PAUTA EMERGENCIAL Joe Biden convida 40 líderes mundiais para cúpula virtual sobre crise climática

Xi Jinping e Vladimir Putin estão entre os convidados como mensageiros dos EUA voltam à vanguarda da luta climática

Imagem de Joe Biden

Joe Biden convidou 40 líderes mundiais para uma cúpula virtual sobre a crise climática, disse a Casa Branca em um comunicado na última semana.

Chefes de estado, incluindo Xi Jinping da China e Vladimir Putin da Rússia, foram convidados a participar da reunião de dois dias que marcaria o retorno de Washington às linhas de frente da luta contra as mudanças climáticas causadas pelo homem, depois que Donald Trump se desligou do processo.

“Eles sabem que estão convidados”, disse Biden sobre Xi e Putin. “Mas não falei com nenhum deles ainda.” O início da cúpula será no dia 22 de abril e coincide com o Dia da Terra. Acontecerá antes de uma importante reunião da ONU sobre a crise, marcada para novembro em Glasgow, na Escócia.
O evento de Biden está sendo realizado inteiramente online devido à pandemia do coronavírus.

O presidente manteve sua promessa de campanha de voltar ao acordo climático de Paris em seu primeiro dia na Casa Branca, depois que Trump desistiu do acordo. O retorno da maior economia mundial e segundo maior emissor de dióxido de carbono entrou em vigor em 19 de fevereiro e significa que quase todos os países agora são signatários do acordo assinado em 2015.

No momento da cúpula, os Estados Unidos terão anunciado “uma ambiciosa meta de emissões para 2030”, de acordo com um comunicado da Casa Branca, e isso incentivará outros a impulsionar seus próprios objetivos no acordo de Paris. “A cúpula também destacará exemplos de como a ambição climática aprimorada criará empregos bem remunerados, promoverá tecnologias inovadoras e ajudará os países vulneráveis a se adaptarem aos impactos climáticos”, disse a Casa Branca em um comunicado.

Os Estados Unidos convidaram os líderes do Fórum das Grandes Economias sobre Energia e Clima, que inclui os 17 países responsáveis por cerca de 80% das emissões globais e do PIB, bem como chefes de países que são especialmente vulneráveis aos impactos climáticos ou apresentam clima forte Liderança.

O presidente dos Estados Unidos colocou o aquecimento global no centro de sua agenda e já fez ondas no mercado interno ao prometer que as emissões do sector de energia seriam neutras até 2035, seguido pela economia como um todo até 2050.

Ele também controlou as novas perfurações de petróleo e gás em terras federais e espera-se que em breve busque um pacote de infraestrutura de 2 trilhões de dólares do Congresso que serviria como motor do crescimento econômico futuro. Biden enviou seu representante, o ex-secretário de Estado John Kerry, para preparar o terreno para a cúpula em reuniões com líderes europeus no início deste mês e falar sobre o clima.

A reunião ocorre em um momento em que o mundo está atrasado em seus esforços para limitar o aquecimento do final do século a 1,5° C (2,7° F). No qual cientistas dizem ser necessário para evitar o desencadeamento de pontos de inflexão climática que deixariam grande parte do planeta inóspito.
Em uma avaliação das promessas feitas nos últimos meses por cerca de 75 países e pela União Europeia, a ONU Mudança Climática disse que apenas cerca de 30% das emissões globais foram cobertas pelos compromissos.

Fonte: ANDA


setor? -Mas que português é este? É sector e não setor. E agora pergunto: quando é que a ANDA vai começar a escrever em português correcto?
Não sei como vocês postam os artigos com erros!

Mário Amorim

MEIO AMBIENTE Biden deve declarar emergência nacional por conta das mudanças climáticas

Ao contrário de Biden, seu antecessor, Donald Trump, não acreditava nas mudanças climáticas, que são um facto real e incontestável

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve declarar emergência nacional por conta das mudanças climáticas. A possibilidade foi anunciada pelo líder democrata do Senado, Chuck Shumer.

Shumer fez a declaração enquanto Biden se preparava para editar uma série de decretos a respeito da preservação do meio ambiente, que enfrenta cada vez mais ameaças por conta da ação humana.

No plenário, o parlamentar afirmou que declarar emergência climática “seria um passo gigante na direção certa e permitiria ao presidente Biden obter recursos adicionais e buscar políticas adicionais na luta contra a mudança climática”.

Ao contrário de Biden, seu antecessor, Donald Trump, não acreditava nas mudanças climáticas, que são um fato real e incontestável. Assim como o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Trump adota um discurso negacionista que piora a situação do clima e, por consequência, do meio ambiente e da vida na Terra, humana e não humana.

Trump chegou a fazer publicações em rede social defendendo que não estamos vivendo uma mudança climática, mesmo que as temperaturas continuem a subir de maneira alarmante e que as estações do ano estejam desequilibradas. Em uma das postagens, o ex-presidente dos Estados Unidos publicou a falácia de que as mudanças climáticas eram uma farsa inventada pela China para prejudicar a indústria norte-americana.

Fonte: ANDA