Pensamento de um touro

Imagem 17º

Sou um touro, sou pacífico. Como erva.
Quero que me deixem viver em paz e sossego, no campo. Quero que me deixem viver e morrer no campo, na companhia dos meus familiares e amigos.
Mas infelizmente, não é isso que acontece.
Arrancam-me do campo. E como não tenho voz, não posso dizer; deixem-me aqui ficar. Tenho esse direito!
Arrancam-me do campo, para me levarem para uma praça de touros, onde serei barbaramente torturado, física e psicologicamente, para deleite de pessoas, que em momento algum, pensam na tortura, na crueldade de que sou vítima. E me pergunto; será que essas pessoas têm coração? – Acho que não. Quem tem coração, não aceita a tortura, a crueldade, de que sou vítima. Quem tem coração, luta por mim, e não contra mim!
Irão espetar em mim, umas farpas que me irão fazer sofrer inenarravelmente. Irei sangrar. Irá chegar um momento, que depois de tanto ter sofrido, ainda terei de enfrentar um grupo de pessoas cobardes, que me enfrentaram mais morto do que vivo.

Sou obrigado a passar por tudo o que passo, numa praça de touros. Enquanto que aqueles que me irão enfrentar, iram-me enfrentar porque querem. Ninguém obriga , aqueles que me enfrentam a me enfrentar.
Depois, se acontecer eu lesionar ou matar uma das pessoas que me enfrentam, não terei culpa. Tenho todo o direito a defender-me!

Deixo uma pergunta; será que as pessoas que se deleitam com a crueldade de que sou vitima, numa praça de touros, gostariam de passar pelo que passo? – Duvido que gostassem de estar no meu lugar.

Para terminar peço aquelas pessoas que lutam pelo meu bem-estar, pela minha felicidade, que continuem a lutar por mim, até à abolição da crueldade de que sou vítima!

Pensamento do touro, Pacífico.

Anúncios

Boas notícias vindas dos Estados Unidos: Tartarugas verdes deixam de ser espécie em perigo e passam a ameaçada nos EUA

Porto Canal com Lusa

Washington, 05 abr (Lusa) — As tartarugas verdes do estado norte-americano da Florida e da costa mexicana do Pacífico, há muito consideradas uma espécie “em perigo de extinção”, vão ser colocadas na categoria de “espécie ameaçada”, anunciaram hoje as autoridades federais norte-americanas.

“Medidas de proteção bem-sucedidas, bem como os esforços de gestão feitos na Florida e ao longo da costa mexicana do Pacífico são um modelo para a aplicação de estratégias de salvaguarda de outras populações de tartarugas verdes no mundo”, disse em comunicado Eileen Sobeck, subdiretora da Agência Oceânica e Atmosférica Norte-Americana (NOAA), encarregada das pescas.

Além disso, a NOAA e o Serviço de Pescas e da Vida Selvagem (US Fish and Wildlife Service — USFWS) vão dividir as tartarugas verdes ‘Chelonia Mydas’ em 11 populações distintas no mundo, o que permitirá melhor adaptar os esforços de conservação em função das respetivas necessidades de proteção.

Três dessas populações serão reclassificadas como estando “em perigo” e as restantes oito como “ameaçadas”, entre as quais as duas da Florida e do México.

As tartarugas verdes estavam classificadas em todo o planeta como espécie ameaçada, à exceção das populações reprodutoras – consideradas em perigo de desaparecer -, e isto, desde 1978, no âmbito da lei norte-americana sobre a proteção das espécies.

Todas essas medidas “vão ajudar-nos a proteger e a preservar mais eficazmente as tartarugas verdes e poderemos assim alcançar o nosso objetivo de salvaguarda da espécie”, sublinhou Eileen Sobeck.

Os resultados obtidos na Florida e no México coroam anos de esforços coordenados, entre os quais a proteção dos seus locais de nidificação nas praias, a redução das capturas acidentais em redes de pesca e a proibição de as perseguir e destruir os ovos. Mas tais ameaças subsistem em todo o mundo, alertam a NOAA e o USFWS.

A rápida subida do nível dos mares, resultante do aquecimento global, ameaça também um habitat essencial para as tartarugas verdes que nidificam nas praias.

A decisão das autoridades federais será enviada às diversas partes intervenientes do setor público durante 90 dias antes de entrar em vigor.

As tartarugas verdes vivem nas áreas costeiras de mais de 140 países, segundo a NOAA: No oeste do Atlântico e no Golfo do México, encontram-se do estado do Texas, no sul do país, até ao Massachusetts (nordeste), passando pelas Virgin Islands norte-americanas e por Porto Rico.

Fonte: PORTO canal