Conteúdo anda Elefante com anemia morre em cativeiro

Elefante-morre-em-circo

Uma elefante fêmea que fazia parte do Circo Jumbo, na Índia, morreu em um prédio isolado onde havia sido confinada junto com quatro outras fêmeas pelos últimos cinco meses. Chanchal, de 50 anos, já participou de centenas de espetáculos e estava anêmica. Ela também não contava com atendimento médico, segundo oficiais. As informações são do site The Hindu.

O circo havia comprado cinco elefantes fêmeas para um espetáculo alguns meses atrás. Mais tarde, a companhia confinou os animais em um prédio isolado. Desde então, Chanchal vivia em condições lamentáveis com as outras cinco elefantas – Chaya, Kumari, Ruupa e Lakshmi. Suas pernas haviam sido amarradas em pilastras com cordas de nylon. Chanchal também sofria de problemas relacionados à sua idade. Ela adoeceu duas semanas antes de falecer.

De acordo com um oficial, o local onde as elefantas eram confinadas era anti-higiênico. Como Chanchal morreu devido à ignorância alegada, o Departamento Florestal decidiu conduzir um inquérito sobre sua morte. Um grupo de ativistas de direitos animais visitou o prédio e alegou que Chanchal não recebeu o devido tratamento.

Fonte: ANDA

Anúncios

Elefante finalmente conhece o que é viver livre aos 70 anos

Reparem na alegria desta elefante, estampada no seu olhar, no seu rosto e na sua expressão. Este artigo encheu-me de felicidade!

***

Foto: Facebook/Lek Chailert

Uma elefante de 70 anos de idade está finalmente conhecendo o que é viver livre. As informações são do The Dodo.

Noi Nah, conhecida como a elefante mais velha do Elephant Nature Park, um centro de resgate e reabilitação na Tailândia, foi resgatada no mês passado da indústria de turismo do país.

Foto: Divulgação

No início, magra e cansada, Noi Nah ainda carregava a raiva e a desconfiança que ela adquiriu em sua vida, por ter sido usada para entretenimento humano.

Mas um mês depois, esta senhora parece outra.

Foto: Divulgação

Tendo recebido uma nova chance de amar a vida, a elefante brinca alegremente na lagoa.

Noi Nah mostra como um pouco de ternura e cuidado podem ser transformadores na vida de um animal – não importa a sua idade.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Fonte: ANDA