como los sujetos de investigación científica, tratamientos terapéuticos y actividades educativas. Existen lagunas constitucionales.

¿Qué pasa con la delfino-terapia? Se cree  que la emisión de las ondas ultrasónicas  estimulan áreas de atención  las áreas pisco motricidad, lenguaje y habilidades cognoscitivas. Estudios por la Universidad de Emory indican fallos en las metodologías de los estudios que la respaldan. Existe evidencia fundamentada de que los efectos son de corta duración y se considera complementaria a otros tratamientos médicos, tampoco es diferente a los efectos que se puede tener con un animal de compañía.

Negocio lucrativo la renta de ejemplares: Cada ejemplar tiene un costo de 700 mil pesos, en tan solo un año en sitios turísticos, un delfín puede generar hasta un millón de ganancias.

NUMERALIA

  • El 8% de la industria de cautiverio en delfines se encuentran en México, el más grande en Latinoamérica.
  • 35 años viven en promedio los delfines en condiciones de cautiverio.
  • 40 delfinarios se en encuentran en el país.
  • 48% fueron capturados y 52% nacieron en cautiverio
  • 70% de los delfinarios se encuentran en: Quintana Roo 21, Baja California 5, Guerrero 3, Nayarit 2, Jalisco 1, Guanajuato 1, Veracruz 1, Sonora 1.
  • Empresas: Dolphin Discovery, Delphinus, Dolphinaris, Dolphin Adventure, Delfiniti, Cabo Dolphins.

¡Se les explotara hasta su muerte! ¿CÓMO AYUDO? 

Los delfines te necesitan, se ha  turnado  al @SenadoMexico la iniciativa que promovió el Partido Verde en la @camaradediputados. Envía un mensaje en Twitter o comunícate con el Senador que te representa para evitar el cautiverio y la última crianza:

@DivaGastelum
@rgilzuarth
@ninfaSalinas
@MBarbosaMX
@Mario_delgado1
@AnaGabrielaGue
@DavidMonrealA
@zoerobledo
@LaydaSansores
@A_Encinas_R
@RiosPiterJaguar

¡PONTE EN ACCIÓN! LOS DELFINES Y DEMÁS MAMÍFEROS MARINOS NOS NECESITAN. 

 

CONTEÚDO ANDA Altos níveis de cloro em tanque de aquário destroem saúde de golfinhos

https://i1.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/02/DO-1-e1487334092931.jpg

Para Angel, um raro golfinho albino que vive em um tanque no Museu da Baleia de Taiji, no Japão, a vida é um verdadeiro inferno.
Em 2014, a fêmea foi capturada durante a caça anual de golfinhos em Taiji, na qual pescadores levam centenas – senão milhares – de golfinhos para uma enseada, espancando-os com bastões de metal e interferindo com seu sonar.

Uma vez capturados, os golfinhos considerados mais atraentes são selecionados para serem vendidos para dolphinariums e programas de nado com golfinhos em todo o mundo. O restante é brutalmente morto por suas carnes, muitas vezes na frente de suas próprias famílias.

Como um golfinho albino, Angel foi considerada valiosa pelo Museu da Baleia de Taiji,. Mas em vez de vendê-la a um dolphinarium, o museu a manteve em sua instalação que exibe cetáceos mortos e vivos, assim como instrumentos de caça de baleias. No estabelecimento, Angel passou anos vivendo em um minúsculo tanque e imundo repleto de água clorada, que compartilha com diversos outros golfinhos.

No entanto, a vida de Angel ficou ainda pior. Agora parece que ela não pode sequer abrir os olhos, provavelmente devido aos altos níveis de cloro colocados no tanque, de acordo com ativistas.

“Estou profundamente chocada. Suponho que eles adicionaram muito cloro no tanque e é prejudicial aos olhos dos golfinhos”, disse Jessie Treverton, líder de campanhas da Sea Shepherd Conservation Society Cove Guardians.

https://i1.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/02/do2-e1487334122737.jpg

O tanque de Angel sempre foi clorado, mas Treverton (que recentemente passou dois meses em Taiji) suspeita que o museu recentemente colocou mais cloro nos tanques em um esforço para manter o túnel de vidro – onde as pessoas podem ver os golfinhos – livre do crescimento de algas.

“É para que eles não tenham que limpar o tanque com tanta freqüência e o público possa ter uma visão clara. É terrível para o bem-estar dos golfinhos e é totalmente antinatural e muito insalubre para os pobres golfinhos”, enfatizou.

Outros voluntários do Sea Shepherd também visitaram o museu e ficaram horrorizados com o que viram e com o odor do local. “Há duas semanas, documentamos os golfinhos dentro deste tanque sujo e clorado com os olhos inchados, a pele foi corroída, eles eram incapazes de nadar sem movimentos irregulares e antinaturais”, escreveu o Sea Shepherd Cove Guardians em um post no Facebook.

https://i1.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/02/do3-e1487334206786.jpg

CONTEÚDO ANDA Golfinhos explorados por circo são mantidos em recintos praticamente secos

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/vi-1-e1485176411278.jpg

O golfinho fêmea deveria ficar na água. Em vez disso, ele estava deitado em uma maca de tecido suspensa dentro de uma caixa seca, semelhante a um caixão. Alguém tinha colocado uma toalha úmida em suas costas, mas agora, a água havia evaporado.

Ela foi levada para um avião e começou a ser carregada no porão de carga. O golfinho na caixa ao seu lado emitia ruídos.
Recentemente, foram divulgadas fotografias e vídeos dos dois animais sendo transportados para ser explorados em um circo de golfinhos da Indonésia. Eles estavam sendo levados de Jacarta a Balikpapan para realizar seu próximo show.

 

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/g2-e1485176474312.jpg

“É o pior tipo de crueldade. Os golfinhos devem viver no oceano onde seus corpos são leves. Quando eles estão fora da água, a gravidade os machuca .O ruído também os prejudica e o estresse extremo a que estão expostos os mata”, disse Femke Den Haas, fundador da Jakarta Animal Aid Network (JAAN).

Na Indonésia, os circos de golfinhos itinerantes são essencialmente como o SeaWorld com rodas. Eles viajam por todo o país, erguendo piscinas temporárias e estádios e forçam os golfinhos – assim como outros animais como ursos-do-sol e lontras – a realizar truques para o público.

As condições em que eles vivem não são nada menos do que deploráveis, de acordo com Den Haas.

Fonte: ANDA

****

Estou chocado com esta notícia!

Nenhum animal não-humano é para divertir o animal-humano.
Todos os animais não-humanos, são para ser respeitados, e não para ser cruelmente tratados pelos seus irmãos humanos, para divertir o animal-humano.
Está mais do que hora, do animal-humano perceber isto, de uma vez por todas, e acabar com todos os circos com animais não-humanos, com todos as práticas que utilizam animais não-humanos, para divertir outros insensíveis animais-humanos!

Mário Amorim

CONTEÚDO ANDA A verdade perturbadora por trás das atrações que promovem o nado com golfinhos

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2016/12/per.jpg

Uma multidão de norte-americanos vai até o sul do Caribe em busca da luz do sol, da brisa noturna, águas azul-turquesa e da oportunidade de nadar com golfinhos. Mas apesar de sua popularidade, programas que promovem o nado com golfinhos possuem um lado obscuro e aqueles que trabalham dentro dessa indústria têm contribuído para desmascará-la.

Os programas de nado com golfinhos (SWTD) podem ser encontrados em todo o mundo, mas eles se tornaram excepcionalmente populares no Caribe na última década. Um ex-treinador de golfinhos, que falou sob a condição de permanecer anônimo, disse à reportagem que esses programas são inerentemente problemáticos  e os cetáceos não pertencem ao cativeiro.

“Os golfinhos são criaturas bonitas e incríveis em seu habitat natural, mas coloque-os em uma gaiola e você irá ver como eles se transformam”, disse o ex-treinador, que pediu anonimato porque ainda trabalha na indústria hoteleira do Caribe.

A história de um treinador

Nascido e criado nas Bahamas, o treinador trabalhou em duas instalações de nado com golfinhos no Caribe e suas preocupações cresceram ao longo do tempo. Os recintos dos golfinhos não eram apenas excessivamente rasos, mas também muito pequenos. Em uma das instalações, diz ele, mais de 40 golfinhos foram enjaulados em três celas compactas.

Segundo ele, nas praias de mar aberto – ao invés de piscinas fechadas dentro de um resort – detritos como pregos e anzóis flutuavam no oceano: “Como eles não tinham um veterinário ou qualquer tipo de cuidados veterinários na [esta particularmente] instalação, os golfinhos engoliam as coisas e não havia nada que você pudesse fazer sobre isso “, explicou.

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2016/12/p-8.jpg

Embora tenha testemunhado os recintos fechadas sendo limpas, ele afirma que o cheiro do cloro era tão forte que  “sufocava” os treinadores e que alguns dos animais eventualmente ficaram cego por causa disso.

Ele também declarou que muitos golfinhos sofreram de “psychosis”, um comportamento registrado em mamíferos marinhos obrigados a nadar em pequenas celas durante todo o dia. Eles também enfrentavam uma grande pressão para executar truques. “Eles faziam 10 apresentações por dia…os mesmos movimentos, os mesmos sinais repetidamente”, relatou.

A alegação mais preocupante do ex-instrutor, entretanto, é que alguns golfinhos fêmeas impediam seus bebês de respirar, fazendo com que não fossem à superfície. O treinador, que não é um cientista, disse que ele e seus colegas deduziram que as mães fizeram isso porque não queriam que seus bebês “vivessem em cativeiro”.

Embora essa alegação não possa ser provada, outro antigo treinador falou sobre outras preocupações. Além disso, estudos têm apontado algumas questões a respeito do cativeiro de golfinhos em geral.

De acordo com um relatório da World Animal Protection e da Humane Society dos EUA chamado “O caso contra mamíferos marinhos em cativeiro”, cetáceos em cativeiro recebem rotineiramente antibióticos e medicamentos contra úlcera, necessitam de suplementos vitamínicos porque têm uma alimentação deficiente em nutrientes e um histórico de mortes prematuras devido a variedade de causas.

O relatório também observa que, para muitos golfinhos, os tamanhos dos compartimentos são inferiores a 1% da área que ocupam em seu habitat natural.

O que há de errado em nadar com golfinhos?

“Nadar com os golfinhos” (SWTD) é um termo geral usado para uma variedade de atividades com golfinhos. Além de nadar com um golfinho (ou dois), você pode ser fotografado com um golfinho, puxado pela água por um golfinho (o “reboque dorsal”), “beijado” por um golfinho ou empurrado pelo bico de um golfinho. Você pode até pagar para ser um “treinador” com um apito e manual de treinamento.

Há cerca de 30 Dolphinariums no Caribe, diz Naomi Rose, uma cientista de mamíferos marinhos do Animal Welfare Institute (AWI). Eles podem ser encontrados em vários pontos turísticos, como as Bahamas, Jamaica, Tortola, Grand Cayman, República Dominicana e Cancun.

Ainda mais instalações estão sendo construídas na região, incluindo uma que abriu em Punta Cana, República Dominicana e outras estão sendo propostas em Turks e Caicos e Santa Lúcia, diz Courtney Vail, gerente de campanhas e de programas da Whale and Dolphin Conservation (WDC), que tem feito campanhas contra o cativeiro de cetáceos há 16 anos.

O WDC reportou muitos incidentes no Caribe em um documento de 2010 chamado “Cativeiro no Caribe.” Em uma instalação em Antígua, golfinhos foram encontrados “excepcionalmente escuros”, devido a recintos rasos e queimaduras subsequentes; Alguns foram mantidos isolados para fins de treinamento e outros foram expostos à água poluída.

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2016/12/g-6-e1483110408622.jpg

“Embora alguns países do Caribe tenham criado leis sobre esses programas de golfinhos em cativeiro, as regulamentações raramente são aplicadas e as instalações operam devido à falta de capacidade e supervisão”, disse Vail ao The Dodo.

O Ceta Base é um portal que registra as taxas de captura, transporte e mortalidade de golfinhos cativos em todo o mundo.  De acordo com o site, existem cerca de 240 golfinhos – tanto selvagens como capturados – em instalações em todo o Caribe e a maioria dos golfinhos selvagens é proveniente de Cuba, Honduras e  do Golfo do México.

Quarenta destes golfinhos estão em Dolphin Cay, uma instalação popular em Atlantis, um resort em Paradise Island nas Bahamas. Inaugurada em 2007, o Dolphin Cay é uma lagoa de 14 hectares com “sete milhões de galões de água natural do oceano das Bahamas”, diz Greg Charbeneau, vice-presidente de Operações Marítimas.

Os primeiros golfinhos a viver na Dolphin Cay foram transferidos do Marine Life Oceanarium em Gulfport, Mississippi, após o furacão Katrina em 2005. A transferência foi bem divulgada e também foi o tema de um livro de 2007, “The Katrina Dolphins: One-Way Ticket To Paradise”.

“A Atlantis prioriza o bem-estar de seus golfinhos com uma equipe de 90 especialistas e veterinários para ‘garantir sua segurança e conforto em todos os momentos”, disse Charbeneau em um e-mail. Ele também alegou que os programas de golfinhos ajudam a ensinar as pessoas sobre mamíferos marinhos e conservação e uma das paixões da Atlantis é conservar a vida marinha.

A Atlantis é reconhecida pela Association of Zoos and Aquariums e pela Alliance of Marine Mammal Parks and Aquariums e também é membro da International Marine Animal Trainers Association, observou ele, acrescentando que a instalação teve 1”6 nascimentos de golfinhos bem sucedidos desde 2007”.

Sam Duncombe, diretora da reEarth, uma organização de base das Bahamas que estava por trás do fechamento de outra instalação da SWTD na região no ano passado, critica as alegações de Charbeneau. Nascida e criada na área, Duncombe disse que está lutando contra o desenvolvimento de golfinários – incluindo a Atlantis – há quase 25 anos.

“[Os golfinhos do Katrina] foram comprados, não resgatados”, disse Duncombe, que também explicou que as celas dos golfinhos são terríveis.

“Quando vi o que eles tinham construído [para os golfinhos], chorei. Os peixes no aquário têm mais do que [eles], com corais e rochas. Estes golfinhos só têm piscinas brancas de concreto vazias”, acrescentou.

Na verdade, a preocupação de Duncombe sobre a profundidade das piscinas é compartilhada pela cientista Naomi Rose, da AWI, que diz que os golfinhos rotineiramente mergulham a 60 pés. “Dez pés é muito raso”, explicou Rose.

Como os golfinhos acabam em cativeiro

McCaulay,  CEO do Jamaica Environment Trust disse que o processo de captura de golfinhos na natureza é “muito traumático”. “Eles são perseguidos em redes … são cercados, selecionados, então são colocados em um barco e transportados”, ela explica, acrescentando que as fêmeas são as preferidas porque são mais “treináveis”.

Uma carta de dezembro de 2014, escrita em conjunto pela AWI e pela WDC, em protesto contra uma proposta de um Dolphinarium  em Bird Rock Beach, detalha como os golfinhos são capturados na natureza:

“Os indivíduos podem ficar emaranhados nas redes de captura e sufocar ou sofrer condições relacionadas ao estresse associadas ao trauma da captura. Além disso, as capturas de espécies selvagens podem afetar negativamente as populações de golfinhos já escassas, removendo os membros de reprodução (ou importantes de outra maneira) do grupo”.

A carta aponta que os dados científicos de 1995 mostraram que a taxa de mortalidade de golfinhos-de-garrafa capturados é dramaticamente maior durante a captura e o transporte.

Além disso, “os métodos usados para transportar cetáceos também podem ser desumanos e muitos indivíduos morreram como resultado de ferimentos e estresse provocados pelos esforços de abastecer as instalações de cativeiro em todo o mundo”.

Uma revisão de Ceta Base mostra quantas vezes os golfinhos são transportados. Um golfinho, por exemplo, chamado Tamra, foi transportado 14 vezes. Segundo a Ceta Base, ele está atualmente no Atlantis.

Ciclo sem fim: criação para o cativeiro

Embora alguns lugares ainda capturem golfinhos da natureza, muitos locais no Caribe abastecem suas instalações com animais criados em cativeiro. Outra empresa proeminente no Caribe é  a Dolphin Cove, com sede na Jamaica. Dolphin Cove Ltd. é proprietária de um número de Dolphinariums na região e ganhou um World Travel Award – “o Oscar da indústria de viagens” – desde 2011.

Os proprietários da Dolphin Cove, Stafford e Marilyn Burrowes, disseram recentemente ao The Jamaica Observer que a empresa lançou um programa de criação de golfinhos em cativeiro há quatro anos. Cinco dos seus golfinhos desde então nasceram. “Hoje em dia é quase impossível conseguir golfinhos da natureza por causa das ações dos grupos de direitos  animais”, disse Stafford Burrowes ao jornal.

Duncombe diz que uma das suas inúmeras preocupações em relação a isso é que os golfinhos em cativeiro estão perdendo seus instintos: “O que essas instalações estão fazendo está criando uma subestrutura inteira de animais que não têm como viver na natureza”.

Ela espera que o público preste mais atenção à situação desses mamíferos em cativeiro. Mas, para o turista que ainda está pensando em nadar com golfinhos, ela diz sem rodeios: “Seu desejo de estar com eles os está matando.”

Fonte: ANDA