De olho no planeta Alemanha pode oferecer transporte público gratuito para combater a poluição

“Estamos considerando o transporte público gratuito para diminuir o número de carros particulares. A luta contra a poluição do ar sem mais atraso é a maior prioridade da Alemanha”, escreveram três ministros em uma carta ao comissário ambiental da União Europeia (UE), Karmenu Vella, em Bruxelas.

Um julgamento da proposta está previsto para as cidades de Bonn, Essen, Herrenberg, Reutlingen e Mannheim até o final deste ano.

A carta foi assinada pela ministra alemã do meio ambiente, Barbara Hendricks, pelo ministro da Agricultura, Christian Schmidt e pelo chefe de gabinete da Chancelaria Federal, Peter Altmaier.

Segundo a AFP, que informou sobre a carta, outras ações propostas são restrições sobre as emissões de frotas de veículos, como ónibus e táxis, zonas de baixas emissões e apoio para compartilhamento de automóveis.

A DW disse que algumas das cidades escolhidas para os testes de transporte público gratuito não foram esclarecidas quanto aos detalhes da proposta, segundo o Ecowatch.

A proposta ocorre pouco mais de dois anos após o escândalo das emissões de diesel da Volkswagen. A empresa alemã teve que pagar biliões em multas e acelerar seus planos para electrificar grande parte da sua frota. Outros fabricantes de automóveis, incluindo a marca alemã Daimler, já foram envolvidos em escândalos de emissões.

Em 2017, a Volkswagen, a Daimler e a BMW anunciaram um plano de € 500 milhões (US$ 593 milhões) para actualizar mais de cinco milhões de carros diesel na Alemanha e oferecer descontos comerciais em modelos mais antigos. Eles também concordaram em contribuir com um fundo de tráfego público para diminuir a poluição causada pelo diesel.

Fonte: ANDA

Anúncios

Este circo substituiu animais por hologramas e o resultado é surpreendente

É o primeiro circo do mundo a fazê-lo e a ideia está a conquistar os espectadores.

Este circo substituiu animais por hologramas e o resultado é surpreendente

A presença de animais selvagens nos circos tem mais de dois séculos, contudo nos últimos anos esse conceito tem gerado bastante controvérsia pelas más condições em que os animais são mantidos e tratados.

As críticas tornaram-se tão fortes que diversos países proibiram já a utilização de animas selvagens nos espectáculos circenses, sendo Portugal um desses países.

Na Alemanha, um circo decidiu manter a violência animal fora dos palcos, sem deixar de fora a grandiosidade e fascínio pelo animais selvagens.

Este circo substituiu animais selvagens por hologramas e o resultado é surpreendente

O resultado é tão criativo quanto inovador, fazendo do Circo Roncalli o primeiro no mundo a utilizar hologramas em vez de animais reais.

Para isso, criou imagens 3D de elefantes, cavalos galopantes ou peixes voadores que são projetadas com recurso a 11 projetores laser numa tenda de 32 metros.

Os hologramas são projetados numa arena de 360 graus para que todos os espectadores possam usufruir igualmente desta experiência.

As reacções têm sido muito positivas e basta ver um pequeno vídeo sobre o espectáculo para que a curiosidade fique aguçada.

Fonte: SAPO LIFESTYLE

MUITA GENTE NÃO ESTÁ BEM A VER O QUE ESTÁ EM CAUSA, PARA A INTERNET NA EUROPA! – MANY PEOPLE ARE NOT WELL TO SEE WHAT IS CAUSE, FOR THE INTERNET IN EUROPE!

Resultado de imagem para france and germany

Muita gente não está bem a ver o que está em causa para a Internet na Europa.
Neste momento a França e a Alemanha estão unidas. Estes dois países querem trazer à viva força, para a Internet Europeia, práticas próprias de REGIMES DITATORIAIS.
Os artigos 11 e 13, já eram péssimos, já eram terríveis para a Internet Europeia.
E a França e a Alemanha, ainda os pioraram e muito.
Estes dois artigos já eram para trazer para a Net Europeia, a CENSURA, e a DITADURA, e agora, pior ainda. Muitíssimo pior!!!!
Há alguns anos atrás nós fomos para a rua por toda a Europa e evitamos artigos como o 11 e o 13, vindos de Bruxelas.
E agora, Bruxelas veio novamente à carga, com artigos próprios de regimes onde impera a CENSURA e a DITADURA.
A verdade é esta, pura e dura: o que Bruxelas pretende é destruir a Net na Europa, com os artigos 11 e 13. E tudo o que Bruxelas possa dizer de contrário, é pura e simples mentira.
Ou seja; com os artigos 11 e 13, é a destruição da Net, tal como conhecemos.
Uma Net livre e democrática.
Com estes destrutivos artigos, a Net, na Europa, deixará de ser livre e democrática. Será que queremos que a Net na Europa se transforme num espaço sem liberdade e democracia, e sim um espaço de CENSURA e DITADURA. Será que o queremos????
É pois hora de voltarmos à rua, pela segunda vez, com muito, muito mais força, com muito, muito mais gente, por toda a Europa.
Está nas nossas mãos salvar a Internet na Europa. Para continuar a ser um espaço sem CENSURA e sem DITADURA. Um espaço livre e democrático!
Mas tem de ser já!
Não podemos perder mais tempo!
Tem mesmo de ser já, sem mais demoras. Antes que seja tarde demais!!!!

Mário Amorim


A lot of people are not good at seeing what’s at stake for the Internet in Europe.
At the moment France and Germany are united. These two countries want to bring alive, for the European Internet, their own practices of DITORIAL SCHEMES.
Articles 11 and 13, already bad, were already terrible for the European Internet.
And France and Germany have made them worse.
These two articles were already to bring to the European Net, CENSORSHIP, and DICTATORSHIP, and now, even worse. Much worse !!!!
A few years ago we went to the street all over Europe and avoided articles like the 11 and the 13, coming from Brussels.
And now, Brussels has come again to the charge, with articles of own regimes where CENSURE and DICTATOR rule.
The truth is this, pure and hard: what Brussels intends is to destroy the Net in Europe, with articles 11 and 13. And everything Brussels can say otherwise, is a simple lie.
That is; with Articles 11 and 13, is the destruction of the Net, as we know it.
A free and democratic Net.
With these destructive articles, the Net in Europe will cease to be free and democratic. Do we want the Net in Europe to become an area without freedom and democracy, but a space of CENSORSHIP and DICTATORSHIP? Do we want it ????
It is now time to return to the street, for the second time, with much, much more force, with much, many more people, all over Europe.
It is in our hands to save the Internet in Europe. To remain a space without CENSORSHIP and NO DICTATORSHIP. A free and democratic space!
But it has to be already!
We can not waste any more time!
It has to be already, without further delays. Before it’s too late!!!!

Mário Amorim

SOLIDARIEDADE Cavalos selvagens se reúnem ao redor de companheiro que passa mal para ajudá-lo

Demais integrantes da manada estimulam o amigo com lambidas, mordidas leves e empurrões de cabeça até que ele se levante

https://www.dailymail.co.uk/embed/video/1828386.html

O vídeo acima captura um flagrante que ilustra de forma incontestável a capacidade dos animais de amar, se relacionar e agir de acordo com estímulos que envolvem sentimentos.

Após perceber que um dos integrantes da manada de cavalos selvagens, perde o equilíbrio afetado por um mal estar e cai no chão subitamente, os demais se reúnem ao redor dele para ajudá-lo com lambidas, mordidas leves e empurrões de cabeça, tudo numa tentativa solidária de socorrê-lo.

O raro espetáculo foi testemunhado na cordilheira de Westerwald, no estado de Rhineland-Palatinate (Alemanha).

Cavalos se reúnem ao companheiro de manada na tentativa de socorrê-lo | Foto: Ingo Gerlach
Cavalos se reúnem ao companheiro de manada na tentativa de socorrê-lo

Ingo Gerlach, 65, estava fotografando o rebanho de 18 cavalos islandeses quando percebeu que um deles havia se isolado dos demais.

O cavalo marron acizentado de dois anos de idade aparentava não estar bem, cambaleando com as pernas bambas.

O fotógrafo, que é de Betzdorf (Alemanha), conta que assistiu ao cavalo cair primeiro sobre os joelhos com as pernas da frente e em seguida desabar no chão.

De início. Ingo pensou que o animal estava apenas cansado ou rolando sobre suas costas para remover pulgas ou carrapatos, movimento comum entre os cavalos.

Mas depois que o cavalo permaneceu imóvel e caído, demostrando que havia algo errado, um de seus companheiros começou a se aproximar dele.

Cavalo se aproxima do companheiro caído e tenta ajudá-lo com estímulos usando a cabeça | Foto: Ingo Gerlach
Cavalo se aproxima do companheiro caído e tenta ajudá-lo com estímulos usando a cabeça

“O cavalo negro rapidamente chegou até o companheiro caído no chão e começou a motivá-lo a levantar-se” conta Ingo, que começou a filmar a cena imediatamente.

Imagens tocantes mostram o cavalo negro se aproximando do animal caído aparentemente doente e cutucando-o carinhosamente com a cabeça.

Ao perceber que o cavalo caído não estava respondendo ao estímulo inicial, o cavalo negro começa então a mordê-lo levemente nas pernas, o que leva o companheiro a sentar-se.

Mas assim que consegue ficar em pé, suas pernas começam a tremer e ele cai no chão novamente.

Dois outros cavalos então, um malhado e outro cavalo negro de crina bege – juntam-se à equipe de ajuda, mordendo as orelhas do amigo caído.

A tentativa de levantá-lo se repete várias vezes, com os três cavalos reunidos estimulando várias partes do corpo do animal caído cada vez que ele cai de novo.

Finalmente, após algum tempo de instabilidade, o cavalo fragilizado parece conseguir a força e o equilíbrio necessários para ficar e se manter em pé, os outros então se juntam, esfregando-se contra ele em uma clara demonstração de apoio e afeto, como se dissessem: “você não esta sozinho”.

Ingo enfrentou as temperaturas de 2ºC negativos na cordilheira montanhosa para registrar a preciosa exibição de amor, amizade e solidariedade entre os animais. O evento durou cerca de uma hora e meia e ocorreu dia 13 de dezembro. Ele afirma satisfeito: “O frio perdeu a importância. O cenário era simplesmente muito raro e tocante para que algo mais fizesse diferença”.

Amante da natureza, o fotógrafo que têm observado a manada durante três anos, tentou pesquisar sobre o comportamento dos animais, mas não encontrou referências para tanto.

Apenas no dia seguinte ele soube pelo tutor dos animais que o cavalo marrom acinzentado, vítima do mal-estar, provavelmente sofreu uma cólica, dor abdominal causada pelo sistema digestivo do animal.

Contudo o fotografo alega que nunca havia visto um comportamento como este antes e a cena afetou a forma como se relaciona com os animais: “Os cavalos estavam realmente tentando salvar seu amigo da morte”, conclui ele.

Embora cenas como esta façam parte do cotidiano dos animais elas são ignoradas pela humanidade com a conveniência da crença errônea de que os animais são inferiores ao ser humano e não tem sentimentos de dor, angustia e sofrimento.

Eles não só os tem, como tem também possuem sentimentos de lealdade, amizade e fraternidade, como tão bem nos mostram os cavalos mostrados neste vídeo emocionante.

Fonte: ANDA

ESTRESSE Zebra morre de insuficiência cardíaca após fugir de circo e ser perseguida

Quatro zebras tentaram escapar de um circo de Natal numa cidade da Alemanha, uma zebra morreu devido ao estresse da perseguição.

Quatro zebras foram avistadas trotando pela cidade, passando pelo Parlamento e à beira do rio Elbe em Dresden, Alemanha. Elas haviam fugido de um circo. A polícia foi acionada e as zebras foram capturadas, mas uma morreu de insuficiência cardíaca devido ao estresse da perseguição.

Zebra correndo pela cidade

Todos os quatro animais deveriam participar da primeira apresentação quando eles aproveitaram a oportunidade para fugir e galoparam para fora da tenda do circo em busca de sua liberdade, mas a tentativa acabou em tragédia.

Uma das zebras foi flagrada passando pela praça da cidade. Ela foi filmada por Elisabeth Spann, que postou o vídeo em seu Instagram. Valentin Lippmann, membro do parlamento do estado da Saxônia, compartilhou no Twitter uma foto de duas zebras correndo ao longo do rio Elbe.

Duas zebras correndo ao longo do Rio Elbe

“Um total de sete carros de patrulha da polícia e uma equipe montada de cavalos imediatamente fizeram o seu caminho e procuraram pelos animais”, disse um dos policiais envolvidos na operação, acrescentando que os funcionários do circo ajudaram na recaptura.

Um dos animais teria sido rapidamente recapturado, mas os outros três tiveram que ser encurralados pela polícia ou pelos funcionários do circo nas margens do rio Elbe, nas proximidades.

Fonte: ANDA

MAUS-TRATOS Elefante cai em cima da plateia durante apresentação de circo na Alemanha

Em nota pública, porta-voz do circo Krone disse que o comportamento é “comum”, mas organizações em defesa dos animais alertam para o perigo e a crueldade da exploração para entretenimento de pessoas

Um vídeo em circulação nas redes sociais capturou o momento em que um elefante caiu do palco em cima de uma multidão durante uma apresentação do Circo Krone, na Alemanha. O animal que sofreu o acidente, Tompteusen, aparentemente saiu ileso. Mas outros dois elefantes, também explorados no espetáculo, precisaram ajudar o animal caído a se levantar – ele estava tão exausto que não conseguia se colocar de pé sozinho.

Passado o momento de pânico, os treinadores subiram no palco e controlaram a situação, relatando em entrevista a um jornal local que aquele comportamento dos elefantes era “comum”. No entanto, muitas organizações e pessoas em defesa dos direitos animais discordam dessa afirmação.

“Inúmeras vezes vimos que manter animais selvagens em cativeiros e forçá-los a realizar truques sem sentido pode fazer com que desenvolvam comportamento neurótico e depressão”, comenta Elisa Allen, diretora da People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) UK, sobre o incidente no Circo Krone.

“Evidências científicas nos dizem que suas necessidades nunca serão atendidas em um circo, por isso não é surpreendente quando eles simplesmente ‘surtam’ após anos encarcerados e abusados ​​nas mãos de treinadores cruéis armados com anzóis”, ela completa.

A ONG PETA não foi o único grupo a se pronunciar publicamente sobre o terrível acontecimento. A Animal Defenders International, do Reino Unido, e outras organizações ao redor do planeta, interessadas no bem-estar dos animais, estão exigindo que os governos em todo o mundo proíbam a exploração deles nestes atos.

De acordo com o presidente da ADI, Jan Creamer, “explorar animais selvagens em circos é uma receita para o desastre, colocando os animais e o público em perigo. A ADI apela aos governos em todo o mundo para acabar com os atos de animais selvagens urgentemente e acabar com o sofrimento”.

Os elefantes e os outros animais selvagens que geralmente são explorados por circos vivem em péssimas condições: suas acomodações são muitas vezes apertadas, eles não recebem comida ou cuidados veterinários, e os métodos usados ​​para treiná-los para realizar os truques para o entretenimento do público são, na maior parte das vezes, bárbaros e cruéis.

Animais que crescem em circos são arrancados de suas mães muito antes do que deveriam. As torturas mentais e físicas que eles sofrem, combinadas com o risco para o público – como este show em Osnabrück demonstrou – significam que precisamos lutar contra a exploração e optar por eventos livres de crueldade.


Momento em que o elefante cai, e os dois outros companheiros tentam ajudá-lo

Essa não foi a primeira vez que o circo Krone teve problemas com elefantes. Há cerca de um mês, outro animal tentou escapar durante uma apresentação e, por um tempo, conseguiu desfrutar do gosto da liberdade. “A elefante, chamada Quênia, surpreendeu os moradores de Neuwied, no oeste da Alemanha, enquanto caminhava por bairros e interrompia o trânsito em ruas movimentadas”, relatou a PETA em junho. Infelizmente, ela foi capturada em pouco tempo e levaram-na de volta para o circo, acabando com os seus poucos minutos livre.

O lugar dos animais é na natureza, agindo conforme seus instintos e, não, dentro de gaiolas ou espaços apertados, sendo obrigados a terem comportamentos que são completamente absurdos para eles. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

Fonte: ANDA

Nota: O sublinhado é da minha responsabilidade!

 

 

CONTEÚDO ANDA Primeiro bisão selvagem a aparecer na Alemanha em 250 anos é baleado por caçadores

O World Wildlife Fund (WWF) anunciou que iria apresentar acusações contra um oficial do Leste da Alemanha que ordenou que caçadores baleassem um bisão, alegando que ele era perigoso para a população

Segundo ativistas, o animal era o primeiro bisão selvagem visto na Alemanha em 250 anos.

Bisão selvagem

“Dar permissão para balear um animal fortemente protegido sem uma ameaça potencial clara é um crime. Depois de mais de 250 anos, um bisão selvagem foi visto novamente na Alemanha e tudo o que as autoridades puderam pensar em fazer foi atirar”, ressaltou Chris Heinrich, membro do conselho da WWF, em um comunicado que explicou os motivos das acusações contra o chefe de um escritório de ordem pública em Brandenburg.

De acordo com a polícia, um homem avistou o bisão europeu ao lado do rio Oder, próximo à cidade de Lebus, e alertou as autoridades. O chefe do escritório local da ordem pública decidiu que o animal precisava ser morto para “proteger a população” e ordenou que dois caçadores locais o matassem.

As autoridades informaram que o animal era provavelmente um macho que vivia na região do Ujście Warty National Park, na fronteira entre a Alemanha e a Polônia, há algum tempo antes de ir para Bundesrepublik.

O bisão europeu é o maior mamífero terrestre da Europa. Os indivíduos da espécie são considerados vulneráveis por organismos de proteção internacionais e estão na lista dos “animais fortemente protegidos” do país, revelou o The Local.

A espécie não é conhecida por ser perigosa, explicou o ministro do Meio Ambiente de Brandeburgo, Jörg Vogelsänger. Caso fosse, “metade da Polônia, onde o animal é um símbolo nacional, teria que ser declarada uma zona perigosa”, afirmou.

Um porta-voz do Ministério do Meio Ambiente também sugeriu que um dardo tranquilizador, que poderia ser fornecido por qualquer veterinário poderia ser usado no animal ao invés de assassiná-lo.

Heinrich culpou a “falta de uma equipe profissionalmente treinada na área”. Ele adicionou que “o estado de Brandenburgo provou ser menos do que profissional no tratamento de animais selvagens no passado, como mostra a forma como lida com lobos e alces”.

Fonte: ANDA