Boas notícias vindas dos Estados Unidos: Tartarugas verdes deixam de ser espécie em perigo e passam a ameaçada nos EUA

Porto Canal com Lusa

Washington, 05 abr (Lusa) — As tartarugas verdes do estado norte-americano da Florida e da costa mexicana do Pacífico, há muito consideradas uma espécie “em perigo de extinção”, vão ser colocadas na categoria de “espécie ameaçada”, anunciaram hoje as autoridades federais norte-americanas.

“Medidas de proteção bem-sucedidas, bem como os esforços de gestão feitos na Florida e ao longo da costa mexicana do Pacífico são um modelo para a aplicação de estratégias de salvaguarda de outras populações de tartarugas verdes no mundo”, disse em comunicado Eileen Sobeck, subdiretora da Agência Oceânica e Atmosférica Norte-Americana (NOAA), encarregada das pescas.

Além disso, a NOAA e o Serviço de Pescas e da Vida Selvagem (US Fish and Wildlife Service — USFWS) vão dividir as tartarugas verdes ‘Chelonia Mydas’ em 11 populações distintas no mundo, o que permitirá melhor adaptar os esforços de conservação em função das respetivas necessidades de proteção.

Três dessas populações serão reclassificadas como estando “em perigo” e as restantes oito como “ameaçadas”, entre as quais as duas da Florida e do México.

As tartarugas verdes estavam classificadas em todo o planeta como espécie ameaçada, à exceção das populações reprodutoras – consideradas em perigo de desaparecer -, e isto, desde 1978, no âmbito da lei norte-americana sobre a proteção das espécies.

Todas essas medidas “vão ajudar-nos a proteger e a preservar mais eficazmente as tartarugas verdes e poderemos assim alcançar o nosso objetivo de salvaguarda da espécie”, sublinhou Eileen Sobeck.

Os resultados obtidos na Florida e no México coroam anos de esforços coordenados, entre os quais a proteção dos seus locais de nidificação nas praias, a redução das capturas acidentais em redes de pesca e a proibição de as perseguir e destruir os ovos. Mas tais ameaças subsistem em todo o mundo, alertam a NOAA e o USFWS.

A rápida subida do nível dos mares, resultante do aquecimento global, ameaça também um habitat essencial para as tartarugas verdes que nidificam nas praias.

A decisão das autoridades federais será enviada às diversas partes intervenientes do setor público durante 90 dias antes de entrar em vigor.

As tartarugas verdes vivem nas áreas costeiras de mais de 140 países, segundo a NOAA: No oeste do Atlântico e no Golfo do México, encontram-se do estado do Texas, no sul do país, até ao Massachusetts (nordeste), passando pelas Virgin Islands norte-americanas e por Porto Rico.

Fonte: PORTO canal

Anúncios

ಥ_ಥ Vergonha! Matança Governo da Flórida volta a aprovar caça a ursos negros após 20 anos

Foto: Counter Punch

A Comissão de Preservação de Vida Selvagem e Marinha da Flórida (FWC), declarou na última quinta-feira que aprovou a caça de mais de 320 ursos negros em Outubro, marcando a primeira vez em mais de duas décadas que esses animais serão caçados sob a determinação do estado. As informações são do Fox News.

Ambientalistas e grupos ativistas de direitos animais se opõem à caça planejada, que a FWC apoia ao afirmar que os ursos negros tornaram-se um incômodo em muitas áreas, atacando pessoas e animais domésticos, e procurando alimento em torno de residências.

A FWC disse que a caça será permitida por no mínimo dois dias, e que as autoridades avaliarão os resultados no terceiro dia, antes de decidirem se a caçada se encerrará ou se continuará até completar uma semana.

Estima-se que haja aproximadamente 3.100 ursos negros vivendo na Flórida, com parte deles em áreas onde antes não havia a sua presença no passado.

Cerca de 1.900 pessoas obtiveram licenças da FWC, aumentando preocupações entre ambientalistas de que a caça sairá de controle assim que começar.

Foto: Jackson Ville

A licença, que permite a cada cidadão matar apenas um urso, tem o custo de 100 dólares para residentes da Flórida, e 300 dólares para não residentes.

A caça será permitida em terras estaduais do leste de Panhandle, e em partes do centro e no norte do estado, e nos condados de Broward, Collier, Hendry, Lee, Miami-Dade, Monroe e Palm Beach.

Alega-se que a matança irá estabilizar a população de ursos da Flórida, que quase foi dizimada no século 20 e em seguida recuperou-se de aproximadamente 300 animais em 1974 para os estimados 3.100 atualmente, tendo sido uma história de preservação bem sucedida, segundo a FWC.

O aumento desta população e as crescentes reclamações desde 2013 devido a ataques contra pessoas levaram as autoridades a organizar a caça.

Grupos conservacionistas e organizações de direitos animais criticaram a determinação, mas não conseguiram fazer com que fosse mantida a proibição de 1994 sobre a caça de ursos no estado.

Foto: Northescambia

Fonte: ANDA