CONTEÚDO ANDA Isolamento, doenças e morte: ativistas expõem os horrores suportados por animais em zoo

Entre os meses de Março e Maio deste ano, um ativista pelos direitos animais trabalhou meio período em uma instalação chamada Summer Wind Farms Sanctuary em Brown City, Michigan, nos…

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/05/tig-1-e1495819308937.jpg

Entre os meses de Março e Maio deste ano, um ativista pelos direitos animais trabalhou meio período em uma instalação chamada Summer Wind Farms Sanctuary em Brown City, Michigan, nos Estados Unidos.

Apesar do nome, o Summer Wind Farms não é um santuário, mas um zoológico de beira de estrada. A instalação foi citada pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) em mais de 200 violações de proteção animal em apenas três anos.

O inspetor afirmou repetidamente que o proprietário possui uma atitude indiferente em relação ao bem-estar animal, que tem promovido uma “cultura de indiferença” no local e que sua crueldade coloca todos os animais em perigo.

Tigres sofrem com ausência de cuidados veterinários adequados

Uma tigresa de dois anos chamada Daisy passou quase toda a sua vida no Summer Wind Farms. De acordo com relatórios de inspeção do USDA, ela foi repetidamente privada de abrigo adequado e cuidados veterinários.

Em setembro de 2016, ela começou a sofrer de uma condição que a fazia tropeçar e cair. Segundo os funcionários, ela também tinha problemas de visão e convulsões.

Quando Daisy tinha apenas seis meses, os inspetores do USDA a encontraram em um porão, em uma pequena jaula que a impedia de fazer exercícios suficientes para ter ossos, articulações e músculos saudáveis. Seus pelos eram opacos, o que os inspetores acreditam ser resultado da má alimentação ou de parasitas.

Três meses depois, descobriu-se que ela havia sido transferida para um canil que tinha um cheiro tão forte de urina de cachorro que os olhos dos profissionais do USDA ficaram encharcados. Os cães que viviam ali latiam incessantemente, causando desconforto na tigresa.

Quatro meses depois, os inspetores notaram que seus pés estavam instáveis. Durante as seis semanas seguintes, sua condição se deteriorou. Ela perdeu peso, seus pelos ficaram mais opacos e ela quase caiu várias vezes. A deterioração contínua poderia lhe causar mais sofrimento e possivelmente a morte.

Os funcionários atribuíam a causa de seus sintomas a várias condições, desde cinomose e infecção de ouvido a endogamia ou danos cerebrais. Alguns afirmaram que o problema começou pouco depois de ela ter sofrido um abscesso após por morder um osso que se quebrou e cujo fragmento acabou em seu cérebro.

Os proprietários do zoo reconheceram que não tinham recursos para o diagnóstico e o tratamento de que Daisy precisa.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/05/iso.jpg

Apesar das repetidas ofertas da PETA para ajudar a transferir os animais para santuários respeitáveis, o Wind Summer considerou enviá-la a outra instalação ruim no que se refere aos cuidados de animais: o Exotic Feline Rescue Center (EFRC) em Indiana, para onde já havia enviado três tigres.

O EFRC foi acusado pelo USDA por violações tão flagrantes de bem-estar animal que teve a licença suspensa no início deste ano. O zoo também pensou em mover Daisy para um compartimento maior com um lago, acreditando que isso ajudaria suas debilitadas pernas traseiras.

De acordo com um veterinário da PETA, fazer isso poderia colocá-la em risco de afogamento.

“Existirá um sério risco de afogamento se ela for movida para uma área com um lago. Esta tigresa parece ter ataxia (perda de coordenação) e ataxia não é igual à fraqueza. Se a tigresa também pode ter problemas de fraqueza, a ataxia é a questão mais preocupante porque significa que ela não tem controle completo de sua coordenação. Ela certamente poderia se afogar e corre um risco ainda maior se tiver uma convulsão. Durante uma convulsão, ela pode rolar ou cair na água e os animais ficam inconscientes”, disse o profissional.

Os representantes do USDA visitaram recentemente o zoo e o acusaram mais uma vez por falhar em fornecer os cuidados veterinários de que Daisy precisa.

O sofrimento prolongado de Mohan 

Um tigre idoso chamado Mohan sofre do que os exploradores alegam ser artrite e tem dificuldades para caminhar.

Os proprietários do zoo não conseguiram aliviar o sofrimento de Mohan. Um deles afirmou: “Não há muito o que você possa fazer sobre a artrite” e que as medicações para a artrite podem ou não funcionar.

Embora acreditassem que Mohan tinha artrite, eles afirmaram recentemente que o tigre realmente estava sofrendo com uma torção nos ligamentos – uma condição tratável da qual ele aparentemente sofreu desnecessariamente devido à negligência crônica do Summer Wind’s.

Apenas dois anos antes, o USDA alertou duas vezes o zoo em apenas dois dias por não fornecer suficiente roupa de cama a Mohan, mesmo que as temperaturas estivessem negativas.

A instalação também foi advertida por não ter sequer notado que Mohan tinha um ferimento na lateral do corpo, que os inspetores disseram que poderia ficar infectado e provocar muita dor sem tratamento veterinário.

Fonte: ANDA

Anúncios

(⊙︿⊙) Assassinato Orangotango é morto a tiros ao tentar fugir de zoo na Alemanha

Foto: AP Photo/Frank AugsteinAtivistas dos direitos animais reagiram com indignação ao assassinato de um orangotango que tentou escapar de um zoológico na Alemanha. As informações são do CTV News

O animal conseguiu escapar de sua jaula no jardim zoológico de Duisburg, na segunda-feira (31) e tentou fugir por cima da cerca.

Entretanto, os guardas atiraram no orangotango e o mataram antes que ele pudesse escapar. A justificativa foi que um sedativo teria levado muito tempo para fazer efeito.

A Associação Alemã de Proteção dos Animais foi chamada ao zoológico na terça-feira (1) para investigar o incidente.

Segundo Marius Tuente, porta-voz do grupo, o caso mostra que é antiético manter animais altamente inteligentes, como orangotangos, em cativeiro.

Nota da Redação: Zoológicos e outros locais que aprisionam animais devem ser completamente extintos. Casos como esse servem para alertar a população mundial sobre a injustiça e crueldade escondida atrás de zoológicos e outros locais que mantém animais em cativeiro apenas para divertimento humano. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

Fonte: ANDA