AVANÇO Marca de moda do estilista Karl Lagerfeld abandona o uso de peles após pressão de activistas

A marca se junta a uma lista crescente das principais grifes de moda – incluindo Burberry, Chanel, Prada e Gucci – que abandonaram o uso de peles

Karl Lagerfeld, estilista falecido no início do ano | Foto: Sieppi
Karl Lagerfeld, estilista falecido no início do ano

A marca do consagrado estilista de moda, Karl Lagerfeld, abandonou o uso de peles – após anos de pressão de defensores dos direitos animais.

O fundador e designer inicial da marca, Karl Lagerfeld – que morreu no início deste ano – era um forte defensor do uso de peles de animais em seus designs.

Mas agora, de acordo com a ONG PETA, o AM Retail Group (que opera a Wilsons Leather, Karl Lagerfeld Paris e outras marcas) e sua empresa controladora, a G-III Apparel Group, também proibiram peles.

“Decisão compassiva”

“A PETA aplaude essas empresas que abandonam o uso de peles por suas decisões compassivas e esclarecedoras de negócios, que mostram que enquanto a pele está fora de moda, a bondade está totalmente na moda”, disse a diretora da PETA, Elisa Allen, em um comunicado enviado ao Plant Based News.

“Os consumidores éticos simplesmente não querem que os animais sejam abusados e mortos por casacos, golas e punhos, e essas proibições de peles são a prova de que a indústria da moda está mudando para atender à crescente demanda por alternativas de luxo que respeitem os animais”.

Karl Lagerfeld, AM Retail Group e G-III Apparel Group se juntam a uma lista crescente de outras marcas famosas – incluindo Burberry, Chanel, Prada, Gucci, Michael Kors e Versace – que são empresas que abandonaram o uso de peles. As informações são do Plant Based News.

Fonte: ANDA