POR LA DECLARACIÓN UNIVERSAL DE LOS DERECHOS ANIMALES.

A lo largo de la historia, muchas confrontaciones han definido la variedad de planteamientos que posee la especie humana, los ámbitos sociológicos, religiosos, morales, solidarios,insolidarios, pero dichos planteamientos todos han sido siempre conformados desde un mismo denominador común, el de la especie, pero el de la especie, como especie dominante, y todo ello siempre volcado a un final irremediable que es el de la confrontación sobre dos opiniones diferentes con el determinado resultado del conflicto general.

Si analizamos todos estos conflictos, nos daríamos cuenta de que todos tienen el mismo denominador, y si la raza humana fuese tan inteligente como a veces se consideran, hallarían el mismo error en todos y cada uno de los conflictos, pero para que eso ocurriese, si debería de ser cierto que la raza humana tuviese que ser inteligente y sinceramente no lo es.

En casi todo lo que concierne al ser humano, como ser racional,  se haya ese denominador común, que no es ni mas ni menos que la cruda esencia de la maldad humana al sentirse ser la especie dominante del planeta,…

en las religiones todos quieren dominar el concepto de que su fe es la acertada, no deja de ser una forma de dominio que derivado a los extremos nos conducen al terrorismo que luchamos a diario, en conflictos religiosos que implican sociedades, indiferentemente de las creencias de los habitantes, ya todo da igual y deriva a la sinrazón, es una guerra abierta,  en la política….. todos creen que su partido es el correcto, se piensa mas como banda que forma parte de un grupo que como ser racional que analiza si al grupo donde pertenece, tiene la esencia de la virtud y la solidaridad, a dia de hoy vamos de camino a unas terceras elecciones, al menos hasta la fecha, dificil veo radicar religiones o equilibrar pensamientos políticos, pero para no dilatar mucho este contenido, yo me voy a centrar en uno de tantos conflictos que tenemos a diario, que creo que si podemos conseguir remediar de una manera mas directa, y solo por la evidente e imperativa razón obligada de que la especie que sea la especie dominante de un planeta, debe poseer por naturaleza, la virtud de ser piadoso justo y respetuoso con la vida existente de otros seres del mismo entorno, me refiero ni mas ni menos que a la lucha por los derechos de los mas débiles, los animales de este planeta, esos seres que sufren directamente la peor de las esencias de la raza humana,

vivimos en una sociedad avanzada y en un siglo que será recordado como el de la era tecnológica… pero sin embargo seguimos usando el asesinato y la masacre para divertirnos ( sector taurino ) y seguimos provocando los conflictos, ( taurinos- antitaurinos ) el asesinato y la masacre para generar dinero ( matanza de focas, ballenas, zorros,visónes, etc..) con el conflicto ( animalistas – nativos y lugareños ) asesinato y masacre simplemente para sentirse superior, ( maltrato y apaleamientos a perros y gatos,) con el resultado ( millones de casos existentes a diario que vemos a través de las redes inclusive maltratos aplicados por concejales de partidos políticos, y el consiguiente desasosiego de miles de observadores que ven impotentes como tales hechos ocurren. ), y todo!!,  forma parte del mismo denominador al cual hacia referencia anteriormente, el ser humano creyéndose que por ser la especie superior puede hacer lo que quiera con demás seres, por el simple hecho de no tener unas declaraciones internacionales de derechos animales, como los derechos humanos tiene la especie humana.

Con esta petición, lo que deseo es abordar el problema de raíz, creo que no es suficiente, plantarse en plazas a que unos cafres vengan a agredirte hasta que te echen y luego conseguir matar al pobre toro igualmente, loable pero no inteligente, no creo que sea suficiente que un barco de greenpeace se ponga delante de un ballenero para que lo embista y al final acabe en unos astilleros y esas madres y crías descarnadas en un mercado negro japones, que no puede dar salida a tal demanda, pudriendo y tirando esa carne que debería de seguir existiendo.loable pero no inteligente.

Por lo tanto y para no poner mas casos de tantos millones, que ocurren a diario, abro esta petición para que firme toda persona que considere que el asesinar, matar, privar de la vida a un ser viviente, sin que por ello tenga que ser humano para que sea delito o mucho mas allá de lo simplemente impresionable,

Solicito a las naciones unidas, la declaración de los derechos animales regido solo por la excepción de la muerte para consumo humano registrado, por el cual dichas muertes tengan tambien regulación en materia de modo, tipo, manera, e inclusión de vejación, o mala aplicación al producir la muerte para solo y exclusivamente tal fin.

La naturaleza nos enseña a diario, que para alimentarse los animales salvajes, inclusive instintivamente, la muerte a la presa, la producen lo mas rápidamente posible, como sigo dudando que estos animales hayan hecho un curso de ceac de como matar rápidamente, entiendo que en la creación universal, tal como fuere u ocurriese independientemente de creencias, existía esta intención de piedad existente en la vida orgánica, con lo cual, y basándose en ello, pido una declaración de derechos animales en una sociedad humana que contemple todos y cada uno de los puntos que sean necesarios abordar, para avanzar a una sociedad civilizada, justa y fuera de toda maldad sin castigo jurídico, tanto para humanos como para animales por igual, pensantes con signos de racionalidad en una sociedad cohabitable en grados iguales entre especies, tomando como excepción las muertes por consumo sin maltrato ni ningún tipo de dolor para consumo, y solo para uso tópico y cosmético las muertes por decesion natural o sacrificios por piedad u enfermedades terminales o de índole parecida.

Assine este abaixo-assinado

https://www.change.org/p/asamblea-general-de-naciones-unidas-por-la-declaraci%C3%B3n-universal-de-los-derechos-animales

Anúncios

Nações Unidas lançam campanha e petição de apoio aos refugiados

A Organização das Nações Unidas lançou uma campanha e uma petição para os governos garantirem a segurança, a educação e o emprego dos quase 20 milhões de refugiados em todo o mundo.

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou uma campanha e uma petição que instam os governos a garantirem a segurança, a educação e o emprego dos quase 20 milhões de refugiados em todo o mundo.

Num vídeo divulgado há dias, mais de 60 personalidades da música, do cinema e da televisão juntam-se a refugiados e a trabalhadores humanitários, dando voz à mensagem escolhida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para assinalar o Dia Mundial do Refugiado, na terça-feira: “Nós estamos com os refugiados. Estejam connosco.”

A atriz Cate Blanchett, embaixadora da boa vontade do ACNUR, surge no campo de refugiados de Za’atari, na Jordânia, sublinhando que “a principal solução” para esta “crise sem precedentes” é “política”.

O que não afasta o dever de cada cidadão. “Temos de exigir que todos os países assumam responsabilidade e garantam proteção aos refugiados”, reclama a embaixadora.

A campanha pretende, por um lado, manifestar publicamente o apoio às famílias forçadas a deixarem os seus países de origem, num contexto de perseguições e conflitos, e, por outro, contrariar a crescente retórica anti-refugiados e as maiores restrições ao asilo.

Nesse sentido, a petição #ComOsRefugiados envia “uma mensagem clara aos governantes”, no sentido de que “devem agir com solidariedade e responsabilidade”.

A petição — que será entregue durante a Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, a 19 de setembro — faz três pedidos concretos aos governos: que “todas as crianças refugiadas tenham acesso à educação; que “todas as famílias refugiadas tenham um lugar seguro para viver”; e que “todos os refugiados possam trabalhar e adquirir conhecimentos que contribuam de forma positiva para as suas comunidades”.

Este ano registou-se o mais elevado número de deslocados de que há memória. Segundo dados do ACNUR, perto de 60 milhões de pessoas já foram forçadas a deixar as suas pátrias e uma média diária de 42.500 põem-se em fuga de perseguições ou conflitos.

Daqueles 60 milhões, 40 milhões são deslocados internos, dentro do seu próprio país, enquanto 20 milhões podem ser considerados refugiados (metade dos quais com menos de 18 anos), obrigados a cruzar fronteiras para procurar refúgio fora do seu país.

“Estamos numa altura de agravamento de conflitos e turbulência, o que está a fazer com que muito mais pessoas estejam a deixar as suas casas”, frisa Filippo Grandi, alto-comissário da ONU para os Refugiados.

“Precisamos de compreensão, compaixão e vontade política para encontrarmos respostas reais para o flagelo dos refugiados. Este transformou-se no maior desafio do nosso tempo”, sintetiza.

O atual movimento de pessoas tem dificultado a distinção entre migrantes e refugiados. É impossível saber, por exemplo, quantas das 60 mil pessoas que a Organização Internacional para as Migrações estima terem perdido a vida nos últimos 20 anos a tentarem chegar a um porto seguro caberiam no estatuto de refugiadas, legalmente definido pela Convenção de Genebra assinada em 1951, no rescaldo da II Guerra Mundial.

Essa Convenção — ratificada por 145 Estados-membros da ONU — estabelece padrões básicos para o tratamento de refugiados, entre os quais o princípio de “non-refoulement” (não-devolução), que rejeita a restituição de um refugiado, contra a sua própria vontade e em quaisquer ocasiões, para um território onde possa ser alvo de perseguição.

No âmbito do compromisso de recolocar refugiados, Portugal recebeu, até dia 16 de junho, 387 pessoas, vindas de Grécia e Itália, focos principais do fluxo migratório. Até ao final do mês, devem chegar mais 76 requerentes de proteção internacional.

Fonte: Observador.pt

***

http://www.acnur.org/diadorefugiado/

GOVERNANTES PORTUGUESES FAZEM ORELHAS MOUCAS ÀS RECOMENDAÇÕES DA ONU E VIOLAM OS DIREITOS DAS CRIANÇAS

«Depois de Portugal, é a vez de a Colômbia ser alertada para a necessidade de afastar os menores de idade da “violência das touradas”. O Relatório do CDC (Comité dos Direitos das Crianças) das Nações Unidas coloca a tauromaquia a par do tráfico de droga como uma forma de trabalho perigosa e degradante que «preocupa profundamente o Comité».

Em 2014 Portugal foi instado pela ONU para proteger as crianças de assistir e participar em touradas, tendo sido reconhecido pela Vice-Presidente do Comité que «a participação de crianças e adolescentes em actividades taurinas constitui uma forte violação da convenção dos Direitos da Criança, sendo doutrinada para uma acção violenta».

ONU.png

Mas se os governantes portugueses estão-se nas tintas para os Direitos das Crianças, a ONU não lhe fica muito atrás na hipocrisia, porque seria muito mais racional recomendar ou até mesmo exigir a abolição da selvajaria tauromáquica, que é manifestamente aviltadora para qualquer ser humano, tenha a idade que tiver.

A violência e a crueldade gratuitas contra seres vivos devem ser veementemente condenadas e abolidas, porque nem uma coisa nem outra dignifica o ser humano.

Além disso, se as touradas violam fortemente os Direitos das Crianças, muito mais violarão os Direitos dos Animais, consignados na Declaração Universal dos Direitos dos Animais, proclamada pela UNESCO, em 27 de Janeiro de 1978, e que Portugal ratificou, apenas para constar, porque nada cumpre do que ali se diz.

Mas pior do que isso, Portugal não reconhece os Touros e Cavalos como animais. Algo totalmente incompreensível e irracional.

Por que motivo a ONU não corta o mal pela raiz?

Por que motivo anda-se aqui a fazer-que-se-faz para tudo continuar igual a como sempre foi, sabendo-se como sabemos, que interesses económicos obscuros estão acima de qualquer protecção aos Direitos das Crianças?

Isto não será um paradoxo?

Isto não será da irracionalidade?

Evidentemente que é.

Mas quem terá a capacidade, a coragem e a lucidez de rasgar o véu da ignomínia e acabar de vez com esta selvajaria, que não tem mais cabimento nos tempos que correm?

Ou as mentalidades dos que podem e mandam criaram raízes de tal modo profundas no tempo das trevas, onde uma obscura ignorância reinava, e nenhuma “sachola” dos tempos modernos tem o “fio” bastante afiado para poder cortá-las definitivamente?

A luz dará lugar às trevas, tal como o dia se segue à noite, inevitavelmente, desde o início dos tempos.

É apenas uma questão de tempo.

Mas temos de resistir, insistir e jamais desistir.

Pelos Touros e Cavalos, VENCEREMOS!

 

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/Basta.pt/photos/a.472890756075069.108951.143034799060668/915632268467580/?type=1&theater

Fonte: Arco de Almedina