Conteúdo ANDA Em três anos, todos os elefantes de Mali podem desaparecer

980x

Os elefantes de Mali, o sétimo maior país da África, poderiam facilmente serem considerados alguns dos elefantes mais esquecidos do mundo. As informações são do The Dodo.

Uma de apenas duas manadas de elefantes do deserto do mundo, o número da população de elefantes de Mali paira em algum lugar entre meros 350 e 550 indivíduos. Eles sobrevivem não só à condições extremas – uma paisagem quente e seca – mas também fazem a mais longa migração anual por água, mais de 30 mil km, de quaisquer espécies de elefantes no mundo, diz Susan Canney, diretora do Mali Elephant Project.

Mas a insegurança política e a violência também estão ameaçando a sobrevivência destes últimos animais restantes, de acordo com Canney. Traficantes internacionais de marfim estão mirando nos elefantes pelo seu marfim em matando-os em um ritmo devastador e recorde.

“O Mali está ficando de lado enquanto os elefantes estão sendo mortos… Se continuarmos nesse ritmo, todos eles terão ido em três anos”, Canney disse à Reuters.

“O fato de que [estes elefantes] tem sobrevivido neste ambiente incrivelmente rigoroso, isso mostra sua inteligência incrível,” disse Canney ao The Dodo. “Eles aprenderam a escolher o seu caminho através deste ambiente para conseguir o que precisam durante certas épocas do ano.” Mas agora, ela diz, eles enfrentam uma ameaça mais recente.

Antes de 2012, a caça era bastante limitada em Mali, diz Canney. Mas, devido à instabilidade política na Líbia e Argélia, muitos mercenários ou jihadistas fugiram para Mali, criando uma arena caótica favorável para o tráfico de marfim florescer.

Oitenta e três foram mortos no ano passado, com 119 mortos no total desde janeiro de 2012, incluindo 50 machos adultos, 50 fêmeas adultas, 4 machos juvenis e 3 fêmeas jovens. Canney diz que eles são geralmente mortos com armas semi-automáticas.

Canney não pode visitar os elefantes no norte de Mali desde novembro de 2011, devido à ameaças de sequestro. Assim, o Mali Elephant Project (MEP), em parceria com o Fundo Internacional de Conservação do Canadá, lançou uma rede de informações, recrutando cerca de 600 jovens em todo norte do Mali – adolescentes e jovens de vinte e poucos anos, que trabalham em conjunto como parte de uma árvore de informações. Os jovens vigiam suas comunidades locais e relatam incidentes de caça ilegal a um gerente de campo. Esse gestor, por sua vez, fornece as últimas informações sobre as mortes de elefantes para Canney.

“Estamos no telefone todos os dias”, diz ela.

A rede é atualmente a única maneira que Canney e o MEP têm conseguido monitorar o destino desses animais vulneráveis. “Esse trabalho dá status à esses homens que caso contrário não teriam nada para fazer”, diz ela, rejeitando os esforços dos insurgentes para recruta-los na rede de tráfico de marfim.

“Eles são absolutos heróis,” acrescenta ela.

O projeto, parte da Wild Foundation, gasta cerca de US $ 100.000 por ano fornecendo bolsas honorárias aos 600 homens. “No total fica cerca de US $ 170 por ano por homem,” diz Canney.

Enquanto isso, Canney está esperando ansiosamente para o governo de Mali enviar 50 guardas para o campo a fim de proteger os elefantes. Mas os guardas ainda têm de ser implantados.

É ainda um outro fator que contribui para a situação desesperada dos elefantes de Mali – cujas vidas realmente pendurar na balança.

*É permitida a reprodução total ou parcial desta matéria desde que citada a fonte ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais com o link. Assim você valoriza o trabalho da equipe ANDA formada por jornalistas e profissionais de diversas áreas engajados na causa animal e contribui para um mundo melhor e mais justo.

Fonte: ANDA

Anúncios