Crianças educadas na violência

Aparte

Basta só procurarem aqui no meu blog, inúmeros artigos sobre crianças educadas na violência, e os perigos que existem, ao se educar crianças desta maneira.

Educar crianças na violência, como é o caso da tauromaquia, prejudica gravemente o bem-estar psicológico das crianças.

Ao serem educadas desta maneira, elas vão aprender, como se tornarem psicopatas.

Ou seja; as crianças educadas na violência, como é o caso da tauromaquia, são futuros psicopatas. Vão, por isso, mais tarde, representar um perigo para a sociedade.

Mas o que também me indigna, é o facto, da protecção de crianças e jovens em Portugal, ignorar isto, e não proibir que crianças e jovens, sejam educadas na tauromaquia, como de resto a UNESCO já recomendou!

Mário Amorim

Anúncios

A “EDUCAÇÃO” DE UMA PARCELA DE CRIANÇAS PORTUGUESAS PASSA PELA TAUROMAQUIA

Com o aval do governo português e de progenitores irresponsáveis

CRIANÇA NA TOURADA.jpg

Levam as crianças a assistirem a estes espectáculos degradantes e violentos! Exemplos de pais que não formam devidamente os filhos para que amanhã não se volte a ver a arena tingida de sangue e um touro exausto, ferido, dorido às mãos de quem ainda vive nos tempos medievais! (Paulo Serrão)

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10207562449249103&set=o.140617089292623&type=1

***

Respondo-lhe à letra, F. Brazão? (I.A.F.)

Fonte: Arco de Almedina

PAN APRESENTA QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E JOVENS NA ACTIVIDADE TAUROMÁQUICA

fe8bfc1b99c9ede76699e9aaec65452f_XL PAN.jpg

Lisboa, 29 de Abril de 2015 – O PAN – Pessoas-Animais-Natureza acaba de apresentar uma queixa ao provedor de justiça no âmbito da aprovação da Proposta de Lei n.º 209/XII (3ª), expondo as suas preocupações com a compatibilidade daquele diploma com os direitos fundamentais intrínsecos das crianças.

Segundo aquele diploma, as actividades de artista tauromáquico e auxiliar podem ser exercidas por menores de 18 anos e por crianças menores de 16 anos mediante autorização da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco. Comissão, essa que, a par de outras entidades, reconheceu que a actividade tauromáquica “pode colocar em perigo crianças e jovens” (in Circular n.º 4/2009).

A Amnistia Internacional emitiu parecer no mesmo sentido. Mais expressivo ainda, é o parecer da Comissão de Regulação do Acesso a Profissões, que recomendou que, tendo a legislação fixado a escolaridade obrigatória até aos 18 anos, então também só deveriam participar neste tipo de actividades indivíduos cuja escolaridade obrigatória esteja já cumprida. Para além disso, a idade mínima de 16 anos corresponde à idade mínima de admissão ao trabalho subordinado (n.º 2 do art. 68.º do Código do Trabalho).

«A tourada é uma actividade violenta e, como tal, deve estar sujeita às mesmas restrições etárias que outras actividades de natureza artística e outros divertimentos públicos considerados violentos. Nomeadamente, não faz sentido proibir um menor de 18 anos de assistir a um filme de ficção no cinema, mas depois permitir que uma criança de 12 anos esteja envolvida na morte de um animal, seja por frequentar a escola de toureio, seja por assistir à morte de um animal para mero entretenimento de quem assiste», defende André Silva, porta-voz do PAN.

Diversos estudos a que o PAN recorreu para elaborar a queixa ao provedor confirmam que a exposição das crianças a violência explícita provoca efeitos significativos no seu desenvolvimento, donde resulta a necessidade de proteger os menores de tais impactos, como manda a Constituição.

No que diz respeito especificamente ao trabalho infantil, o Comité de Direitos da Criança, já expressou a sua preocupação ao referir que «O Comité (…) continua profundamente preocupado com o envolvimento persistente de crianças em trabalhos perigosos e/ou degradantes como o trabalho agrícola em culturas ilegais, tráfico de drogas, mineração ilegal e touradas».

Face ao exposto, o PAN conclui que o diploma em causa enfrenta uma série de constrangimentos legais nacionais e internacionais mas, mais importante que isso, efectivamente revela uma desconsideração pelos direitos fundamentais das crianças a um desenvolvimento saudável.

Importa ainda referir que, no âmbito do supra mencionado processo legislativo, foram ouvidas as seguintes entidades: Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide; Associação Nacional dos Grupos de Forcados; Associação Nacional de Toureiros Portugueses; Associação Nacional de Empresários Taurinos; Secretário de Estado da Cultura e Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados.

Não foi ouvido um único representante dos direitos das crianças, o Comité dos Direitos da Criança da ONU, assim como não foi ouvida nenhuma ONG que defenda os direitos de animais humanos e não humanos.

Fonte:

http://www.pan.com.pt/comunicacao/noticias/item/573-provedor.html

***

Apenas umas dúvidas:

Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide; Associação Nacional dos Grupos de Forcados; Associação Nacional de Toureiros Portugueses; Associação Nacional de Empresários Taurinos são ENTIDADES de quê?

O secretário de estado da cultura acima mencionado é secretário de estado de que CULTURA?

Não foi ouvido um único representante dos Direitos das Crianças, o Comité dos Direitos da Criança da ONU, assim como não foi ouvida nenhuma ONG que defenda os direitos de animais humanos e não humanos, porquê?

Fonte: http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/pan-apresenta-queixa-ao-provedor-de-541332

SENHORES GOVERNANTES, EM VEZ DE APOIAREM ANTROS DE VIOLÊNCIA (VULGO “ESCOLAS” DE TOUREIO) PARA CRIANÇAS E JOVENS, APOIEM ESCOLAS DE MÚSICA

ISTO É A VERDADEIRA CULTURA. É ARTE. É A SUBLIMAÇÃO DA EXISTÊNCIA HUMANA

***

Ao contrário deste cisqueiro para onde lançam crianças, arrancando-lhes a inocência da infância.

OS PASPALHINHOS.jpg

campo pequeno (Lisboa): numa das mais cruéis modalidades tauromáquicas – a chamada “corrida de touros à portuguesa”

Atente-se nas expressões tristes, contrariadas e acabrunhadas destas crianças, forçadas a fantasiarem-se de paspalhinhos e a entrarem numa arena de tortura de bovinos, e fazerem uma figurinha de meter dó, de tão triste e anormal que é.

E depois não querem que se diga que isto é um crime.

Fonte: http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/senhores-governantes-em-vez-de-apoiarem-513369