Estudantes de Évora recusam garraiada

Em referendo realizado nesta quarta-feira, 22 de maio, os estudantes da Universidade de Évora recusaram, por 61%, que a “garraiada académica” continue no programa oficial da queima das fitas.

61% dos votantes no referendo da AAUE rejeitaram a garraiada
61% dos votantes no referendo da AAUE rejeitaram a garraiada

No referendo, houve 1.086 votos. À pergunta “deve a ‘garraiada académica’ continuar no programa oficial da queima das fitas?”, o Não obteve 667 votos, 61%, e o Sim 405, tendo havido 12 votos brancos e 2 nulos.

O referendo foi aprovado no passado dia 10 de maio, por voto secreto, numa Assembleia Magna da Associação Académica da Universidade de Évora (AAUE) muito participada, com mais de quinhentos participantes. O referendo foi então aprovado por 308 votos a favor e 222 contra, depois de o referendo ter sido chumbado numa assembleia, com uma votação muito contestada por quem esteve presente.

Bruno Martins, dirigente do Bloco de Esquerda de Évora, declarou na sua página no facebook:

“Diziam que em Évora seria impossível combater o lobby tauromáquico. Diziam que por cá os estudantes queriam a garraiada. Pois bem, o resultado do referendo foi claro: 61% a dizer não à garraiada, contra apenas 37% a favor. A garraiada até pode acontecer fora do programa da Queima das Fitas, mas institucionalmente a AAUE e a Universidade darão um passo em frente, rumo à modernidade, à dignidade e à humanidade. Orgulho!!!!”.

Anúncios