URGENT: Hold Denmark Accountable for the Slaughter of Pilot Whales!

Danish officials, including police, navy, and customs representatives, have been facilitating and supporting the slaughter of cetaceans in the Faroe Islands. In events known as “grindadráps,” Denmark assists the Faroese with ensuring that they can drive hundreds of pilot whales and other cetaceans into bays, where, while screaming in terror, their spinal columns are ruthlessly sliced, filling the bays full of blood.

While the Faroese cannot be brought to justice for their direct role in these atrocities, Denmark can. By supporting the Faroe Islands in the slaughter, Denmark fails to fulfill its EU obligations under the EU Habitats Directive – officially known as the Directive on the Conservation of Natural Habitats and of Wild Fauna and Flora. The Habitats Directive prohibits member states (including Denmark) from all forms of deliberate disturbance, capture, or killing of cetaceans.

On 8 May 2017, with the formal support of 27 Members of the European Parliament, Sea Shepherd Netherlands officially submitted a complaint to the European Commission, requesting infringement proceedings against Denmark for facilitating the slaughter of pilot whales and other cetaceans in the Faroe Islands.

It is up to the European Commission to ensure that Denmark is brought to justice. Sea Shepherd has given the European Commission all the proof needed to make that happen. Please sign our petition right away requesting that the European Commission stop Denmark from continuing to facilitate the slaughter of cetaceans. Time is of the essence – the European Commission is deliberating now.

Assinar aqui

Anúncios

CONTEÚDO ANDA Dinamarca dobra multas em casos de crueldade contra animais

Reprodução/iStock

O Parlamento da Dinamarca decidiu por unanimidade dobrar a pena máxima estipulada para casos de crueldade animal.

Negligências graves, violência e outras formas de abuso contra animais serão punidas com até dois anos de prisão, informa o portal CPH Post.

O parlamento estabeleceu que as multas para o cuidado irresponsável de animais domésticos e de outros animais mantidos em propriedades privadas passarão de cinco mil para 10 mil coroas.

Os maus-tratos a animais usados na pecuária e animais usados em negócios de outros setores podem ser multados em até 20 mil coroas em vez do valor máximo atual de 10 mil coroas.

A nova lei entra em vigor em no dia 1º de julho e representa um avanço significativo nas cinquietas dos direitos animais.

O agravamento das penas reflete a valorização da vida animal e estimula a sociedade a ter uma visão mais ética e compassiva dos animais não-humanos.

Fonte: ANDA

A monstruosidade na Dinamarca continua! Dinamarca Zoológico mata jovem leoa e planeja dissecá-la em público

Foto: Flickr/vindfeld

Um zoológico dinamarquês está planejando dissecar publicamente uma leoa que foi morta por ter sido considerada “excedente” – um ano após outro zoológico da Dinamarca ter recebido massivos protestos por ter matado uma girafa jovem e saudável, em seguida dissecando-a e dando a sua carne para os leões na frente de crianças.

O Odense Zoo, que está localizado no centro da Dinamarca e a 170 km de distância de Copenhagen, diz que a jovem fêmea de leão foi induzida a morte há nove meses atrás, pois já havia muitos felinos no zoológico. O animal, cujo corpo está sendo mantido em um refrigerador desde então, deverá ser dissecado na próxima quinta-feira, que será feriado escolar. As informações são do NY Post e do The Dodo.

Michael Wallberg Soerensen, mantenedor do zoológico, diz que o mesmo realiza  dissecações públicas há vinte anos. Ele afirma que não é algo com o objetivo  de entretenimento, mas sim educacional.

“Nós não cortamos os animais para diversão. Acreditamos no compartilhamento de conhecimento”, disse ele, acrescentando que o propósito da dissecação pública é dar às pessoas uma experiência “mais próxima dos animais”.

“É importante não dar aos animais atributos humanos que eles não têm”, acrescentou.

Segundo o site do zoológico, durante a dissecação haverá explicações enquanto o animal for cortado, e o coração, pulmões e outras partes do corpo serão exibidas. O zoológico, após esta apresentação, fará uma dissecação de ratos.

O evento está atraindo diversos protestos, mas tem sido bem recebido na maior parte da Dinamarca, ao contrário de planos similares do Zoológico de Copenhagen em Fevereiro de 2014, que enfrentou protestos internacionais após uma girafa saudável chamada Marius, que foi morta aos dois anos de idade também por ter sido considerada excedente. Ela foi dissecada diante de uma multidão, que incluía crianças, e então sua carne foi dada como comida para os leões.

O zoológico de Copenhagen não só ignorou completamente as manifestações contrárias por ter matado a girafa, como também, um mês depois, matou uma família inteira de leões – dois adultos e dois filhotes – de modo a poder receber um “simpático” novo leão macho.

Muitos dinamarqueses postaram comentários positivos na página do Odense Zoo no Facebook, com alguns concordando com a presença de crianças na dissecação – uma prática comum no país e frequentemente assistida por crianças em idade escolar. O Odense Zoo faz isso “uma ou duas vezes por ano”, sem restrição de idade para os espectadores, e promove o evento em seu programa semanal.

Filhote de leão reproduzido em zoológico da Eslováquia. Foto: Ringier Axel Springer / Barcroft

Filhote de leão reproduzido em zoológico da Eslováquia.

Leões em cativeiro são considerados jovens adultos quando estão com a idade entre oito e nove meses. Wallberg Soerensen argumentou que o animal foi morto para evitar a endogamia.

Logo após a leoa ter nascido, em Outubro de 2014, Wallberg Soerensen começou a procurar por outro zoológico na Europa para onde ela pudesse ser enviada. Ele disse que o zoológico decidiu matá-la por não ter encontrado outra morada para ela.

O anúncio do zoológico ressaltou diferenças culturais entre europeus e americanos quanto a animais em zoológicos.

Tais mortes desnecessárias parecem particularmente insensíveis à luz de uma preocupação pública crescente quanto à caça de leões. Mas, apesar do fim terrível dessa leoa estar sendo público, infelizmente não é uma exceção.

De acordo com uma estimativa de 2014, só na Europa, os zoológicos matam entre 3.000 e 5.000 animais saudáveis por ano. As justificativas para a matança são variadas, e incluem doenças, idade avançada, falta de espaço ou questões ligadas à preservação. Os gerentes dos zoológicos dizem que o seu trabalho é “preservar espécies, não indivíduos”.

Nos Estados Unidos, os zoológicos tentam evitar a prática de matar animais que não possam hospedar impedindo que eles nasçam, através do uso de contraceptivos. Porém, tal método tem sido criticado por perturbar o comportamento natural dos animais.

“Americanos são muito conservadores e ficam facilmente indignados, enquanto dinamarqueses têm a mente mais aberta”, disse S. M. Rowland, um americano de 45 anos de idade que vive em Copenhagen.

Um usuário do Facebook postou na página do Odense Zoo a mensagem: “o mundo NÃO é um filme cor de rosa da Disney”, apoiando a decisão do zoológico.

Não importa a forma como se mata ou se evita a morte dos animais em zoológicos. A manutenção de animais em zoológicos é um equívoco em si, indefensável.

Nota da Redação: É absolutamente lamentável que, além de serem confinados em zoológicos, separados de suas famílias e vivendo vidas perturbadas, longe de seu habitat e contra a sua natureza, esses animais são mortos deliberadamente e têm um fim indigno, como esta leoa que, provavelmente, já nasceu condenada a perder tão cedo a sua vida, que não teve nenhum valor diante dos olhos humanos.

Fonte: ANDA

No mesmo país que tem uma ilha que anualmente mata várias centenas de baleias-piloto e golfinhos! Dinamarca. Depois de uma girafa, a vez de dissecar um leão em público

mw-1280
Em fevereiro de 2014, uma girafa de 18 anos foi dissecada ao vivo no zoo de Copenhaga, à frente de crianças, o que causou grande polémica

O ano passado, quando outro jardim zoológico do país fez o mesmo com uma girafa, o caso causou grande polémica

 

O jardim zoológico de Odense, uma cidade dinamarquesa, vai proceder à dissecação pública de um leão. “Acreditamos que há (na iniciativa agora anunciada) muita educação envolvida”, disse um responsável da instituição, Michael Sorensen, justificando um ato que inevitavelmente gerará polémica. Este jardim zoológico, como outros existentes no país, tem uma política de limitar o número de animais até para evitar cruzamentos genéticos.

O leão em causa, atualmente num frigorífico, foi morto há nove meses. Para justificar o abate, Sorensen explicou: “Embora estejamos sempre em contacto com outros zoos, pode haver um excedente”.

A prática de eliminar animais saudáveis é comum na Dinamarca, e ainda no ano passado o zoo de Copenhaga dissecou uma girafa de 18 anos que foi abatida por motivos semelhantes.

O facto de a dissecação ter sido feita à frente de crianças reforçou a indignação de muita gente, tendo chegado a haver ameaças de morte contra o diretor do zoo.

Desde essa altura, os zoos tentam manter um “low profile”. Os responsáveis garantem que, de modo geral, o público continua a apoiá-los quando procedem a este tipo de iniciativa, que aliás visa manter rácios determinados a nível europeu.

Fonte: Expresso online

Ativistas são presos ao tentar evitar massacre de baleias nas Ilhas Faroé‏

DivulgaçãoNa última quarta-feira, tripulações da Sea Shepherd defenderam corajosamente um grupo de baleias-piloto que estavam sendo conduzidas para o vergonhoso massacre nas ilhas Faroé (Atlântico Norte), conhecido como “grindadráp”. As informações são da própria ONG.

O pequeno barco da organização, que vinha patrulhando a área no momento em que começou a caçada, chegou ao local enquanto o grupo de baleias era conduzido para a praia de Sandavágur, na ilha de Vágar.

A embarcação da Sea Shepherd interrompeu a caça, manobrando entre a frota de barcos que haviam cercado os animais.

Apesar de estar em drástica desvantagem em relação aos barcos dos caçadores, o barco da Sea Shepherd conseguiu redirecionar o grupo, causando grande confusão para a caça.
Na hora da matança, na costa da praia, cinco voluntários da Sea Shepherd saíram correndo em direção à água, a fim de posicionar-se entre as baleias e os caçadores que as aguardavam. Todos os cinco foram abordados pela polícia e arrastados de volta para a areia, onde foram algemados e forçados a se sentar de frente para a carnificina que se desdobrava.

Os cinco voluntários foram presos e forçados a se sentar em frente ao massacre. Foto: Marianna Baldo
Os cinco voluntários foram presos e forçados a se sentar em frente ao massacre. Foto: Marianna Baldo

Relatos iniciais divulgados através da mídia local indicaram que o grupo de baleias que seriam caçadas era composto por 200 animais. No entanto, quando o grupo foi conduzido à praia, foram contadas apenas 61 baleias-piloto. Não se sabe se algumas baleias escaparam, ou se os números iniciais foram superestimados.

Todas as 61 baleias-piloto foram então arrastadas para a praia e, finalmente, mortas. A Sea Shepherd estima que o massacre, a partir do momento em que o grupo foi cercado até a última morte ter sido concluída, levou cerca de duas horas.

Todos os cinco ativistas da tripulação da Sea Shepherd foram presos. Rudy de Kieviet, dos Países Baixos, Lawrie Thomson, do Reino Unido, Tobias Boehm, da Alemanha, Alice Bodin, da Itália, e Frances Holtman, dos Estados Unidos, tiveram seus passaportes confiscados e terão que permanecer nas ilhas Faroé até novo aviso.

Um representante legal foi chamado para agir em nome de todos os detidos.

A indústria do turismo das Ilhas Faroé está diretamente ligada à recente matança em Sandavágur. A mídia local do arquipélago relatou que o grupo de baleias foi visto pela primeira vez por um helicóptero da Atlantic Airways – um serviço que transporta turistas entre as ilhas.

A localização dos animais foi então relatada às autoridades, que deram permissão para que a caça prosseguisse. Rosie Kunneke, líder de equipe da Sea Shepherd, declarou: “Esta não é a primeira vez que o turismo das Ilhas Faroé tem sido usado como uma arma para ajudar na matança de baleias-piloto. Balsas que viajam entre as ilhas, e que são frequentadas por turistas, são usadas ​​como plataformas para detectar e relatar avistamentos de baleias. E, conforme já citado anteriormente, qualquer pessoa – incluindo qualquer turista – que não relatar avistamentos de baleias está em violação da Lei Baleeira das Ilhas Faroé e pode ser punido nos termos da lei. Os turistas que viajam para a região precisam ser alertados sobre esses riscos”.

O massacre desta semana em Sandavágur é o quinto do ano nas Ilhas Faroé. Um total de 490 baleias-piloto foram mortas no arquipélago desde junho.Em 23 de julho, mais de 250 baleias-piloto foram mortas nas praias de Bour e Tórshavn em dois “grindadráps” separados. Igualmente, cinco voluntários da Sea Shepherd foram presos naquele dia por terem atuado em defesa das baleias. Dos cinco, quatro são cidadãos da União Europeia.

Foi apresentado um pedido para que os cinco fossem deportados, e este encontra-se atualmente em análise.

Imagens de vídeo da matança dos animais e das prisões em 23 de Julho atraíram a atenção mundial, e acenderam um alerta sobre o apoio contínuo que a Dinamarca fornece para proteger esta prática nas Ilhas Faroé.

Até agora, neste ano, um total de 12 voluntários da Sea Shepherd foram presos no arquipélago. Em 20 de julho, outros dois voluntários da Sea Shepherd foram presos em uma tentativa de “grindadráp” próxima a Klaksvík. Ambos os voluntários ainda estão aguardando seu dia no tribunal.

A Sea Shepherd tem liderado a oposição à “grindadráp” desde os anos 80. A Operação “Sleppid Grindini” é a sexta campanha da organização em defesa de baleias-piloto nas Ilhas Faroé.

Fonte: ANDA

***

“O dia em que a Sea Shepherd presenciou a morte de 250 baleias-piloto. Ajudem a acabar com a matança de baleias nas Ilhas Faroé. Um massacre a céu aberto onde a impunidade fere todos os valores universais.
Colabore! Juntos, podemos mudar o mundo. Faça a diferença.
A Sea Shepherd precisa de você.”

“Mais de 250 baleias-piloto foram perseguidas até à praia, onde, encurraladas, foram mortas com arpões e facas pelos habitantes locais enquanto dezenas de pessoas assistiam, incluindo crianças.

O massacre faz parte de uma tradição anual nas Ilhas Faroé, na Dinamarca, e foi denunciado pela organização ambientalista Sea Shepherd Global nas redes sociais.

Segundo o Daily Mail, o evento, conhecido por ‘grindadráp’, está legalizado pelas autoridades e contou com o apoio da marinha dinamarquesa. Cinco ambientalistas foram detidos por tentar parar os locais.

“É incompreensível que a Dinamarca, um país membro da União Europeia, que luta contra este tipo de prática, consiga justificar a sua participação neste massacre”.”

“Massacre de baleias-piloto que se repete todo ano nas Ilhas Feroe, Dinamarca. No vídeo, veja o momento em que ativistas da ONG Sea Shepherd são presos. Na mesma hora, centenas de pessoas começam o massacre.”

Whaling in the Faroe Islands

Primeira imagem

2º imagem

Este Monstro Massacre, acontece todos os anos, nas Ilhas Faroe, na Dinamarca!

This Monster Massacre, held every year in the Faroe Islands, Denmark!

Esta prática bárbara, que na Dinamarca é apelidada de tradição acontece todos os anos!

This barbaric practice, which in Denmark is nicknamed tradition takes place every year!

       tumblr_lzw3l0Gkh71r65z2o XZIuwaWejGjfLuH-800x450-noPad whaling-faroe-islands Whaling_in_the_Faroe_Islands Vágaportalurin_11 pithing-2 pilot-whales-slaughter-in-Faroe-Islands Pic-10-cropped-compressed maxresdefault3 maxresdefault2 maxresdefault images I140929_184428_2319365oTextCS_70104805 Hvalba_26-08-06_(3) hqdefault grintedrab grind_stop front-whale-massacre

Grindadráp Faroe Islands

FAROES-2-cropped-compressed faroe-island-whale-pod-pilot-blood-bay-denmark-hunt-kill Faroe-Islands-Whale-Kill-11 Faroe_Islands_Leynar_Bay_Pilot_Whales_011-700x463 Dolphin-grind-FI-via-in.fo-Aug-13-20131 cd92a262b1c7dc58a7634019b8ebe62e

Sam Gleðisheygg, 10, experiments with cutting whale blubber during a whale hunt, or grindadráp, in the village of Syðrugøtu in the Faroe Islands. Though children do not participate in the hunt, they often practice cutting out pieces of leftover whale. Later, their families will teach them how to actually kill the whale by quickly severing the spinal cord, then how to efficiently cut it up for meat.

anmadv126 129818221723216228471_3143c697-s 4174683190_ddb0c4c871 3402245910_43fa3f5eff_o 252528-1385752150-wide 83470.ngsversion.bc203fea09ca07f4d26b263769bd831e.adapt.768.1 1992_06_Faroe_Islands_04-700x458 1986_Faroe_Islands_Pilot_Whale_Hunt_041

Stop the Faroe Island Whale Slaughter

 

Assinar esta petição/ Sign this petition: HTTPS://WWW.CHANGE.ORG/P/END-THE-FAROE-ISLANDS-WHALE-SLAUGHTER

**

Como disse em cima, esta prática é apelidada de tradição, nas Ilhas Faroe. E então pergunto, a quem defende a prática Monstra portuguesa, chamada Tauromaquia, o seguinte: o que acham desta prática. Acham que a barbaridade para com outros seres sensíveis, pode ter lugar em pleno século 21, seja em Portugal, na Dinamarca, ou em qualquer outro país?

 

Petition to End the Faroe Islands’ Whale & Dolphin Slaughter

End the Faroe Islands' Whale & Dolphin Slaughter Thousands of signatures have now been presented in person to the Faroe Islands Government. Add your voice to this petition to keep up the demand until this cruel whale slaughter is banned.

Hundreds of pilot whales are slaughtered every year on the Faroe Islands, a small group of islands north of Europe. Faroe men go out with boats to drive these animals into a fjord using nets to block their way back to sea. The whales then beach themselves, or are pulled ashore with a blunt hook lodged in their blowholes. Once beached and defenceless these whales are killed by having their spinal cords and major blood vessels cut. It can take up to three and a half minutes for a whale to eventually die. More »

Please show the Faroe Islands that the international community is strongly opposed to this cruel slaughter by signing this petition to the Faroe Islands Prime Minister.

Assinar esta petição aqui/Sign this petition here

http://www.unleashed.org.au/take_action/petitions/stop-the-faroe-islands-whale-slaughter/