BASTA DESTE MASSACRE NO JAPÃO!!! – ENOUGH OF THIS MASSACRE IN JAPAN!!!

Anúncios

Stop Japan Restarting Whaling

Stop Japan Restarting Whaling

The Government of Japan has announced a new plan to resume whaling in the Southern Ocean. Under this plan they would kill almost 4,000 minke whales over 12 years.

But in March 2014, the highest court in the world, the International Court of Justice (ICJ), ruled that Japan’s Southern Ocean whaling is illegal.

The Court confirmed what many of us have said for many years – that Japan’s ‘scientific’ whaling breaches international treaties and laws, and that it is little more than commercial whaling wrapped up in the lab coat of science.

But the government of Japan is thumbing its nose at International Court of Justice. They intend to undertake a new Southern Ocean ‘scientific’ whaling program starting at the end of 2015, in spite of the ICJ’s ruling.

We need to make sure the Government of Japan hears loud and clear that their plans are outrageous and that we do not want Japan to return to killing Southern Ocean whales.

Sign our Petition

http://www.marineconservation.org.au/petitions.php/16/take-action-to-end-japanese-whaling-for-good

Japão pretende prosseguir com polêmico programa de caça de baleias

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2015/06/jap%C3%A3o.jpg

magem feita em 2014 pelo braço australiano da ONG Sea Shepherd mostra três exemplares de baleia-de-minke capturados pelo navio japonês Nisshin Maru (Foto: Tim Watters/Sea Shepherd/AFP)

O Japão tem a intenção de prosseguir com o polêmico programa de caça de baleias, apesar da Comissão Baleeira Internacional (CBI) não ter conseguido determinar se este era “científico” ou não, afirmou o principal negociador japonês, citado pela imprensa.

“Não há nenhuma mudança em nosso programa, que pretende capturar 3.996 pequenas baleias de Minke na Antártica nos próximos 12 anos”, declarou Joji Morishita, o principal negociador japonês na CBI.

“O comitê científico não conseguiu chegar a um consenso sobre o conjunto do programa (de caça da baleia japonês)”, afirma a CBI em um relatório. ”Alguns cientistas consideram que as informações adicionais apresentadas pelo Japão eram suficientes para autorizar o programa, outros não”, completa.

O relatório apresenta as conclusões da reunião anual dos 200 especialistas que integram o comitê científico da CBI, que se encontraram durante duas semanas em San Diego, Estados Unidos, entre 22 de maio e 3 de junho.

O Japão teve que desistir da caça às baleias na Antártica na temporada 2014-2015 por culpa de uma ordem da Corte Internacional de Justiça (CIJ), que considerou que os japoneses praticavam a atividade com fins comerciais.

No fim de 2014, o país asiático apresentou à CBI um novo programa de caça de cetáceos com objetivos científicos.

Segundo o novo plano, o Japão pretende reduzir a meta anual de pesca a 333 pequenas baleias, contra as quase 900 que eram caçadas no programa anterior.

Tóquio alega que este nível de caça é “necessário” para obter informações sobre a idade da população baleeira e fixar um limite para a pesca, que não coloque em risco a sobrevivência da espécie.

Mas o argumento não convence as organizações de defesa dos animais.

O Japão caçou 251 baleias na Antártica na temporada 2013-2014 e 103 no ano anterior.

Fonte: ANDA

***

Add Your Voice: Support Satoshi Komiyama’s Fight Against Dolphin Slaughter

Empowered By

The goal of Ric O’Barry’s Dolphin Project is to put an end to dolphin exploitation and slaughter once and for all. Dolphins are regularly captured, harassed, slaughtered and sold into captivity around the world – all in the name of profit. The Dolphin Project works not only to halt these slaughters in countries around the world, but also to rehabilitate captive dolphins, investigate and advocate for economic alternatives to dolphin slaughter exploitation, and to put a permanent end to dolphin captivity.

Assinar aqui:

https://takeaction.takepart.com/actions/add-your-voice-support-satoshi-komiyamas-fight-against-dolphin-slaughter?cmpid=action-share