INFELIZMENTE, FOI ASSIM! ADIADA DECISÃO DE PORTUGAL ENTRAR PARA O ROL DOS PAÍSES LIVRES DE CIRCOS COM ANIMAIS NÃO-HUMANOS

A iniciativa legislativa do PAN não foi votada no passado dia 21 de Dezembro, como seria de esperar, num País evoluído. Baixou sem votação para ser trabalhada durante um período de (mais) 60 dias por todos os partidos na 12ª Comissão (de que Cultura? De que Comunicação? De que Juventude? De que Desporto?).

Só num país terceiro-mundista uma tal iniciativa legislativa BAIXA sem votação para ser (mais) trabalhada…

 

Diz André Silva:

 

«No circo, os animais passam a maior parte do seu dia encarcerados e os actos de performance na presença de espectadores causam stress severo aos animais.

Os espectáculos de circo têm um impacto contraproducente na percepção das crianças. Ao invés de conhecerem os animais de uma forma natural, são doutrinadas para a repressão da espécie humana sobre as outras.

Privar animais selvagens da liberdade é cruel. Jaulas maiores, melhor regulamentação e mais fiscalização não são solução. É manifestamente impossível aos circos assegurarem requisitos fisiológicos, mentais e sociais adequados para animais, prejudicando gravemente seu bem-estar.

Não desistiremos. Até todas as jaulas estarem vazias!»

É que não é preciso ser-se uma inteligência rara para saber que o habitat natural de qualquer animal não é uma jaula de circo.

O facto de estarmos a discutir tal matéria em pleno século XXI d. C. já é um sinal de atraso civilizacional.

Ninguém entendeu, à primeira, o que André Silva explicou com tanta clareza?

A iliteracia impera na Assembleia da República Portuguesa.

O facto de estarmos a discutir tal matéria em pleno século XXI d. C. já é um sinal de atraso civilizacional.

Ninguém entendeu, à primeira, o que André Silva explicou com tanta clareza?

A iliteracia impera na Assembleia da República Portuguesa.

Fonte: Arco de Almedina