PAN LISBOA REPUDIA CELEBRAÇÃO DO “dia da tauromaquia”

O PAN repudia e todas as pessoas, dotadas de Sensibilidade e Bom Senso e, sobretudo, do sentimento maior do ser humano: a EMPATIA, repudiam esta “celebração” que envergonha até as pedras das calçadas da capital portuguesa, que será reduzida a uma localidade terceiro-mundista, no próximo dia 23 de Fevereiro.

CRIANÇAS EXPOSTAS À VIOLÊNCIA DA TAUROMAQUIA COM O APOIO DOS GOVERNANTES?

Isto só num Portugal cada vez mais pequenino e medíocre.

art-2320171_960_720-1040x585.jpg

O Grupo Municipal do PAN reagiu às práticas medievalescas que vão ser promovidas no dia 23 de Fevereiro e que pretendem expor de forma clara as crianças e jovens às práticas violentas da tauromaquia.

O PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa relativamente às licenças para ocupação do espaço público neste dia e reitera que deve ser dado outro uso à praça do “campo pequeno”.

Face a esta loucura, o PAN Lisboa e todos nós reagimos com perplexidade e repúdio perante a intenção dos promotores do evento – a prótoiro – em torná-lo um acontecimento “para toda a família”.

As práticas medievalescas, inerentes à tauromaquia, vão decorrer no recinto do “campo pequeno” (pequeno em absolutamente TUDO) e no espaço público envolvente, pelo que o Grupo Municipal do PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa sobre que licenças foram concedidas para este dia, para que locais, se houve isenção do pagamento de taxas e qual o tipo de actividades a que concretamente se destinam.

A intenção dos promotores desta vergonhosa iniciativa é levar a incultura tauromáquica a vários públicos, incluindo actividades antipedagógicas para crianças e adultos, nomeadamente “demonstrações e aulas de toureio e pegas”, como se isto interessasse às pessoas dotadas de Empatia, Sensibilidade e Bom senso! Como se isto fosse adequado às crianças!

Onde está a Comissão de Protecção de Menores e Jovens em Risco? Sim, porque estas crianças irão ser expostas à crueldade e violência, que, a exemplo do que já acontece, transformar-se-ão em adultos para os quais a crueldade e a violência farão parte das suas vidas, como sendo coisas normalíssimas?

Tais demonstrações antipedagógicas, ignoram por completo a recomendação da ONU para que as crianças não sejam expostas à violência física e psicológica da tauromaquia.

Numa altura em que várias cidades do país, como Póvoa de Varzim e Viana do Castelo, já se declararam livres de touradas, é incompreensível que a nossa capital permita não só a realização de eventos tauromáquicos como também a celebração deste dia, do qual pouco ou nada se tinha antes ouvido falar”, refere a deputada municipal Inês de Sousa Real.

O terreno onde a Praça de Touros se encontra instalada pertence à Autarquia e a Praça de Touros em si pertence à Casa Pia de Lisboa. Para o PAN e para todos nós, é incompreensível que estas duas entidades públicas não desenvolvam esforços para reconverter o uso que é dado àquele espaço e ignorem a crescente consciencialização da população para a protecção animal.

De referir também a situação jurídica pouco clara em que se encontra a Sociedade de Renovação Urbana do “campo pequeno”, que, apesar de dissolvida, detém ainda o direito de exploração do espaço. Mais grave ainda, quando o sector insiste em menosprezar o superior interesse das crianças e jovens, expondo-os a esta actividade violenta e cruel.

De acordo com o comunicado do PAN Lisboa, este compromete-se a acompanhar de perto as actividades previstas para o dia 23 de Fevereiro bem como, neste sentido, vai continuar a trabalhar por uma cidade livre de violência contra pessoas e animais.

E nós cá estaremos para fazer ECO.

Isabel A. Ferreira

Fonte da notícia e imagem:

http://pan.com.pt/na/amlisboa/2019/01/10/pan-lisboa-repudia-celebracao-do-dia-da-tauromaquia/

Fonte: Arco de Almedina

 

Anúncios

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PODE SER EVITADA?

A maioria dos homens, jovens ou menos jovens, ainda não está preparada para fazer o caminho ao LADO da mulher, que é o lado certo. Ao lado. Nem à frente, nem atrás.

O índice de violência doméstica em Portugal é elevadíssimo. Será que assim é porque a mulher ainda não se libertou de certas amarras e desconhece que tem o direito à legítima defesa? Ou será que é porque vivemos num país que cultiva a violência, um país onde a violência é legitimada por lei (refiro-me à violência contra seres vivos, como nós)?

O que vou expor não será politicamente correcto, mas também não é politicamente correcto o que não se passa ao redor das queixas que se apresentam às autoridades, e as penas que não se aplicam aos violentadores.

Daí que ouse ser politicamente incorrecta no que vou dizer.

VIOLÊNCIA.png
Origem da imagem: Internet

Numa relação, seja ela qual for, ao primeiro levantamento de mão (e nem precisa chegar-se a vias de facto) a reacção da mulher tem de ser imediata, com intolerância absolutamente ZERO. Levantou a mão com a INTENÇÃO de agredir, não serve para namorar nem um pedregulho com olhos, e muito menos viver uma relação fora ou sob o mesmo tecto. De modo que… RUA! Para todo o sempre, porque quem levanta a mão uma vez, levanta duas ou três.

E se, por distracção, se é apanhada desprevenida, e se leva um estalo, nessas alturas para que servem as pernas, senão para dar chutos e pontapés no “lugar certo“? É remedinho santo. Mas existem ainda outros métodos que neutralizam a cobardia dos do sexo oposto, quando estes se metem a “valentões”, e aos quais nem chamo homens, porque ser HOMEM é outra coisa.

As mulheres têm o direito à autodefesa. E ao reagirem, não estão a exercer violência, mas tão-só a defender-se. E os cobardes violentadores têm de saber isto.

Fina d’Armada, escritora portuguesa que pugnava pelos direitos das mulheres, escreveu certo dia uma crónica, onde contou o que a mãe lhe havia contado, sobre uma mulher da sua aldeia, saco de pancada de um marido cavernícola e alcoólico. Um dia, já farta de tanto levar, a senhora, enquanto o marido dormia, atirou-lhe para cima uma panela de água a ferver, que o marcou. A partir de então, o homenzinho nunca mais teve a cobardia de lhe tocar. E até deixou de ir à taberna da aldeia, pela vergonha de ter sido invalidado pela mulher. E continuaram a viver (não muito felizes, obviamente) sob o mesmo tecto.

Mas hoje, os tempos são outros.

É que os cobardes só são “valentões” diante dos mais frágeis. Mas diante de quem lhes faz frente, tremem dos pés à cabeça, e não se atrevem, sequer a pensar, em agredir a mulher.

E já agora, embora esta não seja propriamente uma história de violência doméstica, posso contar a minha experiência com um “valentão” do meu tempo de escola, o qual, embora com outro nome, naquela altura, praticava bullying com os rapazes e meninas do colégio. Era o terror da escola. Todos o temiam, porque era um rapaz enorme, forte e bruto, e muito, muito cobarde, porque só se armava em “valentão” com os mais novos e com as meninas.

Um dia chegou a minha vez. Mas eu sabia que aos cobardes devemos enfrentá-los de frente, e se levamos uma, damos três. Assim fui ensinada (e assim ensinei a minha filha e a minha neta). E foi o que fiz. Usei as minhas armas: pernas e mãos. Ao primeiro gesto levou um pontapé bem assente no sítio certo que o deixou no chão. Daí em diante foram tantos os chutos e pontapés, que o deixei a tremer debaixo de uma mesa. É que se eu apanho, quem me dá leva em dobro. Ou em triplo.

Escusado será dizer que daí em diante o rapaz nunca mais se meteu com ninguém, e a paz reinou na escola. Acabámos até por ficar amigos. Terminada a escola, a vida levou-nos para lugares diferentes. Um dia mais tarde, já na juventude, soube que ele estava internado no Sobral Cid, hospital psiquiátrico de Coimbra, cidade onde eu frequentava a Universidade. A vida foi-lhe muito madrasta, disseram-me. Não me surpreendi. Decidi ir visitá-lo. Chorou muito, agarrado a mim, quando me viu. Era raro receber visitas. E eu chorei com ele. Viveu alguns anos mais. Mas não muitos mais. Fui ao seu enterro, e o desaguisado da adolescência, tinha há muito sido perdoado. E ele pôde partir em paz.

Este não foi o meu único episódio de leva-e-dá, na escola. Na vida de adulta jamais suportaria ser vítima de violência doméstica, por isso nunca aconteceu. É que ser mulher implica, sobretudo, ousar ser livre, embora eu saiba que nem a todas as mulheres a vida concede esse privilégio, contudo, é algo alcançável quando se ousa querer ser livre.

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

UMA FOTO QUE DIZ DO ABANDONO A QUE OS FILHOS DOS AFICIONADOS DE TOURADAS ESTÃO VOTADOS

Em Portugal, por incrível que pareça, ainda existem antros de crueldade a que chamam “escolas” de toureio, que são subvencionadas com dinheiros públicos.

Em 2009 a “escola” de toureio José Falcão foi subvencionada pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira com 50.000,00 euros anuais, saídos dos nossos impostos.

Em 2019 a “escola” de toureio José Falcão é subvencionada pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira com 60.000,00 euros anuais, saídos dos nossos impostos.

TOUREIO.jpg

O povo fala muito e age pouco.

A população, que está contra o facto de se lançar crianças a esta prática bárbara, devia unir-se e exigir junto à Assembleia da República que esta vergonha tivesse um fim…

Há escolas a sério a precisar urgentemente de obras, de mais funcionários e de mais e melhores serviços, mas para isto não há dinheiro.

No entanto, há dinheiro para ensinar às crianças a crueldade para com bezerrinhos, tão crianças como elas, e isto com o aval do PS, PSD, CDS/PP e PCP, e de uma igreja católica que se está nas tintas para os valores cristãos.

E este é que é o verdadeiro Portugal, não é o Portugal da Jornada Mundial da Juventude, que também se está nas tintas para a tragédia humana que é privar uma criança de ter uma infância benigna e normal.

Isabel A. Ferreira

Texto baseado no original, neste link:

https://www.facebook.com/VFXAnti.tauromaquia/photos/a.1050063075024035/2287685547928442/?type=3&theater&ifg=1

Fonte: Arco de Almedina

 

ABRE HOJE A ÉPOCA DA SELVAJARIA TAUROMÁQUICA EM PORTUGAL(na passada Sexta feira)

Estamos em 2019 depois de Cristo, mas é como se estivéssemos em 2019 antes de Cristo, com mentalidades empalhadas, cristalizadas, fechadas a cadeado, onde nem um raio de luz consegue entrar.

Portugal está na cauda da Europa em quase tudo, incluindo nesta mentalidadezinha atrasada e mesquinha, que não permite que o País se liberte da mediocridade.

O problema é que estamos em PORTUGAL, um país que já foi grande, mas ENCOLHEU, em vez de seguir o avanço do mundo.
MENTE FECHADA.jpg

A prótoiro anda por aí a apregoar que este ano é que vai aumentar o público nas touradas! Em vez de oferecerem bilhetes gratuitos, para terem meia-dúzia de espectadores nas arenas, agora vão passar a pagar a quem queira assistir a estas práticas bárbaras.

O DESESPERO é tal, que têm de pagar e pedir por muito favor: ó tio ó tio, vá ás touradas! Por favor, vá lá! Nós pagamos o bilhete!

Que paguem! Eles são poucos e sempre os mesmos. Isso não irá aumentar o número de trogloditas a assistir a essas práticas medievalescas. Nem contas sabem fazer!

Isto significa que as touradas estão mesmo a caminho do FIM.

Todas as estatísticas dizem que, de ano para ano, diminui o número de touradas e o número de espectadores.

Mas os trogloditas vivem numa bolha da ilusão gerada pela decadência. E apesar de todas as evidências mostrarem o contrário, prevêem um “aumento” de público nas arenas, na sequência da “tendência verificada nos últimos dois anos”.

Ora nem contas sabem fazer, porque a tendência verificada nos últimos anos foi uma diminuição drástica destas práticas cruéis, que cada vez são mais rejeitadas e desprezadas, porque são desadequadas aos tempos modernos, e fazem parte da incultura de uma camada diminuta do povo português.

E eles dizem que este ano vai haver mais debates sobre a selvajaria.

Os portugueses já estão fartos de ver a estupidez ser debatida. Já tudo foi dito e redito sobres estas práticas violentas e cruéis, e a conclusão é só uma: estas práticas estão condenadas. Estão a caminho do fim. Ninguém as quer mais em Portugal, a não ser um pequeno núcleo de trogloditas decadentes.

ACORDEM! Estamos a caminho da ABOLIÇÃO desta selvajaria!

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

CIRCO TERCEIRO-MUNDISTA DE VICTOR HUGO CARDINALI ESCRAVIZA CAVALOS, CAMELOS, LEÕES, ELEFANTES… BASTA!

Outro circo terceiro-mundista a boicotar, este fim-de-semana!

Povo de Torres Vedras, não vão em família assistir a um circo que mantém em cativeiro e tortura toda uma vida, Cavalos, Elefantes e Camelos, para que miúdos e graúdos se entretenham durante uma escassa hora.

Digam basta e enviem os vossos protestos para:

Circo Cardinali: circovhc@gmail.com

Presidente da Câmara de Torres Vedras, Carlos Manuel Antunes Bernardes:

geral@cm-tvedras.pt

20137039_VF6KP[1].png
Origem da imagem: Internet

Portugal proíbe o uso de animais selvagens nos circos!

A Assembleia da República aprovou, no dia 30 de Outubro de 2018, em votação final global, um diploma que proíbe o uso de animais selvagens nos circos.

Os circos vão ter de deixar de usar animais selvagens nos próximos seis anos. Quem entregar os seus animais voluntariamente receberá “apoio para a reconversão e qualificação profissional”.

Está assim proibido o uso de macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes em circos portugueses.

Mas falta mencionar CAVALOS, CAMELOS, GOLFINHOS, PIRANHAS, CÃES, enfim, toda e qualquer espécie animal, à excepção do HOMEM.

“É um passo muito importante porque o Parlamento reconhece que jaulas maiores, melhor regulamentação e mais fiscalização não resolve o problema. E é um passo muito importante porque esta lei é a única no mundo que garante aos trabalhadores dos circos que cedam voluntariamente os animais o direito ao apoio para reconversão e qualificação profissional”, explica o deputado do PAN André Silva.

Uma vez entregues, os animais serão colocados em centros de acolhimento, em Portugal ou no estrangeiro, “que garantam o seu bem-estar de acordo com as características e necessidades biológicas e etológicas dos animais em causa.

A lei prevê ainda a criação de um Cadastro Nacional de Animais – uma lista que reunirá todos os animais existentes em cada circo. As companhias circenses têm seis meses para comunicar às autoridades a sua situação e depois deverão actualizar o registo trimestralmente.

Existe uma moratória de 6 anos para os circos em Portugal entregarem os seus animais selvagens, no entanto verifica-se a continuação do uso dos animais, ignorando completamente a lei que foi aprovada, consideramos que é da responsabilidade dos municípios proibirem circos com animais selvagens nas suas cidades!

Circos só com animais HUMANOS.

Fonte: https://www.facebook.com/577397096057838/photos/a.577421039388777/578164282647786/?type=3&theater

Fonte: Arco de Almedina

 

BOICOTE-SE O CIRCO NERY EM ALVERCA DO RIBATEJO

O circo Nery está a anunciar “espectáculos inesquecíveis” em Alverca do Alentejo, que exibirão TIGRES BRANCOS.

Ora acontece que o Tigre Branco é um animal da Selva, NÃO do circo.

Quem for ver estes degradantes espectáculos tem de saber que está a contribuir para a infelicidade de belos animais da Selva, confinados a gaiolas e torturados para fazerem aquilo para o qual não nasceram.

CIRCO NERY.jpg

É lamentável que se continuem a transportar e exibir animais selvagens enjaulados de terra em terra. Qual é a pedagogia desta barbaridade?

 

Existe uma moratória para acabar com estes maus-tratos a animais selvagens, mas as autarquias têm de fazer a sua parte, actualizando os seus regulamentos, e não licenciar esta exploração de seres vivos. Se cidades Portuguesas e de todo o mundo já estão conscientes e já o proibiram, para quando Alverca do Ribatejo?

Os circos devem limitar-se às Artes Circenses protagonizadas por ARTISTAS HUMANOS. Os circos devem acabar com a exploração dos animais selvagens que mantém aprisionados e em grande sofrimento. Os circos devem entregá-los aos responsáveis por Santuários, que os acolherão, para mais tarde serem libertados nos seus habitats.

É hora de acabar com esta exploração que não dignifica a Arte Circense.

Por isso, BOICOTE o Circo Nery, se não quiser ser cúmplice do SOFRIMENTO dos Animais Selvagens.

***

Apela-se a todos os que têm esta consciência, para que escrevam às seguintes autoridades a  dizerem do vosso desagrado em relação a esta barbárie.

Enviar e-mail para:

Presidente da Junta de Freguesia de Alverca do Ribatejo e Sobralinho, Exmo. Carlos Manuel Gonçalves.

E-mail: presidente@jf-alvercasobralinho.pt

Delegação da Câmara Municipal em Alverca do Ribatejo

Telefone: 219 583 149/99

E-mail: del.alverca@cm-vfxira.pt

SEPNA: sepna@gnr.pt

E deixem mensagens de repúdio neste link do Circo Nery:

https://www.facebook.com/Circo-Nery-190175794849116/

Fonte: Arco de Almedina

A “ARTE” DE TOUREAR PARA UM ESCRITOR ESPANHOL

A arte de tourear consiste em converter em vinte minutos um belo animal numa almôndega sangrenta perante um público exultante.”

(Manuel Vicent – Escritor, Jornalista, e Galerista de Arte espanhol)

Por cá, há quem veja na “arte” de tourear um bailado, por exemplo, Assunção Cristas, deputada da Nação.

Tudo depende do olhar: se está límpido, vê a almondega sangrenta; se está embaciado, vê um bailado, onde bailarinas com meias cor-de-rosa  apresentam coreografias ternurentas

MANUEL VICENT.jpg
Origem da foto:

Fonte: Arco de Almedina