Volto a dizer, de que os forcados, não passam de um grupo de COBARDES

Imagem 12º

Volto a repetir o que disse ontem no vídeo e para o vídeo, que pode ser visto e lido AQUI, que é que os forcados são COBARDES.

Custa, não custa?-Paciência. Essa é a verdade. Os forcados são COBARDES, ponto.

Se não vejamos!
Numa arena de uma praça de touros, não enfrentam o touro em primeiro lugar. Enfrenta-no em último lugar.

O touro tem de estar embolado.
Tem de estar cravado de bandarilhas. Tem de estar a sofrer. Tem de estar mais morto do que vivo.
Só depois de estar assim, é que os forcados o enfrentam. E agora pergunto; que nome é que isto tem? -Isto chama-se COBARDIA. Eu sei que vos custa. Mas, temos pena. Vocês, forcados, não passam de um grupo de COBARDES.

E ainda vejamos!
Há algum vídeo, na Net, que mostre os forcados a enfrentar um touro que tenha as suas faculdades físicas e psicológicas intactas, em campo aberto, no campo? – Não há. Não há um único! -E agora pergunto; que nome é que isto tem? -Isto chama-se COBARDIA.

Os forcados acham-se muito valentes. Acham-se muito corajosos. Mas ninguém lhes fale a enfrentar um touro que tenha as suas faculdades físicas e psicológicas intactas. Borram-se todos!

O grupo de forcados, são COBARDES. Não passam de uns COBARDOLAS. E por muito que lhes custe, esta é uma inegável verdade!

Mário Amorim

Anúncios

Para quando um debate a sério sobre a tauromaquia em Portugal? Para quando o fim da cobardia dos defensores da tauromaquia, relativamente a um debate público a sério, na televisão, sobre a tauromaquia?

um-covarde-e-incapaz-de-demonstrar-amor-isso-e-privilegio-dos-corajosos-mahatma-gandhi

Ano após ano, o que lemos e ouvimos? -Ano após ano lemos e ouvimos os defensores da tauromaquia, afirmar:
-O Touro nasceu para ser toureado;
-O Touro gosta de ser toureado;
-O touro não sofre;
-Com o fim da tauromaquia, o touro vai extinguir-se.
E então deixo a pergunta: os defensores da tauromaquia têm provas cientificas e éticas que comprovem estas alegações? -Não, não têm!

Ano após ano, nós que somos contra a tauromaquia e lutamos contra ela, dizemos aos defensores da tauromaquia, que queremos um debate sério com eles, na televisão, para que eles nos apresentem provas cientificas e éticas, que cientifica e eticamente sustentem as afirmações a cima citadas. E ano após ano, os defensores da tauromaquia recusam um debate sério na televisão.

Esta atitude dos defensores da tauromaquia, é uma atitude que revela bem o VERDADEIRO PAVOR que eles têm, de debater seriamente connosco, a tauromaquia, na televisão.

Esta atitude dos defensores da tauromaquia, mostra bem que os defensores da tauromaquia, não passam de uma cambada de COBARDES!

Mário Amorim

O ano de 2016, vai ser o ano em que…

O Ano de 2016, vai ser o ano, em que os pró-tourada vão-se ver forçados a deixarem o medo de lado, e vão querer discutir connosco, anti-tourada, num programa de televisão, de uma forma séria, cientifica e ética. Até hoje, ano após ano, os pró-tourada, com um evidente medo, recusam este debate connosco. Mas a hora de o aceitar está a chegar.
É que em 2016, os pró-tourada, só vão ter duas opções:
– Ou põem o medo de um debate sério, cientifico e ético, connosco, num programa de televisão, numa gaveta, e nesse debate nos provam todas as suas alegações, com provas cientificas e éticas, com dados oficiais.
– Ou a tauromaquia será abolida já em 2016, em Portugal.

Os pró-tourada sabem muito bem, que a maioria dos portugueses sabem que eles não passam de uns cobardes. Se não vejamos; porque será que sempre que têm a chance de discutir connosco num programa de televisão, não levam com eles um único cientifico, que cumpra integralmente o seu código profissional, que nós prove todas as alegações deles sobre o touro? – É assim. É sempre assim, por pura e simples cobardia. Eles, cobardemente, preferem antes, como sempre, repetir as alegações de sempre, sem em momento algum as provar de acordo com a ciência e com a ética profissional. E de acordo com dados oficiais, provenientes de sites oficiais do Governo; das Câmaras Municipais e da União Europeia.

O ano de 2016, vai ser o ano da abolição da tauromaquia em Portugal. E com isso, vai ser o ano em que os pró-tourada, vão ser forçados a deixarem de ser cobardes!

Mário Amorim

Sei que ainda é cedo. Mas deixo aqui uma sugestão para daqui por 6 meses

Deixo aqui uma sugestão, para o dia 1 de Abril de 2016.
Escreverem-se artigos em sites, e em blogs, dizendo que os forcados são valentes e corajosos. Mas só mesmo no próximo dia 1 de Abril. Farei a minha parte, aqui no meu blog.

15 - 1

E depois, no dia seguinte, dia 2 de Abril, dizer que era uma mentira, do dia das mentiras. Pois a verdade é que os forcados, não passam de cobardes!

Pergunta aos falsos valentes!

Já que os falsos valentes, mostram o quão cobardes são, ao enfrentarem um ser sensível, que está cravado de bandarilhas, que está em sofrimento, que está mais morto do que vivo, e que tem os chifres embolados, porque não mostram a suposta valentia que têm, enfrentando búfalos africanos, que não estarão cravados de bandarilhas, que estarão num perfeito estado de saúde, e que não terão os chifres embolados??? -Mas sei que os supostos valentes não o farão. Pois quem é cobarde e não enfrenta um touro sem estar cravado de bandarilhas, e sem ter os chifres embolados, mais cobarde é, tratando-se do búfalo africano!

Mário Amorim

Os falsos valentes!

Os falsos valentes; os forcados, acham-se muito valentes.
Quando ouço ou leio os falsos valentes, afirmarem que são muito valentes, tenho quase um ataque de riso.
Os forcados; valentes??? –Mas desde quando???!!!
Se não vejamos.
Atacam um ser sensível, que está cravado de bandarilhas e em sofrimento. Um ser sensível que está mais morto do que vivo. E que tem os chifres embolados.
Depois, acham-se muito valentes!

Os forcados poderiam apelidar-se de valentes, se enfrentassem o touro, sem estarem cravados de bandarilhas, e sem terem os chifres embolados.
Mas não é isso que na realidade acontece. Logo, os forcados, de valentes, não têm absolutamente nada. Os forcados são, isso sim, um bando de cobardes!

Mário Amorim