INDONÉSIA A pequena Mary vivia numa gaiola de madeira antes de ser resgatada

A perda de habitat é uma grande ameaça para o futuro dos orangotangos. Os bebes tornam-se órfãos e são vendidos como animais domésticos


Mary é uma órfã que terá que aprender a sobreviver com a ajuda de humanos.

Embora os orangotangos constem de uma lista oficial do governo da Indonésia como animais altamente protegidos, eles continuam sendo mortos quando seu habitat é destruído para dar lugar a plantações de dendezeiros, mineração, concessões madeireiras e expansão populacional. Muitos bebês tornam-se órfãos e são vendidos como animais domésticos.

O Projeto Orangotango da “Orangutan Org” financia equipes de resgate de orangotangos para realocá-los em habitat florestal protegido e se deparou recentemente com a pequena Mary, uma órfã que estava sendo mantida numa gaiola de madeira. Os moradores da aldeia que prenderam Mary alegaram que ela estava vagando sozinha e que tentaram salvá-la.


Mary era mantida numa gaiola de madeira.

“Achamos isso difícil de acreditar, porque uma mãe orangotango nunca desistiria de seu próprio bebé. É muito mais provável que ela morresse tentando protegê-la. Depois de avaliar rapidamente a situação, a equipe removeu Mary delicadamente de sua gaiola e fez uma verificação de saúde de emergência para garantir que ela estivesse bem o suficiente para viajar até nosso centro de resgates. Ao abrir o recinto Mary abraçou espontaneamente um de nossos cuidadores de orangotangos”, relatou a ONG em seu site. Veja vídeo:

Mary recebeu cuidados por 24 horas por vários dias e foi tratada da desnutrição que, segundo a ONG, geralmente é o resultado de um orangotango em cativeiro sendo alimentado com alimentos “humanos” como arroz. Agora ela está recuperada mas precisa aprender as habilidades necessárias para sobreviver. “Um orangotango selvagem passa mais de oito anos com sua mãe para aprender todas as ferramentas e conhecimentos vitais que precisam para prosperar na natureza”, explica a entidade.


Mary e cuidador de ONG da Indonésia.

A ONG possui uma espécie de “escolinha” para os orangotangos jovens onde Mary já está “matriculada”. O curso básico de sobrevivência na selva dura cinco anos e a ONG necessita de doações para manter todo esse processo de reabilitação dos primatas resgatados. Actualmente cuida de 100 orangotangos órfãos e deslocados em centros de assistência na Indonésia. Para ajudar acesse AQUI


Mary frequenta actualmente “escolinha” de sobrevivência na selva.

Fonte: ANDA

FLORESTAS EM CHAMAS Bebé orangotango chora e se agarra à mãe durante resgate

Socorristas da International Animal Rescue (IAR) conseguiram salvar a dupla que perdeu seu habitat em Bornéu após incêndio

Outras partes do mundo além da Austrália sofrem com a seca e incêndios. No início de janeiro a ONG International Animal Rescue (IAR) foi avisada de que dois orangotangos, mãe e filho, tinham sido levados para a Vila de Tanjung Pura, na Indonésia, depois de terem seu habitat em Bornéu devastado por um incêndio.

O momento de resgate, que pode ser visto AQUI, filmado pela equipe da IAR, mostra a mãe sendo sedada enquanto o bebê chora e se agarra ao corpo dela apavorado com a presença das pessoas. Os dois estavam sendo mantidos numa gaiola por moradores locais.

As ameaças à sobrevivência das populações de orangotangos aumentaram bastante desde que o fogo atingiu a maioria das principais regiões que esses animais habitam. As florestas em chamas deixaram muitos orangotangos sem comida e abrigo, levando-os a se desviar para aldeias e aumentando o número de encontros e conflitos com seres humanos.

Argitoe Ranting, gerente de campo da IAR Indonésia, disse ao site Dailymail: “Os dois orangotangos estavam em boas condições e não precisavam de tratamento adicional e, portanto, concordamos em translocá-los directamente para as florestas de Sentap Kancang, que fica a apenas cinco quilómetros da onde se encontravam”.

A reportagem explica que é uma área de mais de 40 mil hectares e foi escolhida não apenas por seu tamanho, mas também porque possui uma oferta abundante de alimentos e a densidade da população de orangotangos é bastante baixa.

Sadtata Noor Adirahmanta, chefe do Centro de Conservação de Recursos Naturais em Kalimantan Ocidental, disse ao Dailymail: “Uma grande quantidade de trabalho de conservação foi realizada nos últimos anos, tanto pelo governo quanto por seus parceiros. No entanto, os desafios e os problemas estão aumentando e, em resposta, outras acções precisam ser tomadas. As raízes do problema decorrem de conflitos decorrentes do fato de não ter sido dada atenção suficiente à conservação de plantas e animais selvagens”.

Karmele L. Sanchez, diretor do IAR Indonésia, acrescentou: “O conflito surge porque os orangotangos estão perdendo seu habitat florestal. Eles vão a outro lugar em busca de comida porque não têm escolha. Estamos muito preocupados em ver como esses orangotangos estão tentando sobreviver quando seu habitat está sendo destruído. Só podemos esperar que os seres humanos percebam que, sem florestas, não serão apenas os orangotangos que não poderão sobreviver – porque a espécie humana sofrerá o mesmo destino”.

Alan Knight OBE, director executivo do IAR, comentou: “Depois dos terríveis eventos de 2015 na Indonésia, é impressionante ver incêndios destruindo novamente os habitats e florestas. Estamos aliviados com o resgate e translocação dessa mãe e bebê por nossa equipe na Indonésia. No entanto, é preciso tomar medidas agora para resolver o problema subjacente, para que a espécie de orangotango como um todo seja salva da extinção”.

Fonte: ANDA

INDONÉSIA Fetos de tigre ameaçado de extinção dentro de jarro são encontrados com caçadores

Uma equipe formada por policiais e funcionários do Ministério do Meio Ambiente e Florestas da Indonésia foi informada sobre suspeita de caça por moradores da região e prendeu os suspeitos no sábado (7)
Foto: Antara News
Cinco pessoas foram presas por caçar um tigre-de-sumatra (Panthera tigris sumatrae), espécie protegida na Indonésia, após as autoridades terem descoberto um tigre morto e mais quatro fetos em uma jarra na ilha de Sumatra.

Uma equipe formada por policiais e funcionários do Ministério do Meio Ambiente e Florestas do país foi informada sobre suspeita de caça por moradores da vila de Teluk Binjai, no distrito de Pelalawan, na ilha de Sumatra, disse o ministério à agência de notícias estatal Antara.

Os oficiais prenderam três suspeitos no sábado (7) e encontraram os quatro fetos mantidos em um frasco de plástico. Mais tarde, mais dois suspeitos foram presos por policiais.

Um pedaço de pele de tigre adulto também foi encontrado na vila de Pangkalan Lesung como parte da operação.

Foto: CNN/Reprodução
Os suspeitos enfrentam no máximo cinco anos de prisão e uma multa de 100 milhões de rupias (cerca de 7.100 dólares ou 30 mil reais).

Os tigres-de-sumatra estão criticamente ameaçados de extinção. Em 1978, mais de 1.000 viviam em Sumatra, mas graças ao rápido desmatamento e à caça, seus números caíram para cerca de 400, segundo dados de ONGs de defesa dos direitos animais, incluindo a estimativa da WWF. A ilha outrora exuberante e verde perdeu mais da metade de sua cobertura florestal desde 1985.

De acordo com o TRAFFIC, a agência de monitoramento do tráfico de animais selvagens da WWF e da IUCN, os caçadores matam pelo menos 40 tigres-de-Sumatra por ano, e a matança é facilitada à medida que seu habitat diminui.

Fonte: ANDA

BATALHA PERDIDA Vídeo flagra orangotango lutando contra escavadeira para proteger seu lar

Em uma tentativa desesperada e inocente de agir em defesa de sua casa, o animal enfrenta o inimigo que destrói tudo ao seu redor e refugia-se desesperado nos restos da árvore

Tentando proteger seu lar da destruição, orangotango ataca escavadeira | Foto: International Animal Rescue
Tentando proteger seu lar da destruição, orangotango ataca escavadeira

A triste imagem acima é resultado de um sofrimento e uma perda causada pela ambição humana. Movidas pela ganância irrefreável e agindo como se não houvesse amanhã, empresas de extração de óleo de palma desmatam indiscriminadamente florestas na Indonésia deixando um rastro de dor e destruição por onde passam.

Todos os anos, como resultado direto desse desmatamento, aproximadamente 6.000 orangotangos são mortos. O ingrediente (que é comum em produtos culinários) não é responsável apenas pela devastação dos habitats naturais de diversos animais, como também está poluindo o meio ambiente.

Ativistas não são os únicos atingidos por esse fato. Orangotangos e outros animais que estão sendo forçados a sair de seus lares também estão arcando com as consequências da ganância desenfreada dos seres humanos. Fato comprovado pela imagem capturada pela International Animal Rescue mostrando um orangotango tentando defender sua casa de madeireiros desmatadores.

Como o jornal The Independent afirma, as imagens foram capturadas em 2013 mas apenas recentemente divulgadas. O vídeo de curta duração mostra um orangotango perturbado caminhando sobre um tronco de árvore derrubado, em direção a uma escavadeira que está destruindo seu habitat na floresta Sungai Putri em Bornéu, na Indonésia. Depois de bater no gancho frontal da máquina, ele tenta escapar freneticamente.

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Finternationalanimalrescue%2Fvideos%2F10156426920389910%2F&show_text=0&width=560

A International Animal Rescue (ONG responsável pelas imagens) escreveu no Facebook: “Este orangotango desesperado está freneticamente buscando refúgio do poder destrutivo da escavadeira, uma máquina que já dizimou tudo ao seu redor”.

O orangotango mostrado no vídeo foi resgatado pelo grupo de proteção animal, porém seu lar infelizmente foi destruído. No mesmo post a ONG alertou sobre os efeitos que o desmatamento tem sobre os lares dos animais, e como esse ato covarde frequentemente os força a habitar áreas próximas de humanos e isso acaba levando ao conflito.

O sofrimento dos orangotangos é uma causa pela qual todos deveriam estar lutando. Os seres humanos são responsáveis pelo enorme sofrimento e destruição que tem ocorrido na Indonésia, assim como nas florestas tropicais em todo o mundo. De acordo com o World Wildlife Fund, as populações mundiais de orangotangos caíram pela metade nos últimos 60 anos. E nos últimos 20 anos, 55% dos habitats naturais desses animais foram destruídos.

Fonte: ANDA

História chocante Orangotango fêmea explorada em bordel é resgatada na Indonésia

Devido ao seu conteúdo, não sou capaz de ver este artigo.
Apercebi-me não ser positivo para mim, vê-lo.
E como tal, acho que me devo ficar, aqui no meu blog, pelo inicio e pelo link, nada mais!

Mário Amorim


Apesar do passado horripilante de Pony, a fêmea de orangotango resgatada vive feliz hoje em um santuário

Fonte: ANDA

Gentileza Elefanta cega aprecia música clássica em santuário na Indonésia

O pianista britânico Paul Barton vive com os animais no santuário e toca músicas para acalmá-los.

Um vídeo gravado no santuário Elephants World, na Tailândia, retratou uma bela relação construída entre um homem e um elefante. As imagens mostram o pianista britânico Paul Barton tocando música clássica para uma elefanta cega de 62 anos, conhecida como Lam Duan, para acalmá-la.

Enquanto Barton tocava um número clássico de Bach, o animal parecia apreciar, enquanto balançava a cabeça e o tronco no ritmo da música.

Um vídeo gravado no santuário Elephants World, na Tailândia, retratou uma elefanta apreciando um pianista tocar música clássica para acalmá-la.

Lam Duan, que significa “Árvore Com Flores Amarelas”, atualmente vive no santuário Elephants World, uma instalação responsável pelo resgate de animais e pelos cuidados especiais com elefantes doentes, idosos ou incapacitados. A fêmea passou aproximadamente os primeiros 20 anos de sua vida sendo explorada pelo comércio madeireiro, e depois mais 10 pela indústria de trilhas. Dos seus 30 aos 60 anos, Lam Duam foi cuidada por um casal de guardiões, e há seis anos foi transferida para o santuário.

Barton, de 57 anos, é originalmente do distrito inglês de East Yorkshire, mas atualmente vive no abrigo com sua esposa, Khwan. Ele regularmente toca piano para os 28 elefantes protegidos pelo local, como forma de acalmá-los.

O pianista afirmou que Lam Duan é extremamente inquieta, porém quando ouve música, acalma-se imediatamente.

Embora alguns dos animais possam ser agressivos, Barton diz que prefere que suas apresentações sejam completamente naturais, e que em geral consegue rapidamente detectar se o elefante gosta de sua escolha musical. Ele acrescentou que tenta, através da música, tornar a vida de animais que foram explorados e sofreram diversos tipos de maus-tratos durante toda a vida, um pouco mais prazerosa.

Barton publica vídeos desses encontros em seu canal no YouTube, como forma de aumentar a conscientização acerca dos benefícios do santuário.

“O piano está nas montanhas, então é completamente livre, e o elefante pode fazer o que quiser. Quando esses elefantes estão perto de você, há uma espécie de conexão que você não pode explicar em palavras”, finalizou o pianista.

Fonte: ANDA

Vingança cruel Cerca de 300 crocodilos são mortos em santuário na Indonésia

Membros da comunidade assassinaram todos os animais de um santuário local após um homem ser morto por um crocodilo

Pessoas armadas com facas, martelos e porretes massacraram 292 crocodilos após um homem da comunidade ser morto por um dos répteis em um santuário na Papua Ocidental, província da Indonésia, localizada na Nova Guiné.

Pessoas armadas com facas, martelos e porretes massacraram 292 crocodilos após um homem da comunidade ser morto por um dos répteis, na Indonésia.
As centenas de animais foram mortos como forma de vingança.

O chefe da Agência de Conservação de Recursos Naturais da Indonésia em Papua Ocidental, Basar Manullang, disse que a vítima, de 48 anos, estava colhendo grama para alimentar os animais quando foi atacado. “Um funcionário ouviu alguém gritando por ajuda, foi até lá e viu um crocodilo atacando alguém”, disse Manullang.

Depois que o homem foi enterrado no sábado (14) , os moradores locais entraram no santuário e mataram todos os crocodilos como forma de “vingança”.

Funcionários e policiais disseram que não foram capazes de parar o ataque e agora poderão apresentar acusações. O assassinato de espécies protegidas configura crime que acarreta em multa ou prisão na Indonésia.

O santuário recebeu uma licença em 2013 para criar crocodilos protegidos de água salgada e da Nova Guiné para preservação. Mas uma das condições era que os répteis não perturbassem a comunidade, acrescentou Manullang. Ele também disse que sua agência estava colaborando com a polícia em investigações sobre o incidente.

Fonte: ANDA