FINAL FELIZ Elefanta resgatada no Quénia é vista liderando manada

Yatta era apenas um bebê quando encontrada ao lado do corpo de sua mãe. Passados 20 anos, Yatta se recuperou por completo e agora os activistas comemoram que esteja liderando um grupo com outros filhotes que cresceram com ela


A ONG Sheldrick Wildlife Trust resgata elefantes orfãos no Quénia.

ONG Sheldrick Wildlife Trust atua há 42 anos no Quénia e está divulgando um vídeo onde a elefanta Yatta aparece liderando um grupo. O flagrante é motivo de alegria para a ONG que há 20 anos encontrou um bebê elefante no Parque Nacional Tsavo Fast. A pequena Yatta estava ao lado do corpo da mãe morta por caçadores em busca de marfim.

“Yatta foi criada no nosso berçário, mas voltou para o Parque Tsavo em 2001, onde agora caminha junto com a velha amiga do berçário Kinna e seus filhotes. Conhecida por uma personalidade confiante e gentil, Yatta está bem posicionada para liderar este grupo de órfãos que passaram com sucesso para uma vida selvagem. Ela tem instintos maternos profundos e actua como uma amiga muito amada e tutora para seus amigos mais novos. Ela própria já teve dois filhotes nascidos em estado selvagem”, comenta a ONG em seu site.

Durante muito tempo, Yatta preocupou os veterinários porque tinha fraqueza, articulações rígidas e, às vezes, colapso total caindo no chão.  Medicações também lhe causaram efeito colateral fazendo surgir um enorme abcesso duro de um lado do rosto. Com o tempo, o abcesso amoleceu, estourou e a ferida cicatrizou. Ela cresceu junto com outras elefantas órfãs, Kinna e Mukwaju, e desde então prosperou.

A ONG trabalha em todo o Quénia com Projectos que incluem combate à caça furtiva, protecção segura do ambiente natural, aprimoramento da conscientização da comunidade, tratamento de questões de bem-estar animal, assistência veterinária a animais carentes, resgate e criação manual de órfãos de elefantes e rinocerontes.

Veja o vídeo que emocionou a ONG com Yatta conduzindo um grupo de elefantes:

Fonte: ANDA

FINAL FELIZ Gorila retorna à natureza depois de entrar em santuário de primatas na África

Atraído pelo cheiro de fêmeas resgatadas por ONG localizada nos Camarões, o gorila só estava tentando formar uma família


Gorila Freedom invadiu santuário de primatas em busca de uma fêmea.

A Ape Action África (Acção pelos Grandes Primatas da África), nos Camarões, salva gorilas e chimpanzés dos caçadores que comercializam suas carnes ou vendem os filhotes como animais domésticosNum trabalho inédito da ONG, um gorila da planície que invadiu o santuário pode ser capturado com tranquilizantes e, depois de alguns meses, devolvido à natureza numa região mais segura.

“A Ape Action África se tornou o primeiro santuário nos Camarões a devolver à natureza um gorila da planície ocidental. O retorno de Freedom foi um grande empreendimento. Estamos incrivelmente orgulhosos de nossa equipe e extremamente gratos a todos que trabalharam connosco para alcançar esse sucesso na conservação”, declara a ONG no seu site.

A história de Freedom teve início em Agosto de 2019 quando um dos funcionários da ONG notou um gorila adulto do lado de fora de um dos recintos florestais do santuário. A equipe entrou em estado de emergência.

“O protocolo de fuga foi imediatamente colocado em acção e a equipe se esforçou para identificar o indivíduo que teria fugido de um dos quatro recintos de gorilas. Quando foi relatado que cada um dos 25 gorilas resgatados do santuário continuava em seus grupos, só podíamos pensar que a contagem dos primatas estava errada ou que tinha sido um alarme falso”, esclarece a entidade.

Os gorilas da planície não se reproduzem com parentes. Quando atingem maturidade sexual abandonam sua família e saem em busca de fêmeas em outros grupos.
Mas depois a ONG constatou que um jovem gorila, entre 15 e 17 anos de idade, estava se fato rodeando o santuário: “O solteirão certamente deixou seu grupo natal ao atingir a maturidade sexual para formar seu próprio grupo familiar. Viajando pela floresta em busca de fêmeas, o cheiro das gorilas resgatadas e que estão aos cuidados da Ape Action África o atraiu”.Em 23 anos de trabalho, foi a primeira vez que uma situação desse tipo ocorreu no santuário e a ONG não tinha como saber da onde o gorila era originário. “Infelizmente, o desmatamento em larga escala significa que ele havia entrado em uma área dos Camarões onde os gorilas selvagens não têm mais um habitat seguro. Para a segurança desse macho solitário, bem como das pessoas que moram dentro e ao redor do parque onde fica o santuário, a equipe não teve escolha senão tranquilizar o gorila e protegê-lo em uma de nossas gaiolas satélites vazias”, explica a entidade.O procedimento foi adotado como temporário, pois, o intuito era localizar um lugar seguro para soltar Freedom. A equipe do Ape Action África começou a entrar em contacto com autoridades a fim de obter financiamento para cobrir os enormes custos da operação. O gorila ficou no santuário até que, no início deste mês, finalmente, foi concretizada a acção para sua devolução à natureza. A ONG depende de doações e em seu site há outras histórias emocionantes de primatas. Acesse AQUI

Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e actuante na causa animal

Fonte: ANDA

FINAL FELIZ Homem dirige mais de 4 mil km para salvar cão condenado ao sacrifício

O cachorro que estava condenado a ser morto em um abrigo, foi adotado e se tornou um companheiro do novo tutor.

Um homem viajou mais de quatro mil quilômetros para salvar a vida de um cachorro que havia sido condenado ao sacrifício. O pit bull estava no Animal Care Center, em Nova York, nos Estados Unidos.

Mario Rodriguez não exitou em adotar o cachorro ao saber que ele seria submetido à morte induzida e a distância não foi um empecilho. “Todos na minha família cresceram com esta raça. Eu criei meus filhos com esses cachorros também. Eles são muito amorosos”, disse.

Da Califórnia, onde estava trabalhando, Mario dirigiu até Nova York. A viagem levou dias e, durante o período, o homem ligou repetidas vezes no abrigo para se certificar que o cão estava vivo. As informações, do Zoorprendente, foram divulgadas pelo portal Histórias com Valor.

“Eu liguei para o abrigo todos os dias. No terceiro dia eles até reconheceram meu número. Eles me disseram: ‘sim, Mario. Ainda está aqui. Ele ainda está aqui’”, contou.

Ao chegar no abrigo e encontrar o cachorro, a alegria foi mútua. “Eu disse a ele que estávamos indo para casa e ele começou a abanar o rabo como um louco. Ele pulou e não parava de me dar beijos”, relatou o novo tutor de Hickory, como é chamado o cachorro.

No novo lar, o pit bull se deu muito bem com os outros cães que vivem no local. E além de ganhar uma família e uma casa para viver, Hickory também encontrou um companheiro de aventuras: Mario, que agora leva o cão para acompanhá-lo no trabalho, dando ao pit bull a felicidade de conhecer novos lugares e passear ao lado do tutor.

“Nós sempre paramos em parques e fazendas. Ele está se divertindo como nunca”, disse Mario sobre o cachorro, que tem uma cama só para ele dentro do caminhão do tutor

Fonte: ANDA