Seres sencientes Teste de odor prova que cães têm consciência

Cão-bulldog

Um novo estudo confirmou o que a maioria dos tutores de cães sabia de qualquer maneira – seus amigos caninos têm uma consciência. Os seres humanos, grandes macacos, um elefante asiático, alguns golfinhos, pegas e algumas formigas todos passaram por um teste de auto-reconhecimento, e agora cães foram adicionados à lista.

Os pesquisadores usaram amostras de urina para criar um teste de odor para provar que os melhores amigos do homem conseguem decifrar entre si e os outros. O teste do espelho é utilizado para avaliar se um indivíduo é capaz de usar sua própria reflexão para perceber e tocar uma marca, geralmente um ponto vermelho, durante um período de distração no rosto, cabeça ou outras partes do corpo. Isso avalia sua capacidade de compreender o conceito de “si mesmo” e “o outro” e capaz de distinguir entre os dois. As informações são do Daily Mail.

A capacidade de diferenciar-se dos outros é muitas vezes considerada a desempenhar um papel no entendimento de que alguém pode estar feliz ou triste, mesmo que o espectador não esteja. “Quando eu me interessei neste aspecto da etologia, eu passei pela literatura científica e descobri que, no entanto, a capacidade de reconhecer a sua própria imagem no espelho é uma habilidade extremamente rara no reino animal”, disse Roberto Cazzolla Gatti da Tomsk State University na Rússia, que é o pesquisador principal do estudo. “Uma grande variedade de espécies foram observadas a falhar no teste, incluindo várias espécies de macacos, os pandas gigantes, leões-marinhos, aves e cães.”

No passado, os cães não tinham interesse em se olhar no espelho, exceto para farejar ou urinar em torno dele. Cães e lobos, assim como os golfinhos, mostram um alto nível de complexidade cognitiva, mas tentativas anteriores para demonstrar o auto-reconhecimento desses animais foram inconclusivos.

“Eu acreditava que cães são muito menos sensíveis a estímulos visuais com respeito ao que, por exemplo, seres humanos e muitos macacos são, é provável que a falha desta e de outras espécies no teste do espelho é devido principalmente à modalidade sensorial escolhida pelo investigador para testar a auto-consciência e não, necessariamente, com a ausência deste último,” Gatti explicou.

Já que os cães falharam o teste do espelho no passado, Gatti tentou fazê-lo a partir de um novo ângulo com o “teste de odor de auto-reconhecimento (STSR)”. O objetivo do teste ainda era o mesmo, determinar a auto-consciência, mas em vez de usar seus olhos, cães usaram seu sentido de cheiro.

O estudo observou quatro cães, todos eram animais em situação de rua que passaram a maior parte de suas vidas em liberdade. As amostras de urina foram recolhidas de cada canino, armazenadas em recipientes e rotuladas para cada um deles. Então Gatti submeteu os animais para o teste de odor de auto-reconhecimento.

Os ensaios foram repetidos quatro vezes por ano, no início de cada estação. Na próxima parte do estudo, Gatti colocou cinco amostras de urina dentro de uma área cercada, de cada um dos cães e uma “amostra em branco”, que foi preenchida com lã de algodão inodoro. Os cães foram então levados para a área cercada onde eles poderiam viajar livremente por cinco minutos, e o tempo gasto por cada cão para farejar cada amostra foi gravado.

Cada cão passou mais tempo cheirando amostras dos outros, ao invés de sua própria. Isso sugere que eles sabem o seu próprio cheiro, que é menos interessante para eles, o que indica que são auto-conscientes. O STSR agora pode ser usado para estudar outros animais, tais como morcegos ou toupeiras que nunca se reconhecem em um espelho.

Esse estudo também mostrou que o tempo gasto cheirando as amostras dependeu da idade do cão. O que indica que a auto-consciência aumenta com a idade, o que é também demonstrada em outras espécies, como chimpanzés e humanos.

Como funciona o teste do espelho?
O teste do espelho é uma medida de auto-conhecimento desenvolvida por Gordon Gallup Jr em 1970. O teste mede a auto-consciência por determinar se um animal pode reconhecer o seu próprio reflexo em um espelho como uma imagem de si mesmo. Isto é conseguido por disfarçadamente marcar o animal com um corante inodoro, e observar se o animal reage de uma maneira consistente com ele estar consciente de que o corante se situa no seu próprio corpo.
Tal comportamento pode incluir se virar e ajustar o corpo, a fim de melhor visualizar a marcação no espelho, ou cutucar a marcação em seu próprio corpo com um dedo enquanto visualiza o espelho. Os animais que passaram no teste do espelho são os chimpanzés comuns, bonobos, orangotangos, golfinhos, elefantes, os seres humanos e, possivelmente, pombos.

Surpreendentemente, os gorilas não passaram no teste, embora pelo menos um gorila específico, Koko, teve sucesso; isso provavelmente acontece porque os gorilas consideram o contato visual um gesto agressivo e normalmente tentam evitar se olhar no rosto. Crianças humanas tendem a falhar este teste até que tenham pelo menos 1,5 a 2 anos de idade.

Fonte: ANDA

Anúncios