MAUS-TRATOS Elefante cai em cima da plateia durante apresentação de circo na Alemanha

Em nota pública, porta-voz do circo Krone disse que o comportamento é “comum”, mas organizações em defesa dos animais alertam para o perigo e a crueldade da exploração para entretenimento de pessoas

Um vídeo em circulação nas redes sociais capturou o momento em que um elefante caiu do palco em cima de uma multidão durante uma apresentação do Circo Krone, na Alemanha. O animal que sofreu o acidente, Tompteusen, aparentemente saiu ileso. Mas outros dois elefantes, também explorados no espetáculo, precisaram ajudar o animal caído a se levantar – ele estava tão exausto que não conseguia se colocar de pé sozinho.

Passado o momento de pânico, os treinadores subiram no palco e controlaram a situação, relatando em entrevista a um jornal local que aquele comportamento dos elefantes era “comum”. No entanto, muitas organizações e pessoas em defesa dos direitos animais discordam dessa afirmação.

“Inúmeras vezes vimos que manter animais selvagens em cativeiros e forçá-los a realizar truques sem sentido pode fazer com que desenvolvam comportamento neurótico e depressão”, comenta Elisa Allen, diretora da People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) UK, sobre o incidente no Circo Krone.

“Evidências científicas nos dizem que suas necessidades nunca serão atendidas em um circo, por isso não é surpreendente quando eles simplesmente ‘surtam’ após anos encarcerados e abusados ​​nas mãos de treinadores cruéis armados com anzóis”, ela completa.

A ONG PETA não foi o único grupo a se pronunciar publicamente sobre o terrível acontecimento. A Animal Defenders International, do Reino Unido, e outras organizações ao redor do planeta, interessadas no bem-estar dos animais, estão exigindo que os governos em todo o mundo proíbam a exploração deles nestes atos.

De acordo com o presidente da ADI, Jan Creamer, “explorar animais selvagens em circos é uma receita para o desastre, colocando os animais e o público em perigo. A ADI apela aos governos em todo o mundo para acabar com os atos de animais selvagens urgentemente e acabar com o sofrimento”.

Os elefantes e os outros animais selvagens que geralmente são explorados por circos vivem em péssimas condições: suas acomodações são muitas vezes apertadas, eles não recebem comida ou cuidados veterinários, e os métodos usados ​​para treiná-los para realizar os truques para o entretenimento do público são, na maior parte das vezes, bárbaros e cruéis.

Animais que crescem em circos são arrancados de suas mães muito antes do que deveriam. As torturas mentais e físicas que eles sofrem, combinadas com o risco para o público – como este show em Osnabrück demonstrou – significam que precisamos lutar contra a exploração e optar por eventos livres de crueldade.


Momento em que o elefante cai, e os dois outros companheiros tentam ajudá-lo

Essa não foi a primeira vez que o circo Krone teve problemas com elefantes. Há cerca de um mês, outro animal tentou escapar durante uma apresentação e, por um tempo, conseguiu desfrutar do gosto da liberdade. “A elefante, chamada Quênia, surpreendeu os moradores de Neuwied, no oeste da Alemanha, enquanto caminhava por bairros e interrompia o trânsito em ruas movimentadas”, relatou a PETA em junho. Infelizmente, ela foi capturada em pouco tempo e levaram-na de volta para o circo, acabando com os seus poucos minutos livre.

O lugar dos animais é na natureza, agindo conforme seus instintos e, não, dentro de gaiolas ou espaços apertados, sendo obrigados a terem comportamentos que são completamente absurdos para eles. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

Fonte: ANDA

Nota: O sublinhado é da minha responsabilidade!

 

 

Anúncios