COMPAIXÃO Filhote de elefante órfã é resgatada e sorri com gratidão ao perceber que está em segurança

Seus pais haviam morrido e, além de sozinha e assustada, ela estava muito ferida embaixo do rabo pois foi atacada por hienas

Uma filhote de elefante, com cerca de nove a 10 meses de idade, foi encontrada perambulando sozinha no meio da área de conservação ambiental de Namunyak, no Quênia. Batizada de Sana Sana, ela rondou um acampamento na região, pedindo ajuda, por várias noites consecutivas.

Só depois que uma equipe da organização de proteção animal The David Sheldrick Wildlife Trust foi acionada e enviada para resgatá-la, eles descobriram o porquê do pedidos de ajuda: a bebê elefante tinha sido atacada por hienas e estava gravemente ferida embaixo do rabo.

Neste momento, os protetores já estavam quase certos de que, caso eles não salvassem o animal, ele provavelmente não aguentaria muito mais tempo vivendo à própria sorte na selva. Sana Sana já estava tão exausta e esgotada que demonstrou pouca resistência ao processo de resgate.

Mas foi quando ela foi colocada no avião, segura e envolta em cobertores quentes, que qualquer resquício de dúvida sobre a atitude ter sido ou não a melhor, simplesmente desapareceu. Sana Sana fechou os olhos com tranquilidade e esboçou uma espécie de sorriso de gratidão ao perceber que já não precisaria mais se esforçar tanto para sobreviver sozinha – estava em segurança agora.

A filhote foi levada ao Kakura Park Forest, na capital do Quênia, Nairóbi. Assim que chegou, sua idade foi identificada e, junto com ela, o fato de que ela ainda era muito dependente do leite. Pelas condições físicas, provavelmente passou muitos dias sem se alimentar de uma forma geral.

Os cuidadores ficaram preocupados com sua condição mental, já que é natural que elefantes passem por um período de luto após a perda de entes queridos. A bebê foi tão forte que precisou guardar todo o sofrimento para ela e, em vez de lamentar, foi sozinha em busca de ajuda.

Felizmente, com a ação da equipe da The David Sheldrick Wildlife Trust, ela não precisará mais se preocupar com isso. Ela vive agora junto com outros muitos elefantes e já encontrou muitos novos amigos que estão mais do que ansiosos para se tornarem sua segunda família; as fêmeas mais velhas do grupo estão tomando conta dela com muito carinho.

Fonte: ANDA

Anúncios

COMPAIXÃO Elefanta pede para cuidadora cantar “canções de ninar” para seu filhote

A ANDA esquece-se permanentemente que nós, seres humanos, também somos animais, somos animais-humanos.


 

A interação de Faa Mai, por mais singela que tenha sido, foi também uma maneira de lembrar a todos do quanto temos em comum com os animais

Era mais um dia comum para a cuidadora e fundadora da Fundação Salve Elefante, Lek Chailert, até que ela foi interrompida de seu trabalho por uma elefantA resgatada. O animal foi tão enfático no pedido de atenção que inclusive enrolou sua tromba em Chailert.

O que a elefantA Faa Mai queria era que Lek cantasse uma cantiga de ninar para seu filhote adotivo, Thong Ae. Como se a cuidadora não tivesse nada mais importante naquele momento para fazer além de agradar o filhotinho.

Parece um acontecimento inusitado, mas é muito mais comum do que imaginamos. Elefantes são animais muito sociáveis e inteligentes, e formam laços muito fortes com os mais novos e até mesmo velam os mortos.

A interação de Faa Mai, por mais singela que tenha sido, foi também uma maneira de lembrar a todos do quanto temos em comum com os animais e o quanto eles precisam viver suas vidas livres de qualquer tipo de exploração – assim como nós, seres humanos.

Todos os anos, centenas de turistas visitam o Parque Natural dos Elefantes, e ajudam a cuidar dos elefantes como voluntários – em vez de montá-los ou assistir alguma performance abusiva apresentada por eles.

Apesar de ser um trabalho voluntário, as recompensas são muito valiosas: a experiência de cuidar dos animais promove compaixão, educa o público e tem criado uma mudança significativa na forma em que os animais são tratados na Tailândia e até mesmo no resto da Ásia.

Fonte: ANDA

COMPAIXÃO – SENTIMENTO COMUM A TODOS OS SERES SENCIENTES

«É bem evidente que este cavalo sentiu compaixão pelo touro ensanguentado e já ajoelhado no chão, sem forças para se erguer.

Sim, os animais também podem sentir compaixão. Não é por acaso que eles acolhem e cuidam até de animais de espécie diferente.

Este impressionante momento entre cavalo e touro, é arrepiante, e devia ser um aguilhão na consciência dos homens, que estes dois seres sencientes e sofridos parecem interrogar.» (Maria João Gaspar Oliveira)

SENCIÊNCIA ANIMAL.jpg

Fonte:

https://www.facebook.com/1557855044442398/photos/a.1858361251058441.1073741828.1557855044442398/1858373357723897/?type=3&theater

Fonte: Arco de Almedina

Os pró-tourada sabem o que é compaixão?

Não. Os pró-tourada não fazem ideia o que é a compaixão. Se não, não aceitariam o sofrimento de outros seres sensíveis. Pois a compaixão é não querer que outros seres sensíveis sofram e nem as causas do sofrimento.

Depois afirmam que não querem que o touro e o cavalo sofram, na praça de touros. Mas eles querem o quê. Querem fazer de nós parvos?!
— Se eles não quisessem o sofrimento do touro e do cavalo, não iriam a uma praça de touros, para ver o sofrimento físico e psicológico deles, e para aplaudirem e gritar vivas e olés a esse sofrimento. Por tanto; o que eles afirmam é hipócrita.

Os pró-tourada, são seres sem nenhuma compaixão, caso contrário, seriam contra e não a favor da tauromaquia.

Mas ao contrário deles, anti-tourada, somos seres com compaixão no coração.
Não queremos e nem aceitamos o sofrimento do touro e do cavalo, nas praças de touros.

Para terminar este curto texto, vou dizer que está mais do que na hora dos pró-tourada porem a mão na consciência, e perguntarem a eles próprios, se é certo estarem do lado da selvajaria tauromáquica. Se não deveriam era estar do lado de quem é contra a selvajaria tauromáquica. Se não deveriam estar do lado de quem luta contra a crueldade, física e psicológica, para com o touro e para com o cavalo!?

Mário Amorim

De vez em quando…

De vez em quando gosto de fugir completamente dos temas do meu blog. Acho, por tanto, que devo fazê-lo neste artigo. E vou fazê-lo com 6 vídeos. Três dos quais, de uma jovem brasileira que descobri há poucos dias no youtube. Mas convém dizer, que o primeiro e o sexto vídeos contêm tradução para português com legendas, bastando para isso, clicar em em baixo no envelope branco.

Não deixem de ver estes vídeos Maravilhosos e verdadeiros, até ao fim!

Compaixão Macaco adota cachorro como se fosse um filho e mostra que podemos aprender muito com os animais

Enquanto entre humanos ainda há gente preocupada tentando definir qual é exatamente o conceito de família, os animais nos mostram cada vez mais que para que uma família exista só é preciso muito amor. É o caso deste macaco, que adotou um cachorrinho de rua e cuida dele como se fosse o seu próprio filho.

Os dois vivem em Erode, na Índia, e chamaram a atenção da população local quando o macaco defendeu o filhote de outros cachorros de rua, mostrando sua afeição. Os moradores da região que assistiram ao ocorrido ficaram tão impressionados que ofereceram comida para a dupla. Foi nesse momento que o macaco deu uma nova lição de bondade, ao deixar o cachorrinho comer primeiro do que ele.

Quem vê essa inusitada família comenta que eles têm uma incrível afeição e laços muito fortes – e as fotografias abaixo só mostram o quanto isso é verdade. Vem ver e morrer de amores:

Foto: dinamalar.com

Foto: dinamalar.com

Foto: dinamalar.com

Fonte: ANDA