CONTEÚDO ANDA Japão autoriza caça de duas novas espécies de golfinhos em massacre anual

O documentário de 2009 “The Cove”, de Louie Psihoyos, mostrou a brutalidade da caça de golfinhos em Taiji,  no Japão, ao divulgar imagens vívidas e detalhadas dos assassinatos de golfinhos em uma entrada isolada de uma pequena cidade na prefeitura de Wakayama

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/ok.jpg

Agora, em mais uma notícia chocante, as autoridades japonesas autorizaram os caçadores de golfinhos a matar duas espécies adicionais na próxima temporada, que começa em setembro.

Recentemente, ocorreu uma consulta pública sobre a ideia de permitir a morte de duas espécies pouco conhecidas dos mamíferos, na lista de pequenas baleias para as quais o Japão possui cotas de caça anuais nas suas águas.

Esta longa lista inclui 10 espécies, incluindo golfinhos roazes e baleias-piloto. O pedido para incluir mais espécies, sem dúvida, é dos pescadores que perseguem os animais para consumo ou para a venda para uma vida em cativeiro em zoológicos e aquários.

O problema não está restrito a Taiji, pois há uma série de outras caçadas de baleias e golfinhos realizadas em águas japonesas. Os golfinhos e as pequenas baleias são mortos de formas terríveis nessas caças, inclusive por arpões, e perseguidos por embarcações que encurralam os animais.

Em Taiji, alguns golfinhos também são vendidos para um triste destino em cativeiro. O alto preço atribuído aos animais sustenta essa caça cruel (US$ 10 mil ou mais por golfinho, mas mais de US$ 150 mil quando eles são domesticados e adestrados em instalações como o Museu da Baleia de Taiji), de acordo com a Humane Society.

Além do tremendo estresse causado aos animais encurralados, eles são confinados e mortos na frente dos outros. Cada golfinho é contido e uma haste de metal perfura sua cabeça para cortar a medula espinhal.

Com a inclusão de duas espécies na lista de mortes, o museu sinalizou sua ansiedade em adquirir novas espécies para explorá-las.

O golfinho de dentes ásperos, geralmente encontrado em águas mais aquecidas, foi anteriormente caçado no Japão até 1981. A baleia com cabeça de melão (uma espécie de golfinho que pode crescer ter 2,75 metros de comprimento) também vive em águas mais quentes e profundas. Ambos são altamente sociais e é comum encontrá-los com outras espécies.

De acordo com estatísticas oficiais divulgadas pelo governo japonês, os caçadores de Taiji mataram mais de 11 mil golfinhos e baleias entre 2005 e 2014 e capturaram cerca de mil animais para a indústria de aquários durante o mesmo período. A caça de Taiji geralmente ocorre anualmente de setembro a março.

O governo dos EUA já proibiu as importações de golfinhos vivos capturados durante a matança e a prática é condenada mundialmente. O Museu da Baleia de Taiji está entre os vários aquários do Japão que mostram interesse em continuar comprando os golfinhos vivos.

Infelizmente, o massacre perdura, impulsionado pelos lucros obtidos pela indústria que promove o cativeiro dos animais. Agora, a indústria da pesca japonesa está preparada para estender sua crueldade a duas novas espécies.

Tóquio sediará os Jogos Olímpicos de Verão em 2020 e isso pode ser um bom começo para a eliminação das caçadas. Elas representam uma crueldade desprezível que envergonha todo o mundo.

Fonte: ANDA

Anúncios