GANÂNCIA INFINITA Imagens denunciam coletes feitos de pele de gato em mercado chinês

Coletes feitos com pele de gatos foram vistos sendo vendidos em mercado de rua na China. Itens cruéis como patas de tigres também foram encontrados à venda

Coletes feito de pele gato foram registrados sendo vendidos abertamente em mercados de rua na China. Imagens chocantes revelaram a maldade desses mercados que, além de torturar e matar gatos para fabricarem e venderem roupas, comercializam também garras de tigres, chifres de antílopes ameaçados e filhotes presos em pequenas gaiolas.

Localizados na cidade de Hohhot, capital da Mongólia Interior, na China, esses mercados tradicionais vendem os produtos cruéis com um rótulo ao lado que diz: “Pele de gato de verdade, não as toque se você não quiser comprar”.

Fotos e vídeos dessa prática cruel sendo vendida no mercado aberto são chocantes.

Elisa Allen, diretora de Pessoas por Tratamentos Ético dos Animais (PETA) do Reino Unido, disse ao The Daily Mail: “Todos os anos, na China, incontáveis ​​gatos – alguns ainda usando coleiras – são sequestrados para serem enforcados, sangrados até a morte ou estrangulados, para que suas peles possam ser usadas para casacos e bugigangas, algumas das quais certamente são exportadas para outros países”.

A Mongólia Interior, que é uma região autônoma na China, vende também peles de raposa, marmota, veado, garras de tigre e até cabeças de urso, nos palcos de crueldade que são os mercados de rua. Cães também são mortos por suas peles e couro na China, o maior exportador mundial de peles.

Próximo às barracas do mercado, há pet shops com filhotes de cachorros presos em gaiolas minúsculas e superlotadas. Alguns são forçados a ficar em cima de grades de metal que são instáveis ​​para suas patas, que caem com fezes recolhidas em uma bandeja abaixo. O mal cheiro é devastador.

A PETA Ásia descobriu um mercado de couro de cachorro similarmente horrível na China, onde cachorros são espancados até a morte com paus e sua pele é transformada em luvas, que são propositalmente rotuladas incorretamente e enviadas para a Europa e os Estados Unidos para comercialização”, denunciou a diretora da PETA, que aconselha que o público que se sensibilizar com tamanha crueldade abandone a compra de produtos e itens de pele ou couro.

Fonte: ANDA

Anúncios