MAUS-TRATOS Tribunal mantém condenação de empresas por tortura de animais em rodeio

As empresas foram condenadas ao pagamento solidário de uma indenização no valor de R$ 100 mil.

A condenação de empresas organizadoras da XXI Festa de Peão Boiadeiro de Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro, foi mantida pela 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Desembargadores mantiveram a condenação com base em práticas de maus-tratos e tortura de animais cometidas durante o rodeio, que foi realizado em abril de 2010.

A título de danos coletivos, a Kavallus Empreendimentos Artísticos Ltda e a Proson Agência de Viagens, Turismo e Eventos Ltda foram condenadas ao pagamento solidário de uma indenização no valor de R$ 100 mil. As informações são do site Diário do Vale.

A decisão dos desembargadores impediu ainda que as empresas usem ou permitam a utilização de aparelhos de choque contra os animais em rodeios. O descumprimento da proibição incorre em multa de R$ 20 mil por animal envolvido.

Nota da Redação: a ANDA comemora a condenação de empresas envolvidas em casos de maus-tratos a animais para que se exponha a necessidade de combater práticas cruéis que coloquem em risco a integridade física e mental dos animais, mas reforça que proibir o uso de aparelhos de choque em rodeios não é suficiente, já que a única forma realmente eficaz de combater a exploração e a crueldade animal nestes eventos é por meio da proibição da presença de animais em rodeios.

Fonte: ANDA

Anúncios

Cidade proíbe rodeios após intervenção de grupo pelos direitos animais

Foto: Reprodução/EWN
Foto: Reprodução/EWN

Um rodeio que estava programado para acontecer em Wolmaransstad, uma cidade vizinha a Joanesburgo, na África do Sul, foi cancelado após uma intervenção judicial promovida pela NSPCA (National Council of SPCAs), uma entidade internacional de proteção aos animais. As informações são do jornal local Eyewitness News.

O grupo havia apresentado previamente denúncias de crueldade no tribunal, mostrando que esses eventos expunham os animais a um grande sofrimento e até à morte. A NSPCA declarou, ainda, que foi alvo de ações intimidatórias e criminosas durante todo o processo.

A denúncia foi apresentada formalmente por representantes da NSPCA em uma audiência oficial, no dia 24 de abril. O caso foi então julgado e com base nas evidências apresentadas pelo grupo de defesa animal, a realização de rodeios em Wolmaransstad ficou terminantemente proibida pelas autoridades.

Fonte: ANDA