LUTAS SEM GLÓRIA !

Texto sensacional, que vale a pena ser lido e partilhado!


Resultado de imagem para touros no campo

Morrer numa arena, não é uma glória, mas sim o triste fado de animais pacíficos subitamente desenraizados e expostos ao medo e à dor!

  Morrer na arena ou ser depois transportado para a morte, é a consequência da maldade humana. É a acumulação de frustrações e dos mais recônditos impulsos sádicos.
  É o saborear guloso do sofrimento alheio, sem ter que enfrentar consequências e protegido pelo arcaico nome de “tradição”.
  Assistir a um espectáculo, onde seres vivos são expostos, usados e torturados, é a degradação máxima de uma espécie que deveria fazer uso da sua inteligência “superior” para corrigir impulsos e sentimentos primitivos, mas dos quais apenas restam argumentos sem fundamento nem desculpa.
  Para um touro, morrer na arena é o seu destino, mas porque não será esse também o destino do toureiro?
  Se os espectadores marcam presença para ver uma luta, porque será que foi estabelecido, vencer sempre o mesmo?
  Porque será que a morte de um assassino profissional remunerado faz tanta mossa e a do animal, é sempre o corolário espectável da contenda?
   Ora como as minhas opções gastronómicas, há anos me fizeram avessa a carnes de qualquer espécie, sinto-me confortável para questionar a quem de direito, se a adrenalina e o sofrimento de um animal, o tornará mais saboroso ao paladar, mas também gostaria de saber que espécie de gente que viu a vítima ensanguentada a lutar pela vida, consegue depois saborear os seus restos mortais com prazer?
   Raio de sociedade doentia a nossa, incapaz dos sentimentos mais básicos, como o de penetrar no lugar da vítima, mesmo por instantes…
   Será que bater com a mão no peito ao domingo, ou marcar passo na procissão, depois da tourada, consegue regenerar o padre que arrecadou com a “fiesta” e os seus devotos fiéis, ou apenas expressa a triste postura de seres humanos acéfalos?
  E por aqui termino, com estas questões sem resposta, tal como tantas outras que não faço, porque sou um ser pacífico, embora inconformado.
Anúncios