SOLIDARIEDADE Santuário reúne crianças e animais vítimas de abusos para ajudar ambos a se curarem

Foto: safeinaustin.org

O santuário Safe in Austin (Seguros em Austin, na tradução livre) foi criado por Jamie Griner depois que o texano notou o conforto que seu filho autista de 13 anos, tinha ao redor de animais domésticos, abraçando e trocando carinho com eles.

Griner decidiu adotar outros animais que tiveram um mau começo na vida, vítimas de abuso e maus-tratos e teve a ideia de permitir que crianças que sofreram da mesma forma, viessem encontrá-los na esperança de que eles se ligassem, se ajudassem e se encontrassem.

Foto: safeinaustin.org

Seu palpite deu certo e foi um sucesso inquestionável, com o abrigo popular entre as crianças do estado todo abrigando agora 100 animais, incluindo filhotes, gatinhos, porcos, galinhas, bois e cabras.

O chefe do abrigo disse à KVUE: “Durante a semana, convidamos as crianças que também foram vítimas de algum tipo de abuso e negligência ou têm necessidades especiais para o santuário, para tocar e amar e se curar ao lado dos animais resgatados das mesmas condições de sofrimento”.

https://metro.co.uk/video/special-shelter-lets-abused-animals-help-abused-children-1935600/?ito=vjs-link

Ela acrescentou: “Não importa quando ou como, quando eles (as crianças) vêm aqui, sempre podem encontrar um animal que viveu algo semelhante ao que eles passaram, então a união acontece”.

Taylor Salazar tem três irmãos adoptivos que foram abusados antes de terem sido adoptados, e já viu em primeira mão o conforto que os animais podem trazer aos seres humanos e vice versa.

Foto: safeinaustin.org

Salazar, que agora é mãe, explicou: “Eu fui criada com três irmãos que foram adoptados de um orfanato, então eles também lidaram com abuso, negligência e abandono, vê-los interagir com os animais é realmente muito especial e emocionante”.

Safe em Austin não é um zoológico, é um santuário, um refúgio para animais resgatados de situação de sofrimento e depende de voluntários, bem como doações para mantê-lo funcionando.

Foto: safeinaustin.org

“Todas as crianças são bem-vindas. Os amigos dos colégios Brooklyn Mackenzie e Reagan Mount, mesmo as que tiveram ambas as infâncias felizes, adoraram conhecer nossos moradores peludos”, disse Griner.

Reagan concluiu: “Isso me faz sentir bem porque é como uma forma de se curar do abuso e dos maus-tratos e fazê-los se sentirem felizes”.

Fonte: ANDA

Anúncios

ESTADOS UNIDOS Golfinho morre após ingerir chuveiro de plástico

Um chuveiro de plástico foi encontrado no interior do estômago de um golfinho encontrado sem vida no litoral da Flórida, no Sul dos Estados Unidos. A informação foi divulgada pela Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida (FWC, na sigla em inglês), que usou sua página na rede social Facebook para alertar sobre as consequências do descarte irregular de lixo.

O cadáver do golfinho foi encontrado na praia de Fort Meyers. A presença do objeto de plástico de 60 cm foi detectada durante a necrópsia. Segundo a FWC, em menos de um mês é o segundo golfinho que morre no local com plástico no interior do estômago. No fim de abril uma fêmea foi encontrada agonizando após engolir um pedaço de balão e sacolas plásticas. O animal não sobreviveu.

Em sua página no Facebook, a FWC fez um alerta sobre a importância da preservação dos ecossistemas marinhos. “Este é o segundo golfinho encalhado em apenas um mês nesta região que ingeriu plástico. É importante relembrar de olhar de perto os nossos hábitos. As suas acções podem fazer a diferença. Descarte devidamente o lixo, participe de mutirões de limpeza de praias e regiões costeiras e compartilhe informações com outras pessoas sobre como reduzir o lixo marinho”, diz a postagem.

Infelizmente, casos como os de Fort Meyers estão sendo registrados em todo o mundo. Recentemente, uma baleia cachalote de aproximadamente sete anos foi encontrada morta no litoral da Itália. Um exame de necrópsia identificou que a presença de vários quilos de plástico. Segundo especialista, o material se acumulou e formou um bloco que obstruiu o estômago do animal causando sua morte.

Fonte: ANDA

CRUELDADE Câmeras flagram cão sendo jogado sobre muro de quase dois metros de altura em abrigo

Foto: Dave Rudge News

Imagens perturbadoras mostram o momento em que dois homens jogam um cachorro assustado por cima de uma parede de quase dois metros de altura, antes de entrar em um carro apressadamente e fugir.

Uma câmera de segurança instalada no abrigo de animais flagrou os dois homens arrastando o que parece ser um cão ainda jovem da raça boxer, até póximo as grades de metal do lado de fora do Seguin Animal Services no Texas, EUA.

O cachorro pode ser visto no vídeo resistindo e com medo de pular sozinho, antes que seus tutores o empurrem para o outro lado e o abandonem no meio da noite.

Uma caçada aos criminosos está em andamento para encontrar os homens mostrados nas imagens, ambos são vistos fugindo da cena em um SUV de cor clara indo para o norte por volta das 11 da noite de 25 de Abril.

Acredita-se que o proprietário possa ter jogado o cão na tentativa de evitar o pagamento de uma taxa de administração compulsória por deixar o animal no abrigo durante o horário de funcionamento.

O vídeo compartilhado milhares de vezes nas mídias sociais mostra que os dois homens ciente da irresponsabilidade que estavam prestes a cometer, inicialmente verificam a área do lado de fora do abrigo em busca de testemunhas.

Um fica ao lado do carro mantendo vigia, enquanto o outro inspeciona a parte de trás do prédio. Vendo que não vinha ninguém, eles abrem o porta-malas do veículo e um dos homens – retratado no vídeo usando um chapéu – agarra o cachorro e o leva até o muro.

Enquanto o cachorro resiste, o segundo homem se aproxima para ajudar a empurrá-lo sobre o topo das grades. O pobre animal é visto então tentando desesperadamente manter o equilíbrio enquanto os homens o empurram repetidamente, antes que ele tombe no chão do outro lado do muro, parecendo cair primeiro de cabeça.

Felizmente o animal pode ser visto imediatamente de pé sobre suas patas novamente e correndo em direcção à cerca, mas o cão agora se encontra preso, enquanto os homens rapidamente se afastam.

Os espectadores que assistiram ao vídeo nas mídias sociais ficaram horrorizados com a filmagem e disseram que foi muita sorte o cão não ter sido ferido pela queda violenta.

Um deles escreveu: “Sinto muito, mas se você vai ser covarde a ponto de abrir mão de seu companheiro canino, o mínimo a fazer é esperar até que o abrigo esteja aberto”.

“Não se trata apenas de dinheiro, é sobre o processo de tratar animais com dignidade”.

“Esse pobre filhote parecia assustado e magoado por ter sido empurrado por cima do muro. Que cena triste e repugnante.”

Outro disse: “Se eles realmente tivessem alguma consideração pelo cão, teriam esperado que o abrigo abrisse no dia seguinte ou, no mínimo, teriam tido mais cuidado com o animal. São monstros”.

“Esse cachorro poderia ter quebrado o quadril, a perna ou o pescoço”, concluiu outro.

Algumas pessoas disseram que pelo menos o cão logo teria novos donos amorosos que cuidariam melhor dele do que os dois irresponsáveis que o maltrataram.

O Departamento de Polícia de Seguin emitiu um comunicado pedindo que quem tivesse informações sobre esses homens, entrasse em contato com a delegacia do distrito imediatamente.

Os infractores estão sendo procurados e responderão à acusações de maus-tratos e crueldade contra animais.

Animais não são produtos para serem descartados dessa forma irresponsável e cruel. Ao trazer um companheiro para casa estamos assumindo responsabilidade com seu bem-estar e futuro, trata-se de um vida, um ser inteligente e sensível que merece todo o respeito e amor a que tem direito.

Fonte: ANDA 

Nota: O artigo da Anda tem inúmeros erros, que corrigi!

Canguru debilitado exposto em pequena gaiola do lado e fora de zoo

O artigo da ANDA, tem um problema, de vídeo. Logo, vou postar este artigo, sem ele!


Foto: Amy Mary Mallard/Facebook

O que vemos nas imagens fortes apresentadas pelo vídeo abaixo é um animal altamente sociável, naturalmente predisposto a conviver em bandos, endémico de um país com temperaturas quentes; afastado de seu lar, isolado, sozinho, impossibilitado de correr pelos campos australianos, como é seu costume e exposto a uma temperatura completamente estranha ao seu organismo.

O resultado é um estado lastimável e severo de zoocose, letargia, pés arrastando-se pelo chão duro e algumas tentativas frustradas e frágeis e conseguir escapar, colocando o focinho contra o arame da gaiola

As imagens são do zoológico de Connecticut nos Estados Unidos e foram feitas por uma visitante do local, que comovida com a situação debilitante do animal, iniciou uma petição na intenção de devolver o marsupial ao seu país de origem.

O vídeo, que foi postado no Facebook, mostra o animal enjaulado, abatido, tendo apenas um chão duro como cama, coberto com o que parece ser serragem de madeira.

O canguru, que está totalmente sozinho, é visto andando de um lado para o outro na gaiola e enfiando o nariz pelas frestas do arame, numa tentativa débil e frustrada de sair de sua prisão.

A cena comovente levou a moradora de Connecticut, Danielle Le, a iniciar uma petição no Change.org pedindo a transferência do canguru para a Austrália.

Um protesto foi marcado para pedir libertação do animal | Foto: Amy Mary Mallard/Facebook
Um protesto foi marcado para pedir libertação do animal

“O canguru está em um espaço muito pequeno além de estar confinado, ele deveria mesmo é estar com outros cangurus em seu habitat natural”, escreveu a srta. Le.

Danielle não acredita que o animal seja capaz de sobreviver na natureza depois de tudo o que passou, ela espera conseguir levar o canguru para uma reserva de vida selvagem ou a um santuário na Austrália.

A autora da petição afirma esperar que o documento consiga pelo menos levar o canguru para um santuário nos Estados Unidos, caso não seja possível enviá-lo a Austrália, sua terra natal.

“Se alguém tiver alguma informação adicional sobre como isso deve ocorrer (legalmente), por favor comente no campo abaixo”, ela escreveu na petição.

“Entrei em contacto com dois lugares na Austrália para receber alguma assistência”, conta Danielle.

Até agora, a petição colectou mais de 700 das 1000 assinaturas desejadas.

Foto: Amy Mary Mallard/Facebook

Um protesto também foi criado sob a hashtag #savetherooCT e está programado para acontecer do lado de fora do zoológico, informou o Sydney Morning Herald.

A ativista pelos direitos animais de Massachussets, Sheryl Becker, disse que o canguru está sujeito a “condições climáticas extremas”.

“Em setembro de cada ano, o zoológico coloca esse pobre animal do lado de fora exposto em uma gaiola por 17 dias em uma feira agrícola”, disse Miss Becker.

“Podemos chegar a temperaturas extremamente baixas nessa época do ano Eu ouvi as pessoas comentando que o canguru às vezes parece drogado – e geralmente está dormindo”

Os cangurus tendem a ser mais ativos durante a madrugada e o crepúsculo, horas antes de alimentarem durante a noite e são animais de que vivem naturalmente em bandos, andando em multidões.

A história vem ao conhecimento público apenas algumas semanas após uma mulher australiana ter encontrou um kookaburra (espécie de ave protegida e endêmica da Austrália) engaiolado e à venda por 1.200 dólares em uma pet shop dos EUA.

Wendy Davidson – que mora nos Estados Unidos desde 2015 – disse que ouviu falar sobre o pássaro e decidiu visitar a loja de animais para ver por si mesma.

“Fiquei profundamente triste ao ver uma de nossas espécies nativas protegidas em uma pequena gaiola, sozinha e tão longe de casa”, disse ela ao Daily Mail Austrália.

Foto: Supplied

“Eu não conseguia parar de pensar que ele era um prisioneiro em confinamento solitário.”

Davidson relatou que a pet shop disse a ela que o pássaro estava na loja há mais de quatro anos à venda.

Davidson procurou zoológicos na Austrália e na Virgínia, assim como a Aliança contra o Tráfico de Animais Selvagens, no Consulado Geral da Austrália em Nova York e no Departamento de Agricultura e Cuidados com Animais dos Estados Unidos.

“Aqueles que se dignaram a responder, basicamente me enganaram ou alegaram que não tinham jurisdição sobre o assunto”, lamentou Davidson.

Fonte: ANDA (Corrigi os erros. Não é endêmico e sim endémico. E não é contato e sim contacto)

 

Projeto de lei proíbe felinos selvagens de serem domésticos nos Estados Unidos

O deputado Mike Quigley, membro da Subcomissão de Apropriações Internas da Câmara e do Comitê de Proteção aos Animais se uniu ao deputado Brian Fitzpatrick para reintroduzir o Big Cat Public Safety Act no Congresso americano

“Da criação irresponsável a condições de vida desumanas e exploração pública, os maus tratos aos grandes felinos acontecem de várias formas”, disse Quigley .

“Ao apresentar o projeto de lei, estamos trabalhando para resolver uma questão séria que causa um sofrimento incomensurável dos animais e introduz ameaças indesculpáveis à segurança humana. As leis estaduais relativas à propriedade privada de grandes felinos são inconsistentes ou inexistentes, e é por isso que uma lei federal uniforme é necessária para acabar com essa indústria de uma vez por todas”.

Milhares de tigres, leões, leopardos e pumas são mantidos em condições miseráveis, inseguras e inseguras por tutores irresponsáveis em todo o país. A lei trabalhará para resolver esse problema barrando a propriedade privada desses animais e proibindo os expositores de permitir o contato público com filhotes, que visa ajudar a corrigir maus-tratos de animais silvestres.

“Como membro do comitê congressional de proteção animal, estou comprometido em garantir que o governo faça sua parte para promover o bem-estar animal”, disse Fitzpatrick.

“Tenho orgulho de estar com o deputado Quigley para apresentar uma legislação que proteja as espécies de animais selvagens de felinos”.

Mais de cinquenta co-patrocinadores bipartidários apoiam o projeto.

“Há uma grande crise de grandes felinos nos Estados Unidos”, disse Cathy Liss, presidente do Animal Welfare Institute (AWI).

“Há milhares em cativeiro e nem sabemos onde eles estão. Indivíduos particulares mantêm estes animais como domésticos, onde eles definham em condições extremamente inadequadas e representam um risco grave para a comunidade. A Lei de Segurança Pública de Grandes Felinos é uma solução inteligente para uma situação perigosa e cruel”. As informações são do World Animal News.

Problemas como a falta de legislação, de fiscalização e a criação desenfreada alimentam o mercado negro de partes de animais usadas na medicina tradicional asiática.

Já exibições de filhotes também prejudicam a credibilidade e a influência dos Estados Unidos em trabalhar com outras nações nos esforços internacionais de conservação de tigres, além de ser uma prática muito cruel.

Exploração para entretenimento

A interação de animais selvagens, principalmente com grandes felinos, com o público é terrível para eles que, frequentemente, são dopados para reprimir seus instintos. Quando não, apresentam comportamentos agressivos devido ao estresse do cativeiro e dos maus-tratos.

Recentemente, um vídeo que mostrava a reação agressiva de um leão ao ser ‘beijado’ por uma garotinha é um perfeito exemplo do sofrimento e desespero de animais selvagens presos e explorados por toda a vida.

Nele, a criança é vista pressionando o rosto contra a parede de vidro de um recinto de leões em um zoo. A princípio, o leão apenas olha para ela. No entanto, rapidamente ele se demostra extremamente irritado com aquilo quando a jovem pressiona os lábios contra o vidro. O leão se levanta em suas patas traseiras e começa a arranhar exasperadamente a parede.

Outro caso de exploração, que foi noticiado pela ANDA, é a assustadora ‘atração’ no zoológico de Dartmoor, na Inglaterra. O local oferece aos turistas uma competição de cabo de guerra com um tigre ou um leão.

Sue Dally criou uma petição no site 38 Degrees para acabar com esse absurdo e disse: “Parece que estamos andando para trás, o zoológico está agindo mais como um circo do que em algum lugar que realmente se preocupa com a saúde e segurança dos animais em extinção em cativeiro”.

Fonte: ANDA

Ursos entram em casa e abrem a geladeira nos Estados Unidos

Dois filhotes de urso entraram em uma casa, em Lake Tahoe, na Califórnia (EUA), no último fim de semana. Tudo foi gravado por uma câmera de segurança.

Dois filhotes de urso entraram em uma casa, em Lake Tahoe, na Califórnia (EUA), no último fim de semana. Tudo foi gravado por uma câmera de segurança.

Um dos ursos, provavelmente com fome, foi direto na geladeira para procurar comida. O outro foi investigar o que tinha na sala de estar. A mãe dos filhotes ficou do lado de fora.

O dono da casa, Bryan Kengott, conseguiu acionar um alarme de emergência que afugentou os animais. Segundo ele, os ursos entraram na casa por uma janela.

Mesmo tendo sido “expulsos”, os dois ursos ainda tentaram voltar mais vezes à casa, mas não conseguiram mais entrar pois sempre encontraram a janela trancada.

A ONG BEAR League, que cuida de animais selvagens na região de Lake Tahoe, compartilhou, na segunda-feira (13), o vídeo dos dois ursos.

Segundo o Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Califórnia, não é raro ver ursos nessa região do Estado. O órgão orienta os moradores a sempre deixarem portas e janelas trancadas e a instalarem alarmes com detectores de movimentos.

Mesmo assim, caso algum animal consiga entrar em casa, a orientação é evitar confronto, tentar fugir por alguma rota que não coincida com a dos ursos e ligar para a polícia.

Nota da Redação: a presença de animais silvestres em áreas urbanas é reflexo de um grave problema: a redução do habitat. Com a destruição da natureza, esses animais migram para as cidades em busca de abrigo e alimento. Por essa razão, casos como o registrado nos Estados Unidos, envolvendo ursos, têm sido cada vez mais frequentes e se tornarão algo ainda mais comuns se medidas urgentes de proteção ao meio ambiente não forem tomadas.

Fonte: ANDA

Foi encontrado numa casa abandonada, mas já tem um novo lar. Esta é história de Tyson, o tigre(corrigi para português correcto)

Estava sozinho e às escuras, preso dentro de uma jaula na garagem de uma casa na cidade de Houston, no estado do Texas, quando foi encontrado por dois homens que entraram na habitação para fumar drogas. Agora, Tyson, o tigre, foi transportado para um abrigo animal, onde outros dois da sua espécie lhe vão fazer companhia.

Foi encontrado numa casa abandonada, mas já tem um novo lar. Esta é história de Tyson, o tigre

Esta insólita história teve início na passada segunda-feira, 11 de Fevereiro, quando dois homens, ao entrar dentro de uma casa abandonada para fumar marijuana, ligaram para a polícia, dizendo ter visto um tigre dentro das instalações, segundo a CNN.

Tendo a descoberta sido motivada pela procura de um espaço para consumir substâncias psicotrópicas,  as autoridades mostraram-se reticentes quanto à veracidade da denúncia.

Por essa razão, o sargento Jason Alderete, do departamento de polícia de Houston, disse ao canal KTRK (associado à CNN) que questionou os homens se “estavam sob o efeito das drogas ou se tinham mesmo visto um tigre”.

Não obstante o seu cepticismo, as autoridades dirigiram-se ao local, onde encontraram o felino de dois anos de idade preso na garagem da casa, mostrando sinais de abandono.

Apelidado de Tyson – nome dado em homenagem ao filme “A Ressaca”, no qual os três protagonistas roubam um tigre pertencente a Mike Tyson – pela equipa de salvamento, o felino foi resgatado, tendo os agentes utilizado um tranquilizante no animal para transportá-lo em segurança para um abrigo, o Cleveland Amory Black Beauty Ranch.

Localizado a, aproximadamente, 322 quilómetros de distância a norte de Houston, este espaço, gerido pela Humane Society, possui 800 animais, dos quais dois são tigres. “O rancho um complexo de floresta natural de dois hectares que emula um ambiente nativo e que vai ser o novo lar do tigre enquanto se decide quanto à sua custódia permanente”, disse a ONG em comunicado.

Segundo os activistas da Humane Society, esta terá sido a primeira vez que o tigre pisou terreno relvado, julgando-se que tenha sido criado inteiramente em cativeiro.

No entanto, apesar de ter sido encontrado em aparente boa saúde e com vários sacos de carne dentro da diminuta jaula onde estava enclausurado, Tyson foi colocado em quarentena por questões de precaução, só se podendo juntar aos seus novos vizinhos dentro de duas semanas.

As autoridades continuam a investigar o caso e a tentar descobrir quem é o dono do tigre, sendo que, à data, ainda não houve detenções, nem o autor da denúncia foi implicado.

Contudo, ao The New York Times, Lara Cottingham, chefe do gabinete de administração e assuntos regulatórios da cidade, admitiu que casos como este não são novos. “Este não é o primeiro tigre ao que fomos chamados para investigar”, diz, adiantando que “na cidade de Houston, não se pode ter animais exóticos, incluindo um tigre”.

No mesmo diário nova-iorquino, Heidi Krahn, fundadora e diretora executiva do Center for Animal Research and Education, ONG que atua na protecção e abrigo de espécies exóticas no estado do Texas, diz que compreende porque é que as pessoas querem ter tigres, mas lembra os riscos, já que “quando um tigre bebé nasce, pesa menos de um quilo, é inofensivo e muito querido”, mas à medida que cresce, explica a directora, “começa a ficar muito dependente das pessoas”.

De todas as razões pelas quais é altamente inviável ter um tigre como animal de estimação, uma delas é que quando “atinge os quatro meses de idade já precisa de comer o equivalente a um bezerro”, diz Krahn, sendo que custa “habitualmente à volta de 1,2 milhões de dólares (aprox. 1 milhão e 62 mil euros) para criar um tigre ao longo dos seus 20 anos de vida”.

Fonte: SAPO24