Petição pelo fim das touradas, dos circos com animais não-humanos, dos espectáculos com golfinhos e focas e de todos os outros espectáculos para divertimento público que utilizem animais não-humanos

Petição pelo fim das touradas, dos circos com animais não-humanos, dos espectáculos com golfinhos e focas e de todos os outros espectáculos para divertimento público que utilizem animais não-humanos em Portugal.

Está mais do que na altura de Portugal progredir, rumo à civilização e ao progresso, abolindo as touradas, os circos com animais não-humanos, os espectáculos com golfinhos e focas e todos os outros espectáculos, para divertimento público que utilizem animais não-humanos!

Não faz mais sentido, que Portugal, em pleno século 21, seja manchado de sangue, de dor, de sofrimento, e de morte, pela tauromaquia. Está na altura de Portugal, se juntar ao rol dos países que não têm este espectáculo violento e cruel, saindo do pequeníssimo grupo de países que ainda têm tão bárbara prática.

Não faz mais sentido, que Portugal, em pleno século 21 continue a permitir, que animais não-humanos, sejam física e psicologicamente maltratados, nos circos, onde são obrigados a fazer o que não é da natureza deles.

Não faz mais sentido, que Portugal, em pleno século 21, continue a permitir que belíssimos animais não-humanos, como golfinhos e focas, que pertencem aos oceanos, livres e felizes, vivam encarcerados, em tanques, onde são obrigados a agir, como não é da natureza deles, para entreter um grupo de pessoas, nas bancadas.

Em Portugal, todos os espectáculos para divertimento humano que utilizem animais não-humanos, devem ser abolidos. E dessa forma, Portugal, fará parte, dos países civilizados e progressistas!

ASSINAR AQUI

 

Anúncios

Explicação muito importante para quem ainda não percebeu muito bem, o que são Índigo; Cristal e Diamante! ÍNDIGO, CRISTAL E DIAMANTE SÃO DIFERENTES FREQUÊNCIAS ENERGÉTICAS

Ser Índigo, Cristal ou Diamante são frequências, de vibrações menos para mais elevadas. Fazendo uma analogia bem simples, Índigo é um andar (frequência) de um “prédio”; Cristal outro andar, Diamante outro. Para se chegar de Índigo a Cristal é preciso subir as “escadas”(vibrações) e assim também de Cristal para Diamante.

Entre uma frequência e outra existem vários “degraus”, que são de diferentes vibrações, quanto mais perto estiver do Cristal, mais elevada é essa vibração e assim por diante.

Tudo isso é para explicar melhor como funcionam as energias, tudo no Universo é energia, por isso tem frequências e vibrações.

Cristal é uma frequência que tem várias vibrações, mais baixa, menos dons ela traz em seu ser, mais elevada mais dons ela tem.

Quanto mais baixa essa energia vibrar maior será a influência das energias externas, como o ambiente em que vive, herança de padrões familiares disfuncionais, doenças genéticas, influências por medicamentos e tudo mais.

Se estiver mais próxima da energia Diamante, menos problemas terá e muito provavelmente esse ser venha em uma família bem mais preparada, que já está em uma vibração mais elevada, que já curaram muitos de seus padrões doentios.

Muitas pessoas se confundem por isso diz: sou Índigo, mas tenho uma ou outra característica de Cristal. Sim um Índigo que está mais próximo da frequência Cristal; e isso também pode ocorrer com Cristal e Diamante.

Isso quer dizer que um ser que nasça em uma dada frequência de uma vibração mais baixa, no decorrer de sua vida pode transformar essa vibração em mais elevada, passando a outro “andar”, pois subiu os “degraus”, através de estudos, conexões espirituais e expansão da consciência

Somos influenciados por muitas coisas, isso vai construindo nosso ser, os pais precisam compreender que quanto mais fundo eles mergulham em suas curas e manifestam o melhor, mais seus filhos serão livres para terem uma vida mais saudável e feliz em todos os aspectos.

Fonte: Roda do Arco Íris

AMIZADE Cachorro cuida de bebê como se fosse um irmão mais velho

A menina nasceu um ano após o cachorro ser adotado e os dois se transformaram em melhores amigos.

A relação de amizade entre um cachorro e um bebê tem chamado a atenção dos internautas, que se encantaram com o companheirismo dos dois.

Tallulah, uma menina de dois anos de idade, nasceu no Reino Unido um ano depois de Loki, como é chamado o cão, ter sido adotado. E ao contrário das famílias que descartam os animais com o nascimento de um bebê, Ryan Symes, tutor de Loki e pai de Tallulah, sequer cogitou a possibilidade de abandonar o cão, da raça pastor alemão.

De acordo com Symes, o cachorro, que era desobediente e agitado, mudou com o nascimento da menina e passou a ser responsável e cuidadoso. Com isso, Loki se transformou no melhor amigo de Tallulah, que está crescendo na companhia do cão. As informações são do portal Best Of Web.

Antes da menina nascer, o tutor de Loki ficou preocupado com a possibilidade do cachorro sentir ciúmes ao conhecer a bebê e que, por isso, os dois não se dessem bem. O temor de Symes foi totalmente descartado logo de início e o cão se mostrou totalmente dedicado à Tallulah, que corresponde à atenção que recebe do cachorro e retribui com afeto, abraçando-o e até deitando em cima dele.

Além de conviver com a menina, recentemente Loki foi presenteado com um novo bebê para cuidar. Isso porque Tallulah ganhou um irmão. Roman foi apresentado ao cachorro e à menina há pouco mais de um mês e, desde então, o cão tem passado a cuidar do bebê e já foi flagrado deitado ao lado dele.

Confira mais fotos:

Fonte: ANDA

EXTERMÍNIO Cemitério de rinocerontes revela os horrores da caça no Quênia

Uma lápide que marca o lugar de repouso de uma fêmea de rinoceronte que estava grávida de 12 meses e que foi morta por caçadores está entre outras 15 lápides, debaixo de uma árvore na reserva Ol Pejeta Conservancy, no centro de Laikipia, no Quênia

Ishrini tinha 20 anos e estava prestes a dar à luz quando foi morta em 22 de fevereiro de 2016. Ela foi enterrada em um cemitério reservado para rinocerontes mortos por caçadores nos últimos 13 anos.

O declínio contínuo de rinocerontes devido à caça provocou a abertura do cemitério em 2004, em uma medida para aumentar a conscientização.

“As lápides são uma bela lembrança de como a caça está rapidamente exterminando os rinocerontes e da devastação do comércio de animais selvagens. Elas também são uma inspiração para todos os que visitam continuarem apoiando a proteção dos rinocerontes “, disse Samuel Mutisya, chefe de animais selvagens da Ol Pejeta Conservancy.

Embora os chifres de rinoceronte sejam compostos majoritariamente por queratina, uma proteína encontrada no cabelo, unhas e cascos de animais, o equívoco sobre a substância acelera as mortes dos animais.

Morani foi o primeiro rinoceronte enterrado no cemitério e foi um embaixador na conservação, um ícone usado para educar as pessoas sobre as espécies ameaçadas de extinção.

“Morani era um embaixador. Estava entre os primeiros 20 grupos de rinocerontes trazidos para Ol Pejeta. E, quando morreu em 2004 de doenças relacionadas à idade, foi enterrado no cemitério. Porém, acreditamos que era certo Morani continuar a conscientização sobre os perigos da caça”, explicou Mutisya.

Ol Pejeta abriga os últimos três rinocerontes brancos do norte do mundo e 113 rinocerontes pretos ameaçados.

Morani tornou-se um ícone na conscientização sobre os riscos enfrentados pelos rinocerontes pretos e por outras espécies vulneráveis na natureza. Foi estabelecido também centro de informações com seu nome.

Segundo Mutisya, alguns rinocerontes não são necessariamente enterrados no cemitério em decorrência da distância e a dificuldade de transportar seus corpos, mas as lápides com seus nomes, a causa da morte e as idades são colocadas no local. Os epitáfios nas lápides retratam um cenário sombrio devido à caça e indica que alguns animais foram mortos com flechas envenenadas, enquanto fêmeas foram assassinadas pouco tempo antes de darem à luz.

“A conscientização é um pilar crucial contra a caça. Nós educamos as comunidades que vivem no entorno, que também nos ajudará mesmo com a inteligência em casos de movimentos suspeitos. Estamos usando a tecnologia na proteção desses animais”, disse Mutisya.

Ishrini, de acordo com a sua lápide, foi encontrada se retorcendo dor após ser atacada com flechas envenenadas. De acordo com o Independent, seus chifres também foram arrancados.

O túmulo de Max também está entre os que estão no cemitério. Apesar dos esforços para tirar seus chifres para afastar caçadores, ele foi morto em 2011 e teve os pequenos chifres regenerados arrancados. Ele morreu com apenas seis anos. “É emocional. Isso mostra uma imagem crítica de como a caça é uma ameaça à existência desses animais selvagens ameaçados de extinção. Ao invés de apenas colocar as estatísticas, é melhor para o mundo observar o quão devastadora é a caça”, disse Mutisya.

Antes do enterro dos animais, os chifres que não foram arrancados por caçadores são removidos e encaminhados ao Serviço de Animais Selvagens do Quênia.

“Porém, com operações contra a caça, a população de rinocerontes de Ol Pejeta cresceu para nossa capacidade máxima. Em 2016, atingimos 111 rinocerontes pretos e 23 rinocerontes brancos e estamos a caminho de alcançar nossa meta de 120 rinocerontes pretos antes de 2020”, concluiu Mutisya.

Fonte: ANDA

 

CONTEÚDO ANDA Juventude chinesa simboliza esperança para um futuro sem exploração animal

Um caminhão com centenas de cães aprisionados em gaiolas andava pela via expressa Beijing-Harbin, na China, no final do dia 3 de Agosto de 2014

Seu destino era Jilin, um dos principais mercados de carne de cachorro do país.

A China proibiu o comércio de marfim no início deste ano

Um ativista viu o caminhão e começou a blogar a sua localização. Em pouco tempo, cerca de 30 pessoas estavam seguindo o caminhão pela rodovia e a polícia local encontrou o motorista. Comer carne de cachorro não é contra a lei, mas é ilegal transportá-los sem certificações de saúde e esse motorista tinha documentos para apenas 110 dos 400 cães. Voluntários cercaram mais quatro caminhões que transportavam cães e, naquele dia, mais de 2.400 cães foram resgatados. Milhares de pessoas de todo o país se uniram para ajudar a encontrar abrigo para eles. Algumas famílias até recuperaram animais sequestrados.

Em apenas alguns dias, quase todos os cães tinham encontrado um novo lar. O papel da China na condução de negócios exploratórios e, às vezes, ilegais de animais – desde a carne de cachorro até osso de tigre, bile de urso e barbatana de tubarão – é frequentemente noticiado. Porém, é cada vez mais comum ouvir histórias sobre a compaixão por animais, domésticos e selvagens, como este resgate. Não foi a primeira ou a última vez em que cães foram salvos da morte na China, mas este caso foi um dos maiores. Os ativistas e organizações chinesas lutam há anos para acabar com os assassinatos. “É simplesmente maravilhoso, você não ouve sobre isso na Coreia”, diz Peter Li, professor da University of Houston-Downtown e especialista em política da China na Humane Society International.

Um robusto movimento de proteção animal

É fácil enxergar a China como uma vilã quando se trata de proteger os animais. Na realidade, o país também possui um movimento de proteção animal robusto e em rápido crescimento que inclui o bem-estar dos animais e os esforços para combater a caça e o tráfico de espécies selvagens.
Segundo Li, em 1992, havia apenas uma organização de proteção animal registrada que participou da conferência anual da Humane Society e da Animals Asia. Em 2006, o número aumento. Atualmente, ele diz que há pelo menos 200 organizações de direitos animais registradas. Além disso, existem centenas de abrigos e centros de resgates de animais, revela a National Geographic.

Mary Peng é a fundadora de um desses grupos, o International Center for Veterinary Services, a primeira dessas instalações a ter padrões internacionais na China. Ela fundou o hospital após um problema de saúde com seu gato, Boo Boo, em 2002, e descobriu que a China Agricultural University era praticamente o único hospital animal em Pequim e eles não tinham recursos para cuidar do gato. “Foi muito desesperador. Como tutora de um animal doméstico, antes da abertura do ICVS, não tínhamos recursos. Não tivemos opções”, disse.

Ela estima que, atualmente, Pequim possui cerca de 400 hospitais e clínicas de animais. Isso é insuficiente para os 22 milhões de habitantes da área, mas mostra o crescimento do setor.

De acordo com Li e outros especialistas, as mudanças têm sido conduzidas pela geração mais jovem da China em cidades metropolitanas costeiras. “Devido ao aumento do nível de vida, as pessoas já não estão obcecadas com a comida na mesa”, diz. Isso, somado a uma maior exposição na mídia internacional, desperta a atenção para novas questões, como a proteção animal, revela a National Geographic.

Uma nova definição de riqueza é outro impulsionador. Li explica que a geração mais velha é fixada no marfim como um símbolo de status. Em chinês, a palavra “marfim” é xiangya, que significa “dente de elefante”. Muitas pessoas acreditam que o marfim pode ser retirado de um elefante sem machucar os animais. Em 2007, o International Fund for Animal Welfare descobriu que 70% dos entrevistados não sabiam que um elefante era morto para arrancar seu marfim.


Mãe e filha em festival vegano na China

Já os chineses mais jovens provavelmente são mais conscientes desse problema. Outro sinal que mostra uma mudança no país é o fechamento recente do mercado doméstico de marfim, que incentiva a caça de elefante africanos. A repressão à corrupção também ajudou a promover mudanças. As vendas de barbatanas de tubarão, por exemplo, caíram 70% nos últimos anos. A sopa de barbatana de tubarão é considerada uma iguaria luxuosa servida em banquetes para funcionários do governo. Esta prática foi restringida pela campanha de combate à corrupção do presidente Xi Jinping.

Aproximadamente 100 milhões de tubarões são mortos a cada ano, alguns dos quais são espécies ameaçadas ou vulneráveis, principalmente para atender a demanda na China para a sopa de barbatana de tubarão. Arepressão também impactou a sopa de ninhos de pássaros e outras “iguarias” feitas com animais silvestres.

As crianças também estão aprendendo mais nas escolas sobre cuidados com animais, espécies selvagens e proteção. Além disso, o crescente número de animais domésticos nas cidades chinesas também parece ser um grande responsável por esse cenário.

Até recentemente, quase não se sabia sobre cães domésticos no país. Durante a Revolução Cultural, de 1966 a 1976, os animais considerados inadequados não eram bem-vindos, diz Peng.
Depois de 1976, quando a China emergiu da revolução, o número de cães caiu ainda mais. Uma epidemia de raiva entre 1980 e 1990 deixou cerca de 50 mil pessoas mortas, sendo que quase todas foram infectadas pelos animais. Não havia vacinas e os hospitais funcionavam mal. Pequim proibiu a tutela de cães. Foi apenas em 1993, depois que a proibição foi cancelada, que a reputação dos cães começou a mudar.

Fonte: ANDA

Documentário ‘A Evolução Índigo’

As Crianças Índigo são apenas uma fantasia de alguns indivíduos, ou há provas reais em como elas realmente existem? E talvez o mais importante, saber qual é o propósito destas crianças, o que estão a fazer aqui? Será que és um índigo?

Se estiver a ler este artigo, a resposta é provavelmente sim, mesmo que não acredite.Neste documentário, o que vai ver, é uma coleção de entrevistas com algumas das mais incríveis crianças do planeta actual, juntamente com aqueles que se tornaram mestres nas áreas de medicina, psicologia, educação, filosofia, e até mesmo religião – que se distinguiram nas suas áreas de especialização, providenciando informação para que responda a estas perguntas por si mesmo.

A Evolução Índigo é um documentário sobre a mudança da raça humana e a evolução para além dos 5 sentidos, tendo em conta a esfera do pensamento, emoção e vibração de todas as espécies para além do reino físico. Se todo este conceito de Crianças Índigo é novo para si, ou se já estuda  este fenômeno há algum tempo e se interessa por aprender mais, este documentário entusiasmará a sua mente.

Disfrute!

O termo “Índigo” refere-se à cor Índigo da Aura vista em volta de certos indivíduos que mostram o que alguns poderiam chamar de “capacidades valiosas” ou talvez até a celebre frase “não sei o que é”, sei que apenas brilha quando eles utilizam as suas capacidades. Muitas vezes, são rotulados como sofrendo de uma espécie de deficit (ADD, ADHD, Dislexia…) que vem realmente da sua inconformidade com a autoridade, juntamente com as suas capacidades de pensar criativamente, a confusão mental e o caos que aparece por serem obrigados a viverem numa sociedade que está fora do seu paradigma mental e espiritual. (isto é: O que significa que as pessoas não se abracem umas às outras, onde quer que elas estejam?!).
“A Evolução Índigo ilumina as vidas das crianças referidas como ‘Índigos’. O filme descreve-os como criativos, excêntricos e independentes. Impacientes com o status quo, estas crianças possuem um alto grau de integridade e intuição. Muitos são, muitas vezes, tanto inteligentes como talentosos nas áreas de arte e tecnologia, e diz-se que alguns trazem consigo o dom da cura”.

Como irá ver neste documentário, na maioria das vezes, estas crianças são demasiado espertas para a idade bem como muito sensíveis sob todos os aspectos – fisicamente, emotivamente e espiritualmente, e nem sempre se sentem confortáveis nos seus corpos. Facilmente experimentam uma espécie de sobrecarga sensorial, o que requer a atenção de alguém, que se preocupem consigo, que os escute, para ajudá-los a enraizar e estar presentes nos seus corpos. Enquanto os seus comportamentos são instáveis, a filosofia e a perspectiva de vida é muito consistente – têm um alto nível da consciência social e um desejo de fazer do mundo um lugar melhor.

Verifique e veja para si mesmo como se sente!

Fonte: Casa Índigo

ALGO QUE OS FILHOS DOS TAURICIDAS DEVIAM APRENDER NUM CONSERVATÓRIO PARA SEREM HOMENS A SÉRIO

Os filhos dos tauricidas, aprendem dos pais, a arte da Psicopatia, da Sociopatia, da tauromaquia.

Se os pais deles, fossem pessoas minimamente conscientes, dos males mentais que aprender a arte da psicopatia, sociopatia da tauromaquia, provoca aos seus filhos, jamais permitiriam tal monstruosidade par eles.
Mas estes pais, já têm a mente tão danificada, que não lhes permite perceber isto!

O lugar dos filhos dos tauricidas, não são as praças de touros, onde são educados, a se tornarem monstros, criminosos, assassinos, psicopatas, sociopatas. O lugar deles, é o teatro, os conservatórios de musica, o desporto!

Mário Amorim


Em vez de andarem em antros de toureio a aprender a ser monstrinhos… e a atacar com fúria desumana indefesos bezerros

Senhores Governantes, Ministro da Cultura, promovam e apoiem as Escolas de Música, ao invés de subsidiarem “escolas” de toureio, mais antros do que escolas, que transformam as crianças em carrascos, sádicos e cobardes.

As crianças, filhas dos aficionados de selvajaria tauromáquica, merecem melhor sorte do que aquela que o Estado Português lhes proporciona.

Fonte: Arco de Almedina