Ele tentava fugir Crocodilo explorado por circo morre congelado e tratador alega “falta de inteligência” do animal

Foto: Niroot Sampan

Um crocodilo de seis anos de idade que era explorado por um circo morreu na Rússia enquanto era transferido de uma cidade para outra. As informações são do Travel Aol UK.

O animal estava sendo movido de Vladivostok para Chita, uma jornada de aproximadamente 33 horas pela estrada, quando o veículo que o transportava quebrou.

O crocodilo mordeu o recipiente de isopor onde o colocaram e ficou subsequentemente exposto a temperaturas congelantes, segundo reportagem do Siberian Times.

O tratador Sergey estava viajando com o réptil no momento do incidente.

Conforme ele relatou, a temperatura era de – 7°C fora do caminhão. Dentro dele havia tigres, leões e macacos, e os répteis estavam dentro de um recipiente de isopor que ele colocou nos bancos traseiros do carro.

Ele conta que o crocodilo abriu um orifício no fundo da caixa e, como resultado, eles não foram capazes de ver o que havia acontecido.

Sergey sugeriu que o animal pereceu “por falta de inteligência”.

“Ele foi para fora mas não teve inteligência para voltar (sic). As cobras python estavam com ele na caixa térmica. Elas continuaram quietas e nada lhes aconteceu”, argumentou o tratador.

“O crocodilo tinha um metro e meio de comprimento. Eu repito, nós tomamos todas as precauções necessárias: a cada 200 quilômetros eu estava repondo água quente no recipiente. Ele não teria morrido se não tivesse escapado…foi apenas uma infeliz coincidência. Um réptil é um réptil, eles não têm cérebro”, acrescentou Sergey.

De acordo com a reportagem, nenhum outro animal foi afetado durante o percurso.

Sergey mencionou que baixas temperaturas tem sido um problema significativo, uma vez que os crocodilos geralmente devem ser mantidos em áreas com temperatura em torno de 30° C.

“Eu trabalho em circos há quarenta anos, e vi coisas diferentes acontecerem. Qualquer tratador tem medo de transportar esses animais, pois tudo pode acontecer”.

Segundo o Moscow Times, há 33 circos e 42 “halls de perfomance” na Rússia, sendo que só os circos itinerantes tiveram uma receita de 21 milhões de dólares na temporada de 2014 a 2015.

Nota da Redação: Para falar sobre mais essa tragédia envolvendo animais explorados por circo, é conveniente citarmos J.M.Coetzee, em seu livro A Vida dos Animais, referindo-se a animais confinados: “A questão que realmente o ocupa, como ocupa qualquer outro animal aprisionado, é a seguinte: onde está a minha casa e como chego lá?”. Esse crocodilo apenas estava querendo voltar para a sua casa, como o querem todos os animais presos no inferno de uma jaula de um circo, de um laboratório ou de um matadouro.

 Fonte: ANDA
Anúncios