MINISTRA DA CULTURA RESPONDE AOS JORNALISTAS PORTUGUESES EM GUADALAJARA O QUE QUALQUER OUTRA PESSOA LÚCIDA RESPONDERIA

GRAÇA FONSECA.jpg
Graça Fonseca, Ministra da Cultura de Portugal, deslocou-se a Guadalajara (México) para inaugurar a já famosa Feira do Livro, em que Portugal foi o convidado de honra.

Pois não é que ali mesmo, aos jornalistas portugueses, mais preocupados em dar visibilidade aos trogloditas socialistas, do que à Cultura Literária, em Guadalajara, deram-lhes para perguntar à Ministra o que pensava sobre a proposta, ainda a ser (ainda a ser) dos socialistas, para mudar a selvajaria tauromáquica de cruelmente bárbara, para simplesmente bárbara, com a introdução do tal de velcro, como se isso resolvesse o problema da tortura dos desditosos Touros. Ao que a Ministra respondeu lucidamente que «uma coisa óptima de estar em Guadalajara é não ver jornais portugueses».

Grande resposta. Merecida resposta. Um bom jornalista não vai a Guadalajara falar de propostas trogloditas, num evento Cultural, que nada tem a ver com barbárie. Um bom jornalista, iria à Feira do Livro de Guadalajara, perguntar à senhora Ministra se a Literatura Portuguesa está no bom caminho, quando se sabe que a Língua Portuguesa está um caos, com a aplicação ilegal da grafia brasileira; ou se existe alguma política para a ajuda da tradução e divulgação de autores portugueses, para línguas estrangeiras; enfim, algo que condissesse com o que ali estava a passar-se. Porém, ir para ali falar das propostas de trogloditas foi a coisa mais a despropósito e parva que se possa imaginar. E a resposta só dia ser aquela.

E veja-se a tinta que corre por aí a este propósito, distorcendo o que Graça Fonseca quis dizer.

Só s de má-fé interpretariam o que se interpretou da declaração da senhora Ministra.

Na realidade, não ter de ver os jornais portugueses quando se está fora do País, é a melhor coisa do mundo, para quem, por ossos do ofício, diariamente tem de ler os jornais portugueses e de ver os noticiários televisivos.

Mas isto que a Ministra disse, qualquer pessoa diz quando vai para o estrangeiro. É o que eu digo quando vou para Espanha, para as minhas tertúlias literárias e artísticas, que alívio, estar longe dos noticiários televisivos e dos jornais portugueses, com as suas polemicazinhas alienantes, que têm como objectivo afastar o povinho dos grandes problemas que afectam o País.

E quando Graça Fonseca disse o que disse, compreendia-a perfeitamente. E o que entendi da declaração dela, foi que ela estava em Guadalajara numa missão CULTURAL, e como era bom estar, por uns dias, longe da INCULTURA, difundida exaustivamente pelos jornais e canais televisivos portugueses, aliás, quase todos descaradamente defensores da barbárie tauromáquica e mortinhos por ajudar os aficionados na sua cruzada de atirar a Ministra para a fogueira, visando a sua demissão.

Como a compreendi. Para mim, que não sou ministra, mas que também, por ossos do meu ofício, tenho de ver, ouvir e ler o que dizem os jornalistas portugueses, quando saio do país, é um alívio, não ter de os ver, ouvir e ler. É um alívio poder FUGIR à mediocridade instalada na comunicação social, que nos entra casa dentro diariamente. E isto é tão óbvio! E se os jornalistas enfiaram carapuças, o problema é deles, não é da senhora Ministra.

Uma vez mais, a senhora Ministra da Cultura, Graça Fonseca, esteve à altura do seu cargo, respondendo à letra, o que os jornalistas portugueses mereceram ouvir.

Isabel A. Ferreira

ANDAM POR AÍ UNS TROGLODITAS A ATACAR A ACTUAL MINISTRA DA CULTURA POR ESTA ESTAR DO LADO DA CIVILIZAÇÃO

Porém, vozes de trogloditas não chegam ao céu.

Podem estrebuchar, podem chorar, podem gritar, podem dizer que a tauromaquia é que é, o facto é que a tortura de bovinos para divertir sádicos e psicopatas jamais ascenderá a Cultura Culta e pertencerá ao mundo civilizado.

A actual Ministra da Cultura tem essa percepção. E até que enfim, uma senhora lúcida e evoluída ocupa um cargo que, há vários anos, estava na mão de trogloditas.

45260471_10155641927986993_4881264296505376768_n.j

Exma. Senhora Dra. Graça Fonseca,

Digníssima Ministra da Cultura,

Congratulo-me com a resposta que V. Exa. deu à Deputada Vânia Dias da Silva (CDS/PP), aquando do debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019, ao dizer que a tauromaquia não é uma questão de gosto, mas uma questão de civilização, algo que vai ao encontro do que a esmagadora maioria dos Portugueses pensa.

Porque foram muitos, muitos anos, a achar (não a pensar) que a tauromaquia era arte, era cultura, era tradição que fazia parte da cultura portuguesa, uma mentira apoiada por membros do governo que sempre estiveram do lado errado, ou seja, do lado da incultura, é natural que uma atitude lúcida e civilizada, como a protagonizada por V. Exa., tivesse provocado esta reacção insensata por parte dos que ainda não evoluíram e não se aperceberam de que o mundo progrediu e a Idade Média já não existe.

Quero, pois, deixar a V. Exa. a minha solidariedade, e agradecer, em nome da Civilização, a coragem de a defender perante uma audiência que, maioritariamente, protege a tauromaquia: prática bárbara, cruel, irracional, inculta e desumana, como prova o seguinte artigo:

A VERDADE PERVERSA SOBRE A TORTURA DE TOUROS E CAVALOS, ANTES, DURANTE E DEPOIS DA LIDE

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/484004.html

Com os meus melhores cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina