OS CRIMES ECOLÓGICOS CONTINUAM A AUMENTAR EM PORTUGAL COM O NOVO GOVERNO

O PAN (Pessoas-Animais-Natureza) rebela-se contra a possibilidade de se voltar a permitir a prática da caça na Reserva Natural da Malcata, considerando isto um «crime desastroso contra a natureza»

O novo governo português continua a vergar-se aos lobbies

E nós, Defensores dos Direitos de TODOS os animais, estamos com o PAN e fazemos nossas as palavras de André Silva

6W8I1T7I PAN.jpg
Origem da Foto:

http://24.sapo.pt/article/lusa-sapo-pt_2016_02_15_1496473698_pan-contra-caca-na-reserva-natural-da-malcata

Em comunicado à comunicação social o PAN refere que “a decisão do governo é um retrocesso civilizacional e carece de fundamentação científica e política”, defendendo que não há em Portugal necessidade de mais áreas cinegéticas e anuncia que quer ouvir no parlamento, com carácter de urgência, o ministro do Ambiente.

Em causa está a revogação de uma portaria com quase 23 anos, no dia 08, que interditava a prática cinegética na Reserva Natural da Serra da Malcata, decisão que na sexta-feira já tinha sido contestada pela Quercus, que acusou o Governo de ceder a pressões, considerando que «a decisão pode pôr em causa a recuperação de espécies como o corço, o veado, o coelho, o lince, o lobo ou o abutre-preto».

O Ministério, numa tentativa de justificar o injustificável, referiu que são “inequívocas” as vantagens do ordenamento cinegético para conservação dos recursos naturais, acrescentando que a promoção do ordenamento cinegético nas áreas onde tal prática se encontrava interditada, desde 1993, “constitui um instrumento fundamental” para promover a conservação da natureza e a biodiversidade, e “a articulação e a integração dos objectivos de conservação e de utilização sustentável dos recursos naturais na política de ordenamento do território e nas diferentes políticas sectoriais”.

Estes argumentos, de quem defende a política da violência contra seres indefesos, não são partilhados pelo deputado do PAN, André Silva, que refere que a decisão do Governo foi «tomada à revelia da sociedade e carece de fundamentação científica e política».

«Continuamos a agir como se fossemos donos do mundo, mas, em vez de nos responsabilizarmos pelo equilíbrio ecológico do planeta e pelo direito de todos os seres vivos à vida e ao bem-estar, actuamos como cruéis predadores indiferentes ao impacto nefasto que estas decisões têm em toda a fauna e flora da cadeia ecológica», e acrescenta que «a caça é uma das actividades que mais perturba a vida selvagem» lembrando que «diversos estudos têm demonstrado que os distúrbios causados pela caça não só afectam as espécies-alvo, mas quase todas as espécies presentes no território de caça», salienta André Silva.

E fundamenta: «Neste caso, não existe qualquer necessidade ou fundamentação científica que justifique permitir a caça numa reserva natural, sobrepondo os interesses da caça aos da conservação da biodiversidade».

E o deputado do PAN evidencia ainda que «o abate a tiro é uma das principais causas de morte não natural do lince ibérico e do lobo ibérico”, e refere que «a área em causa constitui um raro refúgio natural em território português possuindo interessantes valores botânicos e faunísticos».

André Silva já apresentou um requerimento a solicitar a audição do ministro, no qual destaca que a nova portaria “não tem sentido”, acrescentando que «só pode ser vista como um crime contra os seres que habitam a Reserva Natural da Serra da Malcata, contra a natureza e a biodiversidade, sem qualquer fundamentação científica e política que só favorece o lóbi cinegético numa área crucial para a conservação da biodiversidade».

Acrescente-se que a Reserva Natural da Serra da Malcata tem como símbolo o lince-ibérico e estende-se ao longo de 16.348 hectares dos concelhos do Sabugal e de Penamacor, respectivamente nos distritos da Guarda e Castelo Branco.

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios