(◉‿◉) “Uma amizade sincera” Tutor de cão que faz ‘vigília’ recebe visita em porta de hospital em Itatiba (SP)

Cão recebeu carinho de tutor internado em hospital (Foto: Gustavo Consoline/TEM Você)

Cão recebeu carinho de tutor internado em hospital

Cão recebeu carinho de tutor internado em
hospital

O vendedor estava indo para Itatiba (SP) quando começou a passar mal e foi para o hospital, com o cachorro no carro. Lá, foi diagnosticado com princípio de infarto e não pôde sequer sair para deixar o cão em casa.

Yamamoto conta que só chegou ao hospital porque o animal, batizado de “Negão”, o manteve acordado enquanto dirigia. “Eu não conseguia dirigir direito porque estava com muita dor, meu olho até ‘saltava’ para fora. Então ele uivava bastante e batia no meu ombro desesperado”, lembra.

Ainda emocionado em saber que o animal o espera na porta do hospital, o vendedor ao mesmo tempo chora e dá risada ao falar do animal. “Estou emocionado de verdade, porque eu gosto demais dele. É muito brincalhão. É meu melhor amigo”. Agora o comerciante já faz planos para se divertir com o animal após receber alta no hospital. “Assim que tiver alta, vamos viajar para uma praia ainda em setembro”, conta.

Na quarta-feira, impossibilitado de dar entrevista, ele escreveu uma carta. Nela o vendedor contou que o cão foi adotado por ele durante uma viagem a Bragança Paulista (SP) e é um grande companheiro do vendedor desde então. “Já fomos várias vezes para Minas Gerais para pescar, correr no campo e nadar junto”, lembra.

Comoção

Desde sua internação, “Negão” perambula pelo estacionamento do local, à espera do tutor. A história sensibilizou os funcionários que, de maneira improvisada, separaram um canto com comida e água.

O médico Wagner Tegon Filho diz que a presença do animal na porta do hospital é importante para a recuperação do paciente. “O cachorro estando mais próximo do paciente deixa ele mais otimista e responsivo ao tratamento para se recuperar e sair dessa.”

A história de amizade entre o cão e o homem se espalhou pela cidade. Maria Cecília Tsae, dona de um café que fica bem ao lado do hospital comenta que o animal está sofrendo. “Ele senta chorando bem na porta da entrada da emergência. Acho que ele sente o cheiro do tutor”, comenta.

“Deveria existir mais essa ação entre nós seres humanos. Uma amizade sincera, pura. Onde nos preocupássemos com o próximo”, reflete o pastor Samuel Guimarães. De acordo com informações do hospital, o paciente não tem previsão de alta. Ele e o cachorro moram sozinhos e não têm mais ninguém na “família”.

Fonte: ANDA

Anúncios