SE OS AFICIONADOS DA TORTURA, DA BARBÁRIE…

Se os aficionados da tortura, da barbárie, fossem pessoas com alguma seriedade, já teriam vindo a publico; estão a ver, temos aqui provas científicas, cientificamente provadas, do que dizemos sobre o touro. Mas não. Sempre que têm uma oportunidade para o fazer, os Psicopatas Tauromáquicos, do alto da sua máfia, convidam para mais uma vez, ser fonte de alegações, não provadas cientificamente, o mesmo Psicopata de sempre, que não fala pelo bem-estar do touro, e sim pelo bem-estar da sua conta bancária. E isto acontece, com a conivência da Ordem dos Veterinários, que nada faz para o impedir, pois este Psicopata, é veterinário.

E esta realidade, deixa ficar mal o país, pelos quatro cantos do mundo.
Pois, com esta realidade, Portugal fica visto lá fora, como um país não civilizado.

Que tristeza; em pleno século 21, ainda existir em Portugal, tão vil e hedionda prática.
E que tristeza, a Assembleia da Republica, no PS; PSD; CDS/PP, e PCP, continuar a permitir, que tão abjecta prática, persista em existir, num país que se quer moderno e civilizado.

Da minha parte, o touro, e o cavalo, podem continuar a contar comigo, para os defender intransigentemente.

Tudo o que digo é por eles, pelo bem-estar, pela felicidade deles. E não irei deixar de lutar por isso.

Portugal, não vive em muitos séculos passados.
Portugal vive no século 21. E tem de acompanhar a modernidade, a civilização.

BASTA DE CRUELDADE EM PORTUGAL, JÁ!
ABOLIÇÃO DA TAUROMAQUIA EM PORTUGAL, JÁ!

Mário Amorim

Anúncios

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE PORTUGAL (OPP) ABANDALHADO PELA CANDIDATURA DA SELVAJARIA TAUROMÁQUICA A PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL

Como é que isto foi parar ao OPP?

É surrealista, ridículo, insultuoso, estarmos a lutar contra uma coisa que não deveria sequer ser permitida, pois a tortura de animais, a selvajaria, a crueldade, a violência, a estupidez não faz parte de uma sociedade evoluída e civilizada.

OPP.jpg

Então por quê aplicar dinheiro numa INUTILIDADE como torturar Touros numa arena, para divertir sádicos e psicopatas?

Estar uma barbaridade destas a concorrer entre coisas sérias, é uma afronta, um insulto à inteligência dos Portugueses e uma desonra para a República Portuguesa.

Eu sinto-me lesada na minha condição de cidadã portuguesa, com esta vergonhosa situação.

Não teremos governo à altura da decência cultural e cívica?

O facto deste repugnante projecto constar da lista dos projectos culturais do OPP é altamente desprestigiante para Portugal e lesivo da dignidade portuguesa.

Uma vergonha!

Fonte: Arco de Almedina

CONTEÚDO ANDA Projeto quer elevar touradas a patrimônio cultural em Portugal

Uma proposta na plataforma do Orçamento Participativo Portugal(OPP) sugere a elevação de eventos tauromáquicos à patrimônio cultural de Portugal. O projeto já conta com 1.038 compartilhamentos e preocupa ativistas.

Uma proposta na plataforma do Orçamento Participativo Portugal(OPP) sugere a elevação de eventos tauromáquicos à patrimônio cultural de Portugal. O projeto já conta com 1.038 compartilhamentos e preocupa ativistas.

Uma denúncia realizada pela página “Um activismo por dia” afirma que caso a proposta seja aprovada, a crueldade não apenas será institucionalizada, como também será incentivada e receberá recursos públicos que deveria ser investidos no fomento à cultura, educação e preservação do meio ambiente.

“Há certas decisões que não deviam ser deixadas a escolha da população, nomeadamente categorizar tortura animal como ‘cultura’. Cultura é visitar um museu, por exemplo, e não enfiar farpas num ser vivo”, desabafa uma internauta.

Na página da OPP, a ideia legislativa afirma que o projeto consiste em um estudo e construção de um comitê que será responsável por reunir elementos clássicos da cultura tauromáquica para assim auxiliar na realização e organização de touradas em todo o país. O orçamento previsto é no valor de 200 mil euros (aproximadamente 730 mil reais).

Fonte: ANDA

***

Qual é a causa disto?
A causa disto, é ESTA

Se existisse em Portugal, uma muito forte e unida exigência, da abolição da tauromaquia, a tauromaquia, já estaria à beira da morte. Mas como, infelizmente, não se exige, como deve ser, e sem mais demoras, a abolição da tauromaquia, de Portugal, o resultado disso, está a aí…!

Mário Amorim

VOTE: “Cultura Para Todos”! Tortura Não é Cultura e Não Merece Dinheiros Públicos! [OPP]

POR FAVOR NÃO IGNORE ESTA MENSAGEM!

 

Não podemos permitir que a tauromaquia seja “elevada” a Património Cultural Imaterial de Portugal, ainda para mais com 175 a 200 mil euros provenientes de verbas dos orçamentos públicos!

 

Se é cidadão/cidadã nacional ou reside legalmente em Portugal, VOTE (SMS Grátis) no Orçamento Participativo de Portugal, seguindo as instruções da imagem abaixo ou as do evento no Facebook. 

 

Sendo-lhe ou não permitido votar, não deixe de convidar amigos/as Portugueses/as para o eventoou de partilhar a publicação a respeito. 

 

Muito obrigado! 

Via: Marinhenses Anti-tourada

É assim que deveria ser em Portugal!

Pela lógica, dever-se-ia replicar em Portugal, os bons exemplos contra a tauromaquia, realizados fora de Portugal. Mas não. Não é isso que acontece em Portugal. Mesmo depois de darem resultados, os bons exemplos realizados fora de Portugal, na realidade, são cá ignorados.

Então; como há muito, muito tempo, acho que deveria ser em Portugal?

1º As manifestações e marchas contra a tauromaquia, deveriam ser organizadas, não apenas uma organização, mas por um número, o mais alargado possível, de organizações e movimentos. E também por anti-touradas que lutam contra a tauromaquia, individualmente.
– Essas marchas e manifestações, deveriam ser começadas a organizar, com pelo menos um ano de antecedência, para serem organizadas com todo o rigor. Pois é o rigor na sua organização que ditará o seu sucesso.
– Essas marchas e manifestações, deveriam ter um vídeo publicitário, com figuras publicas.
– Essas marchas e manifestações, deveriam acontecer sempre, em diversas cidades do país, em simultâneo, para possibilitar que um número, muito mais alargado de pessoas, possam participar.
2º Dever-se-ia criar uma plataforma, que se deveria chamar; Plataforma pela abolição da tauromaquia em Portugal.
– Essa plataforma deveria ter, no seu interior, todas as organizações, movimentos, e também por todos os anti-touradas individuais, que a queiram integrar.
– E essa plataforma, deveria respeitar, o primeiro ponto, do que disse anteriormente.
3º Essa plataforma, deveria intervir activamente, junto das Câmaras Municipais, para que mais Câmaras Municipais se declarem anti-tourada.
4º Essa plataforma, deveria exercer uma permanente e grande pressão, junto do Parlamento, com o objectivo, de por fim aos subsídios, para a tauromaquia, pelo Estado e pelas Câmaras Municipais.

Entendo, que só desta forma, a abolição da tauromaquia em Portugal, é possível!

Mário Amorim

Não se aproveitou uma enorme oportunidade, em Portugal!

Faz alguns anos, que Portugal viu as maiores manifestações, depois do 25 de Abril.
Essa era a oportunidade, para aproveitar-se a embalagem, e realizar em Portugal, marchas ou manifestações com grande impacto, contra a tauromaquia. Grandes marchas, ou manifestações, a exigir a abolição da tauromaquia. Mas infelizmente, essa oportunidade, foi desperdiçada!

O que não se quer entender em Portugal, é que não são marchas, ou manifestações, com 2, 3, ou 4 mil pessoas, contra a tauromaquia, que irão surtir efeito.

Para que marchas e manifestações, contra a tauromaquia, em Portugal surtam efeito, é necessário que nas ruas, estejam muitas dezenas de milhares de pessoas, a exigir a abolição da tauromaquia.

Se assim não for, essas marchas, essas manifestações, não obtêm o efeito necessário, junto da Assembleia da República.
Se assim não for, a Assembleia da República, ignorará a mensagem dada, e não irá abolir a tauromaquia.

Por isso; acho que está na hora, de se recuperar o tempo perdido, e realizar no inicio, ou no fim do próximo verão, enormes marchas, ou manifestações simultâneas, a exigir a Abolição da tauromaquia. Marchas ou manifestações contra a tauromaquia, como até hoje Portugal nunca viu!

Mário Amorim