CONTEÚDO ANDA Golfinho foge de aquário, reencontra a família e tem bebê em liberdade

Reprodução/Care2

Defensores dos animais só têm a comemorar:  uma golfinho fêmea que escapou do cativeiro não só encontrou sua família e sobreviveu, mas acaba de ser vista com seu filhote.

Acredita-se que Sampal tinha 10 anos quando ficou acidentalmente presa em uma rede de pesca ao largo da costa da Coreia do Sul. Ela deveria ter sido imediatamente liberada, mas ao invés disso foi vendida ilegalmente ao aquário Pacific Land, onde passou cerca de três anos sendo forçada a participar de espetáculos para conseguir comida.

O prefeito de Seul e o Supremo Tribunal coreano intervieram e ordenaram que Sampal e seus dois companheiros, Jedol e Chunsan, fossem devolvidos ao oceano, segundo o Care2.

Em maio de 2013, eles ficaram sob os cuidados de uma equipe da Associação coreana de Bem- Animal, Universidade Ewha e o Centro de Pesquisa de Cetáceos que iriam prepará-los para a liberação eventual. Ric O’Barry, fundador e diretor do Projeto Golfinho, também foi convidado para ajudá-los.

Os golfinhos deveriam ser libertados durante o verão, mas quando um buraco rasgou rede de proteção, Sampal viu uma oportunidade e saiu em busca de sua liberdade.

Seus cuidadores estavam preocupados se ela iria sobreviver, mas ela foi flagrada dias depois entre cerca de 50golfinhos que se acredita serem a família da qual ela foi arrancada.

Agora, os defensores de golfinhos estão comemorando depois que Sampal foi vista por pesquisadores que confirmaram sua reintegração na natureza e a chegada de seu próprio bebê.

Fonte: ANDA

Anúncios

Cidade de Seul deverá contratar 1.000 agentes de monitoramento de direitos animais até 2020

Foto: Seoul Metropolitan Office~
Cidade de Seul mostra avanços na implantação de medidas em prol dos animais domésticos. Foto: Seoul Metropolitan Office

A cidade de Seul (Coreia do Sul) está planejando contratar 1.000 pessoas para serem agentes de monitoramento de direitos animais até 2020, de acordo com uma declaração apresentada em um debate aberto no dia 12 de maio. As informações são do Korea Biz Wire.

Os planos da cidade até esta data também incluem o desenvolvimento de mais cinco parques para animais, bem como o registro de mais de 600 mil animais domésticos, a castração de 10 mil gatos em situação de rua, além da realização de seminários sobre direitos animais para 50 mil cidadãos.

Segundo a reportagem, deverão ser introduzidas outras medidas para evitar o abandono, enquanto se buscará aumentar o financiamento de programas focados em direitos animais.

O número de animais em situação de abandono em Seul diminuiu em 48,7 %, de 18.624 em 2010 para 9.551 em 2014. No entanto, apenas 29 % deles foram adotados. Dos demais que não conseguiram lares, 34% tiveram a morte induzida e alega-se que 14% tenham tido morte “natural”.

Fonte: ANDA