Debate…

A Tortura não é Cultura

BASTA DE TOURADAS

Ontem à noite, assisti na SIC Notícias um debate sobre a decisão de hoje no Parlamento, entre a Rita Silva e um representante, da PRÓTOTO(digo prótoto, porque quem é pela tortura para com o touro, não se pode chamar de “Pró-toiro”. Pró-touro, somos todos nós, anti-tourada).

A Rita Silva esteve muito bem.
Quanto ao representante da PRÓTOTO, esteve verdadeiramente patético. Foi verdadeiramente confrangedor ouvi-lo. Ele limitou-se a ser mais do mesmo. Foi para o debate, com um CD Riscado na garganta.

Já a Rita Silva, demonstrou claramente para com o execrável sujeito que participava com ela no debate, que as touradas prejudicam gravemente o bem-estar psicológico das crianças, tanto as que participam, como as que vêm. Ela demonstrou-o utilizando as palavras claras da ONU. E nesse momento, foi claro que o execrável representante da PRÓTOTO, estava com um caroço de pêssego na garganta, tal era a sua atrapalhação.

Depois, num acto deselegante e mal educado; aliás, ao estilo dos defensores da tauromaquia, interrompeu a Rita Silva.

As crianças ao serem expostas à violência, no caso sobre o touro, tanto a participar como a ver, são claramente prejudicadas. E se a PRÓTOTO acha que não é assim, então que nos mostre um estudo cientifico e ético, que tenha sido realizado por Psicólogos e por Psicólogos Forenses, que nos prove que não é assim.

Os meus parabéns à Rita Silva. Mais uma vez digo que ela esteve muito bem, no debate de ontem à noite!

Agora resta esperar pela decisão de hoje no Parlamento!

Mário Amorim

Anúncios

Até hoje…

CRUELDADE

Nós, que lutamos contra a tauromaquia, procuramos informação válida que sustente os nossos argumentos.
Mas não vemos o mesmo daqueles que defendem a tauromaquia. E até hoje é assim!
Por exemplo, quando debatemos num programa de televisão levamos connosco para o debate, toda uma informação cientifica válida e ética. Mas por parte de quem defende a tauromaquia, vemos, em cada debate com eles, mais do mesmo. Vemos mais dos mesmos argumentos. Vemos a repetição de argumentos, não provados cientificamente, e que para além de serem argumentos não provados cientificamente, são argumentos que não respeitam a ética profissional. Ou seja; não é possível ter um debate com quem defende a tauromaquia, pois eles fogem do debate cientifico e ético. Apenas se limitam a um chorrilho de argumentos, não sustentados pela ciência e pela ética profissional.
Por tanto, debater com quem defende a tauromaquia, não passa de um monologo.

Nem numa altura em que a tauromaquia, é cada vez mais contestada, eles mudam a postura que têm. E não mudam a postura que têm, porque sabem que os argumentos que defendem, não são sustentados pela ciência e pela ética.

Vou dar um exemplo concreto.
Sempre que debatemos na televisão com quem defende a tauromaquia, quem é que eles levam sempre para o debate, quem? –Um veterinário e ganadeiro, chamado Joaquim Grave. E assim que lhe é perguntado pelas provas cientificas e éticas que sustentem os seus argumentos, ele sente-se visivelmente atrapalhado. E se tivesse um buraco à sua frente atirava-se.
E é sempre isto que acontece, debate após debate!

Acho que está na hora dos defensores da tauromaquia, saírem do seu casulo de medo, e por uma vez, aceitarem debater connosco, cientifica e eticamente, num debate televisivo!

Mário Amorim

AnimaNaturalis participó en el debate “Corridas de Toros ¿sí o no?” en el Canal RCN

Andrea Padilla, vocera de AnimaNaturalis en Colombia, participó en el debate sobre la tauromaquia en el programa “Dos Puntos”, junto a Natalia Parra (ALTO), Felipe Negret (Corporación Taurina de Bogotá) y César Rincón (Ex torero y hoy ganadero). AnimaNaturalis

AnimaNaturalis participó en el debate “Corridas de Toros ¿sí o no?” en el Canal RCN

 

En “Dos Puntos”, con Rodrigo Pardo, cuatro expertos debaten sobre la tauromaquia, que está en el centro del debate gracias a la Corte Constitucional.

Para Andrea Padilla, vocera de AnimaNaturalis Internacional, el nuevo fallo de la Corte “dio un giro radical” a la jurisprudencia que había establecido la Sala Plena en puntos clave como retirar las competencias a los alcaldes para adoptar medidas sobre el tema taurino y el haber desconocido las condiciones para hacer corridas de toros, lo que para ella avala la crueldad contra los animales.

Por su parte, el matador César Rincón basó su defensa en la libertad de expresión y en una postura antropocentrista, con la cual arguye que los animales están al servicio del ser humano, además del derecho de los jóvenes a “formarse” como toreros.

Natalia Parra de la Plataforma ALTO, recordó que la ONU hizo en los últimos días un pronunciamiento sobre la presencia de niños y niñas en las corridas de toros, espectáculos violentos que les afecta psicológicamente, además, Natalia expresa que el fallo de la Corte deja “mucho que desear” y más cuando el país se encuentra en un proceso de paz.

Felipe Negret, quien es el presidente de la Corporación Taurina de Bogotá, celebró el fallo de la Corte y expresó que una consulta popular “nace muerta” porque está en contra de la Constitución y la Ley.

Los cuatro expertos están de acuerdo en que la decisión tomada por los magistrados del alto tribunal es definitiva, pese a que se puedan recurrir a otras instancias jurídicas.
Si te lo perdiste, mira aquí el debate completo. Los defensores de los derechos de los animales seguimos apostándole a la #ConsultaAntitaurina como una opción para acabar definitivamente con las corridas de toros en Bogotá.

Fonte: Animanaturalis

Mas não posso deixar de fazer o repto…

Estava mais do que na hora de vocês, defensores da tauromaquia, aceitarem discutir a tauromaquia de forma séria, aceitando debater a tauromaquia, na televisão, com um debate de parte a parte, centrado na ciência e na ética profissional.

Há muitos anos que voz fazemos este repto. Mas ano após anos, carregados de medo, fogem dele.

E não posso deixar de voz fazer novamente este repto. Deixem-se de medo, e por uma vez, aceitem debater a tauromaquia, na televisão. Não um debate para levarem, como sempre, alguém que desrespeita por completo o código deontológico, mas sim, alguém que não abdique de cumprir totalmente a ética profissional e que nos mostre provas cientificas, eticamente provadas do que defendem.

Por uma vez, deixem-se de cobardia, e aceitem este repto!

Mário Amorim

Quando lhes é perguntado, onde estão as provas cientificas, simplesmente não respondem

Nos anos em que estive no Facebook, recebi imensas mensagens privadas que diziam: Mário, não vês que o touro não sofre. Não vês que o touro nasceu toureado. Mário, queres que os touros se extingam com o fim das touradas?
– Então respondia, perguntando: onde estão provas cientificas que me provem o que disseste? –Mas não quero que me venhas com o Ilhera ou outras idênticas. Quero provas sérias. Quero provas ético-cientificas!
Os dias iam passando e nada. Não me respondiam. E nem nunca me responderam!

Ainda hoje, espero ver provas cientificas do que alegam, que tenham sido eticamente provadas. E claro, que tenham sido publicadas numa revista cientifica.

Ainda hoje, espero ver na televisão um debate sério, ético e cientifico, sobre a tauromaquia. Mas sei que nunca verei, pois se há algo que eles recusam e recusarão sempre, é um debate sério, ético e cientifico, na televisão!

Mário Amorim