Foca ferida é encontrada com rede de pesca em seu pescoço

As imagens comoventes mostram uma foca ensanguentada com uma rede de pesca enrolada em seu pescoço, que cortou sua pele.

As imagens comoventes mostram uma foca ensanguentada com uma rede de pesca enrolada em seu pescoço, que cortou sua pele.


Imagens comoventes mostram uma foca ferida e triste com uma rede de plástico enrolada em seu pescoço.

A fêmea ferida foi encontrada na costa de Norfolk por um fotógrafo que estava a procura de animais para um calendário anual.

As fotos – tiradas em Blakeney Point, a maior colônia de focas na Inglaterra – mostram os terríveis efeitos da poluição plástica nos mares e o alto preço que as espécies marinhas pagam por ela.

A espécie, Atlantic Grey, é reconhecida por sua pelo branca como neve e olhos negros.

Paul Macro, um fotógrafo de Norwich, avistou o pobre animal em Winterton-on-Sea e imediatamente procurou um guarda.

Segundo o Daily Mail, Macro, de 44 anos, disse que a foca estava acompanhada por um macho maior e estava claramente machucada pelo estrangulamento causado pela rede azul.


O fotógrafo viu a foca indefesa enquanto tentava capturar imagens dos animais para um calendário anual.

“É doloroso”, disse ele. ‘Você podia ver sua tristeza.’

“Eu não queria me aproximar, então imediatamente encontrei um diretor da Friends of Horsey Seals.

‘Na frente dela, você pode ver um macho grande e é como se ele estivesse cuidando dela.’

O Sr. Macro disse que telefonou para os voluntários para pedir ajuda mas infelizmente eles disseram que não conseguiram resgatar a foca.

Alison Charles, a gerente do Centro de Vida Selvagem de East Winch, que normalmente trata esses casos, disse que os voluntários esperavam poder ajudar as focas Atlantic Grey em breve.

Ela disse: ‘Há sangue fresco lá e parece uma rede de nylon muito resistente. Eu tenho vontade de ajuda a todos eles”, disse Charles. “É frustrante, mas fazemos o melhor que podemos”.

Várias outras focas também foram encontradas com ferimentos semelhantes na mesma área no fim do ano.


A foca estava acompanhada por um macho maior, que parecia cuidar dela.

Antes do Natal, várias focas foram encontradas na mesma área com frisbees enrolados em seus pescoços, que os cortavam à medida que cresciam.

Uma das focas, apelidada de Mrs Pink Frisbee, foi levada ao centro da RSPCA em East Winch e deve ser devolvida ao mar no próximo mês.

O centro de vida selvagem tratou oito pacientes em seu hospital e disse que a situação piora a cada dia.

A poluição plástica nos oceanos

Poluição plástica é uma catástrofe que está devastando a superfície do planeta. Agora, ela já atinge o fundo dos oceanos.

Na parte mais profunda do oceano é encontrada na Fossa das Marianas, localizada no oeste do Oceano Pacífico, a leste das Ilhas Marianas. Estende-se a quase 11.000 metros abaixo da superfície.

Um saco plástico foi encontrado a 10.858 metros abaixo da superfície nesta região, a parte mais profunda conhecida de poluição humana no mundo. Este pedaço de plástico descartável foi encontrado mais profundo do que 33 torres Eiffel, colocadas ponta a ponta, alcançaria.

Enquanto a poluição plástica está afundando rapidamente, ela também está se espalhando para o meio dos oceanos. Um pedaço de plástico foi encontrado a mais de 620 milhas (mil milhas) da costa mais próxima – mais do que a extensão da França.

O Centro de Dados Oceanográficos Globais (Godac) da Agência do Japão para Ciência e Tecnologia da Terra Marinha (Jamstec) foi lançado para uso público em março de 2017.

Nesta base de dados, existem os registros de 5.010 mergulhos diferentes. De todos esses diferentes mergulhos, 3.425 itens de detritos feitos pelo homem foram contados.

Mais de 33% dos detritos eram de plástico, seguidos de metais (26%), borracha (1,8%), utensílios de pesca (1,7%), vidro (1,4%), tecido / papel / madeira (1,3%) e “outros” itens antropogênicos (35%).

Também foi descoberto que, de todos os resíduos encontrados, 89% eram descartáveis. Isso é definido como sacos plásticos, garrafas e pacotes. Quanto mais aprofundado o estudo, maior a quantidade de plástico que eles encontraram.

De todos os itens produzidos pelo homem encontrados abaixo de 20.000 pés (6.000 metros), os índices aumentaram para 52% para o plástico macro e 92% para o plástico descartável.

O dano directo que isto causou ao ecossistema e ao meio ambiente é evidente, já que os organismos do fundo do mar foram observados em 17% das imagens de detritos plásticos registradas pelo estudo.

Fonte: ANDA

Anúncios