Portuguese Bullfighting in Albufeira, Portugal

Este vídeo de tourada em Albufeira em 28/06/2019 fala por si!

Mário Amorim


Manifestações anti-touradas em Albufeira: activistas são movidos por razões de ciência, compaixão, ética e civilização

Mais um esclarecedor texto do Dr. Vasco Reis (Médico-Veterinário)

«Exemplo de apoio infame é a permissiva admissão de crianças e jovens em touradas, com a intenção de sedução tauromáquica, aproveitando a sua diminuta capacidade crítica.» (*)

ALBUFEIRA.jpg

«A praça de touros de Albufeira é a arena que maior número de corridas organiza no país, o que acontece semanalmente durante a longa temporada»

«Este espectáculo visa, essencialmente, a venda de bilhetes e a presença de turistas, que continuamente aqui se renovam.
Para os atrair servem-se de publicidade enganosa apregoada por carro de som em vários concelhos do Algarve e publicitada em cartazes no espaço público e em anúncios na comunicação social e por informação em quiosques, hotéis, postos de turismo, empresas de turismo e não só, numa larga rede de lobby tauromáquico.

Exemplo de apoio infame é a permissiva admissão de crianças e jovens em touradas, com a intenção de sedução tauromáquica, aproveitando a sua diminuta capacidade crítica. Realmente, a tourada é um show de violência exercida sobre touros e cavalos, seres sencientes dotados de sistema nervoso semelhante ao humano, o que provoca a estes animais enorme sofrimento psicológico e físico e o abate do touro. Trata-se, vergonhosamente, de uma montra de tortura animal. autorizada, exercida e apregoada como tradição de Portugal, no entanto, essa pertença só foi votada positivamente pelas Assembleias Municipais de 40 entre os 308 concelhos do país. A tourada não é tradição no Algarve!


Há 7 anos foi criada a CAAT – CIDADE DE ALBUFEIRA ANTI TOURADA – e desde então, sob a sua bandeira activistas abolicionistas vêm lutando pelo fim das touradas neste concelho, de maneira absolutamente voluntária e suportando todos os custos. Os activistas são movidos por razões de ciência, compaixão, ética, civilização.

Manifestações têm sido organizadas, sempre autorizadas e pacíficas, foram até há pouco acompanhadas por agentes da autoridade. Deixou este acompanhamento de suceder ultimamente. É invocada como razão a falta de pessoal, o que é lastimável, até pelo risco que essa ausência acarreta para os manifestantes, que ficam vulneráveis à possível violência de aficionados como já sucedeu. Houve manifestações com forte presença (já contámos com cerca de 80 demonstrantes). Têm vindo a diminuir. Temos tido a solidariedade forte, até presencial, de abolicionistas do Norte e do centro do país, nossos irmãos na nobre luta. E muitos apoios nos chegam através da Internet. É claro que a maneira insubstituível de chegar aos turistas e de os informar e impressionar é com a presença de pessoas e com a apresentação de mensagens elucidativas nos protestos.

As nossas acções vão para além das manifestações. Lançámos: uma petição; 2 Outdoors; cartas a hotéis, empresas de turismo e não só, denunciando, informando, apelando, sugerindo alternativas viáveis e lucrativas; artigos na comunicação social nacional e internacional em vários idiomas, cartas a entidades oficiais e políticas, etc.. Pretendemos assim apoiar a evolução de mentalidades. Estamos convictos de que a presença solidária de cidadãos em protestos contribui para esse progresso. Infelizmente, a persistência de manifestantes não é muito forte, por dificuldades várias. Mas mantemos um núcleo forte, decidido e coeso, apesar de tudo! Certamente, que nós, activistas obrigados a denunciar maus comportamentos e infracções, merecemos todo o apoio e protecção nesta nobre causa pelos animais e pela sociedade e é a isso que apelamos!!!

Vasco Reis

Outubro 2019

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2507863529304012&set=a.349975685092818&type=3&theater&ifg=1

***

(*) Governo quer subir a idade mínima, para se assistir a touradas, dos 12 para os 16 anos.

Esta medida só pretende atirar areia para os olhos dos cerca de 90% dos portugueses que abominam estas práticas, e pedem a ABOLIÇÃO desta selvajaria.

De acordo com a Convenção sobre os Direitos da Criança, adoptada pela Assembleia Geral da ONU, em 20 de Novembro de 1989, é considerado como criança todo o indivíduo com menos de 18 anos de idade.

Criança é, pois, todo o ser humano dos zero aos 18 anos.

A racionalidade recomenda a ABOLIÇÃO desta prática medievalesca, e não o aumento da idade para assistir à tortura de animais sencientes, onde a crueldade, a violência e uma desalmada carnificina prevalece.

Este governo de António Costa pretende enganar quem?

Evoluam. Já vão no segundo mandato. É tempo de evoluir, e não de andar a marcar passo, e fazerem-que-fazem. 

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

QUE POBREZA CULTURAL E CIVILIZACIONAL! ALBUFEIRA SÓ TERÁ TORTURA DE TOUROS PARA OFERECER AOS TURISTAS?

«A tortura vai começar em breve.

Nem 50 pessoas estão no recinto da tortura.

Uma VERGONHA NACIONAL EM ALBUFEIRA.

Tudo para alimentar a ganância de famílias que controlam este acto de tortura.

Os touros depois da tortura ficam a aguardar até segunda-feira e alguns morrem antes desse tempo.

Ganham febre, e depois a carne é vendida para a gula de muitos.

UMA TRISTEZA.

VERGONHA.

Tenho vergonha de que Albufeira tenha esta tortura para oferecer como turismo quando tem MUITO mais para oferecer.»

(Nuno Abrantes)

Eu também tenho vergonha. Todos os seres HUMANOS têm vergonha.

Apenas os seres DESUMANOS e DESALMADOS aplaudem, apoiam e praticam esta DESUMANIDADE.

(Isabel A. Ferreira)

Fonte: Arco de Almedina

TAUROMAQUIA: EM ALBUFEIRA “BE A HERO” SIGNIFICA “SÊ COBARDE”

«Com a Natureza agonizante, celebrar essa mesma agonia é digno de um monstro, o Monstro Humano desumano em festa. A vossa extinção, taurinos, é que será uma festa, sim, simbólica da libertação da Natureza.»

Uma análise que diz da deformação mental dos tauricidas.

BE A HERO.jpg

Be a hero”… laugh“… por acossar, zombar, maltratar, ferir uma cria de animal. O esterco da espécie humana no seu pior. Ao fim de 30.000 anos ainda não conseguiram livrar-se do trauma de terem encontrado na Península Ibérica uma espécie animal que lhes fez frente, que se opôs à invasão humanóide.

Dizimaram os então poderosos auroques, numa demonstração do que viria a ser o corrente extermínio em massa de espécies animais, a ignóbil “vitória humana sobre a bestialidade da natureza”.

Continuam a celebrar hoje essa vitória, numa obscena velhacaria troçando da moribunda natureza às mãos desta única espécie que se diz a mais evoluída. Fazem-no com requintes narcísicos de malvadez e falsidade, demonstram e repetem exaustivamente a perversidade das suas vitórias cobardes. Chegam ao cúmulo de continuar a recriar esta modificada espécie a seu bel-prazer apenas para poderem continuar o gozo das suas acções, quando na verdade não estão sequer focados na não extinção da “raça taurina de lide” mas sim na perpetuação dos objectos simbólicos da sua “vitória e dominação da natureza”.

Com a Natureza agonizante, celebrar essa mesma agonia é digno de um monstro, o Monstro Humano desumano em festa. A vossa extinção, taurinos, é que será uma festa, sim, simbólica da libertação da Natureza.

Fonte:

https://www.facebook.com/algarve.pan/photos/a.1465612643674586/2448654568703717/?type=3&theater&ifg=1

Fonte: Arco de Almedina

Albufeira Anti-Tourada (Reportagem)

É uma vergonha que na Assembleia da Republica
PS
PSD
CDS/PP
e PCP,
continuem unidos, para ainda existir uma prática barbara, uma prática de tortura, de violência, de assassinato, em Portugal.
Uma prática que leva para os quatro cantos do mundo, a imagem de um país, que convive com o maltrato a outros seres sencientes, para divertimento publico.
Uma prática que leva os sangue, a dor, o sofrimento, do touro e do cavalo, para os quatro cantos do mundo e que mancha a imagem de Portugal!

Mário Jorge


“Em Albufeira fazemos apelo à manifestação contra as touradas por causa do maltrato exercido sobre touros e cavalos, animais sencientes, conscientes, inteligentes, que experimentam sensações, emoções e sentimentos semelhantes às nossas, seres humanos. Qualquer pessoa relativamente bem informada, consciente e sensível, sabe que tourada implica enorme sofrimento para touros e cavalos. Indigna pessoas conscientes e compassivas, tem impactos sociais negativos e também na reputação de portugueses e de Portugal. Por isso, a tourada deve ser abolida! Trata-se de se decidir pelo senso comum, pela ciência e pela ética e de repudiar uma tradição cruel. A praça de touros de Albufeira é a que organiza o maior número de touradas em Portugal, espectáculos de tortura para atrair turistas usando, sem escrúpulos, de PUBLICIDADE ENGANOSA (mentindo: “que se trata de uma brincadeira com animais, que não são mortos e que é uma tradição cultural famosa dos portugueses, etc”). Na realidade, os touros são abatidos só 3 dias depois, tendo sofrido este tempo por exaustão, prostração, acidose, febre e dores, tudo causado pela corrida e pelas feridas profundas das bandarilhas. São bastantes as empresas ligadas ao turismo que são cúmplices do lobby tauromáquico na atracção de espectadores, na venda de bilhetes e na obtenção de lucros à custa de sofrimento psicológico e físico, de ferimento, de sangue, de exaustão seguidos da morte de animais inocentes. Constitui isto um péssimo cartaz publicitário e uma vergonha para Albufeira, para o Algarve e para Portugal. As touradas em Albufeira sucedem-se todas as semanas durante a “saison”. Aliás, cúmplices do lobby tauromáquico são algumas agências de turismo nacionais e no estrangeiro, hotéis e pessoal e entidades oficiais. Dos 308 concelhos deste país, só 40 se declaram adeptos da tauromaquia., portanto nem 1/7 do total!. O protesto público, manifestação, demonstração, é muito eficaz para despertar consciências, informar, provocar reflexão e ajudar à evolução. Abolicionistas têm sido, também, muitos estrangeiros, que residem ou visitam Portugal e que demonstram o seu repúdio pela tortura tauromáquica. Se não conseguir convencer de imediato ignorantes ou empedernidos, aficionados e outros, talvez os faça pensar e demonstra ali a quem passa e aos MEDIA, ao país e ao mundo, que se está contra esta tortura. Contribuem e muito para o despertar de consciências e para a evolução de mentalidades. Pelo protesto contribuímos para que os estrangeiros que ali estão por curiosidade e por engano melhor se mentalizem sobre a crueldade e a vergonha do “espectáculo”. ” Vasco Reis”

«TOURADA – TRADIÇÃO MARIALVA, PRIMÁRIA E SOEZ»

«Num tempo em que se pugna pela igualdade de direitos entre géneros, vemos o poder político a dar a precedência a uma tradição marialva, primária e soez. A questão não reside apenas em matar o touro – esse sim! Debate-se com galhardia ante o “mais forte” que se respalda num pobre e escravizado cavalo – mas na cobardia de fazer espectáculo para colocar hordas ululantes de imbecis sanguinários a aplaudir um gládio em que é suposto ganhar “o mais forte”, ou seja, o marialva narcisista que substitui a chupeta de que ainda precisa para se afirmar e sentir-se apreciado, pela bandarilha. Abjectamente narcisista! Desonrosamente primevo! Um atentado à civilidade.»

(Conceição Lopes da Silva)

ALBUFEIRA.jpg
Selvajaria tauromáquica em Albufeira: repare-se na ENCHENTE de GENTE… E torturam touros para inglês ver, e o inglês nem sequer lá põe os pés, porque em Albufeira, dizem os Ingleses, «bullfight is bullshit», e quem é que tem pachorra para bullshit, quando se tem praias lindas onde podem banhar-se nas águas límpidas do oceano?

Só mesmo mentes deformadas e doentias acham que bullfight é coisa que alguém do Bem e de Bem possa assistir!

Fonte: Arco de Almedina

«ALBUFEIRA – O DIAP ESTÁ VENDIDO À MÁFIA TAUROMÁQUICA?»

Quase um mês depois das selváticas agressões perpetradas por aficionados e tauricidas contra abolicionistas que pacificamente invadiram a arena de Albufeira ainda ninguém foi acusado de nenhum crime.

Prótouro

Pelos touros em liberdade

praca-touros-albufeira-9-8-2018.jpg
Helder Silva foi brutalmente espancado pelos trogloditas de serviço na arena de Alfubeira

O DIAP investiga mas a investigação pelos vistos é tão “complicada”, que mesmo com vídeos, ainda não conseguiram identificar os agressores.

Surpreendente, uma vez que outras agressões selvagens que foram notícia e que nada têm a ver com a tauromáfia, foram investigadas celeremente e a título de exemplo citamos duas:

1ª Urban Beach as agressões praticadas pelos seguranças foram imediatamente investigadas graças a um vídeo, e de imediato, os energúmenos foram constituídos arguidos tendo sido declarada a prisão preventiva dos mesmos e tendo o MAI ordenado o encerramento da discoteca.

 

2ª Invasão do campo de treinos do Sporting rápida investigação e inúmeras pessoas constituídas arguidas.

No entanto, quanto à invasão pacífica da arena de tortura de Albufeira nenhum dos filhos das pedras que agrediram os abolicionistas foram constituídos arguidos.

Se alguém ainda tem dúvidas que neste país a justiça tem dois pesos e duas medidas eis a prova.

A tauromáfia neste país tem carta branca para fazer tudo o que quer e lhe apetece porque em certas localidades tem na mão a GNR, a polícia, os procuradores e os juízes.

Em qualquer outro país há muito que os agressores dos pacíficos abolicionistas teriam sido acusados de ofensas corporais, mas em Portugal os agressores continuam em liberdade e ainda se gabam das suas façanhas!

E quando o PAN afirma e bem que não condena acções como a de Albufeira porque são pacíficas ao contrário da violência dos aficionados, a “prótoiro” incita ao ódio ao afirmar na sua página Facebook que um partido com representação parlamentar desrespeita a democracia quando não condena acções criminosas, quando na realidade, a acção não é um crime mas sim desobediência civil e que quem cometeu vários crimes foram os todos os mentecaptos que apoiam a carnificina tauromáquica.

Entretanto nós vamos contando os dias que levará o DIAP a concluir uma simples investigação criminal!

Prótouro

Pelos touros em liberdade

 

Fonte:

https://protouro.wordpress.com/2018/09/02/albufeira-o-diap-esta-vendido-a-mafia-tauromaquica/

Fonte: Arco de Almedina