CONTEÚDO ANDA Até 500 elefantes africanos serão realocados em tentativa de salvá-los da extinção

MARG

No próximo mês, especialistas em vida selvagem do Malawi irão transferir até 500 elefantes para um santuário que poderá servir como uma reserva para restaurar algumas populações desses animais em outras partes da África, onde as espécies em vias de extinção têm sido extremamente ameaçadas pela caça.

A realocação maciça está prevista para ser concluída em 2017 e os animais serão levados para a reserva de vida selvagem Nkhotakota, informa o The Guardian.

A operação feita pelo “Parques Africanos”, um grupo sem fins lucrativos com sede em Joanesburgo, ocorre em meio a uma pressão crescente sobre a situação da vida selvagem em grande parte da África e, especialmente, sobre muitos elefantes mortos para atender à crescente demanda por marfim, principalmente em partes da Ásia.

“Há um paradoxo na África, onde os elefantes estão em um contínuo declínio em determinados lugares, mas exige-se o controle da população em áreas mais protegidas, nas quais a população de animais cresce”, disse Andrew Parker, diretor de operações da organização.

Segundo Parker, os “elefantes excedentes” que removem grandes extensões de vegetação e entram em conflito com as comunidades em dois parques de vida selvagem, Majete e Liwonde, serão transferidos para Nkhotakota, um parque de 1800 quilômetros quadrados, com mais espaço e segurança.

A organização Parques Africanos gerencia todas as três reservas. Nkhotakota possui atualmente menos de 100 elefantes; Malawi tem até 1.500 elefantes no total.

A África possui cerca de 470 mil elefantes, sendo que no início do século 20, esse número estava entre três milhões e cinco milhões, de acordo com o grupo de conservação WWF.

Entre julho e agosto deste ano, os elefantes no Malawi serão realocados em pequenos grupos e isso ocorrerá novamente em um período semelhante no próximo ano.

Fonte: ANDA

Anúncios

Malawi Filhote de macaco desidratado e desnutrido é resgatado das mãos de traficante

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Desnutrido, desidratado e mal conseguindo respirar, Sprog estava sendo vendido na beira de uma rodovia, quando foi encontrado.

Em setembro, um cidadão preocupado viu alguém tentando comercializar o pequeno macaco-vervet como animal doméstico, apesar de ser ilegal comprar, vender ou tutelar qualquer animal selvagem no país africano de Malawi. O bom samaritano interveio e levou Sprog até pessoas que poderiam ajudá-lo

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

“Sprog estava severamente desidratado – no pior estado em que já vimos um animal nos últimos tempos”, disse Kat Stansfield, da ONG Lilongwe Wildlife Trust, ao The Dodo.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

 

Felizmente, o pequeno foi parar em boas mãos. Um veterinário correu para dar a Sprog alguns fluidos e tentar convencê-lo a tomar leite e comer banana. Para os seus problemas respiratórios devido à desnutrição, foi dada a Sprog uma rodada de antibióticos.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

“Foram dias tensos, e estando tão desidratado como estava, não sabíamos dizer se ele iria sobreviver”, disse Stansfield. “Após receber cuidados de nosso time e dos voluntários, ele reanimou-se rapidamente, e nós começamos a ver vindo à tona o animal brincalhão e vivo que havia nele!”.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Uma vez que Sprog recuperou as suas forças, ele encontrou alguns companheiros de sua espécie: Target, uma “experiente mãe adotiva”, e Bumi, um órfão que chegou ao centro de reabilitação no início deste ano e está sendo cuidado por Target.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Os resgatadores esperam que a socialização com Bumi e com outros como ele amenizem as experiências traumatizantes pelas quais passou. “Processos como esses são fundamentais para o seu desenvolvimento e seu futuro”, explicou Stanfield.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Assim que estiverem prontos, Sprog e Bumi irão se reunir a um grupo de macacos-vervet do centro de vida selvagem que serão devolvidos juntos à natureza no Parque Nacional de Kasungu.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

O Lilongwe Wildlife Center, da ONG Lilongwe Wildlife Trust, é o único santuário de vida selvagem de Malawi. Atualmente, há cerca de 200 animais vivendo no local, que serão reabilitados e libertados no seu habitat assim que possível.

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Foto: Kat Stansfield/Lilongwe Wildlife Trust

Fonte: ANDA