A CULTURA (TAUROMÁQUICA) NÃO PASSA DE DEPRAVAÇÃO ÉTICA»

Recebi este magnífico comentário de alguém que não se identificou, mas por ser tão magnífico, uma grande lição dirigida à Maria Alzira Seixo, a professora catedrática que comparou a tourada à Ópera e ao Ballet, transcrevo-o, aplaudindo de pé, quem assim escreveu…

Vale a pena ler

TOURADA.jpg

Anónimo, deixou um comentário ao post PROFESSORA CATEDRÁTICA DEFENDE A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA COM UMA MONUMENTAL IGNORÂNCIA às 19:08, 2016-08-18.

Comentário:

Prezada Senhora Maria Alzira Seixo: colocar-se-ia no lugar do touro, para levar a tal “injecção intramuscular”? (trabalhando como médico há quase 30 anos, fiquei intrigado com a comparação de agulhas hipodérmicas, usualmente de 25×7 mm, com um arpão de 400×200 mm

(http://tauromaquia-esfd.blogspot.ch/…/instrumentos-de…).

Além do mais, agulhas são meios terapêuticos, e não artefactos de tortura (por mais que alguns miúdos possam discordar de mim). Diante da ameaça, lutaria pela sua vida? Nenhum touro contou-nos isso, mas até alunos com alguma escolaridade já aprenderam que quando acuado, a inevitável resposta fisiológica de “luta ou fuga”, seja de que animal for (no caso em questão, do touro, esse herbívoro “selvagem, tal leão, tigre e leopardo” – mas o touro não é apascentado nas ganadarias? Tem piada comparar um herbívoro com grandes felinos originalmente selvagens, que se calhar seriam até bem mais mal dispostos que o mal-afamado touro, afinal são predadores carnívoros, até impossíveis de “lidar”, tornando-se historicamente obsoletos para “espectáculos” quando o Cristianismo conquistou Roma acabando com a “bucha” ao vivo).

Mas como dizia, a tal resposta fisiológica será sempre investir para frente, nem que o obstáculo seja a Sétima cavalaria americana, com Búfalo Bill e tudo. É que é a luta da vida dele. Admito humildemente minha ignorância acerca dos detalhes da “arte”, descritos por si com a maestria de um Edgar Alan Poe a nos fazer gelar até os ossos. Em minha defesa, porém, confesso que métodos de tortura e sadismo não são minha primeira opção literária. De todo jeito, essa “cultura” para mim não passa de depravação ética, escrita para tolos e lunáticos em geral. Manuais como o “Malleus Maleficarum” ou “Mein Kampf”, podem impressionar incautos, mas são o que são, vergonhas para a humanidade. Tal qual a caça às bruxas e o III Reich, também um dia tombará a tourada, quero dizer: “um espectáculo sério, de silêncio… de arte… e força de ânimo, como a ópera… e o ballet…(que) exige conhecimento para se apreciar…”. Não imagina o alivio que trouxe à minha pobre consciência, ao esclarecer que “tudo que se diga como tormentos e crueldade é pura imaginação da observação empírica, ignorante e leviana”. Raios partam minha ignorância tauromáquica! Ainda bem que esses textos esclarecedores e peliculas como “Matrix”, trazem-nos mais para perto da verdade.

Qualquer dia desses, algum aficionado levanta-se e grita, imerso nos aplausos (ou vaias): “silêncio, que vai começar a tourada!” (“NINGUÉM SE DIVERTE”, certo?) E para finalizar, apanho outra boleia, na citação do poeta e diplomata pernambucano João Cabral de Melo Neto. Ele próprio, um brasileiro aficionado, procurou na tauromaquia uma analogia para o seu processo criativo. E da sua obra passo a citar um excerto de “Tecendo a manhã”, que pode suscitar em todos nós, homens e mulheres de paz desse planeta, o sentido de união e luta pelos nossos ideais: “Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro; de um outro galo que apanhe o grito de um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo, para que a manhã, desde uma teia ténue, se vá tecendo, entre todos os galos (…)”

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios