A decadência da tauromaquia continua: em Espanha como também em Portugal

A praça de touros de San Sebastián de los Reyes (um município de Madrid, popularmente chamado de “Sanse”) meio vazia durante uma das “capeias” do passado fim-de-semana, por ocasião das “festas dos padroeiros”, apesar dos mais de 20.000€ de subsídios públicos da Câmara (PSOE+Ciudadanos), mostrando que não existe nenhuma “paixão taurina” num município com mais de 83.000 habitantes, apesar das muitas pessoas vindas de fora e da grande promoção institucional.

Foi lamentável ver como as pessoas ali se dirigiram com bebidas alcoólicas, com crianças que ainda não tinham deixado a chupeta, com crianças em carrinhos de bebés …»

Enfim, nada que em Portugal também não se passe.

Dois tristes países que ainda não se libertaram destas práticas medievalescas, que não dignificam a Humanidade.

Sanse antitaurino.jpg

Uma imagem que mostra a decadência de uma prática grotesca, gerada num tempo em que predominavam as trevas mais negras.

Fonte:

https://www.facebook.com/sanse.antitaurino/photos/a.1468001506846198/2380446462268360/?type=3&theater&ifg=1

Fonte: Arco de Almedina

FESTIVAL ESPANHOL Touro aterrorizado luta para se libertar enquanto é amarrado e tem seus chifres incendiados

Após ser coberto de lama e ter os chifres incendiados com a ajuda de duas bolas de palha amarradas a sua cabeça, o touro é solto na arena por onde corre aflito tentando se livrar das chamas

Foto: EPA

Um touro foi amarrado e incendiado antes de ser libertado para correr desesperado em torno da praça de uma cidade espanhola como parte de um festival tradicional naquele país.

O animal em pânico pode ser visto nas imagens preso a um poste, quando cerca de 20 homens o seguram e ateiam fogo aos chifres postiços presos a sua cabeça.

Duas enormes bolas de palha foram presas à cabeça do touro usando cordas, fios e madeira áspera para depois serem acesas. O espectáculo de crueldade sádica ocorre no festival anual “Fire Bull” (Touro de Fogo) em Medinaceli, que ocorre no nordeste de Madri.

Depois de coberto de lama e ter seus chifres incendiados, o touro é  então liberado, deixado para correr pela arena em óbvio sofrimento, fazendo com que os espectadores fujam.

Enquanto o touro se agitava ao redor do ringue improvisado montado para o evento, ele tentou apagar as chamas abaixando a cabeça repetidamente em direcção ao chão e arrastando os chifres.

Fogos de artifício e rojões também foram acesos ao redor do animal, causando pânico no touro indefeso, com os espectadores cantando “Go Bull!” (Vai Touro!”) como incentivo.

Foto: EPA

As filmagens do evento foram realizadas durante o festival anual Toro Jubilo, que acontece no segundo final de semana de Novembro em Medinaceli, em Soira.

Ativistas pelos direitos animais revelaram as imagens após uma investigação secreta da ONG espanhola AnimaNaturalis e do grupo de direitos dos animais CAS International.

Durante o festival, que remonta ao século XVI, o touro é coberto de lama para evitar queimaduras e uma estrutura inflamável é colocada em sua cabeça, que é incendiada antes do animal ser libertado perto da meia-noite.

Foto: EPA

O espectáculo anual, listado pelo governo espanhol como um evento tradicional a ser preservado, aconteceu no último sábado (16) e atraiu cerca de 1.500 espectadores.

As filmagens e a fotografia são estritamente proibidas, mas os activistas do AnimaNaturalis conseguiram registar a prática para descobrir e expor a extensão angustiante do sofrimento do animal durante o “show”.

Aïda Gascón, diretora da AnimaNaturalis, disse: “Queremos trazer à luz o abuso sistemático que milhares de aldeias escondem em suas festas e descobrir o enorme financiamento que recebem dos municípios”.

Foto: EPA

Um porta-voz da CAS International disse ao Daily Mail: “As festividades populares com touros são uma forma de crueldade e violência contra os animais”.

“Durante as festividades locais na Espanha, os touros são imobilizados, amarrados e puxados com cordas, agredidos, forçados a correr, jogados no mar e queimados com tochas presas aos seus chifres”.

“Os animais caem, sangram, sofrem extrema angústia e, às vezes, morrem”.

“A forma mais cruel de comemoração é quando as bolas impregnadas com uma substância inflamável presa aos chifres são acesas com fogo, de modo que os touros correm desesperadamente sem destino”.

Foto: EPA

“Divertir-se à custa dos touros coloca suas vidas em risco. Mortes por golpes brutais, ataques cardíacos, queimaduras nos olhos, angústia e medo ocorrem aos montes”.

“Além de causar lesões físicas e psicológicas, um grande número desses animais é enviado directamente ao matadouro na mesma noite”.

A investigação também revelou que 2.500 touros são incendiados (chifres) todos os anos em um grande número de municípios espanhóis, concentrados nas províncias de Castellón, Alicante, Valência, Teruel e Zaragoza.

Foto: EPA

ONGs pelos direitos animais têm realizado campanhas para banir o “desporto” sangrento.

No entanto, as autoridades espanholas designaram o festival como um evento cultural, o que lhe confere um status especial.

Esse status protegido por lei permite que ele continue, apesar da condenação de uma grande parcela do público e protestos de activistas.

Fonte: ANDA

 

BRUTALIDADE Touro é cruelmente esfaqueado diversas vezes por toureiro na Espanha

Isto é assassínio.
É Psicopatia!

Mário Amorim


Após serem torturados, feridos, provocados e espetados por lanças de ferro e madeira, os animais exaustos e indefesos são alvos de inúmeras facadas até a morte

Foto: PETA UK

Um vídeo brutal que mostra um toureiro esfaqueando repetidamente um touro na cabeça, gerou revolta e indignação nas redes sociais. As imagens fortes foram divulgadas pela PETA com o objectivo de expor e conscientizar o público sobre os horrores das touradas, um “espectáculo” de sangue, tortura e sofrimento.

O clipe mostra um toureiro enfiando uma faca no crânio do animal, que pode ser visto já ferido no chão em Bilbao, norte da Espanha.

Pode-se ver o sangue escorrendo de sua cabeça enquanto o toureiro apunhala o animal indefeso várias vezes durante um evento em Setembro passado.

O grupo que atua em prol dos direitos animais, PETA, divulgou o vídeo esta semana ao lançar uma petição pedindo a proibição do “desporto” sádico e sangrento.

Os activistas escreveram ao primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sanchez – que foi reeleito em uma eleição geral na semana passada – pedindo-lhe para intervir e proibir as touradas.

Um porta-voz do grupo disse: “Todos os anos, milhares de touros sofrem uma morte sangrenta em touradas por toda a Espanha”.

“Essas mortes são lentas e dolorosas: homens a cavalo e a pé dirigem lanças afiadas de metal e madeira para os flancos de touros e em seguida esfaqueiam os animais atormentados cruelmente com uma espada ou punhal”.

Foto: PETA UK

“Na corrida anual dos touros em Pamplona, os animais aterrorizados levam choques eléctricos para forçá-los a sair para as ruas, onde são assediados por multidões ferozes e gritantes”.

Os animais em pânico frequentemente escorregam e batem nas paredes – desespero que resulta em ossos quebrados e outros ferimentos. Mais tarde, esses mesmos touros serão mortos de forma bárbara na praça de touros – fato que muitos turistas desconhecem.

“As pessoas compassivas entendem que essa violência é desnecessária e injustificável, e a oposição às touradas está crescendo tanto na Espanha quanto no mundo”.

“É hora do governo espanhol intensificar sua autoridade e proteger os animais”.

Até agora, mais de 100 cidades em toda a Espanha já proibiram as touradas e, em Julho de 2010, a região autónoma da Catalunha votou pelo fim da prática cruel.

Foto: PETA UK

De acordo com uma pesquisa da Ipsos MORI, mais de 80% dos espanhóis se opõem ao evento bárbaro, uma vez que a participação em muitas cidades diminuiu nos últimos anos.

A carta da PETA a Pedro Sanchez descreveu como os animais morrem “lenta e dolorosamente” durante uma tourada.

O texto do documento diz: “As touradas são eventos imensamente cruéis, nos quais milhares de animais são mortos lenta e dolorosamente em toda a Espanha todos os anos”.

“Toureiros ferem os animais no pescoço e nas costas, e depois que os touros foram torturados por um tempo e ficam enfraquecidos pela perda de sangue, um matador finalmente tira-lhes a vida com uma espada”.

“Esses animais também são explorados e sofrem horrores nas corridas de touros, onde são forçados a correr pelas ruas enquanto são assediados por uma multidão ávida e descontrolada”.

“Os animais entram em pânico, acabam se desequilibrando, caindo, se jogando contra paredes e plateia, quebrando ossos e se machucando”.

“Por favor, pedimos que ouça as vozes do povo espanhol e do mundo inteiro e proíba as touradas e corridas de touros com urgência”.

Foto: Tras Los Muros

Fonte: ANDA

Esta monstruosidade acontece numa França que tem a pretensão de se considerar “civilizada”

Em Portugal e Espanha também temos desta barbárie. Isto não faz parte da Modernidade Europeia.

Três países que deviam estar desincorporados da restante Europa, onde estas práticas cruéis e sanguinárias não têm lugar.

[Todos a Rodilhan em 27 de Outubro!]

–  A partilhar –

A uma hora de Montpellier, no Gard, perto de Nîmes, oferecemos-vos RDV para denunciar a barbárie das touradas.

Esse encontro, altamente simbólico na luta contra as touradas, às vezes é violento, mas é possível evitar o gás lançado pelas forças policiais, que defendem a ignomínia ainda legalizada … (reconhecida como crime no Código Penal, mas isenta de penalização, por derrogação à lei).

O presidente da Câmara desta localidade, condenado várias vezes, insiste na organização de sacrifícios de animais e a submeter a localidade a um estado de sítio.

 A um ano das próximas eleições municipais, vamos pressionar, de uma vez por todas, para que ele não seja reeleito e, definitivamente, virarmos esta página sombria da nossa história e da nossa humanidade.

(Tradução do comunicado em Francês)

MONSTRUOSIDADE.jpg
Fonte:

Fonte: Arco de Almedina

ABUSO E CRUELDADE Touro assustado e perseguido pula cerca e invade arquibancada em festival espanhol

O incidente ocorreu na cidade de Cortes, na região de Navarra, no norte de Espanha. Quatro pessoas ficaram feridas, o touro passa bem.

Foto: CEN/Toros de Fiesta

Imagens flagram o momento em que um touro perseguido e assustado salta sobre uma cerca em um evento das cruéis corrida em touros, atingindo a plateia. No vídeo é possível ouvir grupos de espectadores gritando apavorados. O incidente deixou quatro pessoas feridas.

Os eventos de corridas de touros espanhóis são flagrantes de abuso e crueldade explícita, o desrespeito com a vida dos animais indefesos é recorrente. Os touros são alvos de chutes, socos, bebidas alcoólicas e provocações, tudo em nome do “entretenimento”.

No vídeo os espectadores são vistos tentando controlar o animal, que atravessa um pequeno espaço entre a divisória da arena e os assentos da plateia, acertando em cheio dezenas de pessoas que assistiam ao evento.

O incidente ocorreu durante a corrida de touros chama de “encierro” parte das festividades locais na cidade de Cortes, na região de Navarra, no norte de Espanha.

Na filmagem, um touro pode ser visto correndo ao redor da praça de touros, quando de repente ele pula sobre a cerca de protecção e entra nas arquibancadas de supetão.

As pessoas presentes podem ser ouvidas gritando e alguns espectadores ajudam a puxar aqueles que ficaram presos perto da cerca para fora do local.

O touro perdido e sem direcção pode ser visto correndo do lado de fora da cerca e depois voltando para a praça de touros, obviamente sem saber para onde fugir, na arena um homem com uma capa vermelha tenta distraí-lo.

Foto: CEN/Toros de Fiesta

O animal assustado então, corre em direcção ao homem que foge antes que o touro pule a cerca protectora novamente enquanto outro touro entra na arena.

Ambos os touros acabam no ringue juntos, um segundo vídeo mostra como o touro alcançou as arquibancadas depois de pular a cerca.

Relatos indicam que uma mulher de Bunuel, em Navarra, e um homem de 74 anos de Mallen, em Saragoça, ficaram feridos, juntamente com outras duas pessoas que não foram identificadas nos relatórios.

O idoso teve que ser levado ao hospital em estado muito grave e foi submetido a uma cirurgia urgente.

Os organizadores decidiram remover o touro da arena e o evento foi cancelado para ajudar os paramédicos a atender os feridos. O touro, segundo os organizadores, não sofrei ferimentos.

Acuado mediante as provocações e agressões sofridas o intuito do animal era claramente o de fugir do local onde era maltratado, procurando a liberdade e distância de seus algozes. Animais são seres sencientes, capazes de sofrer, sentir, criar vínculos profundos e entender o mundo ao seu redor.

Chamar de entretenimento a diversão obtida à custa do sofrimento de outro ser vivo é no mínimo um equívoco grotesco.

Fonte: ANDA

Destaques Bezerros são torturados até a morte por adolescentes em escolas de touradas

As crianças e adolescentes, nas escolas tauromáquicas, são ensinadas a serem psicopatas.
O objectivo das escolas tauromáquicas, é que aquelas crianças e jovens, se tornem o mais violentos possível. Fazem-lhes uma lavagem cerebral, para garantir que isso acontece.
A forma como as crianças e jovens são ensinadas/dos, sobre isso é claro.
E este artigo da Anda é mais uma prova clarissima disso!

Mário Amorim


Uma menina de 15 anos é filmada treinando golpes no touro jovem que recebe sete golpes de lança antes de desfalecer agonizante no chão

Foto: Pen News

Além de serem torturados cruelmente nas arenas, com sua morte servindo de entretenimento para a plateia, os touros mais jovens, muitos bezerros ainda, são usados para ensinar adolescentes a matar em escolas de touradas.

As escolas de touradas na Espanha são verdadeiros palcos de tortura onde jovens, mal saídos da infância, são ensinados a matar touros. As imagens flagram o momento em que uma menina de 15 anos fere com sete golpes de “banderilla” (espécie de lança comprida e afiada e enfeitada usada por toureiros) um filhote de touro até matá-lo

Imagens do cruel evento que ocorreu em Esquivias, na Espanha, foram divulgadas por activistas do grupo de defesa animal Animal Guardians com o objectivo de conscientizar o público e expor o sofrimento a que são submetidos os touros.

No vídeo, o jovem touro exausto já está perfurado por quatro bandarilhas quando a garota tenta espetá-lo com uma espada.

Mas sua inexperiência a impede de dar um golpe mortal, forçando o animal a suportar pelo menos mais sete facadas antes que ele desmaie.

A filmagem também mostra crianças recebendo troféus grotescos – orelhas arrancadas dos filhotes de touro agonizantes, cada um com menos de dois anos de idade.

No passado, os activistas só podiam especular a idade dos jovens participantes, mas desta vez eles conseguiram confirmar que a menina tinha 15 anos e que um outro garoto que participava tinha 17 anos.

Foto: Pen News

Marta Esteban, do Animal Guardians, disse que esses eventos podem distorcer a maneira como os jovens entendem a violência.

Ela disse ao Daily Mail: “Consideraríamos uma forma de entretenimento ver meninos e meninas torturando cães e gatos ou até ovelhas? Por que é diferente com touros? Claramente não é”.

“Permitir que crianças torturem e matem animais, causando um sofrimento imenso a esses seres, especialmente como um espectáculo público, é um atentado à sua integridade física e mental.

Foto: Pen News

“Esse tipo de ‘treinamento’ acaba com a empatia deles com o sofrimento alheio e abre a porta para mais violência – mesmo que seja apenas para entretenimento”.

“Isso também anula os direitos da criança de viver em um ambiente livre de violência.”

A mais recente indignação com esses episódios sádicos ocorreu nas redes sociais com a onda de revolta pelo uso de matadores crianças, em que o comediante e activista pelos direitos animais, Ricky Gervais, classificou a academia de touradas como uma escola de m**** em um post na internet.

Foto: Pen News

O sangrento espetáculo em Esquivias, a cerca de 34 quilômetros ao sul de Madri, foi realizado para “homenagear” as mulheres da cidade, mas teve pouca participação do público.

Carmen Ibarlucea, presidente do movimento contra touradas La Tortura No Es Cultura (Tortura não é Cultura), rejeitou publicamente a homenagem.

“Homenagens às mulheres – desse tipo, como as touradas – são uma tradição a ser extinta”, disse ela.

“Exibir menores de idade exercendo violência contra animais não é uma maneira de promover a igualdade, e isso contraria a protecção das crianças que a Espanha assumiu o compromisso de defender”.

Foto: Pen News

Esteban disse que o programa foi realizado com o apoio do estado, acusando o governo da região e o conselho da cidade de apoiá-lo.

Ela continuou: “Como estamos sendo ignorados, pedimos aos cidadãos de todo o mundo que nos ajudem e escrevam para embaixada da Espanha de seus países e exijam o fim dessas práticas”.

“Do nosso lado, continuaremos a expor esses eventos cruéis e denunciá-los a instâncias mais elevadas até sermos ouvidos”.

O governo regional de Castilla-La Mancha e o conselho da cidade de Esquivias foram contactados para comentar pelo Daily Mail porém não se posicionaram até o fechamento da matéria.

Foto: Pen News

Fonte: ANDA