Comércio cruel Investigação revela massacre de onças-pintadas causado por traficantes de animais no Suriname

Onças são caçadas, mortas e tem sua pele ebulida até virar uma pasta, usada na medicina asiática

Uma investigação da World Animal Protection denunciou um comércio de partes do corpo de onças-pintadas para uso na medicina tradicional asiática, no país sul-americano Suriname.

Esta prática cruel e chocante envolve onças serem perseguidas e baleadas inúmeras vezes, sofrendo vários ferimentos até serem mortas, geralmente com uma bala final na cabeça. Em um dos casos, foi relatado que uma onça foi baleada sete vezes até morrer.

Depois da caça, os animais mortos são submetidos a um processo deplorável. Seus corpos são ebulidos até que eles se transformem em uma cola ou pasta semelhante à um melaço, vendida no mercado negro em banheiras. Esse processo dura até uma semana.

Esse produto final seria usado para tratar a dor da artrite, o desempenho sexual e melhorar a saúde. Os grandes felinos estão sendo caçados para serem exportados para a China. Além disso, há evidências de que os filhotes de onça-pintada são retirados da natureza e vendidos.


Onças-pintadas são atiradas inúmeras vezes, mortas e tem o seu corpo ebulido em comércio ilegal

Muitas vezes empresários ricos mantem esses animais filhotes como símbolos de status, mas sem saber como cuidar deles. Eles supostamente vivem suas vidas em gaiolas até que eles são mortos para comer, já que sua carne também é consumida entre a população chinesa do Suriname.

A venda da pasta de jaguar é um negócio lucrativo, já que quase metade da população do Suriname vive na pobreza e uma onça vale, para alguns mineiros, em torno de 20 gramas de ouro.

“Esta investigação revelou um comércio clandestino explorando um animal icônico das florestas tropicais da América do Sul de maneira bárbara para a medicina tradicional asiática não comprovada”, declarou Nicholas Bruschi, Consultor de Investigações da World Animal Protection.

Com mais mineração e exploração madeireira, resultando em perda de habitat e aumento dos conflitos da vida selvagem humana, as onças estão se tornando mais visíveis e estão sendo direcionadas para o gado. A perda de habitat também torna mais fácil para caçadores oportunistas e gangues organizadas da máfia encontrar jaguares na natureza.

“Os jaguares já enfrentam os desafios da destruição do habitat e conflitos com animais humanos. Eles agora são cruelmente e desnecessariamente mortos, deixados para morrer em agonia. São notícias extremamente tristes para esses incríveis grandes felinos cujos números já estão diminuindo”, afirmou Bruschi.

“E, enquanto os filhotes de onça-pintada podem parecer muito fofos, eles ainda são animais selvagens e pertencem à natureza, não ao comércio ilegal de animais de estimação”.

Estima-se que existam aproximadamente 173 mil onças-pintadas na natureza classificadas como “quase ameaçadas”, segundo a lista da IUCN (União

Internacional para a Conservação da Natureza).

A caça de onças-pintadas para a medicina tradicional asiática tem sido, até o momento, relativamente desconhecida. Para resolver o problema, a World Animal Protection estará cooperando com os guardas do Suriname e as ONGs especializadas, junto do compartilhamento de informações, para evitar a caça furtiva.

Fonte: ANDA