DADOS ALARMANTES Amazónia registra em novembro maior desmatamento para o mês dos últimos 10 anos

De acordo com o Imazon, 61% do desmatamento foi registrados em áreas particulares e nas ”florestas públicas sem destinação”

A Amazónia registrou um aumento de 23% no desmatamento em novembro em comparação ao mesmo período do ano anterior. Com 484 km² de vegetação desmatados, a floresta bateu o recorde mensal dos últimos 10 anos, segundo dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

De acordo com o Imazon, 61% do desmatamento foi registrados em áreas particulares e nas ”florestas públicas sem destinação”, como são denominadas as áreas que ainda não tiveram a finalidade de suas terras determinadas pelo governo.

Unidades de conservação também foram alvo de desmatadores. Em novembro, a Terra Indígena (TI) Apyterewa, no Pará, foi a mais desmatada. Há um mês, invasores que estavam nessa TI tentaram impedir que fiscais do Ibama fizessem no local uma operação contra crimes ambientais. As informações são do G1.

O monitoramento realizado pelo Imazon é utilizado para emitir alertas para as equipes de fiscalização ambiental, assim como o Sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que registrou queda de 45% no desmatamento da Amazônia em novembro.

De acordo com o Imazon, os dois sistemas têm metodologias distintas e, por isso, podem divergir, especialmente quando os dados são comparados entre períodos curtos. No entanto, geralmente os sistemas convergem nas tendências de alta – o que significa que se nos próximos meses o desmatamento continuar em alta, a tendências de alta vão convergir.

Fonte: ANDA

DADOS ALARMANTES Alerta de desmatamento na Amazónia é o maior dos últimos cinco anos

Foram 9.205 km² desmatados de Agosto de 2019 a Julho de 2020, ante 6.844 km² nos 12 meses anteriores

Dados recentes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais revelaram um aumento de 34,5% nos alertas de desmatamento na Amazónia em um ano. Foram 9.205 km² desmatados de Agosto de 2019 a julgo de 2020, ante 6.844 km² nos 12 meses anteriores. É o maior alerta de desmatamento registado nos últimos cinco anos.

O Deter é um sistema dinâmico e, por isso, apresenta apenas uma tendência do desmatamento monitorado por satélite. A taxa oficial de desmatamento é registada pelo Prodes, outro sistema do Inpe que consegue medir o desmate de maneira mais ampla.

Entre Agosto de 2018 e Julho de 2019, o Prodes registou o desmatamento de 10.129 km² na Amazónia – 34,41% a mais do que o registado no período anterior, quando 7.536 km² foram destruídos. A taxa foi a maior desde 2008.

Por conta dos números expostos pelo Deter, a expectativa é ruim. Espera-se que um novo aumento no desmatamento, que vem crescendo de maneira alarmante desde 2019, seja registado.

O Observatório do Clima informou ao Metro Jornal que “se a variação entre os dados do Deter e os do Prodes ficar na média histórica, poderemos ter cerca de 13.000 quilómetros quadrados de desmatamento, a maior taxa desde 2006”.

Fonte: ANDA