CONTEÚDO ANDA Centenas de guaxinins são assassinados nos EUA

A cidade de Nova York (EUA) tem assassinado centenas de guaxinins e outros animais para realizar testes de raiva e descobrir que a grande maioria deles não está infectada

O Departamento de Saúde testou 662 guaxinins para a raiva entre 2014 e 2016, porém apenas 18 tinham a doença viral mortal, informaram oficiais.

Guaxinim

Apenas 23 dos 1,248 animais sacrificados e testados durante esse período estavam com raiva, o que significa menos de 2%. Os animais devem estar mortos para o teste porque o procedimento requer tecido cerebral.

A lei estadual exige que as cidades matem animais suspeitos de ter raiva, a menos que sejam cães, gatos, furões ou bois e vacas. Esses animais podem ser mantidos em observação se morderem humanos e o teste não é realizado se eles não parecem doentes após 10 dias.

A crueldade tem despertado protestos de ativistas que descrevem os protocolos de teste como desnecessários, improdutivos e imorais.

“Estes não são invasores de zumbis que vão comer seus filhos e seu cachorro. Além de antiético, isso é um desperdício de recursos e de tempo”, disse Edita Birnkrant, diretora executiva do grupo de direitos animais NYCLASS, que tentou sem sucesso convencer o prefeito Bill de Blasio a proibir as carruagens puxadas a cavalo.

Stephanie Bell, diretora sênior da PETA, declarou: “Se as autoridades querem fazer algo produtivo sobre a raiva – elas já demonstraram que não é endêmica na população selvagem de guaxinins – devem impor leis de vacinação para animais domésticos, garantir que o lixo seja descartado adequadamente e aprovar proibições contra a alimentação de animais silvestres”.

“A maneira como a cidade está lidando com isso, perseguindo esses grandes números e matando eles, você tem que dizer que há algum nível de desinformação”, destacou Birnkrant.

Em 2016, a cidade gastou quase US$ 660 mil em uma campanha publicitária para aumentar a conscientização sobre a vida selvagem, incluindo os guaxinins, reportou o New York Post.

Não existiu um caso de raiva em humanos em Nova York desde 1947, de acordo com os oficiais.

Especialistas em animais selvagens disseram que os picos de raiva entre os animais que vivem na cidade ocorrem em intervalos de poucos anos porque um surto eliminará dezenas de guaxinins. Uma vez que seus números se recuperarem, a raiva aumentará novamente.

A cidade descobriu 144 animais contaminados em 2010 e apenas 13 em 2011. As autoridades reportaram 11 animais contaminados até agora neste ano, o mesmo número de 2015 e 2016. Todos os casos de 2017 ocorreram na região do Bronx.

Fonte: ANDA

Anúncios

CONTEÚDO ANDA Leões-marinhos morrem após ingerir algas tóxicas geradas pela poluição dos oceanos

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/05/sea.jpg

Algas tóxicas têm provocado danos cerebrais fatais em leões-marinhos da Califórnia (EUA), dificultando as operações de resgate de animais oceânicos ao longo da costa do Pacífico.

A intoxicação é uma das principais ameaças para os animais que ingerem a toxina enquanto ingerem peixe e outras espécies marinhas que se alimentam de algas, alertam as organizações de resgate do sul da Califórnia. Alguns pássaros e golfinhos também foram afetados pelas algas. Os cientistas explicam que o desenvolvimento da toxina é um subproduto do aumento da poluição do oceano e das temperaturas mais altas da água. Com chuvas pesadas neste ano, mais fertilizantes e águas residuais entram nos mares.

A neurotoxina produzida pelas algas Pseudo-nitzschia pode destruir o cérebro de leões-marinhos até que eles não consigam mais usar funções básicas de sobrevivência como evitar predadores e encontrar alimento. Segundo o Huffington Post, os animais podem ter convulsões e paralisia e um dos principais sinais da demência é quando eles são vistos rolando as cabeças repetidamente.

Um porta-voz do Instituto das Marinhas e Vida Selvagem da Ilha da Mancha disse ao Ventura County Star que este é o “pior ano de sempre” para casos de intoxicação por ácido domoico.

O Resgate de Animais Marinhos informou ter encontrado, apenas no último mês, 33 leões-marinhos desorientados que sofriam dos sintomas.

Em Laguna Beach, o Centro de Mamíferos Marinhos do Pacífico relatou 14 mortes de leões-marinhos até agora devido à intoxicação por ácido domoico. Muitos dos animais afetados eram fêmeas grávidas principalmente porque estão se alimentando mais durante o período de gestação.

Centros de resgate tentam liberar a toxina do sistema dos animais, mas às vezes seus cérebros estão significativamente prejudicados para serem salvos.

O Coastal Ocean Observing Systems do Scripps Institution of Oceanography emitiu um alerta sobre o ácido em Orange County.

A intoxicação por ácido domoico também foi um grande problema há 10 anos, quando 175 leões-marinhos foram afetados. Porém, o grande número de animais mortos em tão pouco tempo neste ano tem chocado grupos de proteção animal.

Lauren Palmer, veterinária do Centro de Cuidados de Mamíferos Marinhos de Los Angeles, disse que o grupo cuidou de 15 leões-marinhos adultos durante o período de 10 dias que tinham mostrado sinais clínicos da intoxicação. “É incomum ver isso em um período de 10 dias”, afirmou ela ao Orange County Register.

Keith Matassa, diretor-executivo do Centro de Mamíferos Marinhos do Pacífico, descreveu os animais como “canários do ambiente marinho” porque eles são indicadores da saúde de um oceano.

“Sabemos que a sociedade está criano as algas prejudiciais. Estamos provocando um efeito, vendo mais delas, maiores e mais tóxicas”, disse Clarissa Anderson, chefe da operação Scripps.

Fonte: ANDA

CONTEÚDO ANDA Multinacional pressiona EUA a ignorar efeitos nocivos de pesticidas em 1800 espécies ameaçadas

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/04/salon.jpg

A multinacional norte-americana de produtos químicos Dow Chemical está pressionando a administração Trump para ignorar descobertas de cientistas federais que revelam os danos de pesticidas amplamente usados a aproximadamente 1800 espécies em perigo ou ameaçadas.

Os advogados da Dow, cujo chefe executivo também lidera um grupo de produção da Casa Branca, e dois outros produtores de organofosforados enviaram cartas aos chefes de três agências do Gabinete. As empresas pediram-lhes para “deixar de lado” os resultados dos estudos governamentais, alegando que eles eram falhos.

O presidente e executivo-chefe da Dow Chemical, Andrew Liveris, é um conselheiro do presidente Donald Trump. A empresa forneceu um cheque de US$ 1 milhão para ajudar a financiar as festividades inaugurais de Trump.

Nos últimos quatro anos, cientistas do governo compilaram um registro oficial com mais de 10 mil páginas mostrando que os três pesticidas analisados – clorpirifos, diazinon e malation – representam um risco para quase todas as espécies ameaçadas de extinção que foram estudadas.

Os reguladores das três agências federais, que compartilham a responsabilidade do cumprimento da Lei das Espécies Ameaçadas de Extinção, devem publicar os resultados em breve. Isso pode estabelecer novos limites para o uso dos pesticidas altamente tóxicos.

O pedido da indústria ocorre depois que o administrador da EPA, Scott Pruitt, anunciou no mês passado que iria reverter um esforço do governo Obama para impedir o uso do pesticida chlorpyrifos da Dow em alimentos. A declaração foi feita após estudos recentes descobrirem que até mesmo minúsculos níveis de exposição poderiam dificultar o desenvolvimento de cérebros de crianças.

Em seu trabalho anterior como procurador geral de Oklahoma, Pruitt se envolveu em muitas disputas legais com os interesses de executivos e corporações que apoiaram suas campanhas estaduais. Ele apresentou mais de 12 ações judiciais que visam acabar com algumas das mesmas regulamentações de que ele agora é acusado de apoiar.

Pruitt recusou-se a responder perguntas de jornalistas. Um porta-voz da agência disse à AP que Pruitt não irá “pré-julgar” quaisquer decisões potenciais e que “estamos tentando restaurar a sanidade regulatória para o trabalho da EPA”.

“Não tivemos reuniões com a Dow sobre este assunto e estamos analisando as petições à medida que chegam, dando uma consideração cuidadosa à ciência sólida e à boa formulação de políticas”, disse J.P. Freire, administrador associado da EPA para assuntos públicos.

Considerando os estudos recentes do efeito do clorpirifos, em humanos, a Dow contratou seus próprios cientistas para produzir uma longa refutação às pesquisas do governo que mostram os riscos a espécies ameaçadas de extinção por organofosforados.

De acordo com a reportagem do Independent, a recente avaliação biológica do clorpirifos realizada pela EPA mostrou que o pesticida “pode afetar adversamente” 1778 dos 1835 animais e plantas analisados, incluindo espécies de sapos, peixes, aves e mamíferos criticamente ameaçados ou em perigo. Resultados semelhantes foram mostrados para os químicos malatião e diazinon.

Em uma declaração, a subsidiária da Dow, que comercializa clorpirifos, disse que seus advogados pediram que a avaliaçã

o biológica da EPA fosse retirada porque sua “base científica não era confiável”.

A FMC Corp, que vende malatião, afirmou que a retirada dos estudos da EPA permitirá o período necessário para a compilação dos “melhores dados científicos disponíveis”.

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/04/pes-e1493395191255.gif

A fabricante do Diazinon, a Makhteshim Agan, que usa o nome Adama, não respondeu à solicitação de comentários feita pela reportagem. Defensores do meio ambiente não se surpreenderam com o fato de que as companhias tentarem evitar novas regulamentações que possam prejudicar seus lucros.

Originalmente derivado de um gás desenvolvido pelo regime nazista na Alemanha, o clorpirifos foi pulverizado em frutas cítricas, maçãs, cerejas e outras culturas durante décadas. Ele está entre os pesticidas agrícolas mais usados nos Estados Unidos, sendo que a Dow lucra aproximadamente US$ 5 milhões com suas vendas anuais.

Como resultado, vestígios do químico são regularmente encontrados em fontes de água potável. Um estudo feito em 2012 pela Universidade da Califórnia, em Berkeley, descobriu que 87% das amostras testadas com sangue do cordão umbilical de recém-nascidos continham níveis detectáveis de clorpirifos.

Em 2005, a administração Bush ordenou o fim do uso residencial de diazinon para matar animais considerados pragas, como formigas e vermes, após determinar seu risco para a saúde humana, especialmente para crianças. No entanto, o pesticida é utilizado por agricultores, que o pulverizam em frutas e legumes.

O malatião é amplamente usado para controlar mosquitos e moscas de frutas. É também um ingrediente ativo em alguns shampoos recomendados para o tratamento de piolhos em crianças.

Há anos, uma coalizão de ativistas tem lutado nos tribunais para estimular a EPA a examinar mais atentamente o risco que os pesticidas, especialmente os organofosforados, representam para espécies ameaçadas de extinção e humanos.

“As espécies ameaçadas são o canário na mina de carvão”, disse Hartl. Segundo ele, como muitas das espécies ameaçadas são aquáticas, frequentemente são as primeiras a sofrer os efeitos da contaminação química em longo prazo em rios e lagos usados como fontes de água potável por seres humanos.

A Dow, que gastou mais de US$ 13,6 milhões em lobby em 2016, possui um poder político substancial na capital do país. Não há sinais da diminuição da influência da gigante de produtos químicos.

Quando Trump assinou uma ordem executiva em fevereiro exigindo a criação de forças-tarefa em agências federais para reverter regulamentos governamentais, o executivo-chefe da multinacional estava ao lado do presidente.

“Andrew, gostaria de lhe agradecer por ter inicialmente reunido o grupo e pelo trabalho fantástico que fez”, disse Trump enquanto assinava a ordem durante uma cerimônia.

Rachelle Schikorra, diretora de assuntos públicos da Dow Chemical, disse que qualquer sugestão de que a doação de US$ 1 milhão da empresa ao comitê inaugural de Trump foi planejada para influenciar as decisões regulatórias tomadas pela nova administração está “completamente equivocada”.

Fonte: ANDA

EUA. Reserva animal abate todos os animais antes de encerrar

Um Santuário de animais norte-americano está a ser criticado por ter morto todos os seus animais antes de fechar portas.

Em causa está a decisão tomada pelo responsável Santuário Lion’s Gate – situado no Colorado – que optou por matar três leões, três tigres e cinco ursos.

O caso está a gerar polémica e até mesmo revolta, uma vez que este tipo de santuários são locais que acolhem animais selvagens que foram maltratados ou que estão em perigo de vida.

A diretoa do Lion´s Gate, Joan Laub, após dez anos a cuidar de animais garantiu que já não tem condições para os acolher, após os estragos causados pelas sucessivas inundações que ocorreram, afirmando ainda que as autoridades locais não autorizaram a mudança das instalações para outro local.

No entanto, a administração local do condado de Elbert achou estranho a decisão final de Joan, alegando que os outros santuários se ofereceram para acolher animais, ofertas essas que foram recusadas.

O diretor de uma outra reserva animal, Pat Craig, afirmou estar surpreendido com o desfecho do Lion’s Gate, uma vez que se voluntariou para receber os animais.

Fonte: SOL

Conteúdo ANDA Laboratório federal dos EUA interrompe experimentos em macacos bebês

Foto: NIH/PETA

Stephen Suomi, o cientista do governo norte-americano que tem sido objeto de controvérsia por sua pesquisa comportamental em bebês macacos, deixará de trabalhar com animais vivos, segundo o BuzzFeed News.

Foi uma decisão puramente financeira, de acordo com Constantino Stratakis, diretor científico do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano (NICHD), onde o laboratório de Suomi era localizado.

A decisão não foi baseada em controvérsias crescentes sobre a pesquisa de Suomi dentro da comunidade dos direitos animais, de acordo com Robert Bock, um porta-voz do NICHD.

Suomi tem estudado os efeitos físicos e psicológicos da separação de filhotes de macacos de suas mães ao nascer pelos últimos 30 anos. Seu laboratório recebeu US$ 10 milhões em financiamento federal nos últimos sete anos. O escritório de Suomi não respondeu a um pedido de comentário do BuzzFeed News.

No ano passado, a pesquisa de Suomi foi alvo de fortes críticas por parte do PETA, que no ano passado obteve acesso a mais de 550 horas de vídeo e 100 fotos através de pedidos sob o Freedom of Information Act. Os registros incluíam algumas imagens de filhotes de macacos em estados intensos de angústia.

Em resposta a um pedido do Congresso, os Institutos Nacionais de Saúde realizaram uma revisão bioética dos experimentos. Em fevereiro deste ano, Francis Collins, diretor do NIH, respondeu pedindo que o laboratório de Suomi interrompesse todo o uso de procedimentos invasivos, como a punção lombar, coleta de sangue e gravações cerebrais neonatais.

Ao longo dos próximos três anos, cerca de 100 animais por ano serão transferidos do laboratório de Suomi no Centro animal NIH em Poolesville, Maryland para outras instalações em todo o país. Suomi ainda irá continuar a sua investigação analisando dados comportamentais e realizando de experimentos em amostras de tecido previamente armazenados, mas não trabalhará mais com macacos vivos.

O PETA recebeu bem a notícia de que a pesquisa com animais de Suomi parou, segundo Justin Goodman, diretor do departamento de investigações laboratoriais do grupo. Mas ele ressaltou que havia mais trabalho a ser feito.

“PETA vai agora tentar interromper a transferência de cerca de 300 macacos ainda neste laboratório para outras instalações e buscar a sua aposentadoria, bem como avançará o apelo para acabar não apenas com as experiências em chimpanzés, mas todas as experiências em primatas”, disse Goodman.

*É permitida a reprodução total ou parcial desta matéria desde que citada a fonte ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais com o link. Assim você valoriza o trabalho da equipe ANDA formada por jornalistas e profissionais de diversas áreas engajados na causa animal e contribui para um mundo melhor e mais justo.

Fonte: ANDA

EUA: Maus tratos com animais é agora crime gravíssimo

De acordo com o Elite Daily: Maltrate um animal e você fará parte das estatísticas juntamente aos assassinos e canibais.

Nessa semana, The Federal Bureau of Investigation (FBI) anunciou que maus tratos com animais será considerado “um crime contra a sociedade”, tornando-se um crime gravíssimo tanto quanto incêndio proposital e assassinato aos olhos da lei.

De acordo com o FBI:

“A agência anunciou essa semana que irá rastrear todo tipo de maus tratos com animais em seu programa Uniform Crime Report, que fornece estatísticas em nível nacional de alguns dos piores tipos de crimes. A ação que reclassifica o crime maus tratos com animais como “crime contra a sociedade”, o coloca no mesmo nível que assassinato, tráfico de drogas, incêndio culposo e assalto e, irá ajudar as agências em defesa da lei e outras organizações, a entender melhor o volume e natureza desses crimes para que eles possam alocar os recursos da melhor forma possível.

A AP diz que o FBI irá punir abusos e torturas intencionais, negligência, abuso sexual e maus tratos em grupo, que incluem rinhas de cães.A mudança dessa política é uma tentativa de punir mais pessoas que cometem esses abusos, colocando-os na prisão e utilizando-os como exemplo. Maus tratos com animais não é simplesmente uma infração.

The National Sheriff’s Association espera que prender os culpados por maus tratos ajude a minimizar essa atividade criminosa no futuro, coletando informações sobre as pessoas que a praticam.

Segue abaixo o que o FBI define como crueldade com os animais:

Ação intencional, proposital ou irresponsável que maltrate ou mate qualquer animal sem justa causa como: tortura, tormento, mutilação, desmembramento, envenenamento, abandono, causar brigas entre animais, infligir excessiva ou repetida dor e sofrimento, utilizar objetos para bater ou machucar animais. Incluso há instâncias de dever como prover cuidados, abrigo, comida, água, cuidados médicos. Essa definição não inclui manutenção adequada de animais para show ou esportes, uso de animais como alimento e caça e pesca dentro da lei.

“Psicólogos há tempos suspeitam haver conexões entre os maus tratos com animais e disfunções comportamentais. Há fontes que afirmam que o serial killer e canibal Jeffrey Dahmer frequentemente decapitava brutalmente animais de rua quando era criança.

Se ele tivesse sido preso, 17 pessoas não teriam morrido. Sua história é apenas uma de muitas.O FBI irá provavelmente começar a coletar informações sobre crueldade animal em Janeiro de 2016, utilizando o tempo que tem até lá para reestruturar sistemas internos e sistemas de relatos de crimes.”

“Coletar essas informações irá ajudar as agências em defesa da lei e pesquisadores a entender os fatores associados aos maus tratos de animais” disse Amey Owen, coordenadora de relações públicas no Animal Welfare Institute (Instituto de Bem Estar Animal) que, juntamente com a Sheriff’s Association, tem defendido melhores e mais apuradas estatísticas sobre crueldade animal pelos últimos doze anos.

As estatísticas, disse Owen, irão revelar as características dos infratores assim como onde e quando esses crimes ocorreram.”Com essa informação, os defensores da lei poderão melhor rastrear tendências, planejar políticas e alocar recursos para esforços de intervenção tanto em relação a crueldade animal quanto em relação a base que esses crimes fornecem.” disse ela.

Owen notou que muito da violência contra os humanos tem relação com os maus tratos com os animais. Por exemplo, estudos apontam que abuso com animais e abuso doméstico estão intimamente ligados.

John Goodwin, diretor de Políticas de Crueldade Animal para Humane Society of the United States (Sociedade Humanitária dos Estados Unidos), disse que o programa Uniform Crime Report sendo atualizado, irá preencher um vazio de informações.”

Organizações como a nossa tentam rastrear diversas categorias de crimes de crueldade animal por meio de notícias e contatos que temos em diversas jurisdições, mas ninguém tem os meios de fazer isso de uma maneira minuciosa” disse ele. “O FBI é a única entidade que pode fazê-lo nessa escala. Agora eles irão começar a fazer isso.”

Tradução: Taciana Rettore

Fonte: Examiner.com

Fonte: http://direitosdosanimais.org/website/noticia/show.asp?pgpCode=B6F6E047-D2EA-3992-B1CE-6E2054B29769