ESTUDO Destruição de ecossistemas naturais aumenta o risco de pandemias

As pandemias podem se tornar cada vez mais prováveis à medida que a destruição de ecossistemas naturais remove as barreiras entre humanos e animais silvestres, mostrou um estudo.

Mais de seis em cada dez doenças infecciosas vêm de animais, por exemplo a tuberculose que veio de vacas, a influenza que veio de suínos e galinhas, e o HIV vindo dos chimpanzés.

Os cientistas têm argumentado que o desmatamento, a mudança do uso da terra e a intensificação agrícola, entre outros factores, estão aumentando os riscos de que doenças ainda mais letais acabem chegando até os seres humanos.

A Covid-19, que causou um confinamento quase global e mudou o modo de vida em todo o planeta, chegou em humanos depois que foi transferido de morcegos por meio de um animal intermediário.

Estudos anteriores identificaram morcegos como a origem do Ebola, do vírus Nipah, de alguns tipos de raiva além de várias outras doenças.

Acima está um modelo que mostra que os serviços ecossistêmicos diminuem à medida que cresce a degradação, com isso, o risco de uma pandemia emergir entre os seres humanos é drasticamente aumentado

“Os ecossistemas naturalmente restringem a transferência de doenças de animais para humanos, mas esse serviço diminui à medida que os ecossistemas se degradam”, disse o principal autor do estudo, Dr. Mark Everard, da University of West England (Inglaterra).

“Ao mesmo tempo, a degradação do ecossistema prejudica a segurança hídrica, limitando a disponibilidade de água adequada para uma boa higiene, saneamento e tratamento de doenças”.

“O risco de doenças não pode ser dissociado da conservação do ecossistema e da protecção dos recursos naturais.”

O estudo, publicado na revista Environmental Science and Policy, também argumenta que a destruição ambiental “mina” a disponibilidade de recursos naturais, o que significa que pode não haver água suficiente disponível para actividades que protegem contra doenças, como lavar as mãos, por exemplo.
“Os riscos de doenças zoonóticas estão, em última análise, interligados com crises de biodiversidade e insegurança hídrica”, escrevem no estudo.

O estudo estabeleceu a importância da preservação dos ecossistemas para prevenir uma pandemia utilizando uma estrutura complexa, defendida pelas Nações Unidas e pela Agência de Protecção Ambiental dos EUA, para analisar o risco de doenças “zoonóticas” – ou de origem animal.

A estrutura levou em conta as actividades humanas que tensionam o meio ambiente; as mudanças nas condições dos habitats naturais; e os efeitos da degradação ambiental sobre ecossistemas e seus serviços.

Eles usaram a estrutura para analisar as ligações entre humanos e o meio ambiente, revelando a elevação no risco de degradação ambiental, além de respostas que poderiam ajudar os seres humanos a evitar outra pandemia.

O grupo de cientistas, que inclui uma equipe do Greenpeace, também previu que, à medida que as medidas de isolamento sejam suspensas, a destruição dos ecossistemas acelerará devido às forças de mercado de curto prazo, aumentando os riscos de uma nova pandemia.

O Dr. David Santillo, dos laboratórios de pesquisa do Greenpeace em Exeter (Inglaterra), um dos autores do estudo, pediu que atitudes sejam tomadas para impedir a destruição do ecossistema.

“A velocidade e a dimensão das acções radicais que foram tomadas em tantos países para limitar os riscos à saúde e financeiros provocados pela Covid-19 demonstram que também seria possível realizar mudanças sistémicas radicais para lidar com outras ameaças existenciais de escala global, como a emergência climática e o colapso da biodiversidade”, disse ele.

Estudos anteriores descobriram que risco de transmissão de vírus é maior em espécies animais que aumentaram suas populações e/ou expandiram sua área de abrangência por se adaptarem melhor às regiões dominadas pelo homem.

Animais domesticados, primatas e morcegos, foram identificados como os que carregam o maior risco de transferir uma nova doença para humanos, potencialmente desencadeando uma nova pandemia.

Evidências genéticas confirmaram que o Coronavírus, ou SARS-CoV-2, foi transmitido para humanos a partir de morcegos.

Na foto acima está um mapa da estrutura que os cientistas usaram para identificar ligações entre os humanos e o ambiente, e analisar o risco de outra pandemia

Uma pesquisa publicada no The Lancet revelou que os morcegos são o hospedeiro original “mais provável” do vírus, depois de analisar amostras retiradas dos pulmões de nove pacientes em Wuhan.

E cientistas da Academia Chinesa de Ciências, do Exército Popular de Libertação e do Institut Pasteur de Xangai, também apontaram para morcegos como a provável origem.

No entanto, o ponto onde o vírus foi passado para humanos ainda não foi descoberto.

Relatórios iniciais sugerem que isso aconteceu em uma “feira de alimentos frescos” em Wuhan, China, onde os humanos são expostos a carne animal, sangue e excrementos.

No entanto, as autoridades chinesas têm procurado “colocar panos quentes” sobre isso e rotular o mercado como uma vítima em vez de um “super-difusor” de doenças.

Eles disseram que exames realizados nos animais do mercado mostraram que “nenhum” tinha Covid-19.

Isso desafiou pesquisas de cientistas de Harvard, MIT e da University of British Colúmbia (Canadá), que examinaram quatro amostras do mercado e encontraram traços do vírus ‘99,9% ‘ idênticos aos retirados de um paciente em Wuhan, China.

O primeiro caso de coronavírus foi relatado em Wuhan em Dezembro de 2019.

Fonte: ANDA

ESTUDO A protecção dos habitats é indispensável para evitar novas pandemias

O risco de disseminação de vírus da vida selvagem para os seres humanos está intrinsecamente ligado ao aumento de contacto entre as pessoas.

O cientista e pesquisador do Conservation International, Lee Hannah, defende que há quatro maneiras de sobreviver à pandemia actual: uso de máscaras e respiradores, aprimoramento da infraestrutura de testes, fim do mercado de animais silvestres, principalmente os destinados ao consumo humano, como o de Wuhan, na China, e o quarto e mais importante, cuidar da natureza.

Um artigo publicado pela revista Time no último dia 08 reforça que a destruição de ecossistemas é a responsável pela transmissão da Covid-19 de animais silvestres para seres humanos. Segundo Hannah a população mundial precisa ser reeducada. “Precisamos dizer às pessoas agora que há uma série de coisas que precisamos fazer quando sairmos dessa bagunça para garantir que isso nunca aconteça novamente”, aponta.

O papel da preservação da biodiversidade na prevenção de doenças vem ganhando atenção. Em 2015, a Organização das Nações Unidas alertou que é necessário uma abordagem mais ecológico no estudo de doenças, em vez de uma abordagem simplista que isola apenas o micro-organismo. Isso possibilita que uma compreensão mais rica do desenvolvimento e origem das doenças.

A publicação afirma que é “um jogo de números”, pois nem todas as espécies de uma comunidade são susceptíveis a uma determinada doença, assim como bem todos são transmissores eficientes. Em ecossistemas bem separados das habitações humanas, os vírus fluem sem causar danos, mas a medida que há um impacto humano nesses locais e com os deslocamento de pessoas pelo mundo, esse equilíbrio acaba.

O risco de disseminação de vírus da vida selvagem para os seres humanos está intrinsecamente ligado ao aumento de contacto entre as pessoas. A afirmação é o resultado de uma pesquisa realidade pela Dra. Christine Kreuder Johnson, pesquisadora e professora da UC Davis. Segundo o estudo, quase metade das novas doenças que saltaram de animais para humanos após 1940 pode ser atribuída a mudanças no uso da terra, agricultura ou caça à vida selvagem.

Entre os exemplos citados estão SARS, Ebola, Nilo Ocidental, Lyme e MERS. A pesquisidora acredita que há mais de 10 mil vírus transmitidos de animais para seres humanos. A única maneira de de impedir que novas pandemias explodam é estabelecer relações mais gentis e amigáveis com o meio ambiente e com nossos companheiros de existência: os animais.

Fonte: ANDA

ESTUDO Aquecimento global faz relva começar a crescer no Monte Everest

O aumento de vegetação na região, em pontos cada vez mais altos, é alarmante, já que esses ambientes têm temperatura baixa o suficiente para plantas não conseguirem sobreviver

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Exeter, na Inglaterra, expõe o aumento da vegetação ao redor do Monte Everest, no Himalaia, entre 1993 e 2018.

Imagens feitas pelos satélites Landsat, da NASA, identificam em azul a superfície do Everest com grama em 1993 e o aumento da vegetação, até 2017, em vermelho.

A pesquisa avaliou o aumento de vegetação nas maiores altitudes que ainda permitem o crescimento de grama, entre quatro e seis mil metros acima do nível do mar. Desse nível para cima, o ambiente é composto por rochas e neves. O Everest tem quase nove mil metros de altura. As informações são da Super Interessante, da Abril.

Esse limite, no entanto, tem aumentado e a vegetação está sendo registada em pontos cada vez mais altos, o que é alarmante, já que esses ambientes têm temperatura baixa o suficiente para plantas não conseguirem sobreviver. De acordo com os pesquisadores, houve um aumento “pequeno, mas significativo” da área com grama.

O aumento da vegetação, segundo a pesquisa, tem relação com estudos sobre mudanças climáticas, já que o Himalaia é uma das regiões mais quentes do planeta. Desde os anos 2000, a taxa de derretimento na neve dobrou na região e a estimativa é de que um terço do gelo da cordilheira irá sumir neste século.

O derretimento gradual das geleiras abastece os dez maiores rios da Ásia, já que o Himalaia é uma fonte significativa de água doce, que abastece 1,4 bilhão de pessoas, fornecendo água e energia eléctrica através das usinas hidrelétricas.

Apesar de ainda não se saber qual o impacto do crescimento da vegetação na região, é de conhecimento dos cientistas que o fornecimento de água pode ser afetado. A pesquisadora Karen Anderson, líder do estudo, afirmou que as plantas podem prejudicar a trajetória da neve ou derretê-la mais rapidamente, resultando em alagamentos.

O excesso de vegetação também pode perpetuar um ciclo de mudança de temperatura no Himalaia, para mais ou menos frio e a transpiração das folhas pode resfriar mais a região, segundo um estudo feito no Tibet. Outras pesquisas, porém, demonstram que a absorção de luz pelas plantas pode aumentar a temperatura do solo.

“Não sabemos tanto sobre essa área. Precisamos direccionar esforços e atenção para o Himalaia por ser uma fonte importante de fornecimento de água”, disse a pesquisadora ao The Guardian.

Fonte: ANDA

ESTUDO Conviver com cães na infância reduz risco de desenvolver esquizofrenia

Para desenvolver o estudo, pesquisadores analisaram os primeiros 12 anos de vida de 1.371 homens e mulheres entre 18 e 65 anos


Crianças que convivem com cachorros têm uma chance menor de desenvolver esquizofrenia na vida adulta, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins (EUA) publicada no periódico PLOS One.

“Transtornos psiquiátricos graves têm sido associados a alterações no sistema imunológico ligadas a exposições ambientais no início da vida, e como os animais domésticos geralmente são as primeiras coisas com as quais as crianças têm contacto próximo, era lógico explorar as possibilidades de uma conexão entre os dois”, diz Robert Yolken, líder do estudo.

Os cientistas analisaram também a relação entre transtorno bipolar e o convívio com cães, mas não encontraram nada significativo. O estudo descobriu também que não há qualquer relação entre a exposição a gatos na infância com o diagnóstico de bipolaridade e esquizofrenia. As informações são do portal Viva Bem, do UOL.

Para chegar a estas conclusões, os pesquisadores analisaram os primeiros 12 anos de vida de 1.371 homens e mulheres entre 18 e 65 anos, sendo que 396 deles tem esquizofrenia, 381 foram diagnosticados com transtorno bipolar e 594 que não têm nenhuma dessas doenças.

De acordo com estudos anteriores, expor crianças a gatos e cachorros pode alterar o sistema imunológico de várias formas, incluindo respostas alérgicas, contacto com bactérias e vírus.

Em 2017, cientistas descobriram que conviver com um cão antes de completar três anos de idade ajuda a reduzir em 40% as chances de se desenvolver asma quando adulto. O estudo analisou 20 mil crianças.

Para a doutoranda Silvia Colicino, líder do estudo, o facto dos cães serem mais “sujos” do que os gatos faz com que as crianças que convivem com cachorros sejam expostas a bactérias no início da vida, estimulando o sistema imunológico e aumentando a produção de anticorpos que previnem alergias.

Fonte: ANDA

ESTUDO Violência contra animais pode levar à violência contra seres humanos

Ao cuidado do PS; PSD; CDS/PP e PCP, para que de uma vez por todas entendam, de que a tauromaquia é violência, é crueldade contra o touro, contra a cavalo, contra crianças e jovens. E para que de uma vez por todas, também entendam, que quem é cruel contra o touro e contra o cavalo, a praticar e a assistir, é cruel contra seres humanos. Pois a violência contra animais não-humanos, conduz à violência contra animais-humanos!

Mário Amorim


“Especialistas em crimes acreditam que os infratores que começam matando ou torturando animais frequentemente passam a realizar ataques similares às pessoas”


“É imperativo que a polícia trate casos de abuso de animais com a máxima seriedade para a segurança de animais e seres humanos”

No Reino Unido, e provavelmente em muitos outros países incluindo o Brasil, quem agride um animal não está tão distante de fazer o mesmo com um ser humano. Prova disso é um levantamento feito pelo jornal The Sun junto ao Ministério da Justiça britânico e divulgado este mês.

Segundo o tabloide, 13 assassinos, 22 estupradores de crianças e 99 culpados de crueldade infantil foram condenados ou advertidos por crimes de crueldade contra animais antes de cometerem crimes contra pessoas. Considerando os últimos dez anos no Reino Unido, 210 criminosos sexuais, 1581 pessoas condenadas por agredirem outras pessoas e 78 acusados de abusarem sexualmente de crianças praticaram algum tipo de violência contra animais.

Além disso, na última década, 569 acusações de posse ilegal de arma, 268 crimes de vandalismo e incêndio e 179 roubos envolveram pessoas antes denunciadas por crueldade contra animais. Um exemplo é o escocês Thomas Hamilton que matou 16 crianças e uma professora em uma escola primária em Dunblane, no conselho de Stirling.

Outros exemplos de assassinos conhecidos que antes torturaram ou mataram animais são James Bulger, Robert Thompson, Jon Venables e Ian Brady – condenado em 1966 por ter assassinado várias crianças ao lado da namorada Myra Hindley. Brady, que cumpria pena no Hospital Ashworth, faleceu no ano passado aos 79 anos.

“Especialistas em crimes acreditam que os infratores que começam matando ou torturando animais frequentemente passam a realizar ataques similares às pessoas. Diz-se que os crimes contra animais os insensibilizam para a crueldade e a dor que seus ataques causam”, informa a publicação.

Segundo a diretora de Programas Internacionais da organização Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais (PETA), Mimi Bekhechi, não podemos ver a crueldade contra os animais como algo dissociável da violência contra humanos. Isto porque como os animais não podem denunciar os abusos, por serem vulneráveis e incapazes de falar, se tornam alvos fáceis de práticas que funcionam como “experiências” que têm precedido a violência contra seres humanos.

“Pesquisas em psicologia e criminologia mostram há muito tempo que incidentes envolvendo crueldade com animais aparecem regularmente nos registros de criminosos violentos que exibem traços psicopáticos. É imperativo que a polícia trate casos de abuso de animais com a máxima seriedade para a segurança de animais e seres humanos – a história mostrou o que acontece quando eles não fazem isso”, enfatiza Mimi.

Fonte: ANDA


Nota: O negrito é da minha responsabilidade!

Un Estudio sobre psicopatía y maltrato a los animales se presenta en Congreso de Criminología

Un Estudio realizado en Cataluña sobre psicopatía y maltrato a los animales se presenta en el Congreso de la Sociedad Americana de Criminología

Cataluña – 08/11/2010

Dentro del ámbito de la peligrosidad criminal, la crueldad con animales en prisioneros como predictor de comportamiento violento se estudia desde hace casi 100 años.

un.estudio.sobre.psicopatia

Uno de los estudios más conocidos es el elaborado por el FBI en asesinos en serie, según el cual un 46% de estos maltrataba animales durante la adolescencia. Un estudio realizado en Cataluña por los doctores Ángel Cuquerella (médico forense), Núria Querol (médico de familia del CAP de Valldoreix), Mercè Subirana (médico forense) y Frank Ascione (psicólogo y uno de los mayores expertos mundiales en maltrato a los animales) será presentado el Congreso de la American Society of Criminology que se celebrará en San Francisco del 17 al 20 de Noviembre.

El estudio realizado en Cataluña se basa en una muestra de 50 sujetos, de los cuales casi el 24% estaban acusados / condenados por delitos graves (violentos) o en fase de cumplimiento de sentencia por homicidio, asesinato o asesinato en grado de tentativa, y el 6% por violación (en cuatro casos, de 5 a 23 víctimas por agresor). Se estudió una submuestra de 24 individuos mediante cuestionarios para evaluar el maltrato a los animales, y la PCL.SV para evaluar rasgos psicopáticos de personalidad y conductas antisociales.

Se obtuvo una tríada enuresis-piromanía-crueldad con animales en un 23,5% de la muestra, con tríada incompleta (uno / dos ítems) en un 65%. Si se considera sólo la crueldad hacia los animales como elemento aislado, la encontramos en un 41,7% de la muestra. Otra tríada pronóstica, como es traumatismo craneal + paranoidisme + abusos (sexuales-psíquicos-físicos; Pincus 2002) aparece completa en un 41% de la muestra, y es incompleta en un 70,6%.

Se deben estudiar, pues, factor predictivos de la violencia futura (falta de empatía, enfermedad psiquiátrica, lesión cerebral, crueldad con animales, trastorno de los impulsos y / o retraso de la maduración esfinteriana) para entender el fenómeno de la interacción humana violenta. Las tríadas descritas pueden valorarse en el mundo de la violencia doméstica conyugal, contra los ancianos, los menores, o incluso contra los animales, utilizados muchas veces por los violentos de forma intimidatoria o manipulativa hacia los demás.

Más información en el siguiente enlace: http://www.gevha.com/prensa/articulos/1087-evaluation-of-animal-abuse-in-a-forensic-sample-diagnosed-with-aspd

Fonte: http://medicablogs.diariomedico.com/nuriaq/2010/12/25/un-estudio-sobre-psicopatia-y-maltrato-a-los-animales-se-presenta-en-congreso-de-criminologia/