Pelos touros e pelos Cavalos. Pelos direitos-humanos, votar na Marisa Matias

Antes de mais, leiam este artigo, aqui do meu blog:
https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2016/01/17/mensagem-aos-amigos-e-amigas-defensores-e-defensoras-dos-animais/

***

No Domingo, votar na Marisa é votar numa pessoa de coração enorme. É votar numa pessoa que defende os direitos dos animais não-humanos e os direitos humanos. Conheço a Marisa. Conheço o ser-humano fantástico que ela é.

No Domingo, votar na Marisa, é votar contra as touradas, contra os subsídios que a sustentam em Portugal.

Pelos Touros e pelos Cavalos.
Pelos Direitos-humanos, no próximo Domingo, votar na Marisa Matias!

Anúncios

No próximo Domingo, dia 24, pelos direitos dos animais não-humanos e pelos direitos-humanos, votar na Marisa Matias

A Marisa Matias, é um ser-humano fabuloso.

No Parlamento Europeu, ela luta tenazmente, contra os subsídios da União Europeia para as ganadarias. Ela é, no Parlamento Europeu, uma das pessoas que mais tem lutado para acabar com os subsídios da União Europeia para a tauromaquia.

No Parlamento Europeu, ela também luta tenazmente pelos direitos-humanos.

A Marisa Matias, é uma defensora dos direitos dos animais não-humanos, e uma defensora dos direitos-humanos.

Por tanto, no próximo Domingo, todos nós, defensores dos animais não-humanos e defensores dos direitos-humanos, vamos votar na Marisa Matias!

Mário Amorim

Mensagem aos amigos e amigas, defensores e defensoras, dos animais

Queridas amigas e amigos,

A campanha passou a voar, mas não queria deixar de escrever estas linhas com algumas das propostas em defesa dos animais que o Bloco de Esquerda quer levar para o Parlamento Europeu.

Em termos concretos, o artigo 13 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia estabelece que os animais são seres sensíveis, e portanto acho inexplicável que não exista legislação adequada que proteja os milhões de animais na União Europeia. E efetivamente, este tema é uma preocupação cada vez maior na sociedade europeia atual.
Por isso acho que se deve apostar na consagração de um estatuto jurídico do animal a nível comunitário e na adoção de medidas para a sua proteção efetiva em todos os Estados-Membros.
Em relação às corridas de touros, o facto da União Europeia continuar a alimentar a indústria da tauromaquia anualmente com milhões de euros nomeadamente na forma de subsídios da PAC para as ganadarias, vai contribuindo para a manutenção e aumento artificial deste negócio. Por isso defendemos o fim dos subsídios da União Europeia que alimentem a indústria tauromáquica e para outros espetáculos com animais.

Todos os anos, cada vez mais países proíbem o uso de animais selvagens nos circos. Podemos referir por exemplo a Bulgária, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Hungria, Suécia, Croácia, Noruega e Eslovénia. Outros países proibiram o uso de animais capturados na natureza, ou os que estejam protegidos no catalogo CITES. Em Portugal legislou-se contra a reprodução dos animais selvagens que vivem nos circos. Mas acho que é tempo da União Europeia tomar uma posição conjunta e corajosa sobre esta matéria, acabando com a utilização de animais selvagens nos circos.

Cerca de 12 milhões de animais são utilizados em investigação científica na União Europeia. Pessoalmente também defendo a substituição do uso de animais na investigação científica, e por isso participei na Iniciativa de Cidadãos Europeus. É preciso rever a Diretiva 2010/63/UE, para limitar o uso de animais em investigação e permitir a sua gradual substituição com alternativas viáveis.

Outro aspecto é a produção intensiva de animais para abate. Os cidadãos europeus estão cada vez mais conscientes do que sofrem os animais criados em explorações pecuárias onde ocorrem práticas como a amputação do bico dos frangos; a castração e a amputação da cauda e dos dentes dos leitões a sangue frio; o corte dos cornos dos bezerros, etc. Estes animais, e outros, como vacas e gansos, sofrem de maneira terrível. Por isso proponho a proibição destas práticas, que geralmente se realizam em total incumprimento da obrigatoriedade de serem realizadas com anestesia e proponho que se modifique a Diretiva 98/58/CE para que seja proibida toda e qualquer forma de mutilação na União Europeia, por ser incompatível com o bem-estar animal.

Atualmente os animais de quinta são criados e exportados para diversos países dentro e fora da União Europeia sem qualquer regulação sobre os tempos de transporte. Por exemplo, a Catalunha importa leitões da Holanda para serem engordados nas quintas catalãs, para que posteriormente a respectiva carne seja exportada para outros países como Itália, Alemanha e França. Muitos destes animais sofrem lesões, e calor ou frio intenso durante o transporte, estão privados da capacidade de movimento, de comida e água durante todo o período de transporte, e muitos deles chegam mortos ao seu destino. Estes métodos de importação e exportação de animais vivos somam dezenas de horas de transporte de horror às suas vidas de confinamento em quintas de produção intensiva. Por isso achamos que se devem impor limites ao transporte de animais vivos entre países da União Europeia.

Queridos amigos e amigas, creio que se identificarão com estas ideias, e alegro-me com isso. A sociedade evolui nesta direção, em sermos cada vez mais conscientes do bem estar dos animais e dos seus direitos, e a União Europeia tem a obrigação adicional de estar na linha da frente desta evolução.

Da minha parte tudo farei para que assim seja, e creiam, têm em Bruxelas uma de vós na luta por esta causa.

E no dia 25 conto com o vosso apoio para travar esta nossa luta!

Com os melhores cumprimentos, da

Marisa Matias

Candidata ao Parlamento Europeu
Pelo Bloco de Esquerda, Portugal

***

Marisa, quem te conhece, quem sabe como pensas, sabe a pessoa fantástica que és, e estas palavras demonstram-no bem.

Para a frente Marisa, na tua campanha para as presidenciais!

Mário Amorim