CONTEÚDO ANDA Elefanta morre de infarto após 15 anos de exploração no transporte de turistas

Reprodução/YemSenok

Autoridades do Camboja investigam a morte de uma elefanta que entrou em colapso na beira da estrada, enquanto levava turistas para um antigo templo na região.

Segundo o Daily Mail, Sambo teve um ataque cardíaco fatal após transportar dois turistas – um de cada vez – para um templo no famoso complexo de Angkor Wat.

Ela havia trabalhado por 40 minutos em um calor escaldante que atingiu 40 graus, e um veterinário concluiu que o ataque cardíaco foi causado pela alta temperatura, pela exaustão devido ao calor e pela falta de vento que poderia ajudar a refrescá-la.

Agora, defensores dos animais estão exigindo uma investigação sobre por que a elefanta, com idade entre 40 e 45 anos, foi forçada a transportar turistas com temperaturas tão altas.

Reprodução/YemSenok

A elefanta era explorada pela empresa Angkor Elephant desde 2001, de acordo com o gerente Oan Kiri. “Estamos todos muito tristes por essa perda”, declarou cinicamente.

Um post no Facebook que continha fotos da elefanta morta, no chão, foi compartilhado mais de oito mil vezes e foi criada uma petição, que já reuniu 10 mil assinaturas, exigindo o fim do uso de elefantes como um meio de transporte para os templos da região.

Jack Highwood, responsável pela direção do Projeto Vale do Elefante, feito para proteger os elefantes do Camboja, solicitou condições regulamentadas de trabalho.

Ele apontou que a Angkor Elephant possuía mais 13 animais , o que representa a maior concentração de elefantes confinados no país.

Nota da Redação: É inadmissível falar em “condições regulamentadas de trabalho”, pois nenhum animal selvagem deveria ser submetido à exploração e abuso humano em qualquer condição. Retirar um animal de seu habitat já é uma violência imensurável, forçá-lo a trabalhar pelos interesses humanos é um desrespeito total aos seus direitos e uma enorme crueldade.

Fonte: ANDA

Anúncios